Museu Judaico de Berlim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Museu Judaico de Berlim
Tipo Jewish museum
Inauguração 2001 (16 anos)
Administração
Diretor(a) Peter Schäfer
Website oficial
Geografia
Coordenadas 52° 30' 5.00" N 13° 23' 44.02" E
Cidade Berlim
País Alemanha

O Museu Judaico de Berlim (Jüdisches Museum Berlin) é um museu situado em Berlim e que cobre a história dos judeus alemães ao longo de dois milénios.

Este museu, foi fundado no ano de 1933 em Oranienburger Straße (Berlim) e foi encerrado em 1938 pelo Regime nazista, pelo Gestapo. Nesse período, todas as obras foram confiscadas. Daniel Libeskind desenhou um novo edifício para o novo museu que abriu as suas portas em 2001. O Museus está dividido em dois edifícios: o "Prédio Velho", de arquitetura barroca e onde está o Museu de Berlim. O edifício mais antigo foi construído em 1735 e reconstruído após a destruição na Segunda Guerra Mundial. Nesta parte estão a loja de presentes e souvenires, exposições temporárias e um espaço para eventos. O "Novo Prédio", construído em 2001, se chama "Libeskind", e é acessado por meio de uma escada do antigo prédio. A arquitetura em zigue-zague sugere associação entre a vida dos judeus no país com o formato de "vai e vem". Além de exibir artes e relíquias, o Museu reforça aspectos culturais, sociais e políticos da história dos judeus na Alemanha. Hoje em dia o Museu Judaico de Berlim é um dos mais visitados da Alemanha. [1]

História[editar | editar código-fonte]

O primeiro Museu Judaico em Berlim foi fundado em 24 de janeiro de 1933, sob a liderança de Karl Schwartz, seis dias antes de os nazistas ganharem oficialmente o poder. O museu foi construído ao lado da Sinagoga Neue, na importante rua Oranienburger Straße e, além de tratar da história judaica, também apresentou coleções de arte judaica moderna. Schwartz pretendia que o museu fosse um meio de revitalizar a criatividade judaica e de demonstrar que a história judaica estava viva.[2] A coleção de arte do museu também foi vista como uma contribuição para a história da arte alemã e uma das últimas exposições a serem realizadas foi uma retrospectiva do impressionista alemão Ernst Oppler em 1937.[3] Para enfatizar esse foco na história viva, o hall de entrada do museu continha bustos de judeus alemães proeminentes, como Moses Mendelssohn e Abraham Geiger, e também uma série de obras de artistas judeus contemporâneos como Arnold Zadikow e Lesser Ury.[2]

Em 10 de novembro de 1938, durante os "massacres de novembro", conhecidos como Kristallnacht, o museu foi fechado pela Gestapo, e o inventário do museu foi confiscado.[2] Em 1976, formou-se uma "Sociedade Por um Museu Judeu" e, três anos depois, o Museu de Berlim estabeleceu um departamento judeu em suas instalações. Nessa época, discussões sobre a construção de um novo museu dedicado exclusivamente à história judaica em Berlim já estavam acontecendo.[3]

Em 1988, o governo de Berlim anunciou uma competição anônima pelo design do novo museu. Um ano depois, o projeto do arquiteto Daniel Libeskind foi escolhido pelo comitê para o que seria um "Departamento Judaico" no Museu de Berlim. Enquanto outros participantes propuseram espaços frescos e neutros, Libeskind ofereceu um design radical em ziguezague, que ganhou o apelido de "Blitz" ("Relâmpago").[4]

A construção da nova extensão para o Museu de Berlim começou em novembro de 1992. O museu vazio foi concluído em 1999 e atraiu mais de 350 mil pessoas antes de ser preenchido e aberto em 9 de setembro de 2001.[5]

Design[editar | editar código-fonte]

O Museu Judaico de Berlim está localizado no que era Berlim Ocidental antes da queda do Muro. Essencialmente, é a construção dos dois edifícios - um edifício antigo barroco, o "Kollegienhaus" (que antes abrigava o Museu de Berlim) e um novo edifício de estilo desconstrutivista de Libeskind. Os dois edifícios não têm conexão visível acima do solo. O edifício Libeskind, composto por cerca de 15.000 metros quadrados, é um ziguezague torcido e é acessível apenas através de uma passagem subterrânea do edifício antigo. [5][6][7]

Para Libeskind, "o novo design, que foi feito um ano antes da queda do Muro de Berlim, se baseia em três concepções: a primeira é da impossibilidade de entender a história de Berlim sem entender a enorme contribuição intelectual, econômica e cultural feita pelos cidadãos judeus de Berlim; segunda, a necessidade de integrar física e espiritualmente o significado do Holocausto na consciência e memória da cidade de Berlim; terceira, é que somente estando cientes do apagamento da vida judaica em Berlim que a história da cidade e de toda a Europa podem ter um futuro humano."  Uma linha de "Vazios", espaços ocos de cerca de 20 metros de altura, fatiam linearmente todo o edifício. Os vazios representam "aquilo que nunca pode ser exibido quando se trata da história judaica de Berlim: a humanidade reduzida às cinzas."[8]

No porão, os visitantes primeiro encontram três corredores que se cruzam, inclinados, chamados "Eixos". Os três eixos simbolizam três caminhos da vida judaica na Alemanha - continuidade na história alemã, emigração da Alemanha e o Holocausto.[8]

