Mutilação genital feminina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Um mapa de dados composto mostrando a percentagem de mulheres com idades compreendidas entre os 15 e os 49 anos que foram submetidas a MGF. A fonte é a UNICEF (2016), e uma série de estudos adicionais para países fora da África (com excepção da Indonésia) não pesquisados pelo UNICEF. Não há dados para os países a cinzento.

A mutilação genital feminina (MGF), também conhecida por circuncisão feminina, é a remoção ritualista de parte ou de todos os órgãos sexuais externos femininos. Geralmente executada por um circuncisador tradicional com a utilização de uma lâmina de corte, com ou sem anestesia, a MGF concentra-se em 27 países africanos, Indonésia, Iémen e no Curdistão iraquiano, sendo também praticada em vários outros locais na Ásia, no Médio Oriente e em comunidades expatriadas em todo o mundo. Mais de metade dos casos documentados pela Unicef concentram-.se em apenas 3 países (Indonésia, Egito e Etiópia) .[1][2][3][4] A idade em que é realizada varia entre alguns dias após o nascimento e a puberdade. Em metade dos países com dados disponíveis, a maior parte das jovens é mutilada antes dos cinco anos de idade.[5]

Os procedimentos diferem de acordo com o grupo étnico. Geralmente incluem a remoção do clítoris e do prepúcio clitoriano e, na forma mais grave, a remoção dos grandes e pequenos lábios e encerramento da vulva. Neste último procedimento, denominado "infibulação", é deixado um pequeno orifício para a passagem da urina e o sangue da menstruação e a vagina é aberta para relações sexuais e parto. As consequências para a saúde dependem do procedimento, mas geralmente incluem infeções recorrentes, dor crónica,dificuldade de urinar ou escoar o fluxo menstrual, cistos, impossibilidade de engravidar, complicações durante o parto e hemorragias fatais.[6] Não são conhecidos quaisquer benefícios médicos.[7]

A prática tem raízes nas desigualdades de género, em tentativas de controlar a sexualidade da mulher e em ideias sobre pureza, modéstia e estética. É geralmente iniciada e executada por mulheres, que a vêem como motivo de honra e receiam que se não a realizarem a intervenção as filhas e netas ficarão expostas à exclusão social.[8][9] Mais de 130 milhões de mulheres e jovens foram alvo de mutilação genital nos 29 países onde é mais frequente.[10] Entre estas, mais de oito milhões foram infibuladas, uma prática que na sua maioria ocorre no Djibuti, Eritreia, Somália e Sudão.[11]

A mutilação genital feminina tem vindo a ser ilegalizada ou restringida em grande parte dos países onde é comum,[12] embora haja grandes dificuldades em fazer cumprir a lei.[13] Desde a década de 1970 que existem esforços internacionais para promover a rejeição desta prática. Em 2012, a Assembleia Geral das Nações Unidas reconheceu a mutilação genital feminina enquanto violação de direitos humanos e votou de forma unânime no sentido de intensificar estes esforços.[14] No entanto, existem algumas críticas, especialmente por parte de antropólogos.

Origem histórica[editar | editar código-fonte]

As origens da MGF são desconhecidas. Gerry Mackie pensa que a prática teria começado no reino de Kush (actual Sudão) no 1º ou 2º milênio aC. e sugere que a infibulação teria sido criada em um contexto de poliginia para garantir a paternidade das crianças.[15][16] O exame de múmias egípcias não mostrou nenhum sinal de MGF. Citando o anatomista australiano Grafton Elliot Smith, que estudou centenas de múmias no início do século XX, Mary Knight observa que as regiões genitais podem parecer MGF de tipo III, mas acrescenta que isso está relacionado à deterioração ou remoção pós-mortem de tecidos moles por embalsamadores; estas razões também impedem qualquer identificação de um tipo I ou II.[17][18]

Contudo, supõe-se geralmente que a MGF se originou no Egipto faraónico, e que essa seria a origem do termo "circuncisão faraônica".

A primeira menção conhecida da circuncisão masculina e feminina aparece em escritos do geógrafo e historiador grego Strabo, que visitando o Egito cerca de de 25 aC, escreveu no seu trabalho Geographica que "um dos costumes mais zelosamente observados entre os egípcios é esse, eles educam escrupulosamente todas as crianças que nasceram, e circuncisam os machos e excisam as fêmeas".[19]

Um papiro grego datado de 163 aC. mencionou a operação realizada em meninas em Memphis, no Egito, na época em que receberam seus dotes, apoiando teorias de que a MGF se originou como uma forma de iniciação de mulheres jovens.[20]

Quaisquer que sejam as origens da prática, a infibulação vinculou-se à escravidão. Gerry Mackie cita o missionário português João dos Santos, que em 1609 escreveu sobre um grupo perto de Mogadíscio que tinha o "costume de costurar suas fêmeas, especialmente suas escravas jovens para torná-las incapazes de concepção, o que torna esses escravos mais caros, tanto pela sua castidade como por uma maior confiança que seus Mestres colocam nelas ". Assim, Mackie argumenta, uma "prática associada à vergonhosa escravidão feminina veio a representar honra".[21]

Numa época mais próxima da actual, ginecologistas da Europa do século XIX e dos Estados Unidos retiravam o clitóris para tratar a loucura e a masturbação.[22] Um médico britânico, Robert Thomas, sugeriu a clitoridectomia como uma cura para a ninfomania em 1813. [23][24] A primeira clitoridectomia relatada no Ocidente, descrita em The Lancet em 1825, foi realizada em 1822 em Berlim por Karl Ferdinand von Graefe em uma menina de 15 anos que se masturbava excessivamente. [23]

Isaac Baker Brown, um ginecologista inglês, presidente da Medical Society of London e co-fundador em 1845 do St. Mary Hospital, acreditava que a masturbação ou  "irritação não natural " do clitóris, causava histeria, irritação espinhal, convulsões, idiotice, manias e até morte. Logo, removia o clitóris " sempre que tinha a oportunidade de fazê-lo". Os resultados não eram, de modo algum, satisfatórios, mas Brown realizou várias clitoridectomias entre 1859 e 1866. Quando expôs num livro os seus pontos de vista, caiu em desgraça junto dos seus pares, que o acusaram de charlatanismo e o expulsaram da Sociedade de Obstetrícia de Londres. [25][26] Em França, por volta também dessa época, o médico Jules Guérin "curava" as suas pacientes queimando-lhes os clitóris com um ferro em brasa.[27]

Mais tarde no século XIX, A. J. Bloch, um cirurgião em Nova Orleans, removeu o clitóris de uma menina de dois anos de idade, que supostamente se masturbava. [28] Clitoridectomias e outras cirurgias castradoras foram realizadas nos Estados Unidos na década de 1960 para tratar a histeria, erotomania e lesbianismo. [29]

Métodos[editar | editar código-fonte]

O procedimento é geralmente realizado por uma circuncisadora tradicional, nas casas das meninas, com ou sem anestesia. O cortador é geralmente uma mulher mais velha, mas em comunidades onde o barbeiro assumiu o papel de assistente de saúde, ele também executará a MGF. [30]

Quando atuam os cortadores tradicionais, podem ser usados dispositivos não esterilizados, incluindo facas, navalhas, tesouras, vidro e pedras afiadas.

Profissionais de saúde estão freqüentemente envolvidos no Egito, no Quênia, na Indonésia e no Sudão. No Egito, 77 por cento dos procedimentos de MGF, e na Indonésia mais de 50 por cento, foram realizados por profissionais médicos a partir de 2008 e 2016. Mulheres no Egito relataram em 1995 que anestesia local tinha sido usada em suas filhas em 60 por cento dos casos, anestesia geral em 13 por cento, e nenhuma anestesia em 25 por cento (dois por cento faltavam / não sabiam).[31]

A crescente medicalização da MGF é preocupante - afirma a Dra. Enshrah Ahmed - pode criar um senso de legitimidade para a prática, dando a impressão de que que o procedimento é bom para a saúde, ou pelo menos inofensivo, e contribuir para a sua institucionalização, tornando-a rotineira e até mesmo levando à sua disseminação em grupos culturais que atualmente não a colocam.[32]

Classificação[editar | editar código-fonte]

A Organização Mundial de Saúde classificou a MGF em quatro tipos distintosː

Tipos de MGF
  • Tipo I - Clitoridectomia - é a remoção parcial ou total do clitóris (uma parte pequena, sensível e erétil dos genitais femininos) e, em casos muito raros, apenas o prepúcio do clitóris.
  • Tipo II - Excisão - esta é a remoção parcial ou total do clitóris e dos pequenos lábios (as dobras interiores da vulva), com ou sem a remoção dos grandes lábios (as dobras exteriores da pele da vulva).
  • Tipo III - Infibulação ou excisão faraónica. A infibulação é considerada a pior das formas de MGF., com a amputação do clitóris e dos pequenos lábios, os grandes lábios são seccionados, aproximados e suturados , sendo deixada apenas uma minúscula abertura necessária á passagem da urina e da menstruação. Esse orifício é mantido aberto por um filete de madeira ou palha. As pernas devem ficar amarradas durante 2 ou 6 semanas. Assim, a vulva desaparece, ficando perfeitamente lisa. Por ocasião do casamento a mulher será “aberta” pelo marido (usando por vezes uma faca) ou por uma “matrona”,mulher mais experiente no assunto. Mais tarde, quando se tem o primeiro filho, essa abertura é aumentada para permitir o parto, sempre difícil porque o tecido cicatricial não distende. Algumas vezes, após cada nascimento, a mulher é novamente infibulada.
  • Tipo IV - Isto inclui todos os outros procedimentos prejudiciais para a genitália feminina para fins não médicos como picar, perfurar, incisar, raspar e cauterizar a área genital.

