Nada a Perder (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Nada a Perder: Contra Tudo. Por Todos.
 Brasil
2018 •  cor •  130 min 
Direção Alexandre Avancini
Produção Paris Filmes
Record Filmes
Roteiro Stephen P. Lindsey
Emílio Boechat[1]
Elenco Petrônio Gontijo
Day Mesquita
Dalton Vigh
Beth Goulart
André Gonçalves
Eduardo Galvão
Marcello Airoldi
Giovanna Chaves
Gênero drama, biográfico
Direção de fotografia Pedro Cardillo[2]
Direção de arte Frederico Pinto
Distribuição Paris Filmes
Lançamento Brasil 29 de março de 2018 (2018-03-29)[3]
Estados Unidos 10 de abril de 2018 (2018-04-10)[4]
Idioma português
Orçamento R$ 16 milhões[5]
Receita R$ 120.491.870 [6]
Cronologia
Nada a Perder 2 (2019)
Página no IMDb (em inglês)

Nada a Perder: Contra Tudo. Por Todos. é um filme biográfico brasileiro de drama sobre a trajetória do bispo evangélico, escritor e empresário Edir Macedo. Foi dirigido por Alexandre Avancini e roteirizado por Stephen P. Lindsay e Emílio Boechat.[1][7]

É baseado na trilogia homônima Nada a Perder e no livro O Bispo: A História Revelada de Edir Macedo, de Douglas Tavolaro. É estrelado por Petrônio Gontijo, interpretando o protagonista e Day Mesquita interpretando Ester Bezerra, além de Dalton Vigh, Beth Goulart, André Gonçalves e Eduardo Galvão nos papéis principais da produção. É também a primeira representação de Silvio Santos no cinema. A sequência — Nada a Perder 2 — foi lançada em 15 de agosto de 2019.[8]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

A primeira parte do filme conta a trajetória do bispo evangélico Edir Macedo, a partir da infância, fundação da Igreja Universal do Reino de Deus, compra da TV Record, até o momento de sua prisão por charlatanismo. A história do país nos anos 60, 70, 80 e 90 é pano de fundo para a trajetória de Edir Macedo, sempre cercada de momentos turbulentos e controversos.[9][10]

Produção[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

As filmagens do filme começaram em maio de 2017 em São Paulo.[11] No papel de Edir, Petrônio Gontijo vive seu primeiro protagonista no cinema. O ator disse em entrevista sobre seu papel: "Foi uma grande emoção pra mim, o trabalho mais difícil que já fiz e também o de maior entrega".[12] Na caracterização, o ator precisou usar uma prótese nas mãos para retratar a deficiência física das mãos de Edir Macedo: "Nas cenas em que eu precisava usar as mãos, eu tive que treinar muito, reaprender a pegar objetos, como copos e xícaras, reaprender a escrever sem o auxílio dos polegares”, afirma Gontijo. Sobre a maquiagem e envelhecimento, Emi Sato, profissional responsável pela caracterização disse: "Algumas maquiagens demoraram cerca de 6 horas, como no caso do ator Marcello Airoldi (que fez Henrique, o pai do bispo Edir Macedo). A Beth Goulart, que interpreta a mãe do bispo, ficou cerca de 4 horas na maquiagem”, relatou. Para a segunda parte do longa, Petrônio optou por raspar a cabeça ao invés de prótese como parte da caracterização.[13] Veículos antigos ajudaram a recriar o clima de época dos anos 60 aos 90 em cenas externas. Nas gravações, foram usados mil carros antigos, entre eles um Chevrolet 1941 e um Cadillac 1954. Já um Fusca vermelho de 1954 representou o carro de Edir Macedo.[14]

