Music (álbum de Madonna)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Music
Álbum de estúdio de Madonna
Lançamento 18 de setembro de 2000
Gravação Setembro de 1999—Janeiro de 2000
Estúdio(s)
Gênero(s) Pop  · eletrônica
Duração 44:40
Formato(s) CD  · download digital  · vinil  · cassete
Gravadora(s) Maverick  · Warner Bros.
Produção Madonna  · Mark "Spike" Stent  · Talvin Singh  · Mirwais Ahmadzaï  · William Orbit  · Guy Sigsworth
Cronologia de Madonna
Ray of Light
(1998)
GHV2
(2001)
Singles de Music
  1. "Music"
    Lançamento: 21 de agosto de 2000
  2. "Don't Tell Me"
    Lançamento: 14 de novembro de 2000
  3. "What It Feels Like for a Girl"
    Lançamento: 16 de abril de 2001

Music é o oitavo álbum de estúdio da cantora americana Madonna. O seu lançamento ocorreu em 18 de setembro de 2000, através das gravadoras Maverick e Warner Bros.. Em setembro de 1999, Madonna iniciaria uma turnê para promover seu Ray of Light, mas teve que adiar devido ao atraso das filmagens de The Next Best Thing (1999). Pouco depois de lançar "Beautiful Stranger" para a trilha sonora do filme Austin Powers: The Spy Who Shagged Me, ela iniciou um relacionamento com o diretor britânico Guy Ritchie. Em 2000, após lançar "American Pie" para a trilha sonora de The Best Next Thing e anunciar a gravidez de seu segundo filho, ela concentrou-se no desenvolvimento de Music para se distanciar das notícias acerca de sua gestação, tendo como base a música eletrônica para sua concepção e recebendo pressão de sua gravadora para repetir o sucesso comercial de Ray of Light. A intérprete decidiu criar um som característico do mercado musical da época, que estava sendo dominado por cantoras jovens como Britney Spears e Christina Aguilera, e conheceu o disc jockey (DJ) francês Mirwais Ahmadzaï, cuja produção ela gostou de imediato.

Music possui uma sonoridade inspirada por gêneros como o pop e a música eletrônica, apresentando elementos do country pop, do folk e do rock; enquanto a sua instrumentação inclui percussão, cordas, guitarra, sintetizadores e teclados e o uso do vocoder. Liricamente, as faixas refletem-se a múltiplos temas, como a dança, a atitude e o amor, com "What It Feels Like for a Girl" retratando o machismo e a inferioridade feminina. As gravações do projeto ocorreram entre setembro de 1999 e janeiro de 2000, em estúdios no Reino Unido e nos Estados Unidos, sob a produção da própria cantora juntamente com Mirwais Ahmadzaï, William Orbit, Guy Sigsworth, Mark "Spike" Stent e Talvin Singh.

Music recebeu análises positivas da crítica especializada em música contemporânea, a qual prezou a produção da obra e a colaboração entre Madonna e Ahmadzaï, bem como a criatividade musical do projeto; contudo, alguns resenhistas criticaram as canções produzidas por Orbit, embora tenham chamado-as de "cativantes". Posteriormente, foi incluído na listas dos melhores álbuns de todos os tempos da Rolling Stone e venceu o Prêmio Grammy de Melhor Embalagem de Gravação. Comercialmente, o disco obteve um desempenho exitoso, liderando as tabelas musicais de cerca de 23 países, como Alemanha, Canadá, Estados Unidos e Reino Unido, comercializando quatro milhões de unidades em dez dias, de acordo com a CNN. Nos Estados Unidos, tornou-se o quarto disco de Madonna a culminar na parada Billboard 200, sendo o seu primeiro material a liderar a tabela supracitada em 11 anos. Mundialmente, alcançou 11 milhões de exemplares comercializados, sendo o álbum mais vendido da cantora na década de 2000.

A fim de promover o disco, três singles oficiais foram lançados, além de um promocional. O primeiro, a faixa homônima, atingiu um estrondoso sucesso comercial, culminando as tabelas musicais de 25 países. O segundo, "Don't Tell Me", conseguiu êxito semelhante, listando-se nas dez melhores posições em territórios como a Austrália, Estados Unidos e Reino Unido, além de liderar as tabelas australianas e canadenses. O terceiro, "What It Feels Like for a Girl", obteve um desempenho comercial moderado, embora tenha liderado a tabela da Espanha. Seu vídeo musical causou controvérsia devido às suas cenas de violência e foi censurado em canais como MTV e o VH1. A faixa de trabalho promocional "Impressive Instant", atingiu o topo da tabela de canções dance. Como forma de divulgação, Madonna apresentou-se em atrações televisivas e premiações como o Prêmio da MTV Europeia de 2000 e o Prêmio Grammy de 2001 e embarcou nas turnês Don't Tell Me Promo Tour (2000) e Drowned World Tour (2001), sendo que a primeira foi feita de forma promocional e a segunda divulgou tanto Ray of Light quanto Music.

Antecedentes e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Durante a gravação de Music, Madonna se envolveu em um relacionamento com o cineasta britânico Guy Ritchie. Na foto, a cantora e o diretor em 2005.

Após o sucesso crítico e comercial de seu sétimo álbum de estúdio, Ray of Light (1998), Madonna planejou embarcar em uma nova turnê musical para promovê-lo em setembro de 1999; contudo, devido ao atraso das filmagens de The Next Best Thing (1999), que iniciaram-se em abril daquele ano, a digressão acabou sendo adiada.[1] Dois meses após o começo das filmagens, ela lançou "Beautiful Stranger" para a trilha sonora do filme Austin Powers: The Spy Who Shagged Me, que acabou atingindo a 19ª colocação da Billboard Hot 100 e conquistou o troféu de Melhor Canção Escrita para Mídia Visual na 42ª edição do Prêmio Grammy.[2][3] A intérprete iniciou um relacionamento com o diretor britânico Guy Ritchie, o qual havia conhecido em 1999 através de Sting e de sua esposa Trudie Styler, amigo comum de ambos.[4] Em março de 2000, ela liberou a faixa "American Pie", regravação da original de Don McLean, a qual obteve análises mistas e foi um sucesso em todo o mundo, atingindo o topo de várias tabelas musicais e chegando a conquistar a 29ª colocação na Billboard Hot 100 devido as fortes reproduções nas rádios.[2][5][6][7]

Em simultâneo com o lançamento de The Best Next Thing e de "American Pie", Madonna anunciou que estava grávida de Rocco, seu segundo filho, fruto de seu relacionamento com Ritchie. Querendo distanciar-se da agitação da imprensa acerca de sua gestação, a intérprete concentrou-se no desenvolvimento de seu oitavo álbum de estúdio. Pressionada por sua gravadora para repetir o sucesso comercial de Ray of Light, ela decidiu retornar ao estúdio para começar a desenvolver novas faixas. Madonna estava bem disposta para trabalhar com William Orbit, produtor de Ray of Light, porém em 2000, a sua produção e seu som tornaram-se onipresentes. Além disso, a cena musical estava sendo dominada por uma geração de cantoras adolescentes como Britney Spears e Christina Aguilera, fazendo com que a intérprete procurasse um som característico desse mercado.[8] Posteriormente, conheceu o disc jockey (DJ) e produtor francês Mirwais Ahmadzaï, através de amigos comuns. Madonna instantaneamente gostou do jeito que Ahmadzaï pulverizava ritmos, utilizava o acid bass, dava tons e deslocava suas canções. O produtor sempre preferiu assumir riscos musicais e, desde então, ele queria que as suas colaborações com Madonna lhe extraísse o melhor da cantora.[9] Antes de lançar Music, Madonna gravou e divulgou uma declaração para seus fãs, falando sobre o álbum, a faixa homônima e Ahmadzaï:

Gravação[editar | editar código-fonte]

O DJ sueco Sasha (imagem) foi convidado por Madonna para trabalhar no disco, porém o material desenvolvido acabou sendo descartado por não se encaixar no som que a cantora queria.

Madonna havia convidado o DJ sueco Sasha para trabalhar em Music, com o qual começou a escrever novas composições.[11] Ela também havia planejado continuar sua parceria com William Orbit — com quem havia trabalhado no antecessor Ray of Light — para o novo disco; o produtor comentou que o novo material era "um pouco mais ousado do que Ray of Light", elaborando: "É quase como se nós tivéssemos começado com várias baladas lentas e ela [Madonna] tivesse mexido nelas em favor de músicas mais ousadas. O álbum está ficando meio acelerado, com um som naturalmente europeu, inglês e francês, porque todos que estão trabalhando nele, além dela, é inglês ou francês. Na verdade, [está sendo] bem animador. É como uma sequência de Ray of Light [onde não há como ficar] sem parar de dançar. É perfeito".[12] Entretanto, após algumas sessões de gravação, a cantora sentiu que precisava de um som diferente para o projeto, descartando grande parte do material e procurando novos colaboradores.[13]

Music foi o primeiro disco de Madonna a não ser totalmente gravado nos Estados Unidos, tendo sido maioritariamente produzido nos estúdios Sarm West e East Studios, localizados em Londres, Reino Unido.[14] Suas gravações iniciaram-se em setembro de 1999, decorrendo até janeiro de 2000.[14] Foi revelado que o produtor francês Mirwais Ahmadzaï foi apresentado à artista através de Guy Oseary, sócio da Maverick Records, gravadora da cantora. Em entrevista à CNN, ela comentou: "Guy Oseary, meu parceiro da Maverick, me deu uma fita demo de um artista francês chamado Mirwais. [Ele] tocou-a para mim e disse: 'O que você acha dele ser contratado pela Maverick?'. (...) Eu disse: 'Oh meu Deus, é isso que eu quero'. Eu me virei e disse: 'Por favor, descubra se ele quer trabalhar comigo'".[15] Ahmadzaï falava muito pouco de inglês, e Madonna comentou: "Os dois primeiros dias em que estávamos gravando, eu queria arrancar meus cabelos (...) Parecia que não havia nenhuma maneira de nos comunicarmos. O empresário dele teve que entrar e traduzir tudo".[16]

A artista disse que o produtor era "um gênio"[16] e também comentou sobre seu trabalho com Ahmadzaï e os outros produtores do disco: "Eu amo trabalhar com os [produtores] esquisitos que ninguém conhece — as pessoas que tem talento puro e que estão fazendo música diferentemente de qualquer outra pessoa. Music é o futuro da música".[17] Em entrevista ao programa Total Request Live da MTV, a cantora disse que Ahmadzaï era "muito influenciado pelo funk e R&B dos anos 1970", adicionando que o álbum era "mais eletrônico do que o último trabalho, mas [também] é mais ousado e um pouco mais funk".[18] Sobre a inspiração para Music, Madonna disse que o projeto era feito "para se juntar à frieza ou o isolamento de viver na época das máquinas do mundo da alta tecnologia com carinho, compaixão e senso de humor. (...) Music deveria ser uma reflexão do que está[va] acontecendo na sociedade, e como eu sei, nós ficamos muito complacentes".[19] Em entrevista para a revista britânica The Face, ela foi questionada sobre o seu espírito durante o desenvolvimento da obra, e disse: "Para lhe dizer a verdade, eu não sabia qual era o espírito. Me sentia como um animal que estava pronto para sair de uma gaiola. Eu estava vivendo uma vida doméstica muito discreta, e sentia falta de algumas coisas. Por exemplo, eu sentia falta de me apresentar, dançar e estar na estrada, esse tipo de energia. Parte do disco é sobre isso. A outra parte é sobre amor. Há o lado frívolo da minha vida e há o lado não frívolo — esperançoso — da minha vida. Geralmente, eu faço álbuns que falam sobre um tema ou outro, e eu sinto que juntei dois temas nesse [trabalho]".[20]

Composição[editar | editar código-fonte]

Na primeira em vez que gravamos os vocais, meus fones de ouvido tinham um pouco de reverberação, mas não havia ninguém no estúdio quando eles me gravaram. No início, eu fiquei meio apavorada. Parecia muito bruto. Mas, logo depois, senti a intimidade de como a voz foi apresentada. De fato, eu cheguei ao ponto onde insisti de que não teria nenhum efeito na minha voz no álbum, independente do produtor.

