Museu Paleo-arqueológico e Histórico Prefeito Bertoldo Jacobsen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde setembro de 2011).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.


Museu Paleo-Arqueológico e Histórico Prefeito Bertoldo Jacobsen
Tipo Paleontologia, Arqueologia, e História
Inauguração 18 de dezembro de 2004
Geografia
País  Brasil
Cidade Taió
Coordenadas 27° 6' 56" S 50° 0' 55" O
Geolocalização no mapa: Santa Catarina
Museu Paleo-Arqueológico e Histórico Prefeito Bertoldo Jacobsen está localizado em: Santa Catarina
Museu Paleo-Arqueológico e Histórico Prefeito Bertoldo Jacobsen
Localização do Museu no mapa dinâmico

O Museu Paleo Arqueológico e Histórico Prefeito Bertoldo Jacobsen é um museu brasilleiro focado no resgate e preservação do patrimônio cultural do município de Taió (SC). Inaugurado em 18 de dezembro de 2004, o Museu é nomeado em homenagem ao primeiro prefeito do município. O principais temas de interesse são a Paleontologia, a Arqueologia e a História Local.

A Paleontologia[editar | editar código-fonte]

Que é o estudo da Terra e dos seres vivos existentes antes da influência humana.

A milhões de anos atrás o mar cobria partes do Sul e do Sudeste brasileiro, estando Taió dentro desse contexto. Com o passar do tempo, sucessivos avanços e recuos do mar, deixaram como herança sedimentos fósseis; que hoje compõe parte do patrimônio natural da cidade. Os fósseis encontrados em Taió são únicos, sendo que somente em Nova Gales do Sul na Austrália são encontrados similares. Os fósseis tem idade aproximada de 280 milhões de anos; e a maior parte encontrada pertence ao grupo dos moluscos, tendo como destaque o Heteropecten catharinae (Reed, 1930), levando esse nome em homenagem ao estado de Santa Catarina. [1] Também são encontrados outros materiais fossilíferos, sendo que alguns ainda estão sendo estudados.

A Arqueologia[editar | editar código-fonte]

A arqueologia se ocupa em estudar os vestígios materiais e culturais dos primeiros habitantes, estando Taió também sendo estudado por vestígios encontrados na região. Em estudos realizados pelo Instituto Anchietano de Pesquisas do Rio Grande do Sul, a mais antiga prova de ocupação humana no estado de Santa Catarina é em Taió. Um sítio arqueológico a céu aberto, encontrado em Taió, está datado de 8.000 anos antes do presente, sendo mais antigo até mesmo que os sambaquis do litoral catarinense. Ao todo estão sendo estudados 26 sítios arqueológicos. Os povos que viviam nesta região faziam parte do grupo dos JÊ MERIDIONAIS [2]; cujo ainda hoje temos entre eles os Kaigang e Xokleng. O material encontrado em Taió compõe-se basicamente de pontas de projéteis e ferramentas líticas, tendo sua fabricação pelo lascamento o polimento das rochas.

A História Local[editar | editar código-fonte]

O foco principal é o resgate histórico cultural da colonização alemã e italiana do município, esta composta por cerca de 600 doações, entre fotografias e peças que pertenciam a famílias taioenses; tendo como objetivo a preservação da história taioense. O prédio onde está localizado o Museu, faz parte dessa história, tendo sido construído em 1939, serviu por anos como residência da família do Sr. Leopoldo e Sra.Lizette Jacobsen, passando posteriormente a Hospital São Francisco de Assis, e hoje caracterizado como era a antiga residência da família Jacobsen, abriga o Museu da cidade.

Referências

  1. Carlos), Rocha Campos, A. C. (Antonio (17 de março de 1964). «Contribuição à estratigrafia da região de Taió, Santa Catarina» 
  2. «Jê Meridional - Biblioteca Digital Curt Nimuendajú». www.etnolinguistica.org (em inglês). Consultado em 27 de setembro de 2018