Nível trófico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O nível trófico, (em grego: τροφή, trophē, alimento ou nutrição), também conhecido por nível alimentar, representa o conjunto biótico (animais e vegetais) possuindo semelhantes hábitos alimentares ,ou seja, o nível de nutrição a que pertence um indivíduo ou uma espécie, que indica a passagem de energia entre os seres vivos presentes, na cadeia ou teia alimentar.

Ao analisar uma cadeia ou uma teia alimentar, estamos observando as relações de alimentação existentes entre os seres vivos de um ecossistema, ou seja, a transferência de energia alimentar de um ser vivo para outro. Nas cadeias e teias alimentares, é possível perceber diferentes níveis tróficos.[1]


Existem três níveis tróficos importantes:

  • Produtores: reúnem todos os seres capazes de autotrofia. São capazes de produzir seu próprio alimento, ou seja, são autotróficos Os organismos produtores são a base da cadeia alimentar, ocupando, portanto, o primeiro nível trófico. Nesse grupo, encontram-se organismos como as plantas e as algas.[2]Estes seres vivos realizam fotossíntese ou quimiossíntese e daí obtém o seu alimento.[3]
  • Consumidores: são organismos que consomem produtores e outros consumidores, geralmente são heterotróficos, ou seja, organismos incapazes de produzir seu próprio alimento e que necessitam da ingestão de matéria orgânica para produzir a energia necessária para a realização de suas atividades. Estes podem ser:
  1. Consumidores de primeira ordem(primários): alimentam-se de produtores.
  2. Consumidores de segunda ordem(secundários): alimentam-se de consumidores de primeira ordem.
  3. Consumidores de terceira ordem(terciários): alimentam-se de consumidores de segunda ordem.
  • Decompositores: Consomem os restos de plantas e animais. Responsáveis pela devolução de minerais e nutrientes para o ambiente, que servirão para produtores mais uma vez, fechando o ciclo. Organismos decompositores também são organismos heterotróficos, entretanto, diferentemente dos consumidores, eles realizam o processo de decomposição. Entre os principais decompositores, destacam-se as bactérias e fungos, que garantem que alguns importantes nutrientes presentes nos restos de seres vivos sejam devolvidos ao ambiente.[2]

Cadeias e Teias alimentares[editar | editar código-fonte]

A cadeia alimentar mostra relações alimentares simples em um ecossistema. Temos como exemplo para este conceito:

Em um ecossistema existem plantas, gafanhotos, ratos , cobras e falcões. Nele obviamente:

Logo:

Diagrama da Cadeia Alimentar simples.

Planta → Gafanhoto → Rato → Cobra → Falcão → Decompositores.

Teia alimentar[editar | editar código-fonte]

Devido à complexidade que uma relação trófica pode alcançar em um ambiente, o conceito de cadeia alimentar tende a evoluir para uma teia alimentar. Para este conceito temos o seguintes exemplos:

Em uma lagoa temos plantas, caramujos, peixes pequenos, peixes grandes, zooplâncton e aves. Ali é possível (a única certeza é a autotrofia da planta) que:

  • A planta produz seu próprio alimento (produtor);
  • O caramujo consome a planta (consumidor de primeira ordem);
  • O peixe pequeno consome o caramujo (consumidor de segunda ordem);
  • O peixe grande consome o peixe pequeno (consumidor de terceira ordem);
  • A ave consome o peixe grande (consumidor de quarta ordem);
  • Decompositores consomem os restos que os consumidores deixaram.

Outra possibilidade:

  • A planta produz seu próprio alimento (produtor);
  • O caramujo consome a planta (consumidor de primeira ordem);
  • O peixe pequeno consome o caramujo (consumidor de segunda ordem);
  • A ave consome o peixe pequeno (consumidor de terceira ordem);
  • Decompositores agem.

Mas, também pode ocorrer o seguinte:

  • O caramujo consome o zooplâncton (consumidor de segunda ordem);
  • O peixe grande consome a planta (consumidor de primeira ordem);
  • A ave consome o peixe grande (consumidor de segunda ordem).
  • Decompositores agem.

Referências

  1. «Níveis tróficos - Mundo Educação». Mundo Educação. Consultado em 27 de dezembro de 2017 
  2. a b «Níveis tróficos - Mundo Educação». Mundo Educação. Consultado em 27 de dezembro de 2017 
  3. «Níveis tróficos - Mundo Educação». Mundo Educação. Consultado em 27 de dezembro de 2017