—Madonna discutindo a distorção vocal do vocoder utilizada em "Nobody's Perfect".[16]

Sal Cinquemani da revista Slant escreveu que o disco possui uma "direção mais experimental".[21] Em entrevista com a The Face, Madonna explicou suas inspirações por trás das canções e da estrutura musical de Music: "Esse álbum, mais do que qualquer outro, abrange todas as áreas da minha vida. Eu deixei de festejar em Ray of Light. Mas eu havia acabado de ter um bebê, e me sentia completa, como a maravilha da vida, e eu estava incrivelmente pensativa e retrospectiva e intrigada com os aspectos místicos da vida".[20] O trabalho começa com a faixa-título. Esta se inicia com uma voz andrógena da cantora dizendo "Ei, DJ / Coloque um disco para tocar / Eu quero dançar com o meu amor".[n 1] Logo depois, seus vocais eletronicamente manipulados perguntam "Você gosta de dançar?" e "Você gosta do meu acid rock?".[n 2] De acordo com Fouz-Hernández, a canção é "um hino disco, e a batida manda [as pessoas] se levantarem e dançarem" e uma expressão passada pela vocalista ao seu público.[22] A obra seguinte, "Impressive Instant", possui um ritmo acelerado, sendo marcada por linhas de teclados futuristas e vozes obscuras em passagens distorcidas e robóticas. A intérprete declarou que a composição da faixa foi a mais difícil já feita por ela.[16][19] Ela canta "Eu gosto de cantar, cantar, cantar / Como um pássaro voando, voando, voando"[n 3] com um tom de voz infantil em meio a um redemoinho vibrante e festivo de riffs eletrônicos emitidos por teclados e batidas dance.[16]

Trecho de 22 segundos de "Impressive Instant", canção marcada por teclados futuristas na qual Madonna canta com um sotaque infantil em meio a uma produção eletrônica e batidas dance.[16]

Amostra de 28 segundos de "Don't Tell Me", originalmente composta por Joe Henry, cunhado da artista, e moldada por violões suaves e linhas sutis de teclados.[16][23][24]

Problemas para escutar estes arquivos? Veja a ajuda.

"Runaway Lover", a terceira faixa, é um dos resultados das colaborações com William Orbit no álbum, sendo derivada dos gêneros rave, trance e house e apresentando percussões disco.[16][25] Sua letra concisa trata de um homem que se aproveita de suas namoradas antes de fugir.[16] O tema seguinte, "I Deserve It", é música acústica que tem como base um groove influenciado pelo hip hop. Madonna disse que a obra "tem a justaposição mais estranha entre essa música folk simples e uma linha de sintetizador sinistra e de alta tecnologia". Possui um conteúdo lírico rico e introspectivo, como o refrão; "Muitos quilômetros e muitas estradas viajei, caindo no caminho / Muitos corações, muitos anos se passaram, levando a hoje".[n 4][16] "Amazing", o quinto número, se abre com uma melodia de teclados e cordas, semelhante à produzida por uma caixa de música, e contém um ritmo mais acelerado e vibrante.[16] "Nobody's Perfect" inclui vocais estéreos e um teclado "sonhador".[16] De acordo com Stephen Thomas Erlewine do portal Allmusic, "aqui os sentimentos são atrapalhados pelos efeitos eletrônicos".[26] "Don't Tell Me", a sétima obra, foi originalmente elaborada por Joe Henry, cunhado de Madonna, que lançou sua versão, nomeada "Stop", em seu álbum Scar (2001).[23][24] Sua esposa Melanie enviou uma demo da composição para sua irmã, que gostou e gravou sua própria versão.[23][24] A canção é moldada por violões suaves e linhas sutis de teclado.[16] Em conversa com a Interview, a cantora discutiu as letras da canção: "Para mim, é uma música romântica. Tipo, sabe, tire minha pele, [mas] não me diga quem eu deveria amar, ou como eu deveria amar. Não me diga para desistir".[27] Alguns críticos sentiu os versos; "Diga à cama para não se estender / Como a boca aberta de um túmulo / Para não me encarar fixamente / Como um bezerro de joelhos" como "confusos" e "estranhos".[n 5][28][29]

"What It Feels Like for a Girl", a oitava música, possui um andamento mediano e contém elementos dos gêneros trance e trip hop.[26] Descrita por Phil Dellio, do The Village Voice, como a "canção perfeita que responde à The Virgin Sucidies",[30] a faixa começa com um diálogo de Charlotte Gainsbourg retirado do filme The Cement Garden, dirigido por Andrew Birkin: "Garotas podem usar jeans e fazer um corte curto nos cabelos, usar camisas e botas. Porque é legal ser um garoto. Mas um garoto se parecer com uma garota é degradante. Porque você acha que ser uma garota é degradante. Mas secretamente você adoraria saber como é. Não adoraria? Saber como se sente uma garota".[n 6][29] Suas letras possuem como temas principais o machismo e a inferioridade feminina,[31] e aborda o papel da mulher na sociedade.[26] A canção é precedida por "Paradise (Not for Me)", obra que contém as linhas cantadas em francês e foi incluída em Production, álbum lançado por Ahmadzaï;[20] segundo Fouz-Hernandes, o verso; "Eu não consigo me lembrar / De quando era jovem / Não consigo explicar / Se foi um erro"[n 7] reflete uma paleta artística, "englobando diversos estilos musicais, textuais e visuais em suas letras".[32] Musicalmente, é influenciada por trabalhos de Edith Piaf.[16] Última faixa da edição padrão de Music, "Gone" contrasta violões com elementos eletrônicos. Vocais sentimentais dão profundidade a letras notáveis e cautelosas como; "Transformada em pedra, perdi minha fé e vou embora".[n 8][16] Inclusa na edição internacional do produto, "American Pie" é uma regravação da original de Don McLean, sendo significantemente mais curta do que esta e contando com o ator britânico Rupert Everett servindo como vocalista de apoio no refrão.[5] Faixa bônus da edições japonesa e australiana, "Cyber-Raga" é composta por cantos tradicionais em hindi — semelhante a "Shanti/Ashtangi", de Ray of Light.[16][33]

Capa e lançamento[editar | editar código-fonte]

Em suas aparições para a divulgação de Music, Madonna decidiu usar um estilo country, chegando a incluir um bloco inteiro baseado no tema na Drowned World Tour (2001).[34]

Na imagem de capa de Music, Madonna aparece trajando uma camisa azul, um chapéu de cowboy da mesma cor, botas vermelhas e jeans. Nesta, ela é vista olhando para a câmera, com um carro e um posto de gasolina ao fundo. O country foi um tema constante ao longo do design do produto, como no título, que simula uma fivela e mostra a silhueta de um cowboy montado em um cavalo com um fundo de cor amarela; as cores brilhantes dão um forte contraste em comparação à fotografia.[35] As fotos foram tiradas por Jean-Baptiste Mondino, em Los Angeles, Califórnia, entre 10 e 13 de abril de 2000.[36][37] Mondino já havia trabalhado com a cantora anteriormente em outras sessões fotográficas, bem como em vídeos musicais. Em seu livro Madonna's Drowned Worlds: New Approaches to Her Cultural Transformations, o autor Santiago Fouz-Hernándes descreveu a capa como "uma completa celebração ao campo", referindo-se ao Oeste dos Estados Unidos, acrescentando que ela é "simples, mais notavelmente a combinação de Madonna de roupas do oeste com sapatos caros e saltos-altos vermelhos brilhantes. Em particular, há uma evocação clara de Judy Garland — grande ícone gay — na capa".[38][39] O design ficou a cargo de Mattew Lindauer e Kevin Reagan, o qual também responsabilizou-se pela direção artística do disco.[14]

Em entrevista ao programa Style with Elsa Klensch da CNN, Mondino disse ter sido o responsável de idealizar os temas do campo para o álbum, declarando que Madonna "não estava segura no começo, mas eu disse a ela que caso não gostasse não iria insistir. Mas ela amou o resultado final!".[37] Após o lançamento de "American Pie", a artista decidiu explorar essa temática de figurino durante suas aparições públicas para a divulgação de Music, incluindo jeans, camisas e chapéus de cowboy.[40] Na turnê Drowned World Tour em 2001, ela chegou a incluir um segmento baseado inteiramente nesse tema.[34] Fouz-Hernández explicou que com "essa aparência, Madonna pode estar parodiando e criticando o country, que simboliza, entre outras coisas, a supremacia do homem branco, a ambição dos colonizadores europeus e do Sonho Americano. Entretanto, não percebemos que [esse estilo] reconhece a importância do country na cultura popular americana, e entra na longa lista de artistas que já fizeram isso antes".[41] Apesar das conclusões feitas pelo autor, a imagem da cantora como uma cowgirl tornou-se uma de suas reinvenções mais conhecidas.[42][43]

Em 22 de agosto de 2000, cerca de um mês antes do lançamento de Music, todas as faixas do projeto foram divulgadas ilegalmente na Internet através do serviço Napster. No ano seguinte, após o processo judicial movido pela banda Metallica contra o serviço — o qual foi denominado pela mídia como "Mettalica vs. Napster, Inc." —, representantes do serviço prometeram bloquear todas as canções do disco que ainda estivessem disponíveis.[44] O álbum foi primeiramente lançado no Japão em 15 de setembro de 2000 pela Maverick Records, cuja edição contou com "American Pie" e "Cyber-Raga" como números bônus.[45] Três dias depois, foi lançado em território britânico pela mesma gravadora,[46] e finalmente comercializado a nível mundial em 19 do mesmo mês, através da Maverick, com a Warner Bros. Records atuando como distribuidora.[47] Uma edição limitada foi lançada e continha um encarte de 24 páginas, um broche com o logotipo do produto e dois adesivos, envolto em um pano de linho disponibilizado em quatro cores diferentes.[48] A edição internacional do disco apresentou "American Pie" como faixa extra, a qual não foi incluída nas versões canadense e americana.[46][47][49][50] Madonna comentou que "foi algo que um certo executivo da gravadora me obrigou a fazer" e disse ter se arrependido de ter colocado a canção nas outras prensagens do material.[51] Usuários que adquiriram o disco através da aplicação QuickTime da Apple tiveram acesso exclusivo a dois remixes da faixa homônima.[52] "Lo Que Siente La Mujer", versão em espanhol de "What It Feels Like for a Girl", e um remix da original feito pelo grupo Above & Beyond foram incluídas na edição mexicana de Music.[50] Em 2001, uma versão especial do álbum foi lançada em comemoração à sua turnê correspondente, a qual apresentou um CD bônus com remixes de seus singles e o vídeo de "What It Feels Like for a Girl".[53]

