Murilo Mendes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Murilo Mendes
Retrato de Murilo Mendes por Ismael Nery, 1922 (coleção particular)
Nome completo Murilo Monteiro Mendes
Nascimento 13 de maio de 1901
Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil
Morte 13 de agosto de 1975 (74 anos)
Lisboa, Portugal
Nacionalidade Brasileiro
Ocupação Poeta e prosador
Prêmios Prêmio de Poesia da Fundação Graça Aranha (1930)

Prêmio Internacional de Poesia Etna-Taormina (1972)

Escola/tradição Surrealismo
Religião Católica
Assinatura
Murilo Mendes literatura brasileira.jpg

Murilo Monteiro Mendes (Juiz de Fora, 13 de maio de 1901Lisboa, 13 de agosto de 1975) foi um poeta, prosador e crítico de artes plásticas brasileiro, católico expoente do surrealismo no movimento modernista brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido na cidade de Juiz de Fora, no estado de Minas Gerais, em 13 de maio de 1901, aniversário da abolição da escravidão no Brasil pela Lei Áurea (assim ele gostava de assinalar)[1], Murilo Mendes é filho de Onofre Mendes, funcionário público, e Elisa Valentina Monteiro de Barros. No dia 20 de outubro de 1902, sua mãe, "afeiçoada ao canto e ao piano, morre de parto com vinte e oito anos".[2] Casou-se, então, o seu pai com Maria José Monteiro ("Minha segunda mãe, Maria José, grande dama de cozinha e salão, resume a ternura brasileira. Risquei do vocabulário a palavra madrasta.").[3]

Em Juiz de Fora, fez seu curso primário e parte do curso ginasial no Colégio Moraes e Castro, no Colégio Malta e na Academia de Comércio.[4] Presenciou, em 1910, a passagem do cometa Halley, que o conduziu para a poesia.[5] Em 1916, ingressou na Escola de Farmácia de Juiz de Fora, a qual abandonou decorrido um ano apenas.[6] Como aluno interno, estudou no Colégio Santa Rosa, em Niterói. Irregular e indisciplinado, fugiu para, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, assistir a dois espetáculos de Diaguilev e ver Nijinski dançar.[7][8] Por toda a sua vida, Wolfgang Amadeus Mozart foi o músico preferido.[9]

Entre 1917 e 1921, devido a várias tentativas da família de conseguir-lhe um trabalho, foi empregado como telegrafista, prático de farmácia, guarda-livros, funcionário do cartório do pai, professor de francês em um colégio de Palmira (atual Santos Dumont) e, mudando-se para o Rio de Janeiro com o irmão mais velho, trabalhou como arquivista na Diretoria do Patrimônio Nacional, subordinado ao Ministério da Fazenda.[10] Nesse órgão público, Murilo Mendes conheceu, em 1921, Ismael Nery, desenhista da seção de arquitetura e topografia, tornando-se grandes amigos.[11][12] Contudo, o poeta continuou a buscar, sem vocação, ocupações várias, desde funcionário do Banco Mercantil, escrevente no cartório de seu primo Aníbal Monteiro Machado, inspetor federal de ensino secundário até escrivão da 4a Vara da Família do Distrito Federal.[13]

A morte prematura de Ismael Nery, em 1934, provocou em Murilo Mendes uma crise religiosa, a qual o converteu ao catolicismo.[14][15] Na edição Tempo e Eternidade (1935) escreveu um poema em homenagem ao amigo.[16] A influência de Ismael fez Murilo ainda publicar, entre junho a dezembro de 1948, no suplemento Letras e Artes do Jornal A Manhã, artigos com o título Recordação de Ismael Nery.

Em 1938, quando Salzburgo foi tomada na Segunda Guerra Mundial pelos alemães, Luciana Stegagno Picchio, amiga e organizadora da extensa obra de Murilo Mendes, indica um episódio paradigmático de seu caráter singular: Murilo "telegrafa a Hitler o seu protesto em nome de Wolfgang Amadeus Mozart".[17]

Devido à tuberculose, passou um período de convalescença na pensão em que habitou, transferindo-se, em 1943, ao Sanatório Boa Vista, em Corrêas, no Município de Petrópolis.[18][19] Em 1947, casou-se com a poeta e a tradutora portuguesa Maria da Saudade Cortesão, filha de Jaime Cortesão, escritor e historiador português exilado no Brasil.[20] Fixou o casal, inicialmente, o domicílio no Rio de Janeiro.

