Nancy Fraser

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Nancy fraser)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Nancy Fraser
Erro Lua em Módulo:I18n na linha 6: bad argument #1 to 'pairs' (table expected, got nil).
Nascimento 20 de maio de 1947 (71 anos)
Baltimore
Cidadania Estados Unidos
Ocupação filósofa, professora universitária, socióloga
Influências
Empregador Universidade Northwestern, Universidade de Groningen, Universidade da Geórgia, Universidade Stanford, The New School
[[[d:Erro Lua em Módulo:I18n na linha 6: bad argument #1 to 'pairs' (table expected, got nil).|edite no Wikidata]]]

Nancy Fraser (Baltimore, 20 de maio de 1947) [1] é uma filósofa afiliada à escola de pensamento conhecida como Teoria Crítica.

Estudou Filosofia na City University of New York. É titular da cátedra Henry A. and Louise Loeb de Ciências Políticas e Sociais da New School University, também em Nova York.

Pensamento[editar | editar código-fonte]

Fraser é uma importante pensadora feminista, preocupada com as concepções de justiça. Argumenta que a justiça é um conceito complexo que deve ser entendido sob três dimensões separadas, embora interrelacionadas:

  • distribuição (de recursos produtivos e de renda),
  • reconhecimento (das contribuições variadas dos diferentes grupos sociais) e
  • representação (na linguagem e em todo o domínio do simbólico).

Para evitar concepções redutoras dos conceitos de justiça e participação democrática, ela argumenta também que os teóricos sociais deveriam sintetizar os elementos da Teoria Crítica e do Pós-estruturalismo, superando a "falsa antítese" entre os dois, para ganhar um completo conhecimento dos problemas sociais e políticos sobre o qual ambos trabalham.

Isto não significa que Fraser defenda uma vaga fusão entre as duas vertentes de pensamento. De fato, o que ela propõe é uma aproximação "neo-pragmatista", em que cada escola de pensamento separe rigorosamente os elementos úteis dos que lhe são menos úteis (ou até prejudiciais) tendo em vista as análises progressistas das instituições e dos movimentos sociais. Assim a autora está plenamente inserida na tradição das teorias progressistas, ao mesmo tempo em que modifica essa tradição com elementos de teorias recentes - do feminismo, da Teoria Crítica e do Pós-estruturalismo. Além de seus vários livros e palestras, Fraser é editora de Constellations [2], uma revista internacional de Teoria Crítica.

Bibliografia (em português)[editar | editar código-fonte]

  • Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça na era pós-socialista (1997)
  • Políticas Feministas na Era do Reconhecimento: Uma Abordagem Bidimensional da Justiça de Gênero'

Bibliografia (em inglês)[editar | editar código-fonte]

  • Unruly Practices: Power, Discourse, and Gender in Contemporary Social Theory (1989)
  • Revaluing French Feminism: Critical Essays on Difference, Agency, and Culture (co-editado com Sandra Bartky, 1992)
  • Feminist Contentions: A Philosophical Exchange (com Seyla Benhabib, Judith Butler e Drucilla Cornell, 1994)
  • Justice Interruptus: Critical Reflections on the "Postsocialist" Condition (1997)
  • The Radical Imagination: Between Redistribution and Recognition (2003)
  • Redistribution or Recognition? A Political-Philosophical Exchange (escrito com Axel Honneth, 2003)

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]