Em 18 de setembro de 2000, Madonna fez seu primeiro bate-papo com fãs na Internet, que foi transmitido pelo AOL.[54] Um dia após o lançamento global do projeto, a cantora promoveu uma festa na boate Catch One em Los Angeles, Califórnia. A Warner Bros. e a revista Us investiram 1.4 milhões de libras no evento, que contou com a presença de 600 convidados selecionados, os quais receberam convites especiais. Estes convites foram enviados em caixas de couro branco, forrado com pele preta. Um colar dourado mostrando o título do álbum esteve dentro destas caixas, e apenas aqueles que estivessem usando o objeto puderam entrar. Dezenas de strippers estiveram na festa, para ter o mesmo tema retratado no vídeo musical de "Music".[55] A cantora usou um diamante de cinco quilates dado por Ritchie em seu aniversário, e uma camisa preta estampada com a frase "Snatch Coming Soon", promovendo o filme dele; o diretor, por sua vez, divulgou o disco usando uma blusa com a palavra "Music" escrita nela. Sheryl Crow, Gwen Stefani, Guy Oseary, Ritchie, George Clinton e Macy Gray — que chegaram em uma carruagem puxada por cavalos — foram algumas das celebridades que estiveram presentes no evento. De acordo com o New York Post, Ritchie inicialmente teve acesso negado ao salão VIP e teria empurrado um segurança que não sabia quem ele era.[56][57]

Singles[editar | editar código-fonte]

Oficiais[editar | editar código-fonte]

O então marido de Madonna, Guy Ritchie, dirigiu o video musical de "What It Feels Like for a Girl".

A faixa-título foi lançada como o primeiro single do disco em 22 de agosto de 2000,[58] após uma cópia incompleta e trechos de até três minutos serem ilegalmente divulgados na Internet.[59][60] Foi bem recebida por críticos musicais, que elogiaram sua produção e a comparam com outros lançamentos de Madonna, como "Holiday" e "Into the Groove".[21][61] Obteve êxito comercial, atingindo o topo das tabelas musicais de 25 países,[62] como Austrália, Canadá, Espanha, Nova Zelândia, Reino Unido e Suíça.[63][64][65][66] Nos Estados Unidos, tornou-se a 12ª e, até o momento, última canção da artista a culminar na Billboard Hot 100, onde permaneceu por quatro semanas consecutivas e fez dela a segunda intérprete com maior quantidade de faixas a conquistar o pódio da parada nas décadas de 1980, 1990 e 2000 de forma consecutiva.[2][67][68] O vídeo musical correspondente foi filmado quando a cantora estava grávida de quatro meses sob a direção de Jonas Åkerlund, sendo lançado em 2 de agosto de 2000 na MTV.[69] Apresenta participações de Debi Mazar, Niki Haris e o comediante Sacha Baron Cohen, interpretando seu personagem Ali G, e retrata Madonna e suas amigas dando uma festa em sua limusine, dirigida por Ali G. Depois de chegarem a uma boate, elas convidam algumas strippers e continuam a festejar.[60][70][71] Também apresenta sequências nas quais uma versão animada da artista ataca várias placas em neônio com os nomes de suas canções antigas.[70]

Escolheu-se "Don't Tell Me" para dar continuidade à divulgação de Music. Lançada como a segunda faixa de trabalho do produto em 14 de novembro de 2000, recebeu análises positivas de resenhistas, que prezaram os vocais de Madonna, comparando-os com os de Sheryl Crow, e selecionaram-na como um dos destaques do CD.[26][28][72][73] Comercialmente, conseguiu repetir o sucesso da anterior, culminando nas tabelas canadenses, italianas e neozelandesas e listando-se nas dez primeiras colocações em uma série de territórios, incluindo Austrália, Finlândia, Noruega, Reino Unido e Suíça, bem como na parada europeia de singles.[66][74][75][76] Em território americano, rendeu dois feitos para a artista.[77][78] O primeiro deles empatou Madonna com Elvis Presley como a artista com mais singles a atingir os dez primeiros lugares da Billboard Hot 100, onde atingiu o quarto posto.[2][77] O segundo ocorreu quando a canção recebeu a certificação de ouro da Recording Industry Association of America (RIAA), marcando o 24º certificado de ouro da intérprete emitido pela empresa e igualando-a aos Beatles como os atos com segundo maior número de certificações de ouro.[78] A gravação audiovisual foi dirigida por Jean Baptiste-Mondino e retrata a intérprete como uma cowgirl andando em uma esteira na frente de uma tela projetada, com cowboys dançando e brincando em um deserto emitido pela projeção.[79]

Originalmente prevista para ser comercializada como o segundo foco de promoção do disco, "What It Feels Like for a Girl" acabou por servir como o terceiro, tendo sido lançada em 17 de abril de 2001.[16][80] Recebeu análises positivas de críticos musicais, que a consideraram uma das mais maturas da artista e a selecionaram como um destaque do projeto.[26][81] Comercialmente, obteve um desempenho moderado em relação aos singles anteriores; embora tenha liderado a tabela da Espanha, listou-se nas trinta primeiras colocações de diversos territórios, como Áustria, Bélgica Reino Unido e Suécia.[64][65][82] Nos Estados Unidos, conquistou o 23º entrada da artista na Billboard Hot 100 e atingiu o pódio parada de canções dance.[2][83] Seu vídeo musical foi dirigido por Guy Ritchie, então marido de Madonna, e estreou em 23 de março de 2001 no canal a cabo Oxygen.[84] As cenas retratam a artista buscando uma idosa em um asilo, que a acompanha em uma série de crimes ao longo de Los Angeles.[84][85] Foi criticado por ser excessivamente violento, tendo sido banido em vários canais europeus e norte-americanos, incluindo a MTV e o VH1, nos quais foi transmitido apenas uma vez em um horário tardio.[84][86] Consequentemente, a cantora lançou o trabalho no formato de DVD single em 24 do mês seguinte,[87] o qual tornou-se o mais vendido do ano.[88]

Promocionais[editar | editar código-fonte]

"Impressive Instant" foi lançada como single promocional em 18 de setembro de 2001, através de remixes feitos por Peter Rauhofer.[89] Originalmente, seria distribuída como o quarto single oficial do disco, mas a Warner Bros. queria lançar "Amazing" no lugar. Entretanto, Madonna sentiu que a faixa era similar à "Beautiful Stranger", assim entrando em um impasse com a gravadora. A empresa planejou comercializar a música sem o consentimento da cantora, já que ela estava ocupada com as preparações de sua próxima turnê, e queria promovê-la com um vídeo musical retirado da Drowned World Tour, porém a Madonna retirou o número do repertório da digressão para assegurar-se de que a Warner Bros. não poderia divulgá-la.[90] Como resultado, a ideia de quarto single foi encerrada. Criticamente bem recebida, com profissionais elogiando sua produção,[72][91] atingiu o topo da parada dance, rendendo à artista sua 27ª canção a culminar no periódico — o maior número já obtido por qualquer artista —, sendo sua sétima consecutiva, bem como seu 36º tema a listar-se nas dez primeiras colocações.[83][92][93][94]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Crítica profissional[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Pontuações agregadas
Fonte Avaliação
Metacritic 80/100[95]
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic 4 de 5 estrelas.[26]
Entertainment.ie 3 de 5 estrelas.[96]
Entertainment Weekly B[61]
The Guardian negativa[97]
musicOMH positiva[91]
NME 7/10[72]
Q 4 de 5 estrelas.[28]
Rolling Stone 4 de 5 estrelas.[98]
Slant Magazine 4 de 5 estrelas.[21]
Spin 7/10[99]

Music foi bem recebido por críticos especializados em música contemporânea, que elogiaram sua produção e sua criatividade musical, bem como a colaboração entre Madonna e Ahmadzaï.[95] O portal Metacritic, com base em 16 análises recolhidas, concedeu ao disco uma nota 80, de uma escala que vai até cem, indicando "análises geralmente positivas".[95] Dando quatro de cinco estrelas, Stephen Thomas Erlewine, do banco de dados AllMusic, prezou a música em camadas do álbum e escreveu que a colaboração da artista com Ahmadzaï foi a razão pela qual o material "ganha vida com faísca e estilo".[26] Escrevendo para a revista Vibe, Dimitri Ehrlich definiu-o como "uma obra prima de teclados brilhantemente arranjados, percussões futuristas e guarnições eletrônicas. Com violões folk e uma inclinação vagamente espiritual em suas letras (como aquelas em Ray of Light), é um álbum estranho e sonoramente refrescante".[100] Andrew Lynch, da página Entertainment.ie, atribuiu três de cinco estrelas e analisou que o disco contém "dance music brilhantemente futurista", mas considerou seu conteúdo lírico "banal".[96] Duas resenhas foram publicadas pelo jornal The Village Voice.[30][101] Na primeira, o crítico musical Robert Christgau deu uma nota A ao trabalho e disse que ele possui "consistência e fluxo" devido às suas canções boas e maduras, acrescentando: "Do vocoder à roupa de cowgirl, ela está de volta com seu atrevimento".[101] Na segunda, o colunista Phil Dellio avaliou-o positivamente, destacando a habilidade da cantora em ser atual na qualidade de suas músicas ao longo dos anos e dividindo o álbum em três partes, "a parte de dança, a boa e a parte fúnebre".[30] Jason Ferguson da MTV considerou-o "um disco pop mainstream absolutamente incrível",[102] enquanto Michael Hubbard da página musicOMH disse que a colaboração entre Ahmadzaï e Madonna "rouba a cena".[91] Alex Pappademas, da revista Spin, deu uma nota 7 de 10 e disse que o álbum é "um refrescante respiro muito necessário de VapoRub".[99]

