Nanociência

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde novembro de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Nanociência - É o estudo e o conhecimento das técnicas e aplicações das nanotecnologias e está relacionada a diversas áreas do conhecimento humano (engenharia, física, química, biologia, eletrônica, computação, medicina). Um nanômetro, que é uma unidade de medida, representa um metro dividido por um bilhão, ou seja, 1/10- 9. Portanto, a nanociência é o estudo da natureza nessa escala - atômica - e a nanotecnologia é a aplicação desse conhecimento para a criação de produtos e serviços.

A nanociência e a nanotecnologia têm por meta a compreensão e o controle da matéria em escala nanométrica e o conhecimento da natureza na organização da matéria átomo por átomo, molécula por molécula. (“Nano" é um prefixo que vem do grego "nannós" que significa “excessiva pequenez”.). Envolve o conhecimento técnico e científico e a aplicação deste conhecimento através de sua transformação no uso de ferramentas, processos e materiais criados e utilizados a partir de tal conhecimento. 

Um dos feitos mais importantes para o desenvolvimento da nanociência foi a invenção em 1981 do microscópio de varredura por tunelamento eletrônico (scanning tunneling microscope - STM)

A nanociência tem como objetivo projetar, controlar e modificar materiais em nível quase-microscópico - "mesoscópico" -, o que lhe possibilita influir nas propriedades dos materiais. Produz-se, dessa maneira, "materiais inteligentes" para todo tipo de aplicações.[1]

O físico norte-americano Richard Feymann (1918-1988, ganhador do Nobel de Física em 1985), anteviu a nanociência em 1959, quando, no encontro da Sociedade Americana de Física, propôs uma pergunta simples: "Por que não podemos escrever todos os 24 volumes da Enciclopédia Britânica na cabeça de um alfinete?". A resposta, sustentada por argumentos matemáticos, também era simples: "Basta reduzir em 25 mil vezes o tamanho de tudo o que está escrito na enciclopédia". [1]

O estudo para compreender as alterações drásticas que as propriedades dos materiais e elementos químicos apresentam em escala nanométrica é essencial para o aproveitamento das novas propriedades, possibilitando a cientistas reorganizar ou desenvolver moléculas e células inteligentes, construir novas estruturas e materiais, dispositivos tecnológicos com finalidades específicas, miniaturização dos dispositivos para economia de espaço e de energia, enfim um mundo que a nanociência quer desvendar.

A utilização das nanotecnologias já é realidade em várias áreas da atividade econômica, revolucionando vários setores e prometendo uma grande revolução tecnológica, muitas das suas aplicações estão voltadas para a área de componentes eletrônicos, vacinas, alimentos, construção civil, agricultura

O crescimento dessa nova ciência traz preocupações sobre os riscos, especialmente ao meio ambiente, associados ao seu uso. A regulamentação é essencial para prevenir perigos inerentes a sua disseminação. O Brasil ainda hesita para a criação efetiva de normas para o setor, apesar dos esforços do Ministério da Ciência e Tecnologia e Inovação (MCTI), que publicou em 2014 a Regulação da Nanotecnologia no Brasil e na União Européia.

Referências

  1. «Educação Pública - Biblioteca - Química». www.educacaopublica.rj.gov.br. Consultado em 19 de novembro de 2017 

Ver também[editar | editar código-fonte]