Durante seis meses uma equipe de preparação trabalhou com Petrônio e Day Mesquita. O protagonista passou por uma reeducação corporal onde emagreceu e mudou o modo de se portar e andar. Os próprios livros, fotos e materiais em vídeo de Edir Macedo foram também estudados. Um encontro com Macedo também ocorreu durante esse processo. Questionado sobre como montou o personagem, Petrônio disse que recebeu conselhos do próprio religioso: "Eu me lembro dele falando "só uma coisa: eu sou um homem revoltado, ponha essa firmeza lá (no filme)". Este foi seu único pedido. Fora isso tive muita liberdade", revelou Petrônio. Os protagonistas revelaram que fizeram cerca de 12 a 14 horas de filmagens por dia. As filmagens também ocorreram no Rio de Janeiro, Nova York, Jerusalém e Joanesburgo.[15][16][17]

Divulgação[editar | editar código-fonte]

No dia 4 de fevereiro foi divulgado o trailer do filme.[18] Para a divulgação, a Record produziu uma série especial para o Jornal da Record, além de diversas reportagens para o Domingo Espetacular. Na época, o plano previa a exibição de 16 chamadas diárias até o dia do lançamento.[19] A Paris Filmes comprou espaços comerciais na Rede Globo para anunciar o filme, sendo a primeira vez que a emissora anuncia produtos ligados à Igreja Universal.[20] Em setembro de 2017, foi divulgado que a Netflix comprou os direitos de exibição do filme. A empresa pagou o maior preço já pago por um filme de língua não inglesa.[21] Nada a Perder entrou na plataforma no dia 29 de junho de 2018, estando disponível nos 190 territórios onde a Netflix está presente.[22][23]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

A música "Marcas da Vida" do cantor Pr. Lucas, é a música tema do filme exibida nos créditos finais.[24] Uma orquestra com 60 músicos foi contratada para produzir a trilha sonora do longa, composta e regida por Otavio de Moraes.[25]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator/Atriz Personagem
Petrônio Gontijo Edir Macedo
Day Mesquita Ester Bezerra
Beth Goulart Eugênia Macedo (Dona Geninha)
Giovanna Chaves Cristiane Cardoso
Dalton Vigh Juiz Ramos
André Gonçalves R. R. Soares
Rafael Gevú Renato Cardoso
José Victor Pires Edir Macedo (jovem)
Marcello Airoldi Henrique
Greta Antoine Elcy
Kathia Calil Maria Eduarda
Paulo Coronato Bernadino
Camila Czerkes Madalena
Raphael Viana Evandro
Larissa Ferrera Edna
Leonardo Franco Albino
Eduardo Galvão Monsenhor José Maria
André Garolli Delegado Leo
Otávio Martins Ministro Francisco Bittencourt
André Bicudo Silvio Santos
Ana Elisa Mattos Lucia
César Mello Paulo
Pedro Henrique Moutinho Policial Silva
Joana Rodrigues Viviane Freitas
Enzo Barone Edir Macedo (criança)

Recepção[editar | editar código-fonte]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

A rede de cinema Cinemark disponibilizou a pré-venda dos ingressos para o filme em 2 de fevereiro de 2018.[26] No final do mês, a pré-venda já ultrapassava os 2 milhões de ingressos vendidos[27] e em março já havia chegado aos 3.1 milhões, se tornando a maior bilheteria do ano antes de seu lançamento, superando Os Dez Mandamentos, outra produção da Paris Filmes com a Record.[28] O site UOL citou esse impulso na compra de ingressos devido a um sorteio promovido pela Cinemark de uma viagem a Israel e mais dez viagens para visitar o Templo de Salomão, em São Paulo.[29]

Perto de sua estreia, a pré-venda já tinha vendido mais de 4 milhões. O jornal O Globo chegou a consultar as principais redes de cinema para saber se fizeram acordo com a Igreja Universal na venda de ingressos, trazendo em perspectiva uma possível repetição do que aconteceu com o lançamento do filme Os Dez Mandamentos, recordista em vendas de ingressos mas registrando salas vazias. A Kinoplex confirmou ter vendido pacotes de ingressos para pastores e grupos a partir de cem pessoas, onde todos pagam meia entrada. Em resposta, a IURD emitiu comunicado afirmando que estimulou o público a assistir o filme, mas negou que pagou por ingressos, criticando a imprensa e a chamando de "rancorosa e preconceituosa".[30]

Nada a Perder estreou na liderança em sua primeira semana de exibição, com 2.186.065 entradas comercializadas e a quinta maior estreia nacional do ano, inferior aos números da pré-venda, e arrecadando 25.8 milhões de reais.[31][32] No entanto, registros feitos no dia do lançamento mostravam salas vazias ou com menos da capacidade. Uma reportagem do O Globo relatou que alguns espectadores afirmaram que os ingressos estavam sendo distribuídos pela IURD. A comunicação social da IURD chamou de "vergonhosa a acusação" de que teria comprado ingressos, reiterando em nota publicada em seu portal oficial, além de classificar como mentira uma tentativa "da mídia, os produtores e promotores de fake news" de "espalhar que o êxito do filme foi manipulado".[33]

Mauricio Stycer, em seu blog no UOL, relatou os lugares vazios e a distribuição de ingressos na estreia de Nada a Perder. Destacou ainda que fieis traziam consigo um lencinho com uma prece — uma passagem de Atos 19:11-12 —, que foi mencionado no final do filme numa aparição de Edir Macedo pedindo para que as pessoas da sessão usassem e levassem o lenço para uma Igreja Universal, prosseguindo a exibição com a cena final. A participação do bispo não havia sido mostrada na pré-estreia. Todos esses elementos foram considerados pelo jornalista "mistérios de Nada a Perder", por não ter recebido resposta oficial da assessoria da igreja.[34] O jornal Folha de S. Paulo relatou também que alunos de escolas públicas eram levados em excursões para assistir Nada a Perder em horário de aula por pessoas e organizações ligadas a Igreja Universal.[35] Em 4 de maio de 2018 o filme tornou-se o maior filme nacional de bilheteria de todos os tempos com 11.285.248 ingressos vendidos, superando Os Dez Mandamentos.[36]

Crítica[editar | editar código-fonte]

O filme foi considerado por alguns como uma ficção, por deixar de fora as polêmicas envolvendo Edir Macedo, retratando o bispo como um tipo fantasioso de herói.[37] André Miranda, do jornal O Globo, criticou o uso do líder religioso como personagem de ficção, classificando como "raso". Ele nota a construção da imagem perfeita de Edir Macedo — visto como herói, deixando de lado todas as polêmicas — e alia isso ao filme como "um vídeo de campanha política que serve para atrair votos". Miranda também destaca a aparição do próprio bispo, ao final do filme, realizando uma oração, descrevendo o momento "como se ele próprio se autodenominasse herói, santo, mártir, redentor, uma espécie de messias que enfrentou todas as dificuldades em nome de ajudar as pessoas".[38] O jornalista Maurício Stycer elogiou a produção e a reconstituição dos anos 1970 e 80, além do desempenho de Petrônio Gontijo como protagonista. Ressaltando o subtítulo do filme, Stycer afirma que ele "reproduz de forma apropriada o tema principal do filme – as dificuldades e agruras de Macedo em toda a sua vida". Stycer também notou a falta de menções à Rede Globo, emissora que Edir já chegou a citar na biografia O Bispo (2007) como sua "inimiga". Ele menciona o fato da Paris Filmes ter comprado espaços comerciais na emissora para promover o filme.[39] Stycer também citou o crítico de cinema Roberto Sadovski, que chamou Nada a Perder de "peça de propaganda da Universal".[40]

No site Internet Movie Database (IMDb), o filme estreou com nota 10, com base em 14.468 avaliações de usuários computados pelo UOL em 5 de abril de 2018, enquanto que 266 usuários deram nota 1.[41] Em 8 de abril, a Record destacou em reportagem o desempenho do filme no IMDb, comparando com as avaliações de filmes reconhecidos como O Poderoso Chefão, Um Sonho de Liberdade e A Forma da Água, este último premiado como Melhor Filme na premiação do Oscar em 2018, que obtiveram nota inferior ao longa brasileiro. Logo após a exibição da reportagem, Mauricio Stycer relatou denúncias de internautas que afirmavam que várias avaliações eram falsas e que estariam sendo aplicadas por robôs. Com isso, a nota começou a cair (naquele momento, 15 mil usuários já haviam dado nota 10 ao filme).[42] Em maio, Nada a Perder foi citado na lista dos cem piores filmes pelo IMDb, com uma nota de 2.4 atribuída pelos críticos do site.[43]