Viajou, a turismo, para a Espanha em 1952.[21] No ano seguinte, esteve novamente na Espanha como professor visitante na Universidade de Madri.[22] Em 1953, proferiu, na Sorbonne, palestra sobre Jorge de Lima, amigo cuja morte ocorrera há pouco.[23] Entre 1953 e 1955, ministrou conferências nas Universidades de Bruxelas, Louvain, Amsterdam e Paris sobre temas de cultura brasileira. Mudou-se para a Itália em 1957, contratado pelo Departamento Cultural do Itamaraty, a fim de exercer a função de professor de literatura brasileira na Universidade de Roma, desenvolvendo ainda curso idêntico na Universidade de Pisa.[24] Instalaram-se o poeta e sua esposa no domicílio definitivo situado, em Roma, na Via del Consulato 6.[25][26]

Murilo Mendes faleceu por problemas cardíacos no dia 13 de agosto de 1975, na casa do seu sogro, Jaime Cortesão, em Lisboa.[27] Foi sepultado no Cemitério dos Prazeres.[28]

Após a morte de Murilo Mendes, ocorreram diversas manifestações. Entre elas, dois meses após o falecimento, o pintor Pasquale Santoro promoveu, na Itália, evento em sua homenagem. No Museu de Arte de São Paulo, Pietro Maria Bardi organizou, em 1980, a Exposição Brasil-Itália, tendo salas especiais denominadas "Um Poeta Brasileiro na Itália - Murilo Mendes" e "Um Poeta Italiano no Brasil - Giuseppe Ungaretti".[29] Em Lisboa, com a contribuição de Maria da Saudade Cortesão e João Nuno Alçada, a Fundação Calouste Gulbenkian realizou, em 1987, a exposição "Murilo Mendes - O Olhar do Poeta".[30]

A Murilo Mendes o reconhecimento também o alcançou em poesia. Na bela Carta de Natal a Murilo Mendes, sua amiga Sophia de Mello Breyner Andresen enviou: "Querido Murilo: será mesmo possível / Que você este ano não chegue no verão / Que seu telefonema não soe na manhã de Julho / Que não venha partilhar o vinho e o pão".[31] A cordialidade e o carisma de Murilo deixaram, junto à sua obra artística, inúmeros amigos.

Fortuna Crítica[editar | editar código-fonte]

Capa da obra Poesias, de 1959

Em sua Apresentação da Poesia Brasileira, Manuel Bandeira assinala que Murilo Mendes "é talvez o mais complexo, o mais estranho e seguramente o mais fecundo poeta desta geração".[32] Incorporando o surrealismo e o catolicismo, a sua obra destaca-se no modernismo brasileiro.

Murilo Mendes publicou o seu primeiro livro, Poemas, em 1930, o qual seu pai custeara em Juiz de Fora.[33] Por ele recebeu, no mesmo ano, o Prêmio de Poesia da Fundação Graça Aranha.[34] No ano seguinte, 1931, publicou o auto Bumba-meu-poeta. Em 1932, foi publicado o livro de poemas-piadas História do Brasil, os quais, por considerar o poeta que "destoam do conjunto da minha obra", excluiu da obra completa Poesias, editada em 1959.[35] Poesias reuniu a produção literária de Murilo Mendes entre 1925 a 1955, excluindo também O Sinal de Deus (1936), edição de poemas em prosa que havia sido retirada do mercado.[36] Luciana Stegagno Picchio, em sua História da Literatura Brasileira, observa que, meticuloso, "em torno do núcleo primitivo (Poemas e Bumba-meu-poeta, 1930)" constituiu Murilo uma "obra coerente como poucas", "por círculos concêntricos".[37]

A mais próxima biógrafa de Murilo Mendes, Laís Corrêa de Araújo, nota que o primeiro livro, Poemas (1930), foi publicado posteriormente à Semana de Arte Moderna, acontecimento do modernismo brasileiro ocorrido em 1922. É questionável o intervalo por volta de oito anos da Semana de 22 até à edição de Poemas. Entretanto, verifica a sua biógrafa que "não seria o mero fato de um distanciamento geográfico do escritor do eixo das operações renovadoras (São Paulo - Rio de Janeiro) - pois já residia no Rio em 1920" e que "em 1922 tinha Murilo vinte e um anos, uma idade portanto psicologicamente propícia às contestações, à rebeldia".[38] Colocando à parte o desvio do livro História do Brasil, Laís Corrêa de Araújo apresenta a justificação de que, ainda que adotando o verso livre, as "ideias filosóficas", as "preocupações estéticas" de Murilo Mendes já não repercutiam os movimentos de 1920 a 1930.[39] No poema emblemático Mapa, que pertence ao livro Poemas, lê-se Murilo afirmando que "tudo é ritmo do cérebro do poeta. Não me inscrevo em nenhuma teoria". Alceu Amoroso Lima, em carta à biógrafa, escreveu, com agudo senso crítico, que Murilo Mendes nunca foi um "homem de rebanhos".[40]

