Museu Arqueológico Nacional (Espanha)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Fachada do Museu Arqueológico de Espanha

O Museu Arqueológico Nacional (MAN) é um museu da cidade de Madrid; está alojado no Palácio de Bibliotecas e Museus. Próximo a esse edifício está também a Biblioteca Nacional. O museu está instalado em um edifício do século XIX concebido pelo arquiteto Francisco Jareño e finalizado por Antonio Ruiz de Salces, localizado na rua Serrano, junto à Plaza de Colón.

História[editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

Rainha Isabel II de Espanha, que assinou o decreto para a criação do Museu

O Museu foi estabelecido por decreto real de Isabel II de 20 de Março de 1867. A sua criação foi motivada pela necessidade de um grande museu nacional, que como em outros países europeus, poderia manter, classificar e exibir material arqueológico, etnográfico e de artes decorativas e numismáticas. Suas coleções fundadoras vieram principalmente do Real Gabinete de História Natural (antecessor do atual Museu Nacional de Ciências Naturais) e da Real Academia de la Historia.

O museu foi inaugurado a 9 de julho de 1871 pelo rei Amadeu I, sob a direção de Ventura Ruiz Aguilera, contando com quatro seções distintas que cobriam:

1.ª — Tempos primitivos, com 2.703 objetos.

2.ª — Idade Média, com 3.033 objetos.

3.ª — Numismática, com 103.096 moedas de ouro, prata, bronze e chumbo.

4.ª — Etnografia, com 3.500 objetos a partir da Ásia, África, América e Oceania.

A primeira sede do Museu foi provisória: ele ocupava o chamado o Casino de la reina, propriedade de Isabel de Braganza, esposa de Fernando VII. Em 1895, as coleções foram finalmente transferidas para a localidade atual. O edifício fica no local de uma antiga propriedade conhecida como o jardim de San Felipe Neri. A construção deste edifício foi iniciada em 1866 sobre os planos de Francisco Jareño e Alarcón, mas as obras não estariam concluídas até 1892, sob a liderança de Antonio Ruiz de Salces. Seu estilo é neoclássico, com uma planta retangular, contando com quatro grandes pátios. A fachada que dá para a Calle Serrano apresenta colunas dóricas na entrada e um colunário Iônico da varanda no andar de cima. Na entrada do jardim existe uma réplica artificial da entrada da Caverna de Altamira[1].

Guerra Civil Espanhola[editar | editar código-fonte]

Cacique Quimbaya de ouro

Durante os cercos a Madrid na Guerra Civil Espanhola, o museu sofreu o roubo de sua coleção de moedas de ouro, bem como do chamado Tesouro de Quimbayas, que é um tesouro arqueológico de ouro, composto por 123 peças, originários de Quimbayas na Colômbia, datando do segundo século. Este tesouro havia sido originalmente doado pelo Governo da Colômbia à rainha regente Maria Cristina de Habsburgo-Lorena, graças a sua assistência em um conflito de fronteira entre Colômbia e Venezuela. As peças vieram para a Espanha em 1892 e foram inicialmente expostas em Sevilha para celebrar o quarto centenário da descoberta da América. Felizmente, o Tesouro Quimbayas foi localizado em Genebra depois da guerra e retornou à Espanha[2]. Já o destino das moedas nunca foi completamente esclarecido, embora grande parte das mesmas tenha sido comprada pela Hispanic Society of America, cuja coleção inteira foi leiloada em 2011, tendo uma parte das moedas então voltado para a Espanha[3].

Renovação completa (2008-14)[editar | editar código-fonte]

Entre 2008 e 2014 o museu passou por uma reforma completa em seu edifício, não reabrindo suas portas até 01 de abril de 2014. O investimento foi de 65 milhões de euros entre obras civis e museu. A parte arquitetônica foi da responsabilidade de Juan Pablo Rodríguez Frade. O trabalho resultou em um considerável aumento na área útil, que cresceu de 19.280 para 23.303 metros quadrados[4].

Coleções[editar | editar código-fonte]

O museu, após a sua renovação, conta com 40 salas exibindo mais de 1,3 milhões de peças[5]. Suas coleções estão expostas em 12 módulos de exposição:

  • Arqueologia e Patrimônio
  • Pré-história
  • Proto-história
  • Hispânia romana
  • Antiguidade Tardia
  • Idade Média e arte hispano-muçulmana
  • Idade Moderna
  • Museu de história
  • Oriente Médio
  • Egito
  • Núbia e Grécia
  • Coleção de Moedas antigas

Peças[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Rafael Fraguas (2 de agosto de 2006). «300 años de la Biblioteca Nacional de España» (PDF). Biblioteca Nacional de España. Consultado em 22 de julho de 2015.  line feed character character in |título= at position 26 (Ajuda)
  2. Angeles Garcia (09 Abril 1985). «Las piezas originales del tesoro de los quimbayas se exhiben por primera vez en Madrid». El País. Consultado em 22 de julho de 2015. 
  3. «La Hispanic Society de Nueva York se deshace de su monetario». Panorama numismático. Consultado em 22 de julho de 2015. 
  4. «El Museo Arqueológico Nacional abrirá sus puertas el 31 de marzo». Página do ministério de educação cultura e desportos. 26 de Fevereiro de 2014. Consultado em 22 de julho de 2015. 
  5. «El Museo Arqueológico Nacional, convertido en un polvorín»». ABC Madrid. 05 de Julho de 2009. Consultado em 22 de julho de 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Museu Arqueológico Nacional (Espanha)
Ícone de esboço Este artigo sobre um museu é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre Espanha é um esboço relacionado ao Projeto Europa. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.