Napoleon (1995)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Napoleon
Um Cãozinho Chamado Napoleão (PRT)
Napoleon - As Aventuras de um Cãozinho Valente (BRA)
Pôster promocional
 Austrália  Japão
1995 •  cor •  81 min 
Direção Mario Andreacchio
Produção Michael Bourchier
Mