Museu Tecnológico Ferroviário do Funicular

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Museu Tecnológico Ferroviário do Funicular
Tipo museu dos caminhos de ferro
Operador(a) Associação Brasileira de Preservação Ferroviária
Website oficial
Geografia
Coordenadas 23° 46' 45.23" S 46° 18' 10.91" O
Cidade São Paulo, Paranapiacaba
País Brasil

O Museu Tecnológico Ferroviário do Funicular está situado no alto da serra do mar no estado de São Paulo onde atualmente fica a conhecida Vila de Paranapiacaba. Inicialmente os galpões onde se situa este museu eram oficinas construídas para manutenção das composições que faziam o trajeto de Piassaguera Cubatão até o Alto da Serra, a construção inicial data de 1867 construída pela empresa SPR - São Paulo Railway na EFSJ - Estrada de Ferro Santos Jundiaí. Atualmente sob concessão da ABPF desde 2005.


Pontos de interesse público[editar | editar código-fonte]

  • 1867 Fundação e início do Primeiro Sistema Funicular
  • 1900 Início do Segundo Sistema Funicular
  • 1974 Fim do Primeiro sistema que deu lugar ao sistema cremalheira
  • 1983 Fim da utilização comercial do segundo Sistema Funicular, então trecho do quarto patamar da serra nova até Piassaguera foram retirados, e as casas de todo o trecho foram desmontadas.
  • 1986 por iniciativa do PRESERFE (orgão de preservação e museus ferroviários da RFFSA) em parceria com a ABPF, iniciou o restauro para operação do trecho do quinto ao quarto patamar. A operação durou de 1987 até 1991. A RFFSA que cedia maquinistas e operadores de máquina fixa todos os fins de semana. A ABPF apenas dava monitoria no trem e Museu.
  • 1991 houve o corte de verba para o PRESERFE, que desativou o passeio. A ABPF além de não ter sido autorizada a operar o funicular sozinha, não tinha como arcar com os custos da operação.
  • 1996 criada a empresa MRS Logística por um consórcio de mineradoras para operar a SR3 (Central do Brasil) e SR4 (Santos a Jundiaí). A malha de bitola de 1,60 da RFFSA. Sua concessão é apenas para cargas. A parte de passageiros ainda está em aberto para a empresa que quiser explorar. Se isso ocorrer, a MRS é obrigada a dispor 2 horários por dia (no mínimo) para os trens de passageiros, mas ela mesmo não pode operá-los (proibida por contrato).
  • 2005 com o fim da PRESERFE parte da liquidação e remanejamento dos bens da RFFSA, a PRESERFE procurou a ABPF e passou a responsabilidade do museu para ela.
  • 2008 Com muita briga, voluntários gratuitos, dinheiro arrecadado na bilheteria, doações a ABPF consegue trazer o passeio de Maria Fumaça para o Museu e para Paranapiacaba
  • 2012 Incentivo fiscal da prefeitura de Santo André para empresa MRS Logística fazer o restauro da passarela que liga o museu a parte alta e a parte baixa da vila, custo total de cerca de 1.600.000,00R$
  • 2013 A Prefeitura de Santo André é contemplada com a verba de 42.400.00R$ do PAC - Programa de Aceleração do Crescimento para fazer o restauro da vila que tem seu inicio programado para janeiro de 2014, o museu ferroviário não está incluído por necessitar de projeto isolado que é responsabilidade da ABPF.
  • 2015 A ABPF deixa de operar o ''Trem dos Ingleses'' mesmo tendo recurso para tal, sem interesse, o trem permanece parado até os dias de hoje.

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Funicular de Paranapiacaba

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • [1]Sociedade de Preservação e Resgate de Paranapiacaba
  • [2]Museu Tecnológico Ferroviário do Funicular