Porém, em 1934, um importante evento marcou Murilo Mendes. A morte do amigo Ismael Nery converteu Murilo Mendes ao catolicismo. Com a colaboração de Jorge de Lima, publicou então o livro Tempo e Eternidade (1935). E, a contar deste ponto, surgiu um poeta "inserido na situação angustiosa do homem dividido entre a constatação de uma potencialidade redentora (Deus) e a sua impotência e desamparo do degredado (homem-pecador)".[41] No poema A Ceia do Poeta, pertencente a Tempo e Eternidade, vê-se Murilo a considerar Deus na terra: "Diante do prato em que apenas toquei / Medito no dia em que multiplicaste pães e peixes, / Tu que sacias a fome e a sede do universo". Por outro lado, na obra A Poesia em Pânico (1937), o poeta confessa em A Danação sua dificuldade: "Há fortes iluminações sem permanência. / A parte da Graça é tão pequena / Que me vejo esmagado pelo monumento do mundo". No livro Mundo Enigma (1945), o poema Emaús expõe também Murilo sem conseguir desvendar Deus: "Sempre és o hóspede - nunca és o rei. / Muito mais derrotado que vitorioso. / Quando chegas e bates ao meu coração / Eu não te reconheço - há luz demais -". Murilo Mendes mostra-se uma pessoa não conformada com este mundo.

Um depoimento das memórias de Alceu Amoroso Lima retrata o aspecto particular de Murilo Mendes, já convertido, o qual ocorreu no início da década de 30. Murilo aceitou, por volta deste período, o convite de Alceu para ingressar no movimento Ação Católica. Depois de seis meses, retirou-se. Murilo, educadamente, desculpou-se a Alceu:

"Só me sinto católico entre os não-católicos. Desejo, por isso mesmo, ficar apenas na Conferência Vicentina, por ter apenas de lidar com os pobres."[42]

No Rio de Janeiro, antes de sua mudança para Roma, Murilo Mendes fez amizades com escritores e artistas brasileiros. Frequentando o Mosteiro de São Bento, relata, em Retratos-relâmpago (1973), curioso diálogo com Graciliano Ramos.[43] Data dessa época os retratos de Murilo pintados por Alberto da Veiga Guignard, um em 1930 e outro em 1931,[44] e Candido Portinari.[45][46] Um amigo que se aproximou de Murilo Mendes foi João Cabral de Melo Neto. O primeiro encontro deu-se, em 1940, no Rio de Janeiro, na pensão onde morou Murilo, localizada na Rua Marquês de Abrantes, no bairro do Flamengo.[47][48] Como diplomata, João Cabral estabeleceu laços estreitos com Murilo ao longo do exercício de seu serviço público em Barcelona e Sevilha.[49][50]

Albert Camus, Maria da Saudade Cortesão e Murilo Mendes no Rio de Janeiro, em 1949

Durante sua vida, tendo conhecido, no Brasil, Arpad Szenes e Maria Helena Vieira da Silva, casal de pintores que deixou a Europa para o Rio de Janeiro entre 1939 e 1947, George Bernanos, escritor exilado da França de 1938 a 1945, Le Corbusier, arquiteto francês, e Albert Camus, que esteve no Brasil para uma turnê de conferências em 1949,[51] na Europa, a partir de 1952, Murilo Mendes entrou em contato com vários novos artistas estrangeiros. Podem ser citados exemplos como: Giuseppe Ungaretti,[52] Alberto Magnelli,[53] Ruggero Jacobbi,[54] Giorgio De Chirico,[55] Eugenio Montale, Rafael Alberti,[56], Jorge Guillén, Ezra Pound,[57] Sophia de Mello Breyner Andresen, António Ramos Rosa, Jorge de Sena, Mário Cesariny, Vitorino Nemésio, Joan Miró,[58] Marc Chagall, André Breton e René Char (esses dois últimos quem Murilo visitou em Paris de 1952 a 1953).[59][60] A propósito, o surrealismo originário de André Breton e atribuído ao poeta "passa por estas amizades, embora existisse na base uma predisposição ao 'surreal', antes ou além das modas e dos credos de escola".[61] Em carta endereçada, em 1949, a Francis Picabia, ilustrador de sua obra Janela do Caos, Murilo expressou a sua visão do surrealismo:

"[...] Não sou um surrealista ortodoxo, mas devo confessar que o surrealismo sempre exerceu sobre mim um grande fascínio. Acho que há muita surrealidade mesmo em certos clássicos; que há um estado surrealista na vida, um estado que com frequência se esconde, mas que todavia se revela em toda sua estranheza e angústia. Esse estado transparece inevitavelmente em meus poemas. [...]."[62]

Em carta para Laís Corrêa de Araújo, Murilo Mendes declarou essa posição insólita sua:

"Eu tenho sido toda a vida um franco-atirador. Procuro obedecer a uma espécie de lógica interna, de unidade apesar dos contrastes, dilacerações e mudanças; e sempre evitei os programas e manifestos."[63]

É relevante também mencionar que o surrealismo de Murilo Mendes uniu, fortemente, a sua poesia com o elemento plástico. João Cabral de Melo Neto afirmou que "sua poesia me foi sempre mestre, pela plasticidade e novidade de imagem. Sobretudo foi ela quem me ensinou a dar precedência à imagem sobre a mensagem, ao plástico sobre o discursivo".[64]

A obra poética de Murilo Mendes é extensa e não reflete a matéria do modernismo brasileiro. Todavia, não deixa o poeta de olhar, peculiarmente, para o Brasil, a exemplo do livro Contemplação de Ouro Preto, publicado em 1954. Nesta "viagem às raízes barrocas", com profunda reflexão em relação ao catolicismo, Murilo passa a "assumir abertamente a sua mineiridade"[65] No poema Romance das Igrejas de Minas, redige Murilo: "Por isso escrevi um canto / Com palavras essenciais, / Baseado na beleza / Da antiga Minas Gerais, / Inspirado na grandeza / Da rude religião, / Princípio e fim da existência,". Neste livro, Murilo Mendes cita, em certos pontos, figuras emblemáticas de Ouro Preto: o extraordinário Aleijadinho ("O escopro genial do Aleijadinho", do poema Motivos de Ouro Preto); os primeiros revolucionários contra a Monarquia de Portugal sobre sua colônia da Inconfidência Mineira ("Paredes em faiscado, / Consistórios, corredores / Onde vagueiam fantasmas / De poetas inconfidentes, / De frades conspiradores;", de Romance das Igrejas de Minas); no poema Acalanto de Ouro Preto, a dedicatória a Alberto da Veiga Guignard; também de Romance das Igrejas de Minas, outra dedicatória, desta vez a Rodrigo M. F. de Andrade, primeiro diretor do Serviço de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN, atual IPHAN) e responsável por proteger na sua gestão, dentre o patrimônio histórico e cultural brasileiro, o Museu da Inconfidência, em Ouro Preto.

Na Itália Murilo Mendes não sofreu o sentimento de exílio, mas aproximou-se dos principais representantes da vanguarda europeia. Nesta fase, consolidou-se como crítico especializado das artes plásticas muito respeitado em Roma. Acrescentando seu conhecimento musical, apresentou "com a literatura o substrato dessa personalidade intelectual aberta a todas as manifestações das artes".[66] Por carta a Laís Corrêa de Araújo, Murilo acentuou que as fronteiras das diferentes formas artísticas foram "hoje tornadas muito fluidas".[67] Em dezembro de 1970, surgiu a obra Convergência, a qual, em outra carta a Laís, considerou Murilo "um dos meus livros maiores, resumindo a experiência de 3 gerações, inclusive concretos e praxis".[68] Como previsto, a crítica literária brasileira recebeu Convergência com elogios, especialmente por meio dos poetas denominados "experimentais".[69]

A obra Convergência vai além da poesia concreta. Laís Corrêa de Araújo explica que a reconsideração concretista da informação estética sobre a informação semântica já teve início no livro Siciliana (1959), ou antes. Convergência é, pois, a realização de uma "liberdade da sintaxe poemática"[70], difundindo:

"Primeiro na área dos elementos fônico-temporais - musicalidade, ritmo - e, por fim, na dos elementos morfológicos - visuais. Rebelde, rebelado, Murilo Mendes nunca se deixou, por temperamento, interditar pelos hábitos mentais alienadores que acomodam e/ou constrangem o homem às imposições da conjuntura e aos padrões tanto de um sistema de vida, quanto de um estilo de criação."[71]

Convergência inicia-se com "grafitos", palavra do italiano "graffitto"[72], a qual significa "inscrição ou desenho de épocas antigas, toscamente riscado à ponta ou a carvão, em rochas, paredes, vasos, etc.".[73] É a partir deles que Murilo Mendes cria, com enorme cultura, novos poemas. Interessante é o Grafito para Mário Pedrosa, onde se lê, musicalmente: "Sigo cego maquinal / Signos mágicos disparados / Cego sigo maquinal / Siga | avanti | alt | stop / Cego sigo maquinando". No Grafito para Paolo Uccello, possivelmente ao observar, na Galleria degli Uffizi, a Battaglia di San Romano, escreve, visualmente: "Na tua batalha entro / Da tua batalha saio"; e questiona: "Esgota-se (?) a pintura / Não a palavra pintura". Em princípio enigmático, Murilo enfatiza, na vanguarda literária, o relativismo da linguagem. No poema Texto de Consulta indaga: "A palavra cria o real? / O real cria a palavra?". Trata-se de uma concepção que é objeto de estudos aprofundados de linguistas e semiologistas.

A segunda parte de Convergência é formada pelos "murilogramas", endereçados a Deus e pessoas. Neles, Murilo Mendes também explora a linguagem. Laís Corrêa de Araújo anota:

"Nos grafitos e especialmente nos murilogramas, as texturas sonoras ainda têm valor preponderante, perceptível a partir da apresentação da linha melódica, que se sustenta muitas vezes invariável na sua forma de antífona e salmática, às vezes enriquecida pelo contraponto solo/parte coral, como no 'Murilograma a João Sebastião Bach."[74]

A plasticidade de Murilo em Convergência pode, por sua vez, ser vista no Murilograma a Guido Cavalcanti: "Radiograficamente entrego-te o texto táctil / Interrogo o que | sem transistor | vês apalpas ouves / Nesses teus próximos bulevares entre Júpiter e Saturno".[75] E, ao modo dos surrealistas em seus quadros, Murilo implementa versos remetendo a imagens em colagens, como na Colagem para Drummond: "As pedras de Itabira / A pedra de Drummond. / O ferro de Itabira. As farpas de Drummond. / As tropas de Itabira. Os tropos de Drummond. / Os tetos de Itabira. O tato de Drummond. / As madres de Itabira / Os mortos de Drummond [...]."

Retrato de Murilo Mendes por Ismael Nery, 1923

À exceção de O Discípulo de Emaús (1945), na Itália Murilo Mendes tornou-se igualmente prosador. Mas, nas palavras de Luciana Stegagno Picchio, ajustado "daquela especial prosa poética, epigramática, definitória e surrealista à sua maneira".[76] No seu primeiro livro em prosa publicado da Itália em 1968, A Idade do Serrote, Murilo remontou a sua juventude em Juiz de Fora. Na obra Poliedro, editada em 1972, fixou a lição surrealista sua salientando "faces" e significados novos a diversos objetos. Outra prosa poética notável é Retratos-relâmpago, de 1973, na qual, dividida em setores, reproduziu variadas pessoas. Deste modo, Murilo Mendes reuniu, em equivalência, a obra poética à prosa, retirando delimitações.

José Guilherme Merquior afirma que "Murilo Mendes é um poeta deslocado na tradição dominante da lírica de língua portuguesa" o qual "não obteve compreensão substancial por parte da generalidade da crítica". Diante do seu surgimento, poucos foram os críticos que conseguiram alcançá-lo a exemplo de Alceu Amoroso Lima, ao ver na sua obra a marca de um "estado de espírito". Um estado de espírito que, segundo José Guilherme Merquior, Mário de Andrade, já em 1931, definiu como sendo o "aproveitamento mais sedutor e convincente da lição surrealista".[77] Mas, Murilo Mendes adota um surrealismo no qual busca "uma compreensão crítica de sua época". Na indignação diante do conflito armado, ilustra Merquior que Murilo Mendes "exerceu para nós o lirismo da denúncia humanista da guerra, frequentemente alcançando o cerne social da desgraça. É suficiente reler apenas como Lamentação ou como Os Pobres para verificar com que profundidade o poeta foi tocado pela guerra, e com que humanidade lhe reagiu".[78]