Em análise para a revista Q, Danny Eccleston concedeu quatro de cinco estrelas e chamou-o de "um disco corajoso, radical e incisivo (em 49 minutos de duração refrescantes)".[28] Avaliando o disco em retrospecto, Kelefa Sanneh, da publicação Blender, escreveu que esse era "seu primeiro 'álbum para fones de ouvido' (...) é mais divertido e menos pomposo do que Ray of Light".[103] Barry Walters, em sua análise para a Rolling Stone, deu quatro estrelas de cinco atribuíveis para o material, declarando que ele era uma versão rudimentar e improvisada de Ray of Light, mas prezou Madonna por ter escolhido fazer um trabalho mais "instintivo" do que os anteriores.[98] Quinze anos depois, resenhando a turnê Rebel Heart Tour da artista, Rob Sheffield da mesma revista disse que Music ainda é "o álbum mais dançante e sedutor de Madonna".[104] Um editor da Mojo analisou que "Music é irregular e seus encantos não são totalmente imediatos, mas Madonna ainda está fazendo o que faz de melhor — dar uma demão de pop genial ao improvável gênero de dance music experimental".[95] Um redator da revista NME deu uma nota 8 de 10 e disse que o disco é "cheio de vocoder, esticado, distorcido, deformado e deliberadamente ofuscado por batidas tão chamativas que pertencem a uma nova classe — muito simples, ela está quase conseguindo desaparecer. Esse título asperamente explícito não é apenas uma ironia inútil. Esse disco é sobre a música, [e] não [sobre] Madonna; é sobre os sons, e não [sobre] a imagem".[72] Sal Cinquemani, da Slant, deu quatro estrelas de cinco totais criticou as colaborações da cantora com William Orbit, chamando-as de "repetitivas" e "desinteressantes", embora as tenha considerado "cativantes".[21] David Browne, do portal Entertainment Weekly, atribuiu uma nota B para Music, descrevendo-o como "seu disco mais remendado desde seus anos [com] Sean Penn" e adicionando: "Por causa da maneira como ela anda na ponta dos pés em diferentes humores e ritmos, Music é frustrantemente inconsistente, como se Madonna não tivesse certeza de onde se aventurar em seguida. Às vezes, parece uma coleção de sons — engenhosos, intrigantes, para ser mais preciso — que procura contrabalançar as melodias comuns e a entrega estoica de Madonna".[61] Garry Mulholland, do jornal The Guardian, deu uma crítica mais negativa a obra, chamando-a de "insuportavelmente insignificante", e dizendo que "no caso de Music, o melhor dele é provavelmente o que você esperaria realisticamente de uma mulher distraída por um novo relacionamento, uma mudança de casa, uma gravidez. É um bom disco de Madonna, se você conseguir suportar o cheiro engraçado".[97]

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Na lista anual Pazz & Jop feita pelo The Village Voice, a qual compila os melhores álbuns e singles do ano com base em análises críticas, o disco foi eleito o 16º melhor de 2000.[105] O álbum rendeu um total de cinco indicações aos Prêmio Grammy. Na edição de 2001, onde venceu o prêmio de Melhor Encarte de Gravação — cuja condecoração foi entregue a Kevin Reagan, diretor artístico e responsável pelo design — e foi nomeado para Melhor Álbum Vocal Pop, enquanto a faixa homônima foi indicada aos troféus de Gravação do Ano e Melhor Performance Feminina Pop.[3] No ano seguinte, o vídeo musical de "Don't Tell Me" foi indicado para Melhor Vídeo Musical, perdendo para "Weapon of Choice" de Fatboy Slim.[3] Music foi eleito pela NME o 47º melhor trabalho da década de 2000. Um redator escreveu que a obra "provou que ainda havia um grande negócio em oferta da mãe da reinvenção".[106] Na edição de 2003 dos 500 melhores álbuns de todos os tempos elaborada pela Rolling Stone, o disco foi colocado na posição de número 452, com um editor avaliando que "Madonna queria a 'emoção nua' com esse álbum".[107] Além de constar nestas listas, o material foi incluído no livro 1001 Álbuns que Você Deve Ouvir Antes de Morrer.[108]

Promoção[editar | editar código-fonte]

Como parte da turnê de divulgação para Music, em 3 de novembro de 2000, Madonna apresentou "Don't Tell Me" no The Late Show with David Letterman. Esta foi a sua primeira aparição no programa em seis anos, após sua controversa entrevista feita em 1994.[109] Dois dias depois, ela fez o primeiro de dois concertos de sua turnê promocional, Don't Tell Me Promo Tour, no Roseland Ballroom em Nova Iorque. Entre os músicos que a acompanhavam estavam Ahmadzaï no violão e suas vocalistas de longa data, Niki Haris e Donna DeLory.[110] O palco e os figurinos do espetáculo foram desenhados pelos estilistas Dolce & Gabbana. O repertório foi constituído por "Impressive Instant", "Runaway Lover", "Don't Tell Me", "What It Feels Like for a Girl" e "Music". Naquele show, a intérprete usou uma camisa com o nome "Britney Spears" escrito nela.[110] A cantora deu continuidade à divulgação do disco, dessa vez na Europa, onde apresentou "Don't Tell Me" no programa alemão Wetten, dass..? em 11 de novembro de 2000.[111] Cinco dias depois, interpretou "Music" no Prêmio da MTV Europeia daquele ano, realizado em Estocolmo, Suécia. Após ser introduzida por Ali G como "Maradona", ela cantou a música usando uma blusa com o nome "Kylie Minogue" estampado.[112] No dia seguinte, fez uma performance das duas faixas supracitadas no britânico Top of the Pops.[113] O programa francês, Nulle Part Ailleurs recebeu a artista em 24 do mesmo mês, onde cantou as mesmas obras.[114][115]

O último concerto da Don't Tell Promo Tour ocorreu em 29 seguinte na Brixton Academy em Londres. A apresentação foi transmitida na Internet pelo MSN no formato de webcast, e teve a participação do cantor britânico Richard Ashcroft e a banda escocesa Texas, como artistas de abertura.[116][117] O repertório apresentado foi o mesmo do show no Roseland Ballroom, com "Holiday" sendo acrescentada.[116] O evento também contou com uma plateia de 2 mil e 800 pessoas, estiveram presente os cantores Mick Jagger, Kylie Minogue, Sting, Ali G, Mel C e Natalie Appleton. Madonna apresentou-se usando uma camisa estampada com os nomes de seus filhos, Lola e Rocco.[117] Durante toda a transmissão, as páginas do MSN em todo o mundo ficaram online e receberam uma enorme quantidade de tráfego na Internet. Alguns usuários sofreram atrasos devido ao grande tráfego de Internet, e outros sofreram atrasos temporários.[117] Último de uma série de webcasts transmitidos pela página, o concerto de Madonna quebrou o recorde de mais assistido pela Internet, recebendo um público estimado em nove milhões de pessoas, quebrando o feito anteriormente detido pela apresentação de Paul McCartney no Cavern Club, que foi vista por três milhões de pessoas.[117] O show ficou disponível para visualização durante duas semanas, tanto no MSN quanto na página oficial da cantora.[117] Tracy Blacher, gerente de marketing do portal, disse:

"Don't Tell Me" veio a ser apresentada no programa italiano Carràmba! Che fortuna, em 2 de dezembro de 2000.[118] Em 21 de fevereiro do ano seguinte, Madonna cantou a faixa-título no Prêmio Grammy.[119] Para a performance, o palco contou com cinco gigantes telas de vídeo, que mostravam imagens da carreira da artista. Em seguida, ela apareceu em um Cadillac clássico dirigido pelo rapper Bow Wow. A cantora saiu do banco de trás do veículo em um casaco de pele de corpo inteiro e um chapéu, removendo as peças para revelar uma jaqueta de couro apertada e jeans.[120] A musicista tirou a jaqueta, revelando um top preto com as palavras "Material Girl" estampadas, e interpretou uma versão energética da canção, acompanhada por Haris e DeLory.[121] Falando sobre como estava ficando velho, o comediante Jon Stewart, apresentador da premiação, comentou: "Quando estava vendo Madonna se contorcendo no capô do carro, tudo que eu pensei foi — isso vai elevar os prêmios de seguro dela".[122]

Drowned World Tour[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Drowned World Tour
Madonna apresentando "Impressive Instant" na turnê Drowned World Tour, 2001.

Maior promoção ao disco foi feita com a turnê Drowned World Tour. Iniciada em junho de 2001, que percorreu os Estados Unidos e a Europa e divulgou tanto Music quanto Ray of Light, marcando a primeira digressão da cantora em oito anos, desde a The Girlie Show World Tour (1993).[123] Originalmente, estava prevista para começar em setembro de 1999 e promoveria apenas o último álbum,[1][124] mas vários acontecimentos causaram o seu adiamento, incluindo o atraso das filmagens de The Best Next Thing, o casamento de Madonna com Guy Ritchie e a gravidez de seu segundo filho.[1][125] Quando a intérprete finalmente decidiu embarcar na excursão, o tempo era curto e ela teve que preparar o show dentro de três meses. Jamie King foi selecionado como diretor criativo e coreógrafo da digressão, com Jean-Paul Gaultier sendo escolhido como estilista.[126][127][128][129] Os concertos foram divididos em cinco segmentos, Cyber-Punk, Geisha, Cowgirl, Spanish e Ghetto, com cada um representando uma fase da carreira da cantora.[130] O repertório foi predominantemente composto por faixas contidas nos trabalhos promovidos; "La isla bonita" e "Holiday" foram as únicas lançadas antes da década de 1990 a serem incluídas.[131] Várias mudanças foram adotadas para as três últimas apresentações em Los Angeles, devido aos ataques de 11 de setembro. Madonna usou um kilt com a bandeira dos Estados Unidos durante o primeiro bloco como uma demonstração de seu patriotismo; a canção "The Funny Song", com temática canibalista, foi removida do repertório; e o encerramento da segunda parte de "Mer Girl" foi alterado para remover uma encenação de tiro em um personagem. A cantora, em vez de atirar no personagem, abaixou a arma, o abraçou e eles saíram do palco juntos.[132]

A turnê foi criticamente apreciada, com profissionais elogiando a capacidade da vocalista de reinventar-se continuamente.[131][133] Como resultado, foi indicada para Maior Turnê do Ano e Produção de Palco Mais Criativa no Prêmio Pollstar de 2001, perdendo em ambas para a Elevation Tour da banda irlandesa U2.[134] Comercialmente, arrecadou 75 milhões dólares, tornando-se a turnê de um artista solo com maior arrecadação do ano — e a quarta no total, apenas atrás das de U2, Backstreet Boys e 'N Sync.[135] O espetáculo de 26 de agosto de 2001, feito no Palácio de Auburn Hills em Auburn Hills, Michigan foi transmitido ao vivo pela HBO sob o título de Madonna Live! — Drowned World Tour 2001, com "Gone" sendo incluída no repertório especialmente para a ocasião.[136][137] Posteriormente, este show foi lançado comercialmente a nível global em 13 de novembro de 2001, sob o nome de Drowned World Tour 2001, coincidindo com a distribuição de GHV2, o segundo álbum de grandes êxitos da cantora.[138][139] A atriz e comediante Rosie O'Donnell, amiga da cantora, tirou as fotografias usadas para a capa e os encartes do trabalho.[138] O produto foi recebido com análises mistas da mídia especializada, com editores prezando sua qualidade sonora e criticando sua imagem.[140] O Media Development Authority (MDA) ofendeu-se com a cena do interlúdio em anime de "What It Feels Like for a Girl", no qual um personagem acaricia e estupra uma garota, levando ao banimento do DVD em Singapura.[141] Apesar disso, a gravação recebeu o prêmio de Melhor Concerto Televisivo no Prêmio AOL TV de 2002 e foi um sucesso comercial, atingindo o topo da parada de álbuns de vídeo, publicada pela Billboard, e recebendo certificações de platina em vários países.[142][143][144][145]