Projeto Cinema Solidário[editar | editar código-fonte]

Para dar oportunidade às pessoas que estão em bairros ou cidades do Brasil onde não há acesso ao cinema, foi preparado um ônibus que levou o filme desde territórios indígenas até presídios urbanos. A estrutura montada permite que elas vejam a produção com a mesma qualidade do cinema tradicional. É a primeira vez na história do cinema nacional que um longa-metragem é exibido nos cinemas e ao mesmo tempo, em outros locais. Segundo informações do Portal R7, só no mês de abril foram 146 eventos.[44]

Referências

  1. a b «Saiba quem é o roteirista de Nada a Perder». Universal. Consultado em 23 de abril de 2018 
  2. «Não perca: "Nada a Perder: Contra Tudo. Por Todos"». IG Gente. Consultado em 3 de julho de 2018 
  3. «Nada a Perder será filme brasileiro com maior distribuição no exterior». Consultado em 3 de julho de 2018 
  4. «Nada a Perder estreia nos EUA com público de 30 mil pessoas no 1º dia». R7. Consultado em 3 de julho de 2018 
  5. «Com orçamento milionário, filme sobre Edir Macedo já está em gravação». Comunhão. Consultado em 30 de abril de 2018 
  6. «Nada a Perder já teve mais de 10 milhões de espectadores». Pleno. Consultado em 17 de maio de 2018 
  7. «'Nada a Perder', filme sobre o Edir Macedo, tem estreia maior que 'Os Dez Mandamentos'». Estadão. Consultado em 23 de abril de 2018 
  8. «Nada a Perder - Parte 2 tem estreia adiada em quatro meses». Consultado em 10 de maio de 2019 
  9. Felipe Branco Cruz (29 de março de 2018). «Sessão de "Nada a Perder" vira culto evangélico com mensagem de Edir Macedo». UOL. Consultado em 9 de abril de 2018 
  10. «Nada a Perder - Contra Tudo. Por Todos.». Consultado em 24 de abril de 2018 
  11. «Longa sobre Edir Macedo está em filmagem». Consultado em 18 de maio de 2018 
  12. «Nada a Perder: Protagonistas contam curiosidades do filme». Consultado em 18 de maio de 2018 
  13. «Petrônio Gontijo raspou os cabelos para interpretar Edir Macedo». Consultado em 18 de maio de 2018 
  14. «Os detalhes da história do Bispo Edir Macedo». Universal.org. Consultado em 25 de maio de 2018 
  15. «Petrônio Gontijo comemora seu primeiro grande personagem no cinema em "Nada a Perder"». Consultado em 18 de maio de 2018 
  16. «Ator Petrônio Gontijo interpretará bispo Edir Macedo nos cinemas». Consultado em 18 de maio de 2018 
  17. «Petrônio Gontijo chega a ser impressionante no papel de Edir Macedo». Consultado em 18 de maio de 2018 
  18. «'Nada a Perder': Assista ao primeiro trailer da cinebiografia do bispo Edir Macedo». Consultado em 18 de maio de 2018 
  19. Flávio Ricco (14 de fevereiro de 2018). «Record monta operação de guerra para lançamento de filme de Edir Macedo». UOL. Consultado em 9 de abril de 2018 
  20. Daniel Catro; Gabriel Perline (29 de março de 2018). «Globo vende espaço em sua programação para divulgar filme de dono da Record». Notícias da TV. Consultado em 9 de abril de 2018 
  21. Flávio Ricco. «Negócio milionário: Netflix adquire direitos do filme de Edir Macedo». UOL. Consultado em 29 de maio de 2018 
  22. «Netflix compra direitos de exibição de filme sobre Edir Macedo». Consultado em 18 de maio de 2018 
  23. «Netflix compra os direitos do filme sobre Edir Macedo». Consultado em 18 de maio de 2018 