Luciana Stegagno Picchio ressalta que Murilo buscou ser contemporâneo: "Se o texto a interpretar é o mundo e o meio cognoscitivo, a linguagem, o ofício do poeta é fazer-se contemporâneo de todo acontecimento".[79] Tendo por base o surrealismo, Murilo Mendes conciliou, em poesia e prosa, a realidade, mesmo vulgar, a elementos transcendentes. Manuel Bandeira destaca que Murilo realizou uma "constante incorporação do eterno ao contingente".[80]

Fotografia de Murilo Mendes com Luciana Stegagno Picchio

Na Introdução Geral à Poesia Completa e Prosa publicada, em 1994, pela Editora Nova Aguilar, José Guilherme Merquior aponta também, com perspicácia, que Murilo Mendes integrou o surrealismo no catolicismo. Nota o crítico que, em verdade, "o projeto surreal não era, em substância, estético, mas sim de cunho, antes de tudo, existencial".[81]

Na Itália, publicou, em 1959, Siciliana, texto bilíngue traduzido e com prefácio de Giuseppe Ungaretti. Por sua vez, organizada por Ruggero Jacobbi, em obra bilíngue (português-italiano) realizada por Luciana Stegagno Picchio, Chiocchio e Ungaretti, editou-se, em 1961, Introdução à Poesia de Murilo Mendes.[82] Entre outras obras, o reconhecimento de Murilo Mendes o levou a ganhar, no ano de 1972, o Prêmio Internacional de Poesia Etna-Taormina. Carlos Drummond de Andrade, na sua crônica no Jornal do Brasil, criticou, diante do Prêmio atribuído a Murilo e com o qual se tinham distinguido também Salvatore Quasimodo, Prêmio Nobel de Literatura de 1959, e Giuseppe Ungaretti, a indiferença dos artistas brasileiros. Do Brasil, Drummond assinalou "uma obra que é fruto saboroso da cultura brasileira confrontada com valores universais".[83][84]

No Museu de Arte Murilo Mendes, situado em sua cidade natal, Juiz de Fora, encontram-se reunidos livros, correspondências, documentos e obras de arte que pertenceram ao poeta.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Poemas (1930);
  • Bumba-meu-poeta (1931);
  • História do Brasil (1932) - com capa de Di Cavalcanti;
  • Tempo e Eternidade (1935) - escrita, em conjunto, com Jorge de Lima;
  • Os Quatro Elementos (1935);
  • O Sinal de Deus (1936);
  • A Poesia em Pânico (1937);
  • O Visionário (1941);
  • As Metamorfoses (1944) - ilustrada por Portinari e com capa de Santa Rosa;
  • Mundo Enigma (1945);
  • O Discípulo de Emaús (1945);
  • Poesia Liberdade (1947);
  • Janela do Caos (1949) - ilustrada com seis litografias de Francis Picabia;
  • Contemplação de Ouro Preto (1954);
  • Poesias (1959) - obra completa até à data e incluindo Sonetos Brancos, com a exclusão de O Sinal de Deus e História do Brasil;
  • Siciliana (1959) - em texto bilíngue traduzido por A. A. Chiocchio e com prefácio de Giuseppe Ungaretti;
  • Tempo Espanhol (1959);
  • Siete Poemas Inéditos (1961);
  • Introdução à Poesia de Murilo Mendes (1961) - organizada por Ruggero Jacobbi, em texto bilíngue de Luciana Stegagno Picchio, Chiocchio e Giuseppe Ungaretti;
  • Antologia Poética (1964);
  • Italianíssima (7 Murilogrammi) (1965);
  • A Idade do Serrote (1968);
  • Convergência (1970);
  • Poliedro (1972);
  • Retratos-relâmpago, 1a série (1973);
  • Marrakech (1974) - com litografias de G. I. Giovannola.

Póstumas[editar | editar código-fonte]

  • Ipotesi (1977) - organizada e prefaciada por Luciana Stegagno Picchio;
  • Transístor (1980) - antologia de prosa escrita entre 1931 e 1974;
  • Janelas Verdes, primeira parte (1989) - com ilustrações em tinta da China e duas serigrafias originais assinadas por Maria Helena Vieira da Silva.