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

Music – Edição Padrão
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
1. "Music"  
  • Madonna
  • Ahmadzaï
3:44
2. "Impressive Instant"  
  • Madonna
  • Ahmadzaï
  • Madonna
  • Ahmadzaï
3:37
3. "Runaway Lover"  Madonna, Orbit 4:46
4. "I Deserve It"  
  • Madonna
  • Ahmadzaï
  • Madonna
  • Ahmadzaï
4:23
5. "Amazing"  
  • Madonna
  • Orbit
  • Madonna
  • Orbit
3:43
6. "Nobody's Perfect"  
  • Madonna
  • Ahmadzaï
  • Madonna
  • Ahmadzaï
4:58
7. "Don't Tell Me"  
  • Madonna
  • Ahmadzaï
  • Joe Henry
  • Madonna
  • Ahmadzaï
4:40
8. "What It Feels Like for a Girl"  
  • Madonna
  • Guy Sigsworth
  • David Torn
  • Madonna
  • Sigsworth
  • Mark "Spike" Stent
4:43
9. "Paradise (Not for Me)"  
  • Madonna
  • Ahmadzaï
  • Madonna
  • Ahmadzaï
6:33
10. "Gone"  
  • Madonna
  • Damian LeGassick
  • Nik Young
  • Madonna
  • Orbit
  • Stent
3:24
Duração total:
44:40
Music – Faixa bônus internacional[146]
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
11. "American Pie"  Don McLean
  • Madonna
  • Orbit
4:33
Music – Faixa bônus das edições australiana e japonesa[147]
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
12. "Cyber-Raga"  
  • Madonna
  • Talvin Singh
(adaptado do texto original)
  • Madonna
  • Singh
5:33
Music –Faixas bônus da edição mexicana[50]
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
11. "Lo Que Siente Una Mujer" (versão em espanhol de "What It Feels Like for a Girl")
  • Madonna
  • Sigsworth
  • Stent
  • Alberto Ferraras
[A]
  • Madonna
  • Sigsworth
  • Stent
4:43
12. "What It Feels Like for a Girl" (Above & Beyond Club Radio Edit)
  • Madonna
  • Sigsworth
  • Madonna
  • Sigsworth
  • Stent
[B]
3:45
Duração total:
53:08
Music – Disco bônus da edição especial da turnê[53]
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
1. "Music" (Deep Dish Dot Com Remix)
  • Madonna
  • Ahmadzaï
  • Madonna
  • Ahmadzaï
  • Dubfire[B]
  • Sharam[B]
11:22
2. "Music" (HQ2 Club Mix)
  • Madonna
  • Ahmadzaï
  • Madonna
  • Ahmadzaï
  • Hex Hector[B]
  • Mac Quayle[B]
8:51
3. "Don't Tell Me" (Timo Maas Mix)
  • Madonna
  • Ahmadzaï
  • Henry
  • Madonna
  • Ahmadzaï
  • Timo Maas[B]
  • Martin Buttrich[B]
6:55
4. "Don't Tell Me" (Tracy Young Club Mix)
  • Madonna
  • Ahmadzaï
  • Henry
  • Madonna
  • Ahmadzaï
  • Tracy Young[B]
  • Chris Crane[C]
11:00
5. "What It Feels Like for a Girl" (Paul Oakenfold Perfecto Mix,)
  • Madonna
  • Sigsworth
  • David Torn
7:20
6. "Lo Que Siente La Mujer" (versão em espanhol de What It Feels Like for a Girl)
  • Madonna
  • Sigsworth
  • Torn
  • Ferraras[A]
  • Madonna
  • Guy Sigsworth
  • Stent
4:44
7. "What It Feels Like for a Girl" (vídeo musical)
  • Madonna
  • Sigsworth
  • Torn
  4:36
Duração total:
54:48
Notas
A - denota tradutores
B - denota remixadores
C - denota co-produtores

Créditos[editar | editar código-fonte]

Lista-se abaixo os profissionais envolvidos na elaboração de Music, de acordo com o encarte do álbum:[14]

Locais de gravação
Equipe

Desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

Comercialmente, Music obteve um desempenho exitoso, em apenas dez dias após seu lançamento, a CNN informou que já haviam sido vendidas mais de quatro milhões de unidades em todo o mundo.[15] Tornou-se o álbum mais comprado em menor tempo de toda a história da gravadora Warner Music Group, com 3 milhões de exemplares adquiridos globalmente apenas na semana de lançamento.[148] Pelo mundo, é estimado que tenham sido comercializadas mais de 11 milhões de unidades do material.[149] Foi o décimo nono disco mais bem sucedidos de 2000 em todo o globo.[150]

Nos Estados Unidos, Music estreou no topo da Billboard 200, vendendo mais de 420 mil cópias naquela semana. Tornou-se o primeiro álbum número um de Madonna em seu país natal em onze anos, desde Like a Prayer (1989).[151] Nessa região, recebeu três certificados de platina pela Recording Industry Association of America (RIAA), denotando uma distribuição superior a 3 milhões de unidades.[152] Os números divulgados pela Nielsen SoundScan, em agosto de 2010, apontavam que sua comercialização já havia excedido 2,925 milhões de réplicas em solo americano.[153] No Canadá, debutou no comando da parada canadense de álbuns da revista RPM, posteriormente, obteve uma certificação de platina pela Music Canada (MC) em razão das mais de trezentas mil unidades adquiridas.[154] Em outros territórios da América, apesar de não ter entrado em nenhuma tabela oficial, conseguiu obter um bom desempenho: na Argentina foi agraciado com platina por vender 40 mil cópias, enquanto no Brasil, Chile e México foi certificado de ouro por 100 mil, 15 mil e 75 mil exemplares vendidos, respectivamente.[155][156][157][158]

Music provou-se exitoso também em toda a Europa, onde atingiu a primeira colocação da tabela que compila os cem álbuns mais vendidos do continente,[159] e foi certificado como platina após serem exportadas mais de um milhão de unidades na região.[160] Em 2 de outubro de 2000, culminou na parada alemã de álbuns, passando um total de 50 semanas por lá.[161] Este desempenho resultou em duas certificações de platina emitidas pela Bundesverband Musikindustrie (BVMI), após vender 600 mil exemplares na nação.[162] Na França, Music debutou na 1ª colocação, permanecendo por 67 semanas no gráfico, antes de começar a decair em 29 de junho de 2002,[163] sendo classificado com duas certificações de platina pela Syndicat National de l'Édition Phonographique (SNEP), ao vender oitenta mil réplicas.[164] No Reino Unido, estreou no pódio da tabela britânica de álbuns.[165] Foi certificado com platina quíntupla pela British Phonographic Industry (BPI), em razão de 1,600 milhões de compras realizadas até junho de 2019, conforme divulgado pela Official Charts Company (OCC).[166][167] Alcançou o posto máximo na Suécia e Suíça,[168][169] e recebeu a condecoração de platina e platina dupla, respectivamente.[170][171] Na semana posterior à sua estreia, ascendeu para o cume da parada de outras várias nações europeias, como Áustria,[172] Dinamarca,[172] Finlândia,[172] e Países Baixos.[173]

Na região da Australásia a obra foi igualmente bem recebida, apesar de conseguir conquistar apenas o segundo lugar em vendas na Austrália — devido ao pódio estar sendo ocupado por uma compilação que continha canções com temas dos Jogos Olímpicos de Verão de 2000Music recebeu cinco certificações de platina emitidas pela Australian Recording Industry Association (ARIA) denotando comercialização superior a setenta mil unidades.[174][175] De forma similar, estreou na vice liderança na Nova Zelândia, em 8 de outubro de 2000, permanecendo no gráfico por 33 semanas, sendo posteriormente emitido um certificado duplo de platina pela Recorded Music NZ (RMNZ) pelo excedente de 30 mil unidades.[175][176] No Japão, estreou na 7ª posição na parada semanal de álbuns da Oricon.[177] Mais tarde, foi certificado de platina pela Recording Industry Association of Japan (RIAJ) ao vender 300 mil cópias.[178] Music também se saiu bem sucedido em Hong Kong, onde recebeu o prêmio de Álbum Mais Vendido de 2001 pela IFPI do país após se tornar um dos dez discos internacionais mais comprados do ano na região.[179]

Tabelas semanais[editar | editar código-fonte]

Histórico de lançamento[editar | editar código-fonte]

País Data Formato Gravadora(s)
Japão 15 de setembro de 2000 (2000-09-15)[235] Warner Bros.
Europa 18 de setembro de 2000 (2000-09-18)[236]
Mundo 19 de setembro de 2000 (2000-09-19)[237][238]
Edição limitada
20 de setembro de 2000 (2000-09-20)[239] Download digital
Estados Unidos 9 de junho de 2001 (2001-06-09) CD duplo
Europa

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. No original: "Hey, Mr. DJ / Put a record on / I wanna dance with my baby".
  2. No original: "Do you like to boogie-woogie?" e "Do you like of my acid rock?".
  3. No original: "I like to singy, singy, singy / Like a bird on wingy, wingy, wingy"
  4. No original: "Many miles, many roads I have traveled, fallen down of the way / Many hearts, many years have unraveled, leading up to today".
  5. No original: "Tell the bed not to lay / Like the open mouth of a grave / Not to stare up at me / Like a calf down on its knees".
  6. No original: "Girls can wear jeans and cut their hair short, wear shirts and boots. 'Cause it's OK to be a boy. But for a boy to look like a girl is degrading. 'Cause you think that being a girl is degrading. But secretly you'd love to know what it's like... Wouldn't you? What it feels like for a girl".
  7. No original: "I can't remember, when I was young, I can't express if it was wrong".
  8. No original: "''Turn to stone, lose my faith, and I'll be gone

