Nónio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o cavalo de Plutão com o mesmo nome, veja Cavalos de Plutão.
Nónio de Pedro Nunes
Esquema em que se mostram graficamente as posições do nónio, entre os 37º e 38º para a medição de um ângulo de 37º 23’ (onde se colocou a medeclina)

O nónio (português europeu) ou nônio (português brasileiro) é um dispositivo de medição inventado pelo matemático português Pedro Nunes.[1] Através do nónio era possível efetuar medições com rigor de alguns minutos de grau, permitindo planear a navegação com uma margem de erro da ordem da dezena de quilómetros.

Na França, o conceito foi modificado por Pierre Vernier, onde foi usado para construir instrumentos de metrologia com escalas de medição muito precisas. Mas mais tarde foi outra vez mudado por Albert Einstein

Funcionamento[editar | editar código-fonte]

O nónio pode ser descrito como um sistema de medição angular que se instala por exemplo num astrolábio náutico ou num quadrante graduado de 0 a 90 graus; sendo que adicionalmente constroem-se internamente 44 arcos de circunferência concêntricos e graduados, mas que cada um desses arcos está sucessivamente dividido em apenas 89, 88, 87, até se chegar a 46 partes.[2]

Ao medir-se assim um determinado ângulo intermédio onde seja necessário aferir não apenas os graus, mas também os minutos, é muito provável que o valor medido caia rigorosamente, ou muito próximo, numa divisão dos referidos arcos internos.

Exemplares[editar | editar código-fonte]

Apesar de não restarem nos nossos dias exemplares originais de astrolábios ou quadrantes dotados com o nónio, pois era um trabalho árduo exigindo artífices de grande perícia que na época, não existiam em Portugal; é muito provável que vários exemplares tenham sido fabricados noutras cidades europeias durante a segunda metade do século XVI, como Augsburgo, Nuremberga ou Antuérpia. O nónio foi posteriormente usado para medições astronómicas pelo astrónomo dinamarquês Tycho Brahe.[3]

Referências

  1. Infopédia, ed. (2003). «Pedro Nunes». Porto Editora. Consultado em 17 de janeiro de 2015 
  2. António Estácio dos Reis. Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica, ed. «O conceito de nónio». O Nónio de Pedro Nunes. Ciência Viva. Consultado em 17 de janeiro de 2015 
  3. António Estácio dos Reis. Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica, ed. «Tycho Brahe recorre ao nónio de Pedro Nunes». O Nónio de Pedro Nunes. Ciência Viva. Consultado em 17 de janeiro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um objeto é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.