[33] [34]

Consequências[editar | editar código-fonte]

A curto e longo prazo[editar | editar código-fonte]

A MGF prejudica a saúde física e emocional das mulheres ao longo de suas vidas.[35][36]. Não tem benefícios para a saúde conhecidos. As complicações a curto ou longo prazo dependem do tipo de MGF, se os praticantes tiveram treinamento médico. e se usaram antibióticos e instrumentos cirúrgicos esterilizados ou de uso único. No caso do Tipo III, outros fatores incluem o quão pequeno furo foi deixado para a passagem de urina e sangue menstrual, se fio cirúrgico foi usado em vez de agave ou espinhos de acácia e se o procedimento foi realizado mais de uma vez.

Complicações comuns a curto prazo incluem inchaço, hemorragia excessiva, dor, retenção de urina e problemas de cicatrização e/ou infecção da ferida. Uma revisão sistemática em 2015 de 56 estudos que registraram complicações imediatas sugeriu que cada uma delas ocorreu em mais de uma em cada dez meninas e mulheres submetidas a qualquer forma de MGF, incluindo o corte simbólico do clitóris (Tipo IV), embora os riscos aumentassem com o Tipo III . A revisão também sugeriu que havia uma escassez de relatos. Outras complicações a curto prazo incluem hemorragia fatal, anemia, infecção urinária, septicemia, tétano, gangrena, fasciíte necrosante e endometrite.[37] Não se sabe ao certo quantas mulheres morrem como resultado da prática, porque as complicações podem não ser reconhecidas ou relatadas. É pensado que o uso de instrumentos compartilhados por parte dos praticantes ajuda à transmissão da hepatite B, hepatite C e HIV, embora nenhum estudo ainda o tenha demonstrado.

As complicações a longo prazo variam de acordo com o tipo de MGF. Incluem a formação de cicatrizes e quelóides que levam a restrições e obstrução, cistos epidermóides que se podem infectar e formação de neuroma envolvendo os nervos que terminavam no clitóris. [38][39]

Gravidez e Parto[editar | editar código-fonte]

A MGF pode colocar as mulheres em maior risco de problemas durante a gravidez e o parto, que são mais comuns com os procedimentos mais amplos de MGF. As mulheres infibuladas podem tentar tornar o parto mais fácil comendo menos durante a gravidez para reduzir o tamanho do bebê. A avaliação cervical durante o trabalho de parto pode ser impedida e o trabalho prolongado ou obstruído. A laceração de terceiro grau (rasgos), o dano dos esfíncteres e a cesariana de emergência são mais comuns em mulheres infibuladas.[40][41][42] [34]

A mortalidade neonatal é aumentada. A OMS estimou, em 2006, que um número adicional de 10 a 20 bebês morrem por cada 1.000 partos, como resultado da MGF. A estimativa foi baseada em um estudo de 28.393 mulheres atendidas em 28 centros obstétricos em Burkina Faso, Gana, Quênia, Nigéria, Senegal e Sudão. Nessas condições, , verificou-se que todos os tipos de MGF aumentavam o risco de morte para o bebê: 15% maispara o Tipo I, 32% para o Tipo II e 55% para o Tipo III. Os motivos para isso não foram claros, mas podem estar relacionados com as infecções do trato urinário e genital e à presença de tecido cicatricial. Os pesquisadores foram de opinião que a MGF estava associada a um risco aumentado, para a mãe, de danos no períneo e perda de sangue excessiva, bem como a necessidade de reanimar o bebê, e o nascimento de nado-mortos, talvez por causa de um demasiado longo trabalho de parto.[43][44]

Efeitos psicológicos e sobre a função sexual[editar | editar código-fonte]

De acordo com uma revisão sistemática de 2015, há pouca informação de boa qualidade disponível sobre os efeitos psicológicos da MGF. Vários estudos concluíram que as mulheres com MGF sofrem de ansiedade, depressão e transtorno de estresse pós-traumático.[45] Sentimentos de humilhação, impotência, vergonha e traição familiar podem desenvolver-se quando essas mulheres deixam a cultura que pratica a MGF e descobrem que a sua condição não é a norma ; porém, dentro da cultura que a pratica, poderão vê-la com orgulho, porque para si significa beleza, respeito pela tradição, religião, castidade e higiene.[46]

Estudos sobre a função sexual também são reduzidos. Uma metanálise de 15 estudos envolvendo 12.671 mulheres de sete países concluiu que as mulheres com MGF tinham duas vezes mais probabilidade de não reportar desejo sexual e 52 por cento mais de propensão a relatar dispareunia (relações sexuais dolorosas). Um terço relatou sentimentos sexuais reduzidos. [47] [48]

Reparação Cirúrgica[editar | editar código-fonte]

A MGF pode, até certo ponto, ser revertida. È isso que faz o médico francês, Pierre Foldès, pioneiro neste tipo de intervenções, que juntamente com o urologista Jean-Antoine Robein, iniciou em 2002 cirurgias reparadoras do clitóris. Em 2012, afirmou que durante 11 anos, a sua equipa tinha operado à volta de 3000 mulheres. [49]Foldès compara o trauma causado pela MGF a uma violação.

Cerca de 866 pacientes (29%) foram seguidas após um ano de cirurgia. Destas, 821 relataram ter uma melhora ou, pelo menos, não agravamento da dor; 815 disseram que experimentaram prazer no clitóris e 431 alegaram ter orgasmos. Em França desde 2004, a operação é assumida pela Segurança Social, entendendo ser não uma operação de cirurgia estética, mas de cirurgia funcional. A cantora franco-maliana Inna Modja, uma ativista anti-MGF, afirmou que ela mesma tinha sido vítima de mutilação e explicou sua experiência em reconstrução do clitóris.[50]

Foldès encontrou alguma resistência a sua prática, incluindo múltiplas ameaças de morte. Homens armados com facas o confrontaram em seu escritório muitas vezes Em sua opinião, essas ameaças provêem de islâmicos radicais.[51]

Prevalência[editar | editar código-fonte]

De acordo com os dados disponíveis, a mutilação genital feminina (MGF) é praticada em cerca de 28 países de África , e em muitos outros no Oriente Médio e na Ásia, bem como várias comunidades de imigrantes na Europa, América do Norte e Austrália. [52] Um folheto da UNICEF datado de 2016 estima que 200 milhões de mulheres em 30 países sofreram MGF, e salienta que desse número mais de metade dos casos se referem a apenas 3 paísesː Indonésia, Egipto e Etiópia. A organização considera-a uma "preocupação global". Anota também que embora haja um declínio da prática, é insuficiente para acompanhar o aumento do crescimento populacional, pelo que, mesmo a manter-se a tendência , o número de casos de MGF aumentará durante os próximos quinze anos. [53]

A UNICEF tem sofrido algumas críticas por só tardiamente reconhecer a existência do problema fora de África, só aceitando os seus próprios dados. Em 2003, por exemplo, já havia estudos ( da Population Council and USAID [54] entre outros) que apontavam para uma prevalência de quase cem por cento da MGF na Indonésia, mas só em 2016 a organização aceitou o facto oficialmente.[55]

As organizações de ajuda definem a prevalência de MGF como a percentagem da faixa etária de 15 a 49 anos que a sofreram. [56] Os números obtidos baseiam-se em inquéritos domésticos representativos por nacionalidade, conhecidos como Inquéritos Demográficos e de Saúde (DHS), desenvolvidos pela Macro International (actual ICF), e financiados principalmente pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), e Pesquisas de Indicadores Múltiplos por Grupos (MICS) conduzidas com ajuda técnica e financeira da UNICEF. Esses levantamentos foram realizados em África, Ásia, América Latina e em outros lugares a cada cinco anos, desde 1984 e 1995, respectivamente. [57] O trabalho de várias organizações de defesa dos direitos da mulher em todo o Mundo, tais como o Orchid Project ou a WADI, complementa o da UNICEF, e tenta preencher lacunas de dados existentes e combater a prática da MGF.

O primeiro inquérito sobre a MGF foi o DHS 1989-1990 no norte do Sudão. A primeira publicação a estimar a prevalência de MGF com base em dados de DHS (em sete países) foi de Dara Carr da Macro International em 1997.

As pesquisas efectuadas constataram que a MGF é mais comum em áreas rurais, menos comuns na maioria dos países entre as meninas das famílias mais ricas, e menos comum em meninas cujas mães tiveram acesso à educação primária ou secundária/superior. Contudo, nem sempre é esse ocaso: na Somália e no Sudão, a situação foi invertida: na Somália, o acesso das mães ao ensino secundário/superior foi acompanhado por um aumento da prevalência da MGF nas suas filhas e, no Sudão, o acesso a qualquer educação foi acompanhado também de um aumento.[58]

Prevalência da mutilação genital feminina (15 a 49 anos de idade) em África, Curdistão Iraquiano e Iémen -conforme dados obtíveis pela UNICEF em 2016[59]

África[editar | editar código-fonte]

O caso de África é dos melhor documentados pela UNICEF. As principais áreas são cerca de 29 países na África Ocidental e Nordeste. Em 10 países – no Burkina Faso, Djibuti, Egito, Eritreia, Guiné, Mali, Mauritânia, Serra Leoa, Somália e no Sudão – a prática é quase nacional: mais de 67 a 98% das mulheres com idades entre 15 e 49 anos são mutiladas [60] A infibulação (tipo III) é particularmente comum no Djibuti, na Eritreia, na Etiópia, na Somália e no Sudão. No Djibuti e no Sudão é mais de metade das mulheres, na Somália cerca de 80% das mulheres são afectadas por esta intervenção. [61]

No Egipto, na sequência de uma reportagem da CNN, em 1994 , que documentava a prática no Cairo, o então presidente Mubarak negou que a prática existisse de todo no Egipto. Após vários acontecimentos, o Sheik Gad Al-Haq, Grã Imã de al-Azhar, emitiu uma fatwa, considerando que a MGF, embora não requerida pelo Islão, era um ritual religioso e uma ação honrosa para as mulheres , e encorajava os pais a fazê-la nas suas filhas.[62] Em 2008, a prática foi proibida .

Médio Oriente[editar | editar código-fonte]

Exceptuando o caso do Iémen (30%) [63] e do Curdistão Iraquiano, a UNICEF não possui dados pormenorizados sobre a MGF nos países do Médio Oriente. Isto devido a vários factores, como a natureza dessas sociedades - o facto de grande parte serem ditaduras, ou serem zonas de guerra, e a profusão de tabus sexuais e outros, que impedem ou dificultam estudos a nível nacional. Assim, as únicas evidências são as obtidas através de organizações como a Orchid Project, a WADI, ou a WomanStats Project, (esta última uma das que apresentam mapas globais mais detalhados [64] sobre a situação das mulheres no Mundo), outras diversas ONG , ou testemunhos pessoais .

No Irão a MGF concentra-se especialmente entre os chafeístas curdos e a minoria sunita do país, em zonas rurais, em percentagens de 40 a 85%.[65]

Em 2004, uma equipa da WADI ficou chocada com a descoberta da prática no norte do Iraque, praticada geralmente em crianças entre os 4 e 12 anos, sem qualquer anestesia.

Em 2010, a WADI publicou um estudo sobre MGF na região curda do Iraque, que constatou que 72% das mulheres e meninas foram mutiladas. Dois anos depois, um estudo semelhante foi realizado na província de Kirkuk com achados de 38%.[66]

Em Oman, estima-se uma percentagem de 78%, com agravamento desses números na região mais conservadora da província do sul , Dhofar. [67][68][69]

A MGF está presente nos Emirados Árabes Unidos, numa percentagem de 34% [70]

Na Arábia Saudita é encontrado o procedimento, mas tudo indica não ser predominante entre as próprias mulheres sauditas, mas sim entre a sua numerosa população imigrante - egípcias, sudanesas, e somalis - que transportam o hábito consigo. Contudo, a WADI faz notar que o clérigo radical Muhammad Salih al-Munajjid, no seu conhecido site Islam QA, aprova a MGF, o que terá provávelmente algum efeito entre os seus seguidores sauditas.[71] Há pouca certeza sobre os números.[72][73]

Pratica-se em Israel, em determinados grupos, e na Palestina, mas desconhece-se com que frequência.[74][75] Existe também em vários outros países da zona, mas a escassez de dados não permite conclusões fiáveis. [76]

América do Norte[editar | editar código-fonte]

A MGF é praticada no Canadá entre as comunidades de imigrantes e refugiados, oriundos principalmente da Somália e Nigéria. Não existem estatísticas exactas disponíveis. Há evidências de que algumas das famílias dessas comunidades enviam as filhas para os países de origem, a fim de as submeter á intervenção.[77]

Quanto aos EUA, o Centers for Disease Control and Prevention (CDC) estimou em 1997 que 168 mil meninas vivendo nos Estados Unidos haviam sofrido MGF ou estavam em risco. [78] Khalid Adem, um muçulmano de origem etíope, tornou-se a primeira pessoa a ser sentenciada nos EUA em um caso de MGF; foi condenado a dez anos em 2006 por ter cortado o clitóris de sua filha de dois anos com um par de tesouras.[79] Realizar o procedimento em qualquer pessoa com idade inferior a 18 anos é ilegal nos EUA desde1997 pela Lei Federal de Proibição da Mutilação Genital Feminina. Uma lei aprovada em janeiro de 2013 proíbe transportar uma menina dos EUA para se submeter à MGF no exterior do país.[80]

Fauziya Kasinga, de 19 anos, membro da tribo Tchamba-Kunsuntu, do Togo, recebeu asilo em 1996, depois de deixar um casamento forçado, para escapar da MGF; Isso estabeleceu um precedente na lei de imigração dos EUA porque foi a primeira vez que a MGF foi aceita como uma forma de perseguição de género. [81][82]

América do Sul[editar | editar código-fonte]

A prática da MGF só é conhecida na tribo indígena dos Emberá.[83] na Colombia; não se conhecem números.[84]

Ásia Meridional, Sudeste Asiático e Ásia Central[editar | editar código-fonte]

Não existem dados sobre o Afeganistão. A RAWA (Associação Revolucionária das Mulheres do Afeganistão) afirma categóricamente que ela não existe no país.[85]

Na Índia, as estimativas sugerem que 80 a 90% das mulheres na comunidade muçulmana xiita dos Dawoodi Bohra sofreram MGF. [86]. Existem cerca de 2 milhões de Bohra na Índia. Em uma pesquisa, mais de 70% das entrevistadas dos Bohra disseram que um profissional não treinado lhes havia efectuado o procedimento. A MGF está a ser praticada também em Kerala, entre muçulmanos sunitas, onde foi encontrado em Agosto de 2017 pelas equipas da ONG Sahiyo. [87].[88] [89] A MGF é crime sob a Lei de Proteção de Crianças contra Infracções Sexuais de 2012; Código Penal Indiano, de 1860 e Código de Processo Penal, de 1973. [90]

Na Indonésia, prevalece a MGF dos tipos I e IV.Em 2006, a jornalista Abigail Haworth presenciou a operação sendo executada em 248 meninas num edifício escolar em Bandung[91]. 97,5% das mulheres pesquisadas de famílias muçulmanas são mutiladas até a idade de 18 anos. . [92][93]

Em certas comunidades da Indonésia, a cerimônia massiva de circuncisão feminina (khitanan massal) é organizada por fundações islâmicas locais por altura do aniversário de Maomé. Algumas MGF são Tipo IV feitas com uma caneta, outras são tipo I feitas com tesoura. Dois estudos indonésios a nível nacional em 2003 e 2010 encontraram mais de 80% dos casos amostrados envolvendo corte, geralmente desde recém-nascidos até à idade de 9 anos. Os levantamentos demonstraram que a circuncisão entre meninas e meninos é uma prática universal nos locais de estudo, em todos os quais o Islão era a principal religião. Em todos os locais, entre todas as crianças de 15 a 18 anos, 86 a 100% das meninas já tinham sido mutiladas. Mais de 90% das famílias visitadas nesses estudos desejavam que a prática continuasse.[93]

O governo indonésio proibiu a prática em 2006, mas cedeu sob pressão das organizações islâmicas em 2010 e emitiu um regulamento que permitia a MGF se fosse realizada por profissionais médicos, parteiras e enfermeiras. Revogou esse regulamento em 2014, mas não especificou penalidades para aqueles que realizassem a MGF.[94] Continua a ser praticada, havendo indícios de que se aproxima dos 100% na região de Aceh.[95]

A MGF do Tipo I é predominante na Malásia, onde 93% [96] [97] de mulheres de famílias muçulmanas , segundo um estudo de 2011 da Universidade de Malaya, foram mutiladas. [98]È amplamente considerado como uma tradição da Suna feminina , nos velhos tempos feitos por parteiras e agora por médicos. [99] As mulheres da Malásia reivindicam a obrigação religiosa (82%) como principal razão para a circuncisão feminina, com higiene (41%) e prática cultural (32%) como outros grandes motivadores para a prevalência da MGF. A Malásia é uma sociedade multicultural, a MGF é predominante na comunidade muçulmana, e não é observada entre as suas minorias budistas e hindus. Em 2009, a Comissão de Fatwas do Conselho Nacional da Malásia de Assuntos Religiosos Islâmicos decidiu que a circuncisão feminina era obrigatória para todas as mulheres muçulmanas, a menos que os seus métodos fossem prejudiciais.[100] Em 2012, o Ministério da Saúde do governo malaio propôs diretrizes para reclassificar e permitir a circuncisão feminina como uma prática médica.[101] [102]

Na República das Maldivas, a prática está a renascer devido á influência dos clérigos muçulmanos , que a consideram obrigatória. [103][104][105][106]

È praticada no Paquistão.[107][108] entre algumas comunidades, [109]como, por exemplo, os muçulmanos Bohra, a comunidade dos Sidis, considerada de origem árabe-africana, e também é encontrada em comunidades muçulmanas perto da fronteira do Irão com a zona do Baluchistão paquistanês.[110] [111]Uma pesquisa da ONG Sahiyo em 2016 estima uma prevalência de 80 % entre os Bohra.[112]

Predomina em partes das Filipinas. As comunidades que praticam a MGF chamam-na de Pag-Sunnat, por vezes Pag-Islam, e incluem os Tausugs de Mindanao, os Yakan da ilha de Basilan e outras comunidades muçulmanas. Costuma ser realizada em meninas entre alguns dias de idade e 8 anos. [113][114][115]

A MGF é praticada também pela comunidade muçulmana malaia em Singapura. [116] [99] ; pela minoria muçulmana no Sri Lanka.[117] e pela população muçulmana do Sul da Tailândia. [118] [119]

Oceânia[editar | editar código-fonte]

Na Austrália foi conduzida uma pesquisa na unidade de vigilância pediátrica do Hospital Infantil de Westmead, em Sydney, que descobriu que quase 60 meninas, atendidas por pediatras e especialistas em saúde infantil desde 2010, tinham sido submetidas a MGF, muitas delas à forma mais extrema do procedimento. Os dados fornecem a primeira imagem nacional, mas acredita-se que seja uma subestimativa grosseira do número real de casos. "Cerca de 20 por cento deles tiveram infibulação - isto é, a remoção do clitóris - a genitália externa removida e costurada a abertura", disse a professora de pediatria e saúde infantil, Elizabeth Elliott.

Pensa-se que o problema na Austrália é maior do que o estudo mostra. Apesar de a MGF ser reconhecida como abuso físico pela lei australiana, apenas 13 das meninas foram encaminhadas ou estavam sendo gerenciadas por serviços de proteção à criança. A maioria das meninas tinham idades entre 5 meses e 18 anos de idade, foram identificadas em clínicas de saúde de refugiados nos principais hospitais de Perth e Melbourne, nasceram na África e tiveram o procedimento realizado naquele país.

O Royal Australasian College of Physicians disse em um comunicado que "reconhece a mutilação genital feminina como uma violação dos direitos humanos e tem feito campanha contra a prática por muitos anos. Ela também apoia todos os pediatras que ativamente dão voz a essa questão". Mais de 200 milhões de meninas e mulheres em todo o mundo estão vivendo com mutilação genital de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). [120] Em 2010, o Royal Women's Hospital, em Melbourne, informou que tratava entre 600 e 700 mulheres por ano devido a complicações associadas à MGF . [121] Na Nova Zelândia a situação parece ser semelhante.[122]

Europa[editar | editar código-fonte]

Nos últimos anos, o aumento da imigração para a Europa de indivíduos de países que praticam a MGF, levou à introdução da operação nas sociedades europeias. Contudo, a taxa de prevalência da MGF é difícil de quantificar [123] .Um estudo que investigou a MGF em grupos de mulheres imigrantes do norte da África para regiões europeias como a Escandinávia, observou que a maioria destas mulheres já tinha a MGF antes da sua migração para a Europa.[124] Também foi estabelecido que as comunidades africanas dos países europeus continuam a praticar a MGF com as suas filhas depois de migrarem para a Europa. Como exemplo, na Suécia, um estudo realizado no Instituto Karolinska concluiu que a maioria das famílias que emigraram de países com uma cultura de MGF queria continuar a fazê-la nos seus novos países. Embora seja ilegal na Suécia desde 1982, há evidências de que a prática persiste.[125]

A Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência Contra as Mulheres e a Violência Doméstica , que entrou em vigor em 1 de agosto de 2014, define e criminaliza a prática no seu artigo 38. º.[126]

Em França a MGF é uma ofensa punível com 10 anos ou até 20 anos de prisão se a vítima estiver abaixo dos 15 anos de idade. [127] A lei exige que qualquer pessoa denuncie qualquer caso de mutilação ou mutilação planeada. Em 2014 foi relatado que cerca de 100 pessoas na França tinham sido condenadas. Não somente a pessoa que realiza a mutilação é sentenciada, os pais que organizam o crime enfrentam processos legais também.[128] [127] Um estudo de 2007 estimou que cerca de 61000 mulheres maiores de 18 anos vivendo em França tinham passado pela prática.[129]

De acordo com a organização Terre des Femmes, há 58 mil vítimas na Alemanha e outras 13 mil estão ameaçadas de serem mutiladas, números em constante aumento devido á imigração de países tais como a Eritreia, Somália e Iraque. [130][131]

A CISL (Confederação Italiana de Sindicatos de Trabalhadores) estima que entre 61 a 80 mil mulheres em Itália sofreram de alguma das formas de MGF.[132]Depois de alguns casos de infibulação praticados por médicos cúmplices na comunidade de imigrantes africanos terem chegado ao conhecimento público através da cobertura dos mídia, a Lei n ° 7/2006 foi aprovada em 1/9/2006, penalizando a prática.[133]

Na Holanda é estimado em cerca de 29 mil o número de mulheres residentes vítimas de MGF, ( oriundas principalmente da Somália, Egipto, Etiópia, Eritreia e Norte do Iraque) mas o risco da operação no próprio país é considerado baixo, havendo sim a possibilidade de acontecer em visitas de imigrantes aos seus locais de origem.[134]

Na Noruega parece ter pouca expressão e não é considerado um problema sério no país.[135][136]

Na Suécia a real prevalência da MGF entre grupos de imigrantes é desconhecida, mas houve 46 casos de suspeita de mutilação genital desde que a lei contra foi introduzida em 1982, e apenas duas condenações. Em 2014, Anissa Mohammed Hassan, uma coordenadora de origem somali duma agencia governamental em  Gotalândia  ( Östergötland) disse que o problema não está sendo seguido ativamente pelas autoridades e o assunto é evitado por medo de ser considerado como racista ou estigmatizante de grupos étnicos minoritários. Estima-se que 90.000 mulheres e meninas com MGF vivem na Suécia actualmente. [137]

Um estudo sobre a MGF na República russa do Daguestão, tornado público em 2016 pela ONG Legal Initiative for Russia, revelou que a MGF é generalizada no Daguestão. As meninas sofrem mutilação em tenra idade, até aos três anos. A prática foi aprovada publicamente na região, predominantemente muçulmana, por líderes religiosos como o Mufti Ismail Berdiyev.[138]que declarou que " todas as mulheres devem ser circuncisadas para que não haja deboche na terra", no que foi apoiado também por um clérigo cristão ortodoxo, Vsevolod Chaplin, que no entanto acrescentou que as mulheres ortodoxas não precisavam, pois não eram promíscuas.[139]

Em Espanha, desde 2003, uma lei específica pune a MGF, com até 12 anos de prisão, mesmo que o delito tenha sidio cometido no exterior do país. Não se sabe qual a real dimensão do problema. Em 2015 foi nioticiado que os profissionais de saúde espanhóis iriam intensificar o escrutínio das famílias de países onde a mutilação genital feminina é praticada e, em alguns casos, pedir aos pais que assinem uma declaração prometendo que suas filhas não estarão sujeitas à MGF.[140]

No Reino Unido, a MGF é também proibida e penalizada por uma lei própria desde 1985.[141] Levar uma cidadã do Reino Unido ou residente permanente para o estrangeiro para efeitos de MGF é uma infracção penal mesmo se for legal no país para onde a menina é levada. [142] Desde abril de 2014, todos os hospitais do NHS (serviço nacional de saúde britânico) registarão se uma paciente tiver sofrido a MGF ou se houver uma história familiar. Até 2014, ainda não tinha havido nenhuma condenação no território [143]

O número de mulheres com idade de 15 a 49 anos, residente na Inglaterra e no País de Gales, nascidos em regiões que praticam a MGF tendo migrado para o Reino Unido foi de 182 mil em 2001 e aumentou para 283 mil em 2011. O número de mulheres nascidas no Corno de África, onde a MGF é quase universal e o tipo mais severo de MGF é comumente praticado, aumentou de 22000 em 2001 para 56000 em 2011. Estima-se que o número de mulheres de todas as idades submetidas a MGF fosse 137000 em 2011. O número de mulheres de idades 15 a 49 anos que sofreram MGF foi estimado em 66000 em 2001 e houve um aumento para 103000 em 2011. A cidade com a maior prevalência da MGF em 2015 foi Londres, a uma taxa de 28,2 por 1000 mulheres com idade de 15 a 49 anos.[144]