Referências

  1. a b c Gil Kaufman (15 de março de 1999). «Film Delay Blamed For Madonna Tour Cancellation» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 17 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  2. a b c d e «Madonna Album & Song Chart History » The Hot 100» (em inglês). Billboard Hot 100. Consultado em 1 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  3. a b c «Grammy Award Winners – Madonna» (em inglês). Grammy Awards/National Academy of Recording Arts and Sciences. Consultado em 29 de janeiro de 2016 
  4. «Guy Ritchie turns to Sting's wife Trudie Styler to save his marriage to Madonna». Daily Mirror (em inglês). Trinity Mirror. 30 de junho de 2008. Consultado em 17 de dezembro de 2014 
  5. a b «NME Track Reviews - American Pie». NME (em inglês). IPC Media. 26 de fevereiro de 2000. Consultado em 28 de janeiro de 2016 
  6. Chuck Taylor (12 de fevereiro de 2000). «Spotloght: Madonna, "American Pie"». Billboard. 112 (7): 22. Consultado em 29 de janeiro de 2016 
  7. «Madonna - American Pie - Ultratop» (em inglês). Ultratop. Consultado em 31 de janeiro de 2016 
  8. O'Brien 2008, p. 338
  9. O'Brien 2008, p. 339
  10. Christina Saraceno (14 de agosto de 2000). «Madonna Gives Birth to a Baby Boy». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner. Consultado em 17 de dezembro de 2014 
  11. «EXCLUSIVE: DJ SASHA WORKING WITH MADONNA» (em inglês). Dotmusic. 21 de dezembro de 1999. Consultado em 6 de abril de 2017. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  12. Neal Weiss (31 de janeiro de 2000). «Madonna Preparing More 'Rays Of Light'» (em inglês). LAUNCHcast. Yahoo!. Consultado em 6 de abril de 2017. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  13. O'Brien 2009, p. 239
  14. a b c d (2000) Créditos do álbum Music por Madonna, pg. 14 [CD]. Maverick Records/Warner Bros. Records (93624-78652-8).
  15. a b «Madonna's secret to making 'Music'». CNN (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  16. a b c d e f g h i j k l m n o p q Larry Flick (5 de agosto de 2000). «Madonna Offers Upbeat 'Music' on Maverick». Billboard. 112 (32): 98. ISSN 0006-2510. Consultado em 18 de janeiro de 2016 
  17. Bronson 2002, p. 989
  18. Robert Mancini (3 de agosto de 2000). «UPDATE: Madonna Promises "Funkier, Edgier" New Album, Talks Club Dates» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 18 de janeiro de 2016 
  19. a b «Madonna's Exclusive 'Global Listening Party' on Spinner.com and AOL's Online Chat Attracts Tens of Thousands of Fans...and Here's What She Had to Say...» (em inglês). Business Wire. 19 de setembro de 2000. Consultado em 18 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  20. a b c Miranda Sawyer (agosto de 2000). «The Future Sound of London». The Face. 43 (8): 4. ISSN 0263-1210 
  21. a b c d Sal Cinquemani (20 de agosto de 2000). «Madonna - Music» (em inglês). Slant Magazine. Consultado em 31 de janeiro de 2016 
  22. Fouz-Hernández & Jarman-Ivens 2004, pp. 65
  23. a b c Gail Worley. «Almost Famous: An Interview with Joe Henry» (em inglês). Queen Dork. Consultado em 28 de janeiro de 2016 
  24. a b c Gary Graff (22 de maio de 2001). «Joe Henry, Madonna Collaborate» (em inglês). ABC News. American Broadcasting Company. Consultado em 28 de janeiro de 2016 
  25. «Madonna - Music». Zero. 78: 24-26. 2001 
  26. a b c d e f g Stephen Thomas Erlewine. «Music - Madonna» (em inglês). Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 31 de janeiro de 2016 
  27. Ingrid Sisohy (março de 2001). «Interview Magazine (March 2001)». Interview 
  28. a b c d Danny Eccleston (outubro de 2000). «Music - Madonna». Q. ISSN 0955-4955 
  29. a b Cynthia Funchs (19 de setembro de 2000). «Madonna: Music» (em inglês). PopMatters. Consultado em 31 de janeiro de 2016 
  30. a b c Phil Dellio (19 de setembro de 2000). «Act of Contrition». The Village Voice. Village Voice Media. Consultado em 28 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  31. «Madonna | Music» (em inglês). Plugged In. Consultado em 28 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  32. Fouz-Hernández & Jarman-Ivens 2004, pp. 55–58
  33. Pandey 2008, p. 17
  34. a b Joe D'Angelo (6 de junho de 2001). «Madonna to Revisit Evita, Geisha Girl, Cowgirl Personas for Tour» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 28 de janeiro de 2016 
  35. «The Album Covers of Madonna» (em inglês). 411 Mania. 10 de abril de 2013. Consultado em 28 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  36. O'Brien 2009, pp. 382–384
  37. a b Elsa Klansch (apresentadora) (15 de agosto de 2000). «Interview with Madonna». Style with Elsa Klensch. CNN 
  38. Fouz-Hernández & Jarman-Ivens 2004, p. 6
  39. Fouz-Hernández & Jarman-Ivens 2004, p. 67
  40. Fouz-Hernández & Jarman-Ivens 2004, pp. 128–129
  41. Fouz-Hernández & Jarman-Ivens 2004, p. 126
  42. «Madonna: Looks Through the Years» (em inglês). VH1. Viacom. Consultado em 28 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  43. Lauren Burvill (3 de janeiro de 2010). «Top tem most awesome Madonna Looks». The Vine (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  44. Brian Hiatt (27 de março de 2001). «Labels Ask Judge To Make Napster Reverse Its Filtering Approach» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 28 de janeiro de 2016 
  45. «ミュージック» (em inglês). Amazon. Consultado em 28 de janeiro de 2016 
  46. a b «Music [VINYL]» (em inglês). Amazon. Consultado em 28 de janeiro de 2016 
  47. a b «Music» (em inglês). Amazon. Consultado em 28 de janeiro de 2016 
  48. «Music (Limited Edition)» (em inglês). Amazon. Consultado em 28 de janeiro de 2016 
  49. «Music» (em inglês). Amazon. Consultado em 28 de janeiro de 2016 
  50. a b c (2001) Notas de lançamento para Music. Madonna. Maverick Records. 9362-48135-2.
  51. «Madonna & Jo Whiley» (em inglês). BBC Radio 1. British Broadcasting Corporation. 21 de novembro de 2001. Consultado em 28 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  52. Matt Hutcison (19 de setembro de 2000). «Warner Bros., Maverick and Apple Bring Madonna's "Music" to the Web» (em inglês). Apple Inc. Consultado em 28 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  53. a b (2001) Notas de lançamento para Music. Madonna. Maverick Records. 9362481352.
  54. «Madonna On-line Live Tonight» (em inglês). Dot Music. 18 de setembro de 2000. Consultado em 2 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  55. «Madonna Plans Lavish Launch Party» (em inglês). Dot Music. 14 de setembro de 2000. Consultado em 2 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  56. «Entertainment Review 2000: Part 13» (em inglês). Associated Press. 19 de setembro de 2000. Consultado em 2 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  57. Karen Bliss; Andrew Dansby; Christina Saraceno; Gabrielle Schafer; Richard Skanse; Jaan Uhelszki; Jennifer Vineyard (22 de setembro de 2000). «Really Randoms: Madonna, Red Hot Chili Peppers». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner. Consultado em 29 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  58. «Madonna - Music» (em inglês). Amazon. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  59. «Madonna single 'leaked' online». BBC Online (em inglês). BBC News. British Broadcasting Corporation. 2 de junho de 2000. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  60. a b Kara Manning (31 de maio de 2000). «Madonna Wraps Video As "Music" Leaks Online» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  61. a b c David Browne (24 de setembro de 2000). «Music». Entertainment Weekly (em inglês). Time Inc. Consultado em 31 de janeiro de 2016 
  62. «Madonna's Music is sweet to world's ears». The New Zealand Herald (em inglês). APN News & Media. 30 de setembro de 2000. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  63. «Madonna - Music - Ultratop» (em inglês). Ultratop 50. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  64. a b c d Salaverri, Fernando (2005). Sólo éxitos: año a año, 1959–2002 1 ed. Espanha: Fundación Autor-SGAE. ISBN 8480486392 
  65. a b «Official Charts Company: Artists - Madonna» (em inglês). The Official Charts Company. UK Singles Chart. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  66. a b Stephen Thomas Erlewine. «Music - Madonna | Allmusic» (em inglês). Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 31 de janeiro de 2016 
  67. Silvio Pietroluoungo (16 de setembro de 2000). «Hot 100 Spotlight». Billboard. 112 (38): 95. ISSN 0006-2510. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  68. «Music: Top 100 Songs - Week of October 7, 2000» (em inglês). Billboard Hot 100. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  69. David Basham (11 de julho de 2000). «Madonna Preps For "Music" Release» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  70. a b Georges-Claude Guilbert 2002, p. 175
  71. «MTV's World Premiere of Madonna's 'Music'.» (em inglês). PR Newswire. 1 de agosto de 2000. Consultado em 1 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  72. a b c d «Music». NME (em inglês). IPC Media. 12 de setembro de 2005. Consultado em 31 de janeiro de 2016 
  73. «Don't Tell Me | Allmusic» (em inglês). Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  74. «Madonna - Don't Tell Me - Ultratop» (em inglês). Ultratop 50. Consultado em 1 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  75. «Hits of the World». Billboard. 112 (52): 41. 23 de dezembro de 2000. ISSN 0006-2510. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  76. «Hits of the World». Billboard (em inglês). 112 (53): 62. 30 de dezembro de 2000. ISSN 0006-2510. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  77. a b Fred Bronson (3 de fevereiro de 2001). «Madonna Passes Beatles, Nears Elvis». Billboard. 113 (5): 102. ISSN 0006-2510. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  78. a b Jill Pesselnick. «Eagles, Madonna Achieve Historic Certifications». Billboard (em inglês). 113 (18): 48. ISSN 0006-2510 
  79. Bill Lamb. «Madonna's 38 Top 10 Pop Songs». About.com (em inglês). The New York Times Company. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  80. «Discography > What It Feels Like for a Girl» (em inglês). Madonna.com. Consultado em 1 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 14 de setembro de 2013 
  81. Chuck Taylor (7 de abril de 2001). «Reviews & Previews - Singles». Billboard (em inglês). p. 20. ISSN 0006-2510. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  82. «Madonna - What It Feels Like for a Girl - Ultratop» (em inglês). Ultratop 50. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  83. a b «Madonna Album & Song Chart History » Dance/Club Songs» (em inglês). Hot Dance Club Songs. Consultado em 1 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  84. a b c MTV News Staff (19 de março de 2001). «Madonna's New Video: Too Hot for TV» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  85. Eden Miller. «Madonna: What It's Like for the Material Girl» (em inglês). PopMatters. Consultado em 1 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 15 de abril de 2005 
