Nacional Futebol Clube (Uberaba)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura por outros clubes de futebol com o mesmo nome, veja Nacional Futebol Clube.
Nacional
Nacional Futebol Clube
Nome Nacional Futebol Clube (Uberaba)
Alcunhas Naça
Alvi-negro da Rodovia
Elefantão
Expressinho do São Benedito
Torcedor/Adepto Nacionalista
Mascote Elefante
Fundação 1 de agosto de 1944 (73 anos)
Estádio Juscelino Kubitschek
Uberabão
Capacidade 5.000 pessoas (JK)
15.000 pessoas (Uberabão)
Localização Uberaba, MG, Brasil
Presidente Brasil Márcio José da Silva
Treinador Brasil
Patrocinador BrasilMart Minas
Material (d)esportivo Brasil DDA Sports
Competição Minas Gerais Campeonato Mineiro - Segunda Divisão 2017
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
editar

O Nacional Futebol Clube é um clube brasileiro de futebol, na cidade de Uberaba, no estado de Minas Gerais.

Grande rival do Uberaba Sport Club na cidade, o "alvinegro" passa por uma fase de reestruturação, com novas parcerias para montar uma equipe competitiva que consiga colocar o clube em uma posição de destaque no cenário futebolístico do Estado. Para 2013 as categorias de base são suas únicas fontes de jogadores para a montagem do elenco principal.[1] Atualmente, o Nacional disputa vários torneios da cidade nas categorias inferiores.

Últimos Desempenhos (Campeonato Mineiro)[editar | editar código-fonte]

1993 a 1996[editar | editar código-fonte]

Após figurar na elite do futebol mineiro até 1992 (quando terminou o campeonato em 19o. lugar e acabou rebaixado), o "Naça" disputou a divisão de acesso, sem muito sucesso, neste período.

1997[editar | editar código-fonte]

O Nacional disputa o módulo II, ao lado de seu grande rival, o Uberaba, e retorna à elite do futebol mineiro graças ao vice-campeonato (o campeão foi o Ipiranga, de Manhuaçu). O Uberaba foi eliminado no hexagonal final, não avançando ao quadrangular decisivo e, portanto, permaneceu no módulo II. Para se classificar entre os quatro clubes que disputariam o quadrangular final, o alvinegro deveria vencer o Pouso Alegre, na casa do adversário, e o Uberaba teria de perder para o Ipiranga no Uberabão. O Naça venceu por 2 x 1, e o Uberaba foi derrotado por 5 x 0. A festa foi completa para os alvinegros.

1998[editar | editar código-fonte]

Enquanto seu rival mais uma vez fracassava no Módulo II (eliminado antes do hexagonal final), o Naça disputou o Módulo I (elite) do Campeonato Mineiro.

Com um elenco "caseiro", que equivalia à menor folha salarial do certame (em torno de dez mil reais), o alvinegro amargou a 12ª e última colocação, resultando em seu retorno ao Módulo II em 1999.

1999[editar | editar código-fonte]

De volta ao Módulo II, após a fraca campanha no ano anterior, o Nacional fez um bom trabalho na primeira fase. Integrante do Grupo A, ao lado de Uberlândia (classificado na primeira colocação, com 22 pontos), Araxá (classificado na 3a. posição, com 14 pontos), Ituiutaba, Uberaba (5o. colocado, com apenas 8 pontos, por pouco não foi rebaixado para a segunda divisão) e Mamoré (rebaixado), o alvinegro marcou 21 pontos (2o. colocado) e avançou ao hexagonal final.

Na fase decisiva, porém, o alvinegro acabou perdendo uma vaga na elite do futebol mineiro, para o ano 2000, por apenas 1 ponto. O Uberlândia confirmou seu favoritismo ao sagrar-se campeão, com 21 pontos. O Ipatinga, primeiro colocado do grupo B, na primeira fase, foi o vice-campeão (19 pontos) e garantiu a segunda vaga para o Módulo I em 2000. O Nacional ficou em terceiro, com 18 pontos.