O primeiro eixo termina em uma longa escada. O segundo eixo conecta o museu próprio ao E.T.A. Hoffmann Garden, ou Jardim do Exílio, cuja base é inclinada, onde se encontra uma oliveira. O terceiro eixo leva do Museu para a Torre do Holocausto um silo vazio de 24 metros de altura. A torre de concreto nu não é aquecida nem arrefecida, e sua única luz vem de uma pequena fenda no seu telhado. O Museu Judaico de Berlim foi o primeiro grande sucesso internacional da Libeskind.[3]

Na última década, Libeskind criou duas extensões estruturais: uma cobertura feita de vidro e aço para o pátio da "Kollegienhaus" (2007),[5] e o edifício Eric F. Ross, que abriga a Academia do Museu Judaico, no antigo mercado de flores no lado oposto da rua (2012).[7]

Em 2016, um júri nomeado pelo Museu Judaico de Berlim premiou o primeiro concurso de arquitetura por um novo museu infantil de € 3,44 milhões para crianças de 5 a 12 anos para Olson Kundig Architects; O segundo prêmio foi concedido à firma de Berlim Staab Architects e terceiro prêmio a Michael Wallraff de Viena. O museu de crianças planejado será alojado no prédio Eric F. Ross e está programado para abrir em 2019.[9]

Exposição Permanente[editar | editar código-fonte]

"Dois milênios da história judaica alemã" apresenta a Alemanha através dos olhos da minoria judaica. A exposição começa com exibições sobre assentamentos medievais ao longo do Reno, em especial em Speyer, Worms e Mayence. O período barroco é visto através da lente de Glikl bas Judah (1646-1724, também conhecido como Glückel von Hameln), que deixou um diário detalhando sua vida como uma empresária judia em Hamburgo. Os legados intelectuais e pessoais do filósofo Moses Mendelssohn (1729-1786) também estão presentes. A Era da Emancipação no século dezenove é representada como um tempo de otimismo, conquista e prosperidade, embora também se demonstrem decepções. Os soldados ingleses judeus que lutaram por seu país na Primeira Guerra Mundial estão na seção do início do século XX. O foco da exposição é Berlim e seu desenvolvimento enquanto uma metrópole europeia. Os judeus vivendo na cidade como comerciantes e empreendedores, cientistas e artistas, são retratados como pioneiros nos avanços da Era Moderna.[10][11]

Na seção sobre nacional-socialismo, a ênfase é colocada sobre as maneiras pelas quais os judeus reagiram à crescente discriminação contra eles, como com a fundação de escolas judaicas e serviços sociais. Após a Shoah, 250.000 sobreviventes esperaram em campos de "pessoas deslocadas" para a possibilidade de emigrar. Ao mesmo tempo, pequenas comunidades judaicas do oeste e do leste estavam se formando. No final, dois julgamentos nazistas principais do período pós-guerra foram considerados - o julgamento de Frankfurt Auschwitz (1963-1965) e o julgamento de Majdanek em Düsseldorf (1975-1981). A exposição se encerra com uma instalação de áudio em que se podem ouvir relatos de judeus alemães relembrando a infância e juventude depois de 1945. [10][11][12]

Ícone de esboço Este artigo sobre a Alemanha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre um museu é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Museu Judaico de Berlim
  1. «Jewish Museum Berlin» 
  2. a b c BRENNER, Michael (1999). Jewish Culture in Contemporary America and Weimar Germany: Parallels and Differences. [S.l.]: Central European University Jewish Studies Yearbook 
  3. a b c HERMANN, Simon (2000). Das Berliner Jüdische Museum in der Oranienburger Strasse: Geschichte einer zerstörten Kulturstätte. Berlin: Hentrich & Hentrich 
  4. BRESLAU, Karen (3 de fevereiro de 1992). «The New Face of Berlin». Newsweek 
  5. a b c BIANCHINI, Riccardo. «The Jewish Museum Berlin by Daniel Libeskind – Part 1». Consultado em 25 de setembro de 2017 
  6. «Berlin Wall Trail - Berlin.de». 5 de dezembro de 2014. Consultado em 25 de setembro de 2017 
  7. a b «The Libeskind Building | Jewish Museum Berlin». www.jmberlin.de (em inglês). Consultado em 25 de setembro de 2017 
  8. a b 1968-, Dorner, Elke, (2006). Daniel Libeskind : Jüdisches Museum Berlin 3. Aufl ed. Berlin: Gebr. Mann. ISBN 3786125325. OCLC 83595580 
  9. «The Art Newspaper». theartnewspaper.com. Consultado em 25 de setembro de 2017 
  10. a b ), Jüdisches Museum Berlin (1999-; Rüdiger., Dammann,; Signe., Rossbach,; Kathrin., Kollmeier, (2001). Stories of an exhibition : two millennia of German Jewish history. Berlin: Stiftung Jüdisches Museum. ISBN 3000082999. OCLC 49263428 
  11. a b «Exhibitions | Jewish Museum Berlin». www.jmberlin.de (em inglês). Consultado em 25 de setembro de 2017 
  12. (1933-1938), Jüdisches Museum Berlin (2010). Highlights from the Jewish Museum Berlin. [Berlin]: Jewish Museum Berlin. ISBN 9783894796075. OCLC 810143543