Nácer de Granada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde janeiro de 2013)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Nácer
Emir ou rei de Granada
COA of Nasrid dynasty kingdom of Grenade (1013-1492).svg
Brasão do Reino de Granada
Reinado 14 de março de 13098 de fevereiro de 1314
Antecessor(a) Maomé III
Sucessor(a) Ismail I
Dinastia Nasridas
Nome completo
Abu al-Juyuch Nasr ben Muhammad
Nascimento 2 de novembro de 1287
Morte 16 de novembro de 1322 (35 anos)
  Guadix
Pai Maomé II

Abu al-Juiuque Nácer ibne Maomé (em árabe: أبو الجيوش نصر بن محمد; transl.: Abu al-Juyuch Nasr ben Muhammad; Granada, 2 de novembro de 1287Guadix, 16 de novembro de 1322) foi o quarto rei nasrida Granada, que reinou entre 1309 e 1314 como Nácer. Filho de Maomé II de Granada e duma concubina cristã, sucedeu no trono ao seu irmão mais velho Maomé III e foi sucedido pelo seu sobrinho e primo Ismail I a 8 de fevereiro de 1314.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Como o seu meio-irmão Maomé III, Abonacer teve uma educação refinada, que incluiu o estudo de astronomia. Subiu ao trono a 14 de março de 1309 após o seu irmão Maomé III ter fugido devido a uma revolta popular. Outras versões mencionam que Nácer teria forçado o seu irmão a abdicar a seu favor. A revolta foi motivada pela política externa que tinha provocado uma aliança tríplice entre os Merínidas de Marrocos, Castelhanos e Aragoneses contra o reino granadino.

As primeiras atuações de Nácer como governante focaram-se em fazer frente aquelas três potências, as quais tinham acordado que Algeciras e Gibraltar passassem a ser possessões de Fernando IV de Castela, Almeria uma possessão de Jaime II de Aragão e Ceuta, recentemente conquistada pelos nasridas, fosse devolvida ao sultão merínida Abu al-Rabi Solimão. A 21 de julho de 1309, Ceuta foi retomada pelos Merínidas, após ter estalado uma rebelião popular contras os nasridas. Dez dias depois, a 31 de julho, os Castelhanos cercaram Algeciras. A 11 de agosto os Aragoneses sitiam Almeria. Este ataque conjunto resulta na conquista de Gibraltar pelos Castelhanos a 12 de setembro. O levantamento do cerco a Algeciras foi feito em troca da devolução de Quesada, Bedmar e os seus castelos por parte dos Nasridas, mais uma indemnização de 50 000 dobras. A isso somou-se ainda um tratado de vassalagem assinado em Sevilha a 25 de maio de 1310, pelo qual Nácer se declarava vassalo, passa a pagar 11 000 dobras de tributo anual e fornecerá auxílio militar. Em troca são reconhecidas as praças tomadas por Maomé II, à exceção das mencionadas acima, além de Alcaudete, Locubín e Arenas. Os Aragoneses também se vêm forçados a levantar o cerco sobre Almeria, tanto devido à retirada castelhana como à falta de mantimentos sofrida pelas tropas.

Devido às perdas territoriais e outros problemas relacionados com o seu governo, Nácer não contava com o apoio da aristocracia moura. Em 1310 o seu primo e cunhado Abu Said Faraje, emir de Málaga, rebelou-se contra a autoridade real. A paz entre os dois só foi assinada quase um ano depois. Em 1313 Nácer recuperou as cidades de Algeciras e Ronda, a que os Merínidas renunciaram, mas no ano seguinte outra rebelião força-o a abdicar a 8 de fevereiro de 1314 a favor do seu sobrinho e primo Abu al-Ualide Ismail (Ismail I). Segundo alguns, Ismail ter-lhe-ia concedido o governo de Guadix, mas segundo outra versão, Abonacer fugiu para aquela cidade, de onde em 1319 ajudou os Castelhanos na sua luta sem êxito contra Ismail.

A 16 de novembro de 1322 sofreu um ataque cardíaco e morreu, tendo sido sepultado na encosta sul da colina da Alhambra. A sua morte pôs termo à linhagem masculina dos Nasridas, a qual foi substituída pela linha colateral feminina (Ismail I era filho de Fátima, meia-irmã de Abonacer).

Notas e bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Menéndez Pidal. Historia de España (em espanhol). VIII: El Reino Nazarí de Granada (1232 – 1492). [S.l.: s.n.] 
  • The Alhambra From the Ninth Century to Yusuf I (1354) (em inglês). 1. [S.l.]: Saqi Books. 1997 
  • Hottinger, Arnold (1995). Die Mauren. Arabische Kultur in Spanien (em alemão). Munique: Wilhelm Fink Verlag. ISBN 3770530756 


Precedido por
Maomé III
Rei de Granada
1309-1314
Sucedido por
Ismail I