2000[editar | editar código-fonte]

Novamente disputando o Módulo II (ao lado do grande rival Uberaba), o Nacional, apesar de conseguir classificação à fase final, termina, apenas, na 6a. colocação, com 15 pontos. O consolo foi ter visto o Uberaba amargar o oitavo lugar, com 9 pontos. Os times da cidade permanecem, mais um ano, fora da elite do futebol mineiro.

Curiosidade: o Mamoré, que deveria ser rebaixado à Segunda Divisão mineira (equivalente, na verdade, à terceirona), beneficia-se de uma virada de mesa para permanecer no módulo II e, graças a uma ótima equipe montada, sagra-se campeão da divisão de acesso, com 28 pontos. Em 2001, no módulo I, ficou na 3a. colocação, atrás apenas de Cruzeiro e Atlético, demonstrando a qualidade da base do time. Este desempenho rendeu a participação inédita do clube na Copa Sul-Minas de 2001, ao lado de Cruzeiro, Atlético, Atlético Paranaense, Grêmio e Internacional.

2001[editar | editar código-fonte]

Mais uma vez no Módulo II, o "Naça" inicia bem mais uma tentativa de retorno à elite do futebol mineiro.

Na primeira fase, integrou o grupo B da competição e terminou em primeiro lugar, com 16 pontos, à frente de América de Alfenas (15 pontos, classificado), Ituiutaba (14 pontos, também classificado), Patrocinense (13 pontos), Guaxupé (12 pontos) e Uberaba (com 11 pontos, foi o "lanterna" do grupo e, no geral, ficou à frente apenas do Fabril, rebaixado à "terceirona").

Na fase final, integrada por 6 equipes, o alvinegro ficou com o vice-campeonato, a apenas 1 ponto do título, que ficou com o Tupi (vencedor do grupo A na primeira fase), que somou 19 pontos no hexagonal. O Nacional marcou 18 pontos, apenas um a mais do que o Ipiranga, que ficou em terceiro e permaneceu na categoria de acesso.

O Nacional estava, em 2002, de volta à elite do futebol mineiro com a seguinte formação: Gasolina, Edson, Marcelo, Wander Daniel e Esquerdinha; Délcio, Jessé, Alisson e Carlinhos; Vandão e Dudu.

2002[editar | editar código-fonte]

Em 2002, os alvinegros estavam novamente de volta a primeira divisão. Entretanto, este campeonato foi disputado apenas por equipes do interior de Minas Gerais. O Naça formou uma equipe jovem, de jogadores formados em Uberaba e que tinha com grande destaque o jogador Marcelo Uberaba. O time se salvou do rebaixamento e derrubou o Uberlândia, um de seus grandes rivais.

2003[editar | editar código-fonte]

O Nacional é o único representante de Uberaba no Módulo I do Campeonato Mineiro de Futebol. A estreia do "Naça" foi diante do Cruzeiro (que tornaria-se, naquela temporada, campeão mineiro, da Copa do Brasil e do Campeonato Brasileiro, conquistando a, até então inédita, "Tríplice Coroa"). O Estádio Uberabão recebeu, na tarde daquele domingo, um excelente público de 10.487 torcedores. Aos 25 minutos do primeiro tempo, o atacante Dudu abriu o placar para o Nacional, levando a torcida a um delírio que durou apenas 1 minuto, pois Marcelo Ramos empatou para o Cruzeiro. Quando as equipes já diminuíam o ritmo para o intervalo, Marcelo Batatais virou o jogo para o time azul-celeste. A torcida esperava que a equipe do Nacional voltasse para o 2o. tempo disposta a tentar o empate ou, até mesmo uma vitória, mas a partida de estreia do alvinegro terminou em derrota.

Os uberabensem acreditavam, após este jogo, que o Nacional pudesse terminar o campeonato entre os 8 primeiros (posição que o livraria de qualquer preocupação em relação ao rebaixamento). Afinal, apesar da derrota, o alvinegro havia mostrado um bom futebol. Porém, nas duas partidas seguintes, o Nacional sofreu duas derrotas: 1-2 para o Social, e 0-1 para o Villa Nova. Na quarta rodada, em Divinópolis, o "Naça" consegue sua primeira - e única - vitória na competição: 2-0 no Guarani, com gols de Dudu e Marrom.

A partir de então, o que era para ser o "início da arrancada" do Nacional, foi o início de uma sequência de maus resultados: 0-1 para o Mamoré, 1-2 para o Rio Branco, 0-1 para o América, 1-5 para o Tupi e 1-2 para a Caldense. Conseguiu, antes da rodada final, 2 empates: 3-3 com o Ipatinga (no Uberabão) e 2-2 com a URT.

Com apenas 5 pontos, o Nacional chegou à rodada final com a difícil missão de vencer o Atlético, dentro de Belo Horizonte, para manter-se na elite do futebol mineiro. Após estar perdendo por 2 a 0 (dois gols de Guilherme), Adalto, aos 16 minutos, e Marrom, aos 18 minutos (do segundo tempo), empataram a partida, o que levou o Nacional a partir para cima do "Galo". O time do Triângulo ainda teve um gol de Dudu, anulado. Porém, a pressão foi insuficiente para obter a vitória e, por apenas um ponto, o Nacional acabou outra vez rebaixado ao Módulo II do futebol mineiro.

Para completar a decepção dos torcedores do Nacional, naquele ano, o Uberaba venceu o módulo II do campeonato mineiro, contando com grandes nomes do futebol brasileiro, como o goleiro Milagres, o meio-campista Palhinha e o atacante Gilson Batata (já em fim de carreira).

Enquanto o "Naça" voltava ao módulo II em 2004, seu rival era promovido à elite do futebol mineiro, no mesmo ano.

2004[editar | editar código-fonte]

De volta novamente ao Módulo II do futebol mineiro, o Nacional montou sua equipe visando o retorno à elite e, de quebra, manter-se uma divisão à frente do rival Uberaba, que, durante o primeiro semestre daquele ano, disputara o Módulo I, mas acabara rebaixado (devido a uma vitória a menos que o Mamoré, 10o. colocado).

Integrante do grupo B, que contava com as presenças de Democrata de Sete Lagoas), Ituiutaba, Democrata de Governador Valadares, e Unit de Uberlândia, o "Naça" proporcionou um vexame, ao final da primeira fase: com apenas 5 pontos, foi rebaixado à segunda divisão do campeonato, equivalente à terceirona do futebol de Minas Gerais.

O campeão do Módulo II em 2004 foi o Ituiutaba, promovido ao Módulo I junto ao Democrata de Sete Lagoas.

2012[editar | editar código-fonte]

Depois de alguns anos fora do futebol profissional o "naça" volta a disputar o Campeonato Mineiro de Futebol da Segunda Divisão. Apostou em um elenco muito jovem,[2] e acabou sendo eliminado nas quartas de finais e vendo o sonho do "módulo II" de 2013 acabar.

2013[editar | editar código-fonte]

Depois de 31 anos, acaba o jejum de títulos oficiais e o Nacional sagra-se Campeão Mineiro da Segunda Divisão e sobe para o Módulo II de 2014.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Estaduais[editar | editar código-fonte]

Outros[editar | editar código-fonte]

Elenco 2015[editar | editar código-fonte]

Goleiros
Jogador
' Brasil José
' Brasil Cleysson Da
Defensores
Jogador Pos.
' Brasil Marcelinho Z
' Brasil Felipe Ramos Z
' Brasil ReginaldoCapitão Z
' Brasil Matheus Z
Meio-campistas
Jogador Pos.
' Brasil Luisinho M
' Brasil Léo Mineiro M
' Brasil Lucas M
' Brasil Anderson M
' Brasil Rafael Augusto M
Atacantes
Jogador
' Brasil Douglas Obina
' Brasil Leonardo
' Brasil Dalmo
' Brasil Matheus Kayser
Comissão técnica
Nome Pos.
Brasil Léo Barbosa T

Ídolos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. *Gullit Pacielle - Patos de Minas-MG. «Nacional aposta em atletas de Uberaba para disputa da 2ª Divisão». 26 de junho de 2013. Consultado em 29 de junho de 2013 
  2. *Luiz Vieira - Uberaba-MG. «Nacional de Uberaba apresenta time que vai disputar a Terceirona». 28 de maio de 2012. Consultado em 29 de junho de 2013 
Bandeira de BrasilSoccer icon Este artigo sobre clubes brasileiros de futebol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.