Nacionalismo negro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Nacionalismo negro (em inglês: Black nationalism - BN) é um conceito que defende uma definição racial (ou redefinição) da identidade nacional, em oposição ao multiculturalismo. Existem diferentes filosofias nacionalistas negras, mas os princípios de todas são a unidade e a autodeterminação, ou independência, da sociedade europeia.[1][2] Martin Delany, um abolicionista afro-americano, é considerado um precursores do nacionalismo negro. Entre as personalidades relacionadas ao movimento estão Malcolm X,[3] os Panteras Negras, Nação do Islã, Novos Panteras Negras, Black Guerrilla Family, Black Mafia Family, Black Liberation Army e a gang Crips.[4]

Inspirados pelo aparente sucesso da Revolução Haitiana, as origens do nacionalismo negro, africano e indígena entraram no pensamento político durante o século XIX, com pessoas como Marcus Garvey. A repatriação de escravos afro-americanos para a Libéria e Serra Leoa era um assunto comum entre os nacionalistas negros do século XIX. A Associação Universal para o Progresso Negro, de Garvey, que existiu entre os anos 1910 e 1920, era o mais poderoso movimento nacionalista negro a época, reivindicando cerca de 11 milhões de membros.[4]

Normalmente são pequenos grupos norte-americanos, compostos somente de indivíduos negros que acreditam que a liberdade racial depende exclusivamente dos próprios negros e africanos. Reafirmam a identidade racial e cultural, e que por isso sua cultura e raça devem ser preservadas do genocídio causado por homens brancos no poder. Diferente de grupos supremacistas brancos, não costumam perseguir indivíduos de outras etnias.

Do nacionalismo negro surgiu a proposta de organização dos Estados Unidos da África (United States of Africa), uma federação que reuniria 55 países soberanos da África.[5][6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. “The Name Negro: It’s Origins and Evil Use”, published in 1960. (p. 92)
  2. The Black Bolsheviks
  3. Malcolm X, By Any Means Necessary, 159-60.
  4. a b Encyclopædia Britannica (ed.). «Black nationalism». Consultado em 23 de abril de 2013 
  5. «Ambitious plan for a new Africa: Welcome to the U.S.A (that's the United States of Africa)». The Independent. 30 de junho de 2007 
  6. Thabo Mbeki (9 de julho de 2002). «Launch of the African Union, 9 July 2002: Address by the chairperson of the AU, President Thabo Mbeki». africa-union.org ABSA Stadium, Durban 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Moses, Wilson. Classical Black Nationalism: From the American Revolution to Marcus Garvey (1996) excerpt and text search
  • Price, Melanye T. Dreaming Blackness: Black Nationalism and African American Public Opinion (2009) excerpt and a text search
  • Taylor, James Lance. Black Nationalism in the United States: From Malcolm X to Barack Obama (Lynne Rienner Publishers; 2011) 414 pages
  • Van Deburg, William. Modern Black Nationalism: From Marcus Garvey to Louis Farrakhan (1996)