Museu Anchieta de Ciências Naturais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Junho de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O Museu Anchieta de Ciências Naturais está localizado no Colégio Anchieta em Porto Alegre (RS), constituindo-se como um Museu de caráter científico vinculado a um ambiente escolar, representando um espaço educativo complementar à educação formal.

O Museu ocupa uma área de cerca de 600m², dividida em: exposição de longa duração, sala de aula, Reservas Técnicas, sala administrativa, jardim interno e sala de apoio com biblioteca. Além dessas instalações, possui um auditório destinado a projeções de vídeos e palestras.O Museu Anchieta é vinculado administrativamente ao Colégio Anchieta e tem como mantenedora a Associação Antônio Vieira (ASAV).

Atualmente o Museu Anchieta abriga coleções Biológicas, Geológicas, Arqueológicas e Etnográficas com vistas à pesquisa científica, além de Coleções Didáticas composta por espécimes verdadeiros, réplicas e diversos materiais pedagógicos para fins educacionais. Possui também um importante acervo bibliográfico e documental sobre a história do Museu e das Ciências Naturais.

No âmbito educacional, compromete-se com o estudo e ensino das ciências naturais por meio de diversas atividades, como visitas guiadas, cursos, oficinas e exposições destinadas a alunos e professores da comunidade escolar em geral. Apesar do caráter didático forte, as atividades de cunho científico configuram-se como diferencial em comparação a outros Museus em âmbito escolar dedicados às ciências, visto que o Museu abriga materiais de elevado valor científico, como os espécimes-tipo (que correspondem a espécimes que serviram de base à descrição de novos taxa) contidos nas coleções de Entomologia e Paleontologia do Museu.

O Museu Anchieta possui como símbolo representativo um Gavião Real, ave taxidermizada integrante da exposição de longa duração, localizada a frente do último degrau da escada de acesso. A ave foi doada em 1938 por Rodolfo Bins, depois de tê-la capturado no município de Gravataí, com a asa esquerda machucada. A ave viveu em cativeiro até maio de 1940, quando, após sua morte, foi taxidermizada por José Kopetzky, austríaco radicado no Brasil. 

Missão:

Preservar e comunicar os testemunhos biológicos, geológicos e arqueológicos das diversas regiões do estado do Rio Grande do Sul com o objetivo de proporcionar uma formação global do indivíduo reflexivo, contemplativo e vivificado pela natureza. 

Objetivos:

a)      Ser um espaço cultural onde o público interage com elementos naturais e com o ambiente;

b)      Divulgar as Ciências Naturais, diminuindo a distância entre a comunidade e o conhecimento científico;

c)      Envolver a comunidade escolar em atividades científicas e culturais;

d)      Desenvolver o sentimento de respeito à natureza, oferecendo condições para a construção de uma consciência ecológica.

Histórico:

O Museu Anchieta de Ciências Naturais surgiu a partir do Museu Escolar de História Natural no ano de 1908, na segunda década de funcionamento da instituição escolar e no mesmo ano da vinda do Padre Pio Buck, nascido na Suíça, para atuar como professor da instituição. As necessidades da vida escolar exigiam um maior envolvimento dos alunos no conteúdo das disciplinas, deste modo, a organização de materiais que completassem as aulas de química, física e ciências naturais tornou-se a grande forma de resolução para essa demanda. Padre Pio é considerado o fundador do Museu, idealizador e também responsável pelo seu desenvolvimento, ao ser incumbido pelo Reitor do Colégio para iniciar o Museu (SPHOR, 2011). Na época de sua fundação, o Museu tinha como principal atividade a pesquisa e a organização de coleções que se formavam a partir de exemplares da fauna e flora do Rio Grande do Sul.

Embora o Museu estivesse funcionado desde sua fundação, Pe. Pio oficializa a sua criação em 1917, após retorno ao Brasil e ao Colégio Anchieta, uma vez que estava afastado para complementar sua formação no exterior (RELATÓRIO ANUAL, 1922). A trajetória do Museu do Colégio Anchieta está atrelada à história da instituição escolar e aos padres da Companhia de Jesus, que atuaram na escola como professores e junto ao Museu como cientistas e naturalistas, fazendo coleta, organização, identificação e estudo de coleções, produção de pesquisas, intercâmbio científico e divulgação das pesquisas (WITT, 2015).

O Pe. Pio Buck foi o grande incentivador para a formação das coleções que hoje integram o acervo científico do Museu, realizando diversas excursões aos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina em busca de material geológico e biológico, com destaque para Entomologia, Botânica, e Mineralogia. Seus esforços resultaram na coleta de mais de 120000 insetos, durante sua carreira científica.