  86. «Controversial Madonna Video Hits Oxygen». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. 22 de março de 2001. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  87. «Madonna's Controversial "What It Feels Like for a Girl" DVD Single Set for Release April 24th» (em inglês). NY Rock. 23 de abril de 2001. Consultado em 1 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 30 de abril de 2001 
  88. «Top Videos». Belleville News-Democrat (em inglês). The McClatchy Company. 8 de junho de 2001. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  89. Notas de lançamento para "Impressive Instant" (vinil promocional) por Madonna. Maverick Records/Warner Bros. Records. PRO-A-100771.
  90. DJ Sasha, Denis Zaharov (apresentadores); Peter Rauhofer (entrevistado) (21 de maio de 2003). «Well, it's a bit complicated when the choices of the artist and the ones of the record company don't match ...». Monte-Carlo 102.1 FM. No minuto 23. Radio Monte Carlo 102.1 FM 
  91. a b c Michael Hubbard (2 de outubro de 2000). «Madonna - Music» (em inglês). musicOMH. Consultado em 31 de janeiro de 2016 
  92. Fred Bronson (17 de novembro de 2000). «Chart Beat: 'Instant' Replay». Billboard. 113 (46): 8. ISSN 0006-2510. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  93. Fred Bronson (18 de novembro de 2006). «Chart Beat: Bump For 'Jump'». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  94. Gary Trust (9 de abril de 2012). «Madonna Notches 42nd No. 1 on Dance/Club Play Songs». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 1 de fevereiro de 2016 
  95. a b c d «Madonna – Music – Metacritic» (em inglês). Metacritic. Consultado em 31 de janeiro de 2016 
  96. a b Andrew Lynch (28 de setembro de 2000). «Madonna - Music» (em inglês). Entertainment.ie. Consultado em 31 de janeiro de 2016 
  97. a b Garry Mulholland (15 de setembro de 2000). «Set adrift in a sea of skronks». The Guardian (em inglês). Consultado em 25 de março de 2020 
  98. a b Barry Walters (12 de outubro de 2000). «Madonna - Music - Album Review». Rolling Stone (em inglês) 
  99. a b Alex Pappademas (outubro de 2000). «Madonna - Music». Spin. 16 (10): 88. ISSN 0886-3032. Consultado em 31 de janeiro de 2016 
  100. Dimitri Ehrlich (novembro de 2000). «Madonna - Music». Vibe. 8 (9): 173. ISSN 1070-4701. Consultado em 31 de janeiro de 2016 
  101. a b Robert Christgau (24 de outubro de 2000). «Consumer Guide: Madonna». The Village Voice (em inglês). Village Voice Media. Consultado em 31 de janeiro de 2016 
  102. Jason Ferguson. «MTV Online Review - Music» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 31 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  103. Kelefa Sanneh (dezembro de 2003). «Madonna - Music». Blender. 5 (21). ISSN 1534-0554 
  104. Rob Sheffield (17 de setembro de 2015). «Bitch, She's Madonna: NYC Stop Showcases Genius of Rebel Heart Tour». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner. Consultado em 31 de janeiro de 2016 
  105. «Pazz & Jop 2000: Critics' Poll». The Village Voice (em inglês). Village Voice Media. Consultado em 31 de janeiro de 2016 
  106. «A decade in music - 50 best albums of 2000». NME (em inglês). IPC Media. Consultado em 31 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  107. «500 Greatest Albums: Music - Madonna». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 31 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  108. Dimery, Robert (2005). 1001 Albums You Must Hear Before You Die. [S.l.]: Quintessence Editions, Ltd. ISBN 1-84403-392-9 
  109. Maura Johnston (20 de maio de 2015). «David Letterman was late night's music champion – and these are his best guests». The Guardian (em inglês). Guardian Media Group. Consultado em 3 de fevereiro de 2016 
  110. a b Rob Kemp (29 de novembro de 2000). «Madonna Shatters Record For Most-Viewed Webcast, Producer Says» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 3 de fevereiro de 2016 
  111. Vorrat 2011, p. 219
  112. «Madonna's MTV triumph». BBC Online (em inglês). BBC News. British Broadcasting Corporation. 17 de novembro de 2000. Consultado em 3 de fevereiro de 2016 
  113. «Madonna sets TOTP date». BBC Online (em inglês). BBC News. British Broadcasting Corporation. 17 de novembro de 2000. Consultado em 3 de fevereiro de 2016 
  114. Aurélien Jouhanneau (27 de fevereiro de 2015). «Madonna : sa plus grosse campagne promo depuis 10 ans». Le Figaro (em inglês). Dassault Group. Consultado em 3 de fevereiro de 2016 
  115. Frédéric Valion (10 de novembro de 2000). «Madonna sur scène en compagnie de Richard Ashcroft, Fatboy Slim et Liam Howlett». Les Inrockuptibles (em inglês). Les Nouvelles Editions Indépendantes. Consultado em 3 de fevereiro de 2016 
  116. a b Eric Schumacher-Rasmussen (10 de novembro de 2000). «Madonna Show To Be Webcast Live» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 2 de fevereiro de 2016 
  117. a b c d e f «Madonna and MSN rocks the globe with the world's biggest web cast» (em inglês). Microsoft. 29 de novembro de 2000. Consultado em 2 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  118. «Madonna performs on Carramba Che Fortuna Show, Italy» (em inglês). Madonna.com. 2 de dezembro de 2000. Consultado em 3 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  119. David Basham (23 de fevereiro de 2001). «Madonna Says She'll Mount Summer Tour» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 3 de fevereiro de 2016 
  120. Chuck Chrisafulli (21 de fevereiro de 2001). «Madonna prepares for high-energy GRAMMY performance» (em inglês). Madonna.com. Consultado em 3 de fevereiro de 2016 
  121. Jeanny Fury (fevereiro de 2001). «God to Grammy Winners: Don't Thank Me for That Lousy Song» (em inglês). NY Rock. Consultado em 3 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  122. «43rd Annual GRAMMY Awards» (em inglês). National Academy of Recording Arts and Sciences/Grammy Awards. Consultado em 3 de fevereiro de 2016 
  123. Eric Schumacher-Rasmussen (3 de maio de 2001). «Madonna Adds Drowned World Tour Dates» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 4 de fevereiro de 2016 
  124. Larry King (19 de janeiro de 1999). «Interview: Madonna reviews life on Larry King Live» (em inglês). CNN. Consultado em 4 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  125. Guilbert 2002, p. 76
  126. Metz & Benson 1999, p. 67
  127. Courtney Reimer (26 de abril de 2001). «Madonna Taps Les Rythmes Digitales Mastermind For Tour» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 4 de fevereiro de 2016 
  128. Rob Barber (dezembro de 2001). «Out100 Style - Jean Paul Gaultier». Out. 10 (6): 77. ISSN 1062-7928 
  129. Orgill 2001, p. 109
  130. Clerk 2002, p. 172
  131. a b Corey Moss (11 de julho de 2001). «Few Hits, Many Costumes At Madonna Tour Launch» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 4 de fevereiro de 2016 
  132. Fouz-Hernández & Jarman-Ivens 2004, p. 133
  133. Michael ubbard (4 de julho de 2001). «Madonna @ Earl's Court, London» (em inglês). musicOMH. Consultado em 4 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  134. «Pollstar Awards Archive - 2001» (em inglês). Pollstar. Consultado em 4 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  135. Jon Wiederhorn (21 de dezembro de 2001). «U2, 'NSYNC, Backstreet Top List Of 2001's Biggest Concert Grossers» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 4 de fevereiro de 2016 
  136. Eric Schumacher-Rasmussen (24 de maio de 2001). «Madonna Bringing Drowned World To HBO» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 4 de fevereiro de 2016 
  137. Nancy Geller (23 de maio de 2001). «HBO Lands The Event of The Summer When Madonna Live: The Drowned World Tour Airs Live Aug. 26» (em inglês). Time Warner. Consultado em 4 de fevereiro de 2016 
  138. a b Guilbert 2002, p. 189
  139. Gary Trust (12 de outubro de 2001). «Madonna's 'Drowned' Comes To Home Video». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 4 de fevereiro de 2016 
  140. Colin Jacobson. «Madonna: Drowned World Tour 2001» (em inglês). DVD Movie Guide. Consultado em 4 de fevereiro de 2016 
  141. Lance Fiasco (10 de janeiro de 2002). «Madonna Too Nasty For Singapore» (em inglês). Idobi Radio. Consultado em 4 de fevereiro de 2016 
  142. «America Online Members Name Pamela Anderson's V.I.P the Best Guilty Pleasure in the Second...» (em inglês). Business Wire. 17 de setembro de 2002. Consultado em 4 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  143. «Music Video Sales: Dec 01, 2001» (em inglês). Billboard. Consultado em 4 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  144. «CERTIFICADOS - ABPD». Associação Brasileira dos Produtores de Discos. Consultado em 4 de fevereiro de 2016 
  145. «RIAA – Gold & Platinum – Madonna» (em inglês). Recording Industry Association of America. Consultado em 4 de fevereiro de 2016 
  146. (2000) Notas de lançamento para Music. Madonna. Maverick Records. 93624-78652-8.
  147. (2001) Notas de lançamento para Music. Madonna. Maverick Records. WPCR-75528.
  148. «Madonna's MUSIC Sets New WMI Shipment Record» (em inglês). Time Warner. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  149. a b Gerard, Chris. «Madonna's 'Hard Candy' Strikes Sour Note». WRC-TV (em inglês). Washington. Consultado em 24 de julho de 2013 
  150. White, Adam. «Dido, Linkin Park Lead the Global 20 of 2001». Billboard (em inglês). 114 (7). p. 42. ISSN 0006-2510. Consultado em 9 de julho de 2019 
  151. Caulfield, Keith. «After 11 Year Absence, Madonna's Back At No. 1». Billboard (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2013 
  152. a b «Certificações (Estados Unidos) (álbum) – Madonna – Music» (em inglês). Se necessário, clique em Advanced, depois clique em Format, depois selecione Album, depois clique em SEARCH. Recording Industry Association of America. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  153. Grein, Paul. «Week Ending Aug. 15, 2010: The Odd Couple» (em inglês). Yahoo! Music. Consultado em 24 de julho de 2013. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  154. a b «Certificações (Canadá) (álbum) – Madonna – Music» (em inglês). Music Canada. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  155. a b «Certificações (Argentina) (álbum) – Madonna – Music». Cámara Argentina de Productores de Fonogramas y Videogramas. Consultado em 19 de dezembro de 2019. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  156. a b «Certificações (Brasil) (álbum) – Madonna – Music». Pro-Música Brasil. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  157. a b «Madonna volvió a ser top». El Mercurio de Valparaíso (em espanhol). Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  158. a b «Certificações (México) (álbum) – Madonna – Music» (em espanhol). Digite Madonna na caixa sob o cabeçalho da coluna ARTISTA e Music na caixa sob TÍTULO. Asociación Mexicana de Productores de Fonogramas y Videogramas. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  159. a b «Eurochart Top Albums». Billboard (em inglês). 112 (42). p. 53. ISSN 0006-2510. Consultado em 30 de abril de 2016 