Apesar da lei, estima-se que cerca de 500 mulheres ou crianças britânicas são mutiladas por ano, sem uma única condenação.[145][146][147]

Motivações[editar | editar código-fonte]

Razões comuns para a MGF citada pelas mulheres nas pesquisas são aceitação social, religião, higiene, preservação da virgindade, maior possibilidade de casamento e aumento do prazer sexual masculino.[148]Num estudo no norte do Sudão, publicado em 1983, apenas 17.4 por cento das mulheres se opuseram à MGF (558 de 3.210), e a maioria preferia excisão e infibulação em vez de clitoridectomia. [149] As atitudes estão a mudar lentamente. No Sudão, em 2010, 42% das mulheres que conheciam a MGF disseram que a prática deveria continuar. Em vários inquéritos posteriores, desde 2006, mais de 50% das mulheres no Mali, da Guiné, da Serra Leoa, da Somália, da Gâmbia e do Egipto apoiaram a continuidade da MGF ; no entanto, mesmo nos países onde a MGF é quase universal, o nível de apoio entre as meninas e mulheres é menor do que o nível de prevalência.[150]

Superstições e mitos também têm uma parte importante na MGF. Os Bambaras, do Mali, acreditam que o clitóris matará um homem se entrar em contato com o pénis durante uma relação sexual. Na Nigéria, alguns grupos acreditam que um bebê morrerá se sua cabeça tocar o clitóris durante o parto.[21] Hanny Lightfoot-Klein relata que "acredita-se no Sudão que o clitóris vai crescer até ao comprimento do pescoço de um ganso, até oscilar entre as pernas, em rivalidade com o pênis do macho, se não for cortado."[151]

A médica Olayinka Koso-Thomas em 1987 entrevistou 50 mulheres em Serra Leoa, que tinham tido experiências sexuais antes da MGF. Todas relataram uma diminuição da satisfação sexual após a operação, mas não estabeleciam a relação. Gerry Mackie anota que as consequências da MGF podem ser aceites como "normais", e próprias da condição femininaː se ela for praticada em todas as meninas antes da puberdade, não existe termo de comparação e não é feita a ligação entre causa e efeitos. Uma explicação comum dada para a MGF é simplesmente que  "é o costume aqui." [21]

De acordo com Gerry Mackie, a MGF é encontrada apenas em grupos islâmicos ou adjacentes (alguns cristãos vizinhos - cita os coptas do Egipto - praticam-no para evitar a condenação).A MGF é pre-Islâmica, mas foi exagerada pelo seu cruzamento com o código de modéstia islâmica de honra da família, pureza feminina, virgindade, castidade, fidelidade e reclusão. [152]

O Alcorão é omisso quanto à MGF, mas alguns hádices citam-na. O mais conhecido, usado muitas vezes para avalizar a MGF, é o que descreve como o Profeta passou por uma circuncisadora em Medina e disse à mulher: "Não corte demais, porque é melhor para a mulher e mais desejável para o marido" [153] As diversas escolas jurídicas islâmicas sunitas apresentam vários pontos de vista sobre o procedimento, a Maliki e os Hanbali julgam-na sunnah (boa prática), a Hanafi pensa ser makrumah (não requerida, mas preferível aos olhos de Alá), e os Shafi'i consideram-na obrigatória.[154][155]Também as escolas xiitas a consideram um acto nobre, embora não obrigatório.[156]

Os crentes que condenam a MGF fazem-no citando o próprio Alcorão, essencialmente a Sura 32 - As Sajdah ː " Ele (Alá) que fez tudo o que Ele criou mais perfeito: Ele iniciou a criação do homem com nada mais do que argila."- isto é, tudo á face da Terra se encontra já na sua forma mais perfeita, incluindo a Mulher.[157]

Fátuas (fatwas) existem proibindo a MGF, [158][159][160] favorecendo-a, [161] [162]ou deixando a decisão aos pais.[163]

A prática em Portugal[editar | editar código-fonte]

Em Portugal segundo a Associação para o Planeamento da Família, há mais de 8000 mulheres, raparigas e meninas que foram vítimas ou que estão em risco de serem sujeitas à prática. Os registos oficiais – baseados maioritariamente nos casos que chegam aos hospitais – aponta para cerca de 6500 mulheres mutiladas, praticamente todas elas oriundas de comunidades muçulmanas de origem africana, na sua maioria da Guiné-Bissau, e também da Guiné-Conacri , Senegal e Egito. Os casos são muitas vezes detetados por médicos apenas quando recebem as mulheres e meninas na sequência das complicações psicológicas, sexuais, obstétricas, urológicas ou ginecológicas. [164][165]

A jornalista do Público, Sofia Branco, fazendo em 2002 uma reportagem sobre o assunto entre a comunidade de origem guineense, acabou convidada a fazer a MGF por uma excisadora[166]

A MGF tornou-se um crime autónomo no Código Penal Português, através da Lei nº 83/2015. A prática de MGF passou a ser crime punível por lei com pena de prisão de 2 a 10 anos. São também considerados crime todos os atos preparatórios de MGF, nomeadamente, levar as mulheres ou crianças a viajar para fora do país com o objetivo de serem submetidas a MGF.[167]

Legislação[editar | editar código-fonte]

  • Guiné-Bissau – Em meados de 2011 foi aprovada pelo parlamento guineense uma lei, proibindo e criminalizando a prática da mutilação genital feminina[168]
  • Gâmbia – Em 2015 o País torna a pratica proibida.[169][170]
  • Colômbia – A morte consequente de mutilação genital foi contemplada pela lei do feminicídio, de 2015.[171]

Dos países que assinaram o Protocolo sobre os Direitos das Mulheres Africanas são: Cabo Verde, Ilhas Comoros, Jibuti, Gâmbia, Lesoto, Líbia, Malávi, Mali, Namíbia, Nigéria, Ruanda, Senegal, África do Sul e Benin.

Na Nigéria, antes de passar o cargo para Muhammadu Buhari, o então presidente da Nigéria Jonathan Goodluck assinou no mês de Maio de 2015, uma lei para as mulheres: a proibição da mutilação genital feminina.