Inéditas publicadas na edição Poesia Completa e Prosa da Editora Nova Aguilar (1994)[editar | editar código-fonte]

  • Carta Geográfica (1965-1967);
  • Espaço Espanhol (1966-1969) - notas de viagem;
  • Janelas Verdes, segunda parte (1970);
  • Retratos-relâmpago 2a série (1973-1974);
  • Conversa Portátil (1971-1974) - miscelânia em prosa e verso;
  • A Invenção do Finito (1960-1970);
  • Papiers - originais em prosa e verso, em francês;
  • Quatro Textos Evangélicos (1984) - publicados, postumamente, na revista Letterature d'America, em Roma;
  • O Infinito Íntimo (1948-1953) - inclui textos poéticos menores.

Prêmios recebidos[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Murilo Mendes
  • Prêmio Graça Aranha, pelo livro Poemas (1930);
  • Prêmio Internacional de Poesia Etna-Taormina (1972).

Referências

  1. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 67 
  2. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 67 
  3. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 67 
  4. ARAÚJO, Laís Corrêa (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. p. 12 
  5. MENDES, Murilo (1994). Poesia completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 67 
  6. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 67 
  7. SANT'ANNA, Afonso Romano de (1979). O Menino Experimental: antologia. São Paulo: Summus. p. 9 
  8. «POETA - Vida». Museu de Arte Murilo Mendes. Consultado em 7 de julho de 2021 
  9. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 51 
  10. ARAÚJO, Laís Corrêa de (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. p. 13 
  11. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 68 
  12. «POETA - Vida». Museu de Arte Murilo Mendes. Consultado em 21 de outubro de 2021 
  13. ARAÚJO, Laís Corrêa de (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. pp. 13–14 
  14. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 69 
  15. ARAÚJO, Laís Corrêa de (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. p. 208 
  16. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. pp. 258–259 
  17. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 25 
  18. ANDRADE, Carlos Drummond de. O Observador no Escritório. São Paulo: Círculo do Livro. p. 9 
  19. «POETA - Vida». Museu de Arte Murilo Mendes. Consultado em 8 de julho de 2021 
  20. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 71 
  21. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 48 
  22. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 48 
  23. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 71 
  24. ARAÚJO, Laís Corrêa de (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. p. 17 
  25. «POETA - Vida». Museu de Arte Murilo Mendes. Consultado em 31 de dezembro de 2020 
  26. «Murilo Mendes». Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileira. Consultado em 26 de maio de 2019 
  27. «POETA - Vida». Museu de Arte Murilo Mendes. Consultado em 31 de dezembro de 2020 
  28. CASTELLO, José (10 de janeiro de 2013). «Almeida Faria, o impuro». "O Globo". Consultado em 31 de dezembro de 2020 
  29. ARAÚJO, Laís Corrêa de (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. p. 20 
  30. ARAÚJO, Laís Corrêa de (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. pp. 20–21 
  31. ANDRESEN, Sophia de Mello Breyner (2018). Coral e outros Poemas. São Paulo: Companhia das Letras. p. 281 
  32. BANDEIRA, Manuel (1993). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 629 
  33. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 972 
  34. ARAÚJO, Laís Corrêa de (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. p. 15 
  35. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 25 
  36. «POETA - Vida». Museu de Arte Murilo Mendes. Consultado em 8 de junho de 2019 
  37. PICCHIO, Luciana Stegagno (1997). História da Literatura Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 549 
  38. ARAÚJO, Laís Corrêa de (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. p. 68 
  39. ARAÚJO, Laís Corrêa de (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. pp. 75–76 
  40. ARAÚJO, Laís Corrêa de Araújo (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. p. 372 
  41. ARAÚJO, Laís Corrêa de (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. p. 80 
  42. LIMA, Cláudio Medeiros (1973). Alceu Amoroso Lima: memórias improvisadas. Petrópolis: Vozes. p. 110 
  43. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. pp. 1234–1235 
  44. BORTOLOTI, Marcelo (2021). Guignard: anjo mutilado. São Paulo: Companhia das Letras. p. 233 
  45. «Portal Portinari - Retrato de Murilo Mendes». Projeto Portinari. Consultado em 19 de julho de 2022 
  46. «Portal Portinari - Retrato de Murilo Mendes». Projeto Portinari. Consultado em 19 de julho de 2022 
  47. MARQUES, Ivan (2021). João Cabral de Melo Neto: uma biografia. São Paulo: Todavia. p. 15 
  48. Chegando do Recife ao então Distrito Federal, Rio de Janeiro, João Cabral de Melo Neto conheceu Murilo Mendes contando aquele apenas vinte anos de idade.
  49. LAGO, Pedro Corrêa do (2014). Brasiliana Itaú: uma grande coleção dedicada ao Brasil. São Paulo: Capivara. p. 430 
  50. João Cabral guiou Murilo por Sevilha em detalhes, conforme descrito no livro Espaço Espanhol (1965-1967) - notas de viagem.
  51. SAMARA, Fernanda A. O. de Lócio (2020). «Dos desencontros ao encontro: a viagem de Albert Camus ao Brasil em 1949». Consultado em 21 de outubro de 2021 
  52. «Poesia Sempre». Departamento Nacional do Livro. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional (Ano 3 - nº 6). Outubro 1995: p. 48 
  53. Na Europa, Alberto Magnelli veio a ser amigo de Murilo Mendes. Em 1964, Murilo publicou, com a colaboração de vários autores, texto sobre o pintor.
  54. Ruggero Jacobbi foi um amigo próximo de Murilo e um dos primeiros tradutores de sua poesia.
  55. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. pp. 1270–1271 
  56. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. pp. 1222–1226 
  57. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. pp. 1277–1280 
  58. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 1275 
  59. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. pp. 1238–1241 
  60. ARAÚJO, Laís Corrêa de (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. pp. 17–18 
  61. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 27 
  62. GUIMARÃES, Júlio Castañon (2007). Carta de Murilo Mendes a Francis Picabia. Cartas de Murilo Mendes e Roberto Assumpção. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa. pp. 96–97 
  63. ARAÚJO, Laís Corrêa de (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. p. 67 
  64. SANT'ANNA, Afonso Romano de (1979). O Menino Experimental: antologia. São Paulo: Summus. p. 162 
  65. ARAÚJO, Laís Corrêa de (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. pp. 102–103 
  66. ARAÚJO, Laís Corrêa de (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. p. 127 
  67. ARAÚJO, Laís Corrêa de (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. p. 127 
  68. ARAÚJO, Laís Corrêa de (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. p. 198 
  69. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 1684 
  70. ARAÚJO, Laís Corrêa de (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. p. 128 
  71. ARAÚJO, Laís Corrêa de (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. pp. 128–129 
  72. NASCENTES, Antenor (1995). Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Jornal do Commercio. p. 247 
  73. FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda (2010). Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Curitiba: Positivo. p. 1046 
  74. ARAÚJO, Laís Corrêa de (2000). Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva. p. 134 
  75. A reprodução do poema, por limitações de edição, não é fiel à sua forma estética. Tentamos aproximar-nos o mais possível de sua estrutura.
  76. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 27 
  77. MERQUIOR, José Guilherme (1996). Razão do Poema: ensaios de crítica literária e de estética. Rio de Janeiro: Topbooks. pp. 69–70 
  78. MERQUIOR, José Guilherme (1996). Razão do Poema: ensaios de crítica literária e de estética. Rio de Janeiro: Topbooks. pp. 73–74 
  79. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 27 
  80. BANDEIRA, Manuel (1993). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 631 
  81. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. p. 12 
  82. «POETA - Vida». Museu de Arte Murilo Mendes. Consultado em 31 de maio de 2019 
  83. ANDRADE, Carlos Drummond de Andrade (24 de fevereiro de 1972). «MURILO MENDES - PRÊMIO ETNA TAORMINA». Jornal do Brasil 
  84. MENDES, Murilo (1994). Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. pp. 37–38 

Bibliografia detalhada[editar | editar código-fonte]

  • Araújo, Laís Corrêa de. Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva, 2000.
  • Bandeira, Manuel. Poesia Completa e Prosa. Organizada pelo autor. Reimpressão da 4º ed. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1993.
  • Mendes, Murilo. Poesia Completa e Prosa. Organização e preparação do texto Luciana Stegagno Picchio. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.
  • Merquior, José Guilherme. Razão do Poema: ensaios de crítica e de estética. Rio de Janeiro: Topbooks, 1996.
  • Picchio, Luciana Stegagno. História da Literatura Brasileira. Trad. Pérola de Carvalho e Alice Kyoko. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1997.
  • Sant'Anna, Affonso Romano de. O Menino Experimental: antologia. São Paulo: Summus, 1979.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]