  160. a b «IFPI Platinum Europe Awards - 2002» (em inglês). Federação Internacional da Indústria Fonográfica. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  161. a b «Madonna – Music (GfK Entertainment Charts)» (em alemão). GfK Entertainment Charts. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  162. a b «Certificações (Alemanha) (álbum) – Madonna – Music» (em alemão). Bundesverband Musikindustrie. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  163. a b «Madonna – Music (Syndicat National de l'Édition Phonographique)» (em inglês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 18 de março de 2010 
  164. a b «Certificações (França) (álbum) – Madonna – Music» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  165. a b «Madonna – Music (Official Charts Company)» (em inglês). UK Albums Chart. The Official Charts Company. Consultado em 30 de abril de 2016 
  166. a b «Certificações (Reino Unido) (álbum) – Madonna – Music» (em inglês). British Phonographic Industry. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  167. a b Cospey, Rob. «Albums turning 20 years old in 2020 - Madonna - Music». Official Charts (em inglês). Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  168. a b «Madonna – Music (Sverigetopplistan)» (em inglês). Sverigetopplistan. Consultado em 4 de janeiro de 2010 
  169. a b «Madonna – Music (Schweizer Hitparade)» (em inglês). Schweizer Hitparade. Consultado em 18 de março de 2010 
  170. a b «Certificações (Suíça) (álbum) – Madonna – Music» (em inglês). IFPI Suíça. Hung Medien. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  171. a b «Guld- och Platinacertifikat − År 2002» (PDF) (em sueco). IFPI Suécia 
  172. a b c d «Madonna – Music (Ö3 Austria Top 40)» (em alemão). Ö3 Austria Top 40. Consultado em 4 de janeiro de 2010 
  173. a b «Madonna – Music (MegaCharts)» (em neerlandês). MegaCharts. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  174. a b «Madonna – Music (ARIA Charts)» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 18 de março de 2010 
  175. a b c «ARIA Charts – Accreditations – 2001 Albums» (em inglês). Australian Recording Industry Association. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  176. a b «Certificações (Nova Zelândia) (álbum) – Madonna – Music» (em inglês). Recorded Music NZ. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  177. a b «Madonna – Music (Oricon)» (em japonês). Oricon. Arquivado do original em 30 de junho de 2013 
  178. a b «Certificações (Japão) (álbum) – Madonna – Music» (em japonês). Recording Industry Association of Japan 
  179. «Gold Disc Award > Gold Disc Award Criteria» (em inglês). IFPI Hong Kong. Consultado em 24 de julho de 2013. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  180. «Madonna – Music (Ultratop 50)» (em inglês). Ultratop 50. Hung Median. Consultado em 18 de março de 2010 
  181. «Madonna – Music (Ultratop 40)» (em inglês). Ultratop 40. Hung Median. Consultado em 18 de março de 2010 
  182. «Madonna (Canadian Albums Chart)» (em inglês). Billboard. Consultado em 4 de maio de 2016 
  183. «Madonna – Music (RPM)» (em inglês). RPM. Consultado em 4 de maio de 2016 
  184. a b «Top National Sellers» (PDF). Music & Media (em inglês). p. 17. Consultado em 4 de maio de 2016 
  185. «Madonna – Music (The Official Charts Company)» (em inglês). The Official Charts Company. Consultado em 30 de abril de 2016 
  186. «Madonna – Music (Billboard 200)» (em inglês). Billboard 200. Billboard. Consultado em 22 de junho de 2020 
  187. «Madonna – Music (IFPI Finlândia)» (em inglês). IFPI Finlândia. Consultado em 18 de março de 2010 
  188. «Top National Sellers» (PDF). Music & Media (em inglês). p. 17. Consultado em 18 de março de 2010 
  189. «Madonna – Music (Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége)» (em húngaro). Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége. Consultado em 27 de abril de 2010 
  190. «Madonna – Music (Irish Recorded Music Association)» (em irlandês). Irish Recorded Music Association. Consultado em 27 de abril de 2010. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  191. «Madonna – Music (Federazione Industria Musicale Italiana)» (em inglês). Federazione Industria Musicale Italiana. Consultado em 4 de janeiro de 2010 
  192. «Madonna – Music (VG-lista)» (em inglês). VG-lista. Consultado em 18 de abril de 2011 
  193. «Madonna – Music (Recorded Music NZ)» (em inglês). Recorded Music NZ. Consultado em 4 de janeiro de 2010 
  194. «Madonna – Music (Związek Producentów Audio Video)» (em polaco). OLiS. 4 de maio de 2010. Consultado em 3 de maio de 2010 
  195. «Top National Sellers» (PDF). Music & Media (em inglês). p. 17. Consultado em 30 de abril de 2016 
  196. Masson, Gordon; Christman, Ed. «WMI Sets Record with 'Music'». Billboard. 112 (41). p. 8. ISSN 0006-2510. Consultado em 4 de janeiro de 2010 
  197. «Top 100 Album-Jahrescharts» (em alemão). Media Control Charts. Consultado em 7 de abril de 2017 
  198. «ARIA Charts – End of Year Charts – Top 100 Albums 2000» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 7 de abril de 2017 
  199. «Jahreshitparade Alben 2000» (em inglês). Ö3 Austria Top 40. Consultado em 7 de abril de 2017 
  200. «Jaaroverzichten 2000 - Albums» (em inglês). Ultratop 50. Consultado em 7 de abril de 2017 
  201. «Rapports annuels 2000 - Albums» (em inglês). Ultratop 40. Consultado em 7 de abril de 2017 
  202. «TOP20.dk © 2000» (em inglês). Hitlisten. Consultado em 7 de abril de 2017 
  203. «Billboard 200 Albums Year-End 2000» (em inglês). Billboard 200. Consultado em 7 de abril de 2017 
  204. «Myydyimmät levyt - Vuosi 2000» (em finlandês). IFPI Finlândia. Consultado em 7 de abril de 2017 
  205. «Classement Albums - année 2000» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 7 de abril de 2017 
  206. «Hit Parade Italia – Album 2000» (em italiano). Federazione Industria Musicale Italiana. Consultado em 7 de abril de 2017 
  207. «Jaaroverzichten 2000 - Albums» (em inglês). MegaCharts. Consultado em 7 de abril de 2017 
  208. «End of Year Album Chart Top 100 – 2000 – Official Charts Company» (em inglês). UK Albums Chart. Consultado em 7 de abril de 2017 
  209. «Swiss Year-End Charts 2000» (em inglês). Schweizer Hitparade. Consultado em 7 de abril de 2017 
  210. «Top 100 Album-Jahrescharts» (em alemão). Media Control Charts. Consultado em 7 de abril de 2017 
  211. «ARIA Charts – End of Year Charts – Top 100 Albums 2001» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 7 de abril de 2017 
  212. «Jahreshitparade Alben 2000» (em inglês). Ö3 Austria Top 40. Consultado em 7 de abril de 2017 
  213. «Jaaroverzichten 2001 - Albums» (em inglês). Ultratop 50. Consultado em 7 de abril de 2017 
  214. «Rapports annuels 2001 - Albums» (em inglês). Ultratop 40. Consultado em 7 de abril de 2017 
  215. «TOP20.dk © 2001» (em inglês). Hitlisten. Consultado em 7 de abril de 2017. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  216. «Billboard 200 Albums Year-End 2000» (em inglês). Billboard. Consultado em 7 de abril de 2017 
  217. «Europe's Top Albums of 2001». Billboard (em inglês). 113 (52): 49. 29 de dezembro de 2001. ISSN 0006-2510. Consultado em 7 de abril de 2017 
  218. «Classement annuels - albums 2001» (em inglês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 7 de abril de 2017. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  219. «Jaaroverzichten 2001 - Albums» (em inglês). MegaCharts. Consultado em 7 de abril de 2017 
  220. «End of Year Album Chart Top 100 – 2001 – Official Charts Company» (em inglês). UK Albums Chart. Consultado em 7 de abril de 2017 
  221. «Swiss Year-End Charts 2001 - Albums» (em inglês). Schweizer Hitparade. Consultado em 7 de abril de 2017 
  222. «Best of 2000s – Billboard 200 Albums». Billboard (em inglês). Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  223. «The Noughties' Official UK Albums Chart Top 100». Music Week (em inglês) (4). Londres, Reino Unido. pp. 19–21 
  224. «Certificações (Áustria) (álbum) – Madonna – Music» (em alemão). IFPI Áustria. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  225. «Ultratop − Goud en Platina – albums 2008» (em inglês). Belgian Entertainment Association. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  226. «Certificações (Dinamarca) (álbum) – Madonna – Music» (em dinamarquês). IFPI Dinamarca. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  227. Trust, Gary. «Ask Billboard: Madonna's Career Album Sales». Billboard (em inglês). Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  228. David, Barry. «Shania, Backstreet, Britney, Eminem and Janet Top All TIme Sellers». Mi2N (em inglês). Consultado em 19 de dezembro de 2019. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  229. «Kulta- ja platinalevyt – Madonna – Music» (em finlandês). Musiikkituottajat. IFPI Finlândia. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  230. «Madonna : les chiffres de ses ventes d'albums en France depuis "Ray of Light" (màj)» (em francês). Charts in France. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  231. «Certificações (Hong Kong) (álbum) – Madonna – Music» (em inglês). IFPI Hong Kong. Hung Medien. Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 3 de junho de 2020 
  232. «Adatbázis – Arany- és platinalemezek – 2001» (em húngaro). Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  233. «Certificações (Países Baixos) (álbum) – Madonna – Music» (em neerlandês). Digite Music na caixa "Artiest of titel". Nederlandse Vereniging van Producenten en Importeurs van beeld- en geluidsdragers. Consultado em 19 de dezembro de 2019. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2012 
  234. «Certificações (Polônia) (álbum) – Madonna – Music» (em polaco). Związek Producentów Audio Video. 18 de julho de 2006. Consultado em 3 de agosto de 2009 
  235. «ミュージック». Amazon.co.jp (em japonês). Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  236. «Music». Amazon.co.uk (em inglês). Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  237. «Music». Madonna.com (em inglês). Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  238. «Music (Limited edition)». Amazon.co.uk (em inglês). Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  239. Christina, Caballero. «Warner bros., Maverick y Apple llevan al último trabajo de Madonna "music" a la red» (em inglês). Consultado em 19 de dezembro de 2019 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Fouz-Hernández, Santiago; Freya, Jarman-Ivens (2004). «Madonna's Drowned Worlds». Ashgate Publishing, Ltd. (em inglês). ISBN 0-7546-3372-1 
  • Metz, Andrew; Carol, Benson (1999). The Madonna Companion: Two Decades of Commentary (em inglês). [S.l.]: Music Sales Group. ISBN 0-8256-7194-9 
  • Guilbert, Georges-Claude (2002). «Madonna as postmodern myth». McFarland (em inglês). ISBN 0-7864-1408-1 
  • Bronson, Fred (2003). «The Billboard Book of Number 1 Hits». Billboard books (em inglês). ISBN 0-8230-7677-6 
  • Lucy O'Brien (2008). «Madonna: Like an Icon». Bantam Press. ISBN 978-0-552-15361-4 
  • Clerk, Carol (2002). «Madonnastyle». Omnibus Press. ISBN 0-7119-8874-9 
  • Orgill, Roxanne (2001). «Shout, Sister, Shout!: Ten Girl Singers who Shaped a Century». Simon and Schuster. ISBN 0-689-81991-9 
  • Vorrath, Armin (2011). «Eine außersinnliche Odyssee zu Madonna». Books on Demand. ISBN 978-3-8423-8112-4 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal.svg A Wikipédia possui o
Portal Madonna