Em Março de 2017, o novo Código Penal da Angola também passou a proibir a prática da mutilação genital feminina.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Female Genital Mutilation/Cuttingː A Global Concern» (PDF). UNICEF. 2016 
  2. UNICEF (2013). «Female Genital Mutilation/Cutting: A statistical overview and exploration of the dynamics of change» (PDF) , p. 44 (circuncisador tradicional), pp. 45–46 (anestesia), p. 46 (lâmina), pp. 26–27 (29 países).
  3. UNICEF (2014). «Female Genital Mutilation/Cutting: What might the future hold?» (PDF) , p. 6/6: "Esta prática também se encontra em países como a Colômbia, Irão, Jordânia, Omã, Arábia Saudita, partes da Indonésia e da Malásia e em algumas comunidades da Europa e da América do Norte, embora não haja grande quantidade de dados disponíveis e precisos sobre a magnitude do fenómeno nestes contextos."
  4. «Prevalence of Female Genital Cutting (2015)». WomanStats. Consultado em 27 de Janeiro de 2018. 
  5. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome UNICEF2013p47,50
  6. Abdulcadira, Jasmine; Margairazb, Christiane; Boulvaina, Michel; Irion, Olivier (2011). «Care of women with female genital mutilation/cutting». Swiss Med Wkly. 6 (14). PMID 21213149. doi:10.4414/smw.2011.13137 
  7. Organização Mundial de Saúde (2008). «Eliminating Female genital mutilation: An Interagency Statement» (PDF) , p. 1: "A mutilação genital feminina não apresenta quaisquer benefícios conhecidos para a saúde."
  8. UNICEF (2013). «Female Genital Mutilation/Cutting: A statistical overview and exploration of the dynamics of change» (PDF) , p. 15: "Existe uma obrigação social de conformismo em relação à prática e a crença generalizada de que se as famílias não o fizerem estão sujeitas a pagar um preço que inclui a exclusão social, criticismo, ridicularização, estigma ou a incapacidade de encontrar potenciais maridos para as filhas."
  9. Toubia, Nahid; Sharief, Eiman Hussein (2003). «Female genital mutilation: have we made progress?». International Journal of Gynecology & Obstetrics. 82 (3): 251–261. PMID 14499972. doi:10.1016/S0020-7292(03)00229-7 
  10. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome 133million
  11. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Yoder2008p13
  12. UNICEF (2013). «Female Genital Mutilation/Cutting: A statistical overview and exploration of the dynamics of change» (PDF) , p. 8}}
  13. «UNFPA-UNICEF Joint Programme on Female Genital Mutilation/Cutting: Annual Report 2012». 2012  p. 48}}
  14. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome UN
  15. Mackie, Gerry (2000). «Female Genital Cutting:The Beginning of the End» (PDF). Consultado em 8 de Fevereiro de 2018. 
  16. Shell-Duncan, Bettina (e outro) (2000). Female "circumcision" in Africa: Culture, Controversy, and Change. London: Lynne Rienner Publishers, Inc. 13 páginas 
  17. Smith, Grafton Elliot (1906). A contribution to the study of mummification in Egypt : with special reference to the measures adopted during the time of the XXI dynasty for moulding the form of the body. [S.l.]: Le Caire. 30 páginas 
  18. Ruffer, Marc Armand (1921). Studies in the palaeopathology of Egypt. [S.l.: s.n.] pp. 171–172 
  19. «Project Gutenberg's The Geography of Strabo, Volume III (of 3)». The Project Gutenberg. 2014 
  20. Lorenzi, Rossella (12 de Outubro de 2012). «How Did Female Genital Mutilation Begin?». Seeker 
  21. a b c Mackie, Gerry (1996). «"Ending Footbinding and Infibulation: A Convention Account"» (PDF). American Sociological Review, 61(6), December 1996 -pág.1003-1009 
  22. Rodriguez, Sarah W (Julho de 2008). «Rethinking the History of Female Circumcision and Clitoridectomy: American Medicine and Female Sexuality in the Late Nineteenth Century». Journal of the History of Medicine and Allied Sciences, Volume 63, Issue 3 (Pag.323–347) 
  23. a b Shorter, Edward (1992). From Paralysis to Fatigue: A History of Psychosomatic Illness in the Modern Era. Nova Iorque: The Free Press. pp. 81–82–83 
  24. Thomas, Robert (1813). The Modern Practice of Physick, Exhibiting the Characters, Causes, Symptoms, Prognostic, Morbid Appearances and Improved Method of Treating the Diseases of all Climates. [S.l.: s.n.] 585 páginas 
  25. Churchill, J. (1878). Medical Times and Gazette - Obituary - Fev 8- 1878. [S.l.: s.n.] 155 páginas 
  26. Allen, Peter L. (2000). The Wages of Sin: Sex and Disease, Past and Present. [S.l.]: The University of Chicago Press. 106 páginas 
  27. Bader, Dina (2011). Excision et nymphoplastie: «Ça n’a rien à voir!»-Des représentations sociales à la norme pénale. (PDF). [S.l.]: Université de Genève. 34 páginas 
  28. Hoberman, John (2005). Testosterone Dreams: Rejuvenation, Aphrodisia, Doping. [S.l.]: University of California Press. 63 páginas 
  29. Barker-Benfield, G.J. (2000). The Horrors of the Half-Known Life: Male Attitudes Toward Women and Sexuality in Nineteenth-Century America. EUA: Routledge. pp. 113–114 
  30. «Female Genital Mutilation/Cutting:A statistical overview and exploration of the dynamics of change (UNICEF)» (PDF). UNICEF. pp. 42, 44, 46. Consultado em 27 de Janeiro de 2018. 
  31. «Female Genital Mutilation/Cutting:A statistical overview and exploration of the dynamics of change (p.45)» (PDF). UNICEF. Consultado em 27 de janeiro de 2018. 
  32. «FGM performed in clinics can make it dangerously attractive». UNFPA Arab States. 7 de Fevereiro de 2018 
  33. «p.4» (PDF) 
  34. a b Gruenbaum, Ellen (2001). The Female Circumcision Controversy -An Anthropological Perspective. [S.l.]: University of Pennsylvania Press. pp. 3–6 
  35. Berg, Rigmor C.(e outros). «Effects of female genital cutting on physical health outcomes: a systematic review and meta-analysis». BMJ Open. Consultado em 29 de Janeiro de 2018. 
  36. Reisel, Dan (e outro) (Janeiro de 2015). «Long term health consequences of Female Genital Mutilation (FGM)». Maturitas. Consultado em 29 de Janeiro de 2018. 
  37. Iavazzo, Christos (12 de Janeiro de 2013). «Female genital mutilation and infections: a systematic review of the clinical evidence». SpringerLink 
  38. «Violência Sexual e de Género -Mutilação Genital Feminina». APF. Consultado em 28 de Janeiro de 2018. 
  39. Félix dos Santos, Mafalda Sofia (e outro). «Mutilação Genital Feminina». Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social (CPIHTS). Consultado em 29 de Janeiro de 2018. 
  40. Abdulcadir, J. (e outros) (6 de Janeiro de 2011). «Care of women with female genital mutilation/cutting». Swiss Medical Weekly 
  41. Rashid, Mumtaz ( e outro) (24 de Janeiro de 2011). «Obstetric management of women with female genital mutilation». The Obstetrician & Gynaecologist -Volume 9, Issue 2 
  42. «Anal sphincter injuries». SBU -Swedish Agency for Health Technology Assessment and Assessment of Social Services. 29 de Abril de 2016 
  43. Banks, Emily (3 de Junho de 2006). «Female genital mutilation and obstetric outcome: WHO collaborative prospective study in six African countries» (PDF). The Lancet 
  44. «New study shows female genital mutilation exposes women and babies to significant risk at childbirth». WHO (World Health Organization). 2 de Junho de 2006 
  45. Reisel, Dan (e outro) (6 de Outubro de 2014). «Long term health consequences of Female Genital Mutilation». Maturitas 
  46. Abdulcadir,, J (e outros) (6 de Janeiro de 2011). «Care of women with female genital mutilation/cutting». Swiss Medical Weekly 
  47. Berg, Rigmor C. (e outro) (Março de 2013). «A Tradition in Transition: Factors Perpetuating and Hindering the Continuance of Female Genital Mutilation/Cutting (FGM/C) Summarized in a Systematic Review». Health Care for Women International 
  48. Sibiani, S. (e outro) (Setembro de 2008). «Sexual function in women with female genital mutilation». Fertility and Sterility.org 
  49. «Dr. Pierre Foldes: Stories of Restoring … and Enhancing Campaigns to Stop FGM». UnCut/Voices Press. 15 de Setembro de 2013 
  50. Chateau, Chloé (10 de Novembro de 2011). «Inna Modja : "J'ai été excisée à l'insu de mes parents, qui étaient contre"». Closer 
  51. Nyangweso, Mary (2014). Female Genital Cutting in Industrialized Countries - Mutilation or Cultural Tradition?. [S.l.]: Praeger. pp. 65–66 
  52. «Female Genital Mutilation/Cutting: Data and Trends -Update 2010» (PDF). Population Reference Bureau. 2010 
  53. «Female Genital Mutilation/Cuttingː A Global Concern» (PDF). UNICEF. 2016 
  54. «Research Report - Female Circumcision in Indonesia» (PDF). Population Council (Jacarta) e USAID. Setembro de 2003 
  55. «FGM: Slow progress when talking to the UN about numbers». Stop FGM Middle East. 5 de Fevereiro de 2016 
  56. Yoder, P. Stanley (e outros) (29 de Maio de 2013). «Estimates of Female Genital Mutilation/Cutting in 27 African Countries and Yemen». Wiley Online Library 
  57. «DHS Overview». The DHS Program. Consultado em 11 de Fevereiro de 2018. 
  58. «Female Genital Mutilation/Cutting: A statistical overview and exploration of the dynamics of change (págs.40-41)» (PDF). UNICEF. 2013 
  59. «Female Genital Mutilation/Cuttingː A Global Concern» (PDF). UNICEF. 2016 
  60. «At least 200 million girls and women alive today living in 30 countries have undergone FGM (Update 2018)». UNICEF. Fevereiro de 2018 
  61. «CHANGING A HARMFUL SOCIAL CONVENTION: FEMALE GENITAL MUTILATION/CUTTING» (PDF). UNICEF. 2005 
  62. Boyle, Elizabeth Heger (2002). Female Genital Cutting: Cultural Conflict in the Global Community. EUA: The Johns Hopkins University Press. pp. 3–4 
  63. «Facts About FGM» (PDF). WHO. 2013 
  64. «Prevalence of FGC (Scaled 2015)». Woman Stats Project. 2015. Consultado em 19 de Fevereiro de 2018. 
  65. «Iran». Stop FGM Middle East. Consultado em 19 de Fevereiro de 2018. 
  66. «Iraq». Stop FGM Middle East. Consultado em 19 de Fevereiro de 2018. 
  67. «Oman». Stop FGM Middle East. Consultado em 19 de Fevereiro de 2018. 
  68. Ginn, Kate (5 de Fevereiro de 2014). «The Deepest Cut». Y - Pulse of Oman 
  69. Wettig, Hannah (3 de Fevereiro de 2014). «In Oman more than 80% of women could be mutilated – Results of a two-week field trip». Stop FGM Middle East 
  70. al Marzouqi, Wafa (Janeiro de 2011). «Fatal traditions: female circumcision in the UAE (pág 6)». Desert Dawn (Magazine) 
  71. «Saudi Arabia». Stop FGM Middle East. Consultado em 20 de Fevereiro de 2018. 
  72. Randerson, James (13 de Novembro de 2008). «Female genital mutilation denies sexual pleasure to millions of women -Two doctors in Saudi Arabia want to change cultural attitudes to female genital mutilation by gathering evidence of its links to sexual dysfunction». The Guardian 
  73. «Saudi Arabia». Orchid Project. Consultado em 20 de Fevereiro de 2018. 
  74. Nazir, Sameena (e outro) (2005). Women's Rights in the Middle East and North Africa: Citizenship and Justice. [S.l.]: Rowman and Littlefield Publishers, Inc. 233 páginas 
  75. «Female genital mutilation (FGM) frequently asked questions». UNFPA (United Nations Population Fund). Fevereiro de 2018 
  76. «FGC in Asia and Middle East». Project Orchid. Consultado em 19 de Fevereiro de 2018. 
  77. «FGM in Canada». OHRC (Ontario Human Rights Comission). Consultado em 20 de Fevereiro de 2018. 
  78. Cullen-DuPont, Kathryn (2000). Encyclopedia of Women's History in America. Nova Iorque: Facts On File, Inc. 85 páginas 
  79. «Man gets 10-year sentence for circumcision of 2-year-old daughter». USA Today. 11 de Janeiro de 2006 
  80. Hassan, Yasmeen (5 de Março de 2013). «As Global Consensus Accelerates, Obama Strengthens Federal Law Protecting Girls in the Fight Against Female Genital Mutilation». Huffington Post 
  81. Dugger, Celia W. (16 de Junho de 1996). «June 9-15;Asylum From Mutilation». The New York Times 
  82. Dugger, Celia W. (11 de Setembro de 1996). «A Refugee's Body Is Intact but Her Family Is Torn». The New York Times 
  83. Moloney, Anastasia (6 de Fevereiro de 2015). [The only indigenous tribe in Latin America known to practise FGM is Colombia's Emberá people.[201] «Colombia's Embera tribe hopes to eradicate FGM by 2030»] Verifique valor |url= (ajuda). Reuters (Arquivado em WayBack Machine) 
  84. Brodzinsky, Sibylla (19 de Novembro de 2015). «For Colombia's Emberá, telling outsiders about FGM is worse than cutting girls». The Guardian 
  85. Kolhatkar, Sonali (9 de Maio de 2002). «"Saving" Afghan Women». RAWA 
  86. Dasgupta, Debarshi (5 de Dezembro de 2011). «The Yin, Wounded -A primitive rite for Bohra women sees its first murmurs of protest». Outlook 
  87. Johari, Aarefa (e outro) (14 de Agosto de 2017). «Female Genital Cutting is being practiced in Kerala too: Sahiyo investigation». SAHIYO 
  88. Pandit, Sadaguru (7 de Fevereiro de 2017). «Bohra women against female genital mutilation: Survey in Mumbai». Hindustan Times 
  89. Nair, Manoj R (4 de Fevereiro de 2018). «In India, female genital mutilation is not just restricted to Bohras, says study -The survey says that the custom also exists among certain Kerala Sunni families.». Hindustan Times 
  90. «IPC, POCSO enough to deal with female genital mutilation: Govt». India. 4 de Agosto de 2017 
  91. Haworth, Abigail (18 de Novembro de 2012). «The day I saw 248 girls suffering genital mutilation -In 2006, while in Indonesia and six months pregnant, Abigail Haworth became one of the few journalists ever to see young girls being 'circumcised'. Until now she has been unable to tell this shocking story». The Guardian 
  92. A Cutting Tradition Sara Corbett, New York Times (January 20, 2008)
  93. a b «Research Report - Female Circumcision in Indonesia-Extent, Implications and Possible Interventions to Uphold Women's Health Rights» (PDF). Population Council Jakarta. Setembro de 2003 
  94. Kine, Phelim (26 de Setembro de 2016). «Indonesia Seeks End to Female Genital Mutilation -Government Should Also Prohibit Abusive 'Virginity Tests'». Human Rights Watch 
  95. Rahmita, Frida (4 de Abril de 2017). «Indonesian women need local solutions». New Mandala 
  96. Paluch, Gabrielle (1 de Abril de 2015). «In Thailand's Muslim south, authorities turn a blind eye to FGM --Female genital mutilation, banned by the WHO, seems to be common in the three Muslim-majority southern provinces, but officials are taking no action». The Guardian 
  97. Paluch, Gabrielle (2 de Abril de 2015). «Female genital cutting in Thailand's south --FGM is a rising cultural practice in southern Thailand and, with little regulation, concerns are at an all-time high.». AlJazeera 
  98. Khalid, S. (e outros) (2013). «Knowledge and acceptance of Female Circumcision» (PDF). Universiti Sains Islam Malaysia 
  99. a b Taha, Sya (12 de Março de 2013). «"A Tiny Cut": Female Circumcision in South East Asia». TIM (The Islamic Monthly) 
  100. Ainslie, Mary (15 de Julho de 2015). «The 2009 Malaysian Female Circumcision Fatwa: State ownership of Islam and the current impasse». Research Gate (de Women´s Studies International Forum 
  101. «Malaysia storm over female circumcision». ABC News. 7 de Dezembro de 2012 
  102. «Malaysia». Stop FGM Middle East. Consultado em 25 de Fevereiro de 2018. 
  103. «Female circumcision fear as fundamentalists roll back women's rights --Maldives women face more repression under a rising tide of religious fundamentalism, reports Ben Doherty from Male.». The Sydney Morning Herald. 25 de Janeiro de 2012 
  104. Amir, Hassan. (Dezembro de 2011). «Islamism and radicalism in the Maldives» (PDF). Calhoun: The NPS Institutional Archive 
  105. «Figh Academy VP endorses female genital mutilation». Minivan News – Archive. 6 de Fevereiro de 2014 
  106. Arora, Vishal (12 de Março de 2014). «Maldives: Cleric calls for FGM on Islamic grounds». Lapidomedia 
  107. «Pakistan». Stop FGM Middle East. Consultado em 25 de Fevereiro de 2018. 
  108. Magoha (2000). «Current global status of female genital mutilation: a review. East African medical journal, Vol.77 N.5 de Maio de 2000». EAST AFRICAN MEDICAL JOURNAL: 268. Consultado em 27 de Fevereiro de 2018. 
  109. «Female genital mutilation (FGM) frequently asked questions». UNFPA (United Nations Population Fund). Fevereiro de 2018 
  110. Zahidi, Farahnaz (6 de Fevereiro de 2013). «Female Genital Mutilation: Many Pakistani women's painful secret». The Express Tribune 
  111. «Low awareness of hidden FGM/C practices». IRIN. 26 de Dezembro de 2011 
  112. «An Exploratory Study On THe Practice of Khatna (FGC) Amongst The Dawoody Bohra Community» (PDF). Sahiyo. 2016 
  113. Calsalin, Sittinurussamsi A. (Abril de 2008). «Female Circumcision Among Yakan, in Basilan, Phjlippines» (PDF). Ateneo de Zamboanga University (Arquivo em WayBack Machine) 
  114. Kontoyannis, Maria (e outro) (2010). «Female Genital Mutilation». Health Science Journal 
  115. Belisario, Olga Czarina Velayo (2009). «Muslim Women and Circumcision: "A Study of Intergenerational Practice and Its Continuity In Southern Philippines"». WMSU Research Journal, Vol 28, No 1 (2009) 
  116. Marranci|, Gabriele (19 de Abril de 2015). «Female circumcision in multicultural Singapore: The Hidden Cut». The Australian Journal of Anthropology (volume 26 , issue=2, pages=276–292 
  117. Senanayake, Renuka (19 de Agosto de 1996). «SRI LANKA-CULTURE: Mothers Watch as Daughters are Circumcised». IPS (Inter Press Service) 
  118. Paluch, Gabrielle (2 de Abril de 2015). «Female genital cutting in Thailand's south --FGM is a rising cultural practice in southern Thailand and, with little regulation, concerns are at an all-time high.». AlJazeera (Arquivado em WAyBack Machine) 
  119. Merli, Claudia (2008). «Sunat for Girls in Southern Thailand: Its Relation to Traditional Midwifery, Male Circumcision and Other Obstetrical Practices» (PDF). Finnish Journal of Ethnicity and Migration Vol. 3, No. 2/2008 
  120. «Female genital mutilation report reveals prevalence of procedure in Australia». ABC News. 13 de Janeiro de 2017 
  121. «Female Genital Mutilation - 2017». Australian Medical Association (AMA). 23 de Março de 2017 
  122. «What is Female Genital Mutilation or FGM? -A deeply entrenched social and cultural practice in many places, Al Jazeera answers the most asked questions about FGM.». AlJazeera. 6 de Outubro de 2017 
  123. Leye, Els (Março de 2006). «Health Care in Europe for Women with Genital Mutilation» (PDF). Health Care for Women International 
  124. Elgaali, Mahoud (6 de Julho de 2009). «Female genital mutilation – an exported medical hazard». Taylor & Francis OnLIne 
  125. Marnell, Emmy Nakimuli (2014). «Reasons behind female genital cutting -a literature review» (PDF). Karolinska Institutet Department of women ́s and children ́s health 
  126. «Council of Europe Convention on preventing and combating violence against women and domestic violence». Council of Europe. Consultado em 28 de Fevereiro de 2018. 
  127. a b Willsher, Kim (10 de Fevereiro de 2014). «France's tough stance on female genital mutilation is working, say campaigners --Parents and 'cutters' have been jailed in France but concerns remain that parents go abroad – including to UK – for FGM». The Guardian 
  128. Smith, Joan (20 de Julho de 2013). «Convictions for female genital mutilation. France: 100. UK: Nil --This country has a very poor record on the prevention of female genital mutilation. A new approach from the police could change that.». The Independent 
  129. European Institute for Gender Equality (22 de Maio de 2013). «Current situation of female genital mutilation in France». EU Publications 
  130. «More girls at risk of genital mutilation in Germany - report». Reuters. 18 de Julho de 2017 
  131. «'Enormous rise' in girls threatened with genital mutilation in Germany: report». The Local (de). 18 de Julho de 2017 
  132. «Up to 80,000 women genitally mutilated in Italy - CISL Stresses importance of health info to migrants». ANSA (Agenzia Nazionale Stampa Associata). 6 de Fevereiro de 2018  line feed character character in |titulo= at position 55 (ajuda)
  133. «"Disposizioni concernenti la prevenzione e il divieto delle pratiche di mutilazione genitale femminile». Parlamento Italiano. 2006 
  134. «Female Genital Mutilation in the Netherlands -Prevalence, incidence and determinants» (PDF). Pharos Centre of Expertise on Health for Migrants and Refugees. Janeiro de 2013 
  135. Gele, Abdi A. (e outros) (26 de Novembro de 2015). «Is female circumcision evolving or dissolving in Norway? A qualitative study on attitudes toward the practice among young Somalis in the Oslo area». National Center for Biotechnology Information, U.S. National Library of Medicine 
  136. Oscarsson, Marcus (21 de Setembro de 2009). «Sweden, Denmark and Norway try to stop genital mutilation among immigrants at home and abroad». MinnPost 
  137. Nilsson, Hedvig (e outro) (17 de Outubro de 2014). «Tusentals könsstympade barn lider i det tysta (Milhares de crianças mutiladas sofrem no silêncio - Em sueco no original)». Sveriges Radio 
  138. Oliphant, Roland (18 de Agosto de 2016). «Outrage in Russia after religious leaders back female genital mutilation». The Telegraph 
  139. «Russia furore over FGM in mainly Muslim Dagestan». BBC. 18 de Agosto de 2016 
  140. Kassam, Ashifa (13 de Janeiro de 2015). «Spain asks parents to sign declaration to protect daughters from FGM -Protocol says girls from countries where female genital mutilation is practised should meet doctors before and after visits». The Guardian 
  141. Kerbaj, Richard (16 de Março de 2009). «"Thousands of girls mutilated in Britain"». The Sunday Times 
  142. «NOTES ON SOME OVERSEAS COUNTRIES' LAWS». The FGC Education and Networking Project. Consultado em 4 de Março de 2018. 
  143. «Female genital mutilation: Hospitals to log victims». BBC. 6 de Fevereiro de 2014 
  144. Macfarlane, Alison (e Efua Dorkenoo ) (Julho de 2015). «Prevalence of Female Genital Mutilation in England and Wales:National and local estimates» (PDF). City University London & Equality Now (Arq. em Wayback Machine) 
  145. Topping, Alexandra; Carson, Mary (6 de Fevereiro de 2014). «FGM is banned but very much alive in the UK Scottish FGM expert says families pool resources to bring in a 'cutter' from abroad to mutilate girls in groups». The Guardian 
  146. Kerbaj, Richard (16 de Março de 2009). «Thousands of girls mutilated in Britain». The Sunday Times 
  147. «FGM: Lack of convictions 'a national scandal'». BBC. 15 de Setembro de 2016 
  148. «Female Genital Mutilation/Cutting: A statistical overview and exploration of the dynamics of change» (PDF). Unicef. Julho de 2013. pp. 63–65 
  149. Dareer, Asma El (1 de Junho de 1983). «Attitudes of Sudanese People to the Practice of Female Circumcision». International Journal of Epidemiology, Vol. 12, Issue 2, 1 June 1983. pp. 138–144 
  150. «Female Genital Mutilation/Cutting: A Statistical Overview and Exploration of the Dynamics of Change» (PDF). Unicef. Julho 2013. pp. 55 e 178 
  151. «Religion or Culture?». Stop FGM Middle East. Consultado em 16 de Março de 2018. 
  152. Mackie, Gerry (Dezembro de 1996). «ENDING FOOTBINDING AND INFIBULATION:A cONVENTION ACCOUNT*». American Sociological Review, Vol. 61, No. 6 (Dec., 1996), 999-1017. 
  153. «Sunan Abu Dawud - Livro-41 - Hadith-5251». QuranX.com. Consultado em 20 de Março de 2018. 
  154. Al-Qaradawi, Yusuf (25 de Setembro de 2007). «Circumcision: Juristic, Medical & Social Perspectives». Islam OnLine 
  155. al-Misri, Ahmad ihn Naqib (1991). Reliance of the Traveller (Umdat al-salik wa 'uddat al-nasik) -Trad. inglesa. [S.l.]: Amana Publications. 59 páginas 
  156. Abu-Sahlieh, Sami A. Aldeeb (Agosto de 1998). «Muslims' genitalia in the Hands of the clergy». Hraicjk.org 
  157. «The Quran 32:7 As Sajda (The adoration)». QuranX.com. Consultado em 23 de Março de 2018. 
  158. Azar, Miriam (11 de outubro de 2012). «In Mauritania, progress made in ending female genital mutilation/cutting». Unicef 
  159. «Religious Fatwa for Banning all Forms of FGM/C» (PDF). Somalia Ministry of Justice, Religion and Rehabilitation. Consultado em 1 de Janeiro de 2018. 
  160. Trevelyan, Bob (18 de Janeiro de 2010). «Mauritania fatwa bans female genital mutilation». BBC 
  161. Mordechai, Kedar (2002). «Islam and "female circumcision": the dispute over FGM in the Egyptian press, September 1994.». US National Library of Medicine National Institutes of Health -Vol.21-2 (pág. 403-418) 
  162. al-Munajjid, Muhammad Saalih (24 de Agosto de 2005). «60314: Circumcision of girls and some doctors' criticism thereof». Islam Question and Answer 
  163. «Iraqi Kurdistan: FGM Fatwa Positive, but not Definitive --Edict Says Female Genital Mutilation not Prescribed by Islam but Doesn't Ban It». Human Rights Watch. 17 de Julho de 2010 
  164. Cosme Pinto, Paula (23 de Março de 2017). «São mais de 8 mil as vítimas de mutilação genital em Portugal». Expresso 
  165. «Mais de seis mil mulheres em Portugal submetidas a Mutilação Genital Feminina». Diário de Notícias. 5 de Fevereiro de 2016 
  166. Branco, Sofia (4 de Agosto de 2002). «O holocausto silencioso das mulheres a quem continuam a extrair o clítoris». Público - (Arquivado em Didinho.org) 
  167. Vicente, Lisa Ferreira (9 de Outubro de 2017). «Mutilação Genital Feminina? Mas isso existe em Portugal?». Sociedade Portuguesa de Sexologia Clínica 
  168. «Parlamento aprova legislação que proíbe mutilação genital feminina». 8 de Junho de 2011. Consultado em 3 de Fevereiro de 2012. 
  169. http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/11/mutilacao-genital-feminina-e-proibida-na-gambia.html
  170. «Why is FGM still a problem in Gambia, years after it was banned? -Youth Board member and intern, Saina Hydara, shares her thoughts on the ongoing challenges of criminalising FGM in practising countries: specifically, Gambia». Tender.org. 31 de Março de 2017 
  171. Cosoy, Natalio (19 de julho de 2016). «O drama silencioso da mutilação genital feminina na Colômbia». Consultado em 20 de julho de 2016. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Waris Dirie, "Flor do Deserto", edições Asa.
  • O mundo Místico dos Negros, Estácio de Lima, Editora Gráfica da Bahia, 1975
  • Mutilada, Khady, Rocco
  • Waris Dirie, Filha do Deserto
  • Ayaan Hirsi Ali, Uma Mulher Rebelde (título original inglês "Infidel"), Editorial Presença, 2007
  • Mona Eltahawy - Headscarves and Hymens: Why the Middle East Needs a Sexual Revolution, 2015
  • Hubert Prolongeau - Undoing Fgm: Pierre Foldes, the Surgeon Who Restores the Clitoris -UnCUT/VOICES Press, 2011

Ligações externas[editar | editar código-fonte]