Museu Cardina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Camera-photo.svg
Ajude a melhorar este artigo sobre Arquitetura ilustrando-o com uma imagem. Consulte Política de imagens e Como usar imagens.
Museu Cardina
Tipo Etnográfico
Inauguração 25 de agosto de 2006 (12 anos)
Proprietário atual José Cardina de Freitas Melim
Geografia
País Portugal Portugal
Localidade Estrada Domingos d'Ornelas, Sítio da Camacha — Porto Santo,  Madeira
Coordenadas 33° 05' 13.80" N 16° 20' 40.21" O
Museu Cardina está localizado em: Madeira
Museu Cardina
Localização do museu no arquipélago da Madeira.
Localização em mapa dinâmico

O Museu Cardina é um museu etnográfico português, localizado na ilha do Porto Santo, Madeira. Inaugurado em 2006, é um dos dois museus existentes na ilha e o único privado, cujo proprietário é José Cardina.[1]

O seu espólio constitui um testemunho da história do Porto Santo, especificamente do quotidiano das suas gentes desde os tempos do povoamento da ilha. Assim, podem contemplar-se peças e artefactos, concebidos ou recuperados pelo proprietário, que retratam os fazeres domésticos, a agricultura, a lavoura, a pesca, os fontanários e os ofícios que outrora caracterizaram o dia-a-dia da população porto-santense.[1][2]

História[editar | editar código-fonte]

O museu nasce da paixão pessoal de José Cardina de Freitas Melim por preservar a memória histórica do quotidiano dos habitantes do Porto Santo, sua terra-natal, que estava em vias de desaparecimento, como consequência do abandono do modo de vida primitivo desta comunidade. Deste modo, José Cardina começou a colecionar e a recuperar artefactos que, de alguma forma, fizessem parte da história da ilha, concebendo também modelos em miniatura como ferramentas de artesão (à escala 1:5) e fontanários de água natural existentes na ilha (à escala 1:10).[2][3][4]

Recuperar e reproduzir estas peças e artefactos permite dar uma imagem real do que era a vida difícil de quem trabalhava na lavoura, na pesca e noutros ofícios típicos da ilha, num passado não muito distante. A forma octogonal do edifício onde se encontra o museu é em si mesma uma homenagem à história do Porto Santo, derivada da arquitetura do antigo moinho de vento que ali estava instalado, representando em tamanho real o género dos moinhos que existiam por toda a ilha.[1][3][4]

O museu foi inaugurado no dia 25 de agosto de 2006, propriedade de José Cardina, que estimou ter gasto cerca de 300 mil euros neste seu projeto. Encontra-se organizado e dividido em duas partes: o piso térreo, onde se expõem peças de vários ofícios antigos; e o primeiro piso, que apresenta réplicas dessas peças e dos 16 fontanários existentes na ilha. Em suma, encontram-se em exibição peças relacionadas com a atividade doméstica (ex.: utensílios de cozinha, de conversação da carne), com a profissão (ex.: utensílios da lavoura, caça, pesca, tanoaria, ferraria) e com a atividade vinícola (ex.: lagares).[1]

Em novembro de 2016, o Governo Regional mostrou-se disponível a celebrar um protocolo de colaboração com o Museu Cardina, no sentido de o divulgar e integrar na rede regional de museus e na promoção turística.[5][6] No dia 20 de março de 2018, foi finalmente assinado um protocolo entre o proprietário do Museu Cardina, a Direção Regional da Cultura, a Direção Regional da Administração do Porto Santo e o município do Porto Santo.[7][8]

Referências

  1. a b c d Carlos Silva (24 de junho de 2014). «Memórias do Porto Santo fechadas no Museu Cardina». Diário de Notícias da Madeira. Consultado em 1 de fevereiro de 2017. 
  2. a b Alexandra Prado Coelho (28 de maio de 2016). «Um museu inteiro construído por um único homem». Público. Consultado em 1 de fevereiro de 2017. 
  3. a b «Museu Cardina». bestguide.pt. Consultado em 1 de fevereiro de 2017. 
  4. a b «Camacha/Museu Cardina». porto-santo.com. Consultado em 1 de fevereiro de 2017. 
  5. «Porto Santo valorizado». Administração Pública do Porto Santo. Governo Regional da Madeira. 21 de novembro de 2016. Consultado em 1 de fevereiro de 2017. 
  6. João Toledo (21 de novembro de 2016). «Governo disponível para celebrar um protocolo com o Museu Cardina». Tribuna da Madeira. Consultado em 1 de fevereiro de 2017. 
  7. «Museu Cardina vai ser apoiado pela Direção Regional da Cultura». RTP. 20 de março de 2018. Consultado em 16 de setembro de 2018. 
  8. Emanuel Silva (21 de março de 2018). «Assinado protocolo com o museu Cardina no Porto Santo». Funchal Notícias. Consultado em 16 de setembro de 2018. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]