A coleção Botânica, iniciada pelo Pe. Pio, ganhou um novo colaborador, o Pe. Balduíno Rambo que, ao longo de sua vida, coletou e catalogou mais de 50000 plantas nativas do Estado para o Herbário do Colégio Anchieta e que hoje compõe o acervo da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Seu interesse pela botânica nasceu quando estudava na Alemanha. Publicou mais de 90 artigos científicos na área de Botânica, além de publicações na Antropologia, Geografia e Geologia e publicações de livros didáticos de História Natural e Ciências Naturais. Participou da organização do Instituto Anchietano de Pesquisas, do Jardim Botânico de Porto Alegre, e da criação do Parque Nacional de Aparados da Serra. Dos seus trabalhos destaca-se o livro A Fisionomia do Rio Grande do Sul, onde descreve a fauna, flora, geologia e geografia física e humana do estado.

Em 1954, Fernando Rodrigues Meyer, aluno do curso ginasial do Colégio começou a se interessar pelos insetos da coleção e passou a auxiliar na sua organização. Em 1958 foi contratado como professor do Curso Primário (equivalente ao atual Curso Fundamental) e, também, para trabalhar no Museu que, nesse momento, tinha como principal objetivo a pesquisa e o aprimoramento da coleção entomológica (insetos).

Em 1963 o Museu se mudou para um novo prédio, no novo Colégio Anchieta na Avenida Doutor Nilo Peçanha. Em 1967 o Museu inaugurou sua nova sede e o acervo beneficiou-se em sua organização, por conta do novo espaço construído especialmente para abrigá-lo.

No ano seguinte ao falecimento do Pe. Pio em 1972, o Pe. Paulo Englert nomeou o Professor Fernando Rodrigues Meyer como o novo diretor do Museu Anchieta. A partir de então, devido ao maior contato com os alunos anchietanos, desenvolveram-se vários projetos de caráter cultural, educativo e científico, sempre ligados às Ciências Naturais, beneficiando os alunos com estágios voluntários, profissionalização, preparação para o trabalho, integração entre as crianças e a natureza, cursos, passeios, oficinas, exposições temporárias e permanentes e melhorias nas vitrines expositivas. Com a melhoria das exposições, abriu-se à visitação à toda a comunidade da cidade de Porto Alegre e aos pesquisadores de instituições científicas do Brasil, América do Norte e Europa que, ao utilizarem a coleção do Museu como objeto de estudo, colaboraram com a classificação do acervo zoológico, potencializando o intercâmbio científico e cultural.

Até a década de 1960 o Museu denominava-se Museu Anchieta. Na década de 1970 passou a chamar-se Museu Anchieta de Ciências Naturais.  

O Colégio Anchieta tem orgulho do Museu que possui em função do alto valor da coleção científica existente e é reconhecido pela comunidade científica. Os investimentos, incentivos e a valorização pelos Diretores do Colégio contribuíram para a continuidade do Museu e para a sua expansão.

Atualmente, o Museu Anchieta está dividido em dois setores bem definidos:

  1. Setor Científico: Responsável pelas coleções científicas: Coleções de Entomologia, Ictiologia, Ornitologia, Mastozoologia, Malacologia, Herpetologia, Aracnologia, Paleontologia, Arqueologia, Botânica, Etnografia, Mineralogia e Petrologia, Astronomia, Técnico-Científica, Bibliográfica e Documental.
  2. Setor de Educação: Engloba a exposição permanente, desenvolvendo atividades extracurriculares, a complementação e apoio de atividades curriculares quando solicitadas pelos professores, a participação de projetos com outras instituições de ensino e pesquisa e confeccionando materiais didáticos variados que atendem os alunos anchietanos e a comunidade geral.

Referências


Museu Anchieta de Ciências Naturais
Diretor Fernando Rodrigues Meyer
Website http://www.colegioanchieta.g12.br/museu-anchieta/
Geografia
País  Brasil
Cidade Porto Alegre
Coordenadas 29° 58' 45.3066" S 51° 10' 30.306" O

RELATÓRIO ANUAL. Colégio Anchieta,1922.

SPHOR, Inácio. Memória de 665 jesuítas da Província do Brasil Meridional: novembro de 1867 – novembro de 2011. Porto Alegre: Padre Reus, 2011.

WITT, Nara Beatriz. “UMA JOIA" NO SUL DO BRASIL: O Museu de História Natural do Colégio Anchieta, criado em 1908 (Porto Alegre/RS). Disseração de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação), Porto Alegre, 2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um museu é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.