  24. «Marcas da Vida». Consultado em 29 de maio de 2018 
  25. «Trilha sonora do filme Nada a Perder é produzida por orquestra». R7.com. Consultado em 31 de maio de 2018 
  26. «Filme "Nada a Perder": pré-venda já está disponível nos cinemas». Universal.org. 2 de fevereiro de 2018. Consultado em 9 de abril de 2018 
  27. Felipe Ribeiro (28 de fevereiro de 2018). «Nada a Perder: Filme sobre o bispo Edir Macedo já vendeu 2 milhões de ingressos em pré-venda». Terra. Consultado em 9 de abril de 2018 
  28. João Vitor Figueira (6 de março de 2018). «Nada a Perder é o filme nacional de maior bilheteria de 2018 até então, mesmo antes de estrear nos cinemas». AdoroCinema. Consultado em 9 de abril de 2018 
  29. «Pré-venda de filme sobre Edir Macedo chega a 3 milhões de ingressos». UOL. 6 de março de 2018. Consultado em 9 de abril de 2018 
  30. Fabiano Ristow (28 de março de 2018). «'Nada a perder', sobre Edir Macedo, vende 4 milhões de ingressos e já é a maior bilheteria nacional do ano». O Globo. Consultado em 9 de abril de 2018 
  31. «Filme sobre Edir Macedo estreia em 1º, com resultado inferior à pré-venda». UOL. 2 de abril de 2018. Consultado em 9 de abril de 2018 
  32. Maurício Lima (2 de abril de 2018). «A estreia milionária de Edir Macedo nos cinemas». Veja. Consultado em 9 de abril de 2018 
  33. Jan Niklas (29 de março de 2018). «Sucesso de bilheteria, filme sobre Edir Macedo tem salas vazias». O Globo. Consultado em 9 de abril de 2018 
  34. Maurício Stycer (2 de abril de 2018). «Ingressos dados e oração de Edir Macedo são mistérios em "Nada a Perder"». UOL. Consultado em 9 de abril de 2018 
  35. Anna Virginia Balloussier, Guilherme Genestreti (15 de maio de 2018). «Campanha para inflar bilheteria de obra sobre Edir Macedo inclui escola pública». Folha de S. Paulo. Consultado em 5 de junho de 2018 
  36. Tiago Dias (9 de maio de 2018). «Filme de Edir Macedo alcança a maior bilheteria do cinema nacional». Folha. Consultado em 7 de maio de 2018 
  37. «Três momentos de Edir Macedo que você não vai ver no filme "Nada a Perder"». entretenimento.uol.com.br. Consultado em 6 de dezembro de 2018 
  38. Miranda, André (30 de março de 2018). «Crítica: 'Nada a perder – Contra tudo. Por todos'». O Globo. Consultado em 9 de abril de 2018 
  39. Stycer, Maurício (29 de março de 2018). «Filme sobre Edir poupa a "inimiga" Globo e limita ataque à Igreja Católica». UOL. Folha da manhã. Consultado em 9 de abril de 2018 
  40. Sadovski, Roberto (29 de março de 2018). «Constrangedor, Nada a Perder não passa de peça de propaganda da Universal». UOL. Folha da manhã. Consultado em 9 de abril de 2018 
  41. «"Nada a Perder" recebe nota 10 de usuários de site de cinema». UOL. Folha da manhã. 5 de abril de 2018. Consultado em 9 de abril de 2018 
  42. Stycer, Maurício (8 de abril de 2018). «Usuários denunciam resenhas falsas de "Nada a Perder" em site americano». UOL. Folha da manhã. Consultado em 9 de abril de 2018 
  43. «Nada a Perder está entre os 100 piores filmes da história em site de cinema». UOL. 21 de maio de 2018. Consultado em 9 de junho de 2018 
  44. «Projeto itinerante leva "Nada a Perder" a regiões remotas do País». R7.com. 23 de abril de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]