NT Marajó (G-27)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O NT Marajó (G-27), em operações.
Navio Tanque Marajó (G-27).

O NT Marajó (G-27) foi um navio-tanque da Marinha do Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

Primeira embarcação moderna deste tipo usada pela Marinha do Brasil, foi projetado e construído no país pela Ishikawajima do Brasil Estaleiros S/A (ISHIBRAS), no Rio de Janeiro, com quem a Marinha, através de sua Comissão de Construção Naval, assinou contrato em 23 de novembro de 1965.

Foi lançado ao mar em 31 de Janeiro de 1968 e entregue à Marinha em 22 de outubro do mesmo ano. Sua Mostra de Armamento deu-se em 8 de janeiro de 1969, data em que é comemorado o aniversário da embarcação.

Subordinado ao Comando do Primeiro Esquadrão de Apoio tem a função de reabastecer, no mar, os navios da Esquadra Brasileira, por meio de transferência de óleo combustível.

A faina de transferência de óleo no mar é realizada por qualquer dos bordos da embarcação. O Marajó é o único navio-tanque da Armada capaz de conduzir o combustível usado pelo NAe São Paulo (A-12).

O navio deu baixa da Armada no dia 21 de novembro de 2016, após 51 anos de serviço ativo.[1]

Características[editar | editar código-fonte]

  • Deslocamento (toneladas): 12.889 padrão; 16.000 a plena carga
  • Dimensões (metros): 134,4 x 19,3 x 7,3
  • Velocidade (nós): 13
  • Raio de Ação (milhas): 9.200 a 13 nós
  • Tripulação: 121 homens
  • Capacidade de Carga (toneladas): 6.600 de combustível

Referências

  1. Galante, Alexandre (23 de novembro de 2016). «Marinha do Brasil desativa o Navio-Tanque 'Marajó' - Poder Naval - A informação naval comentada e discutida». Poder Naval - A informação naval comentada e discutida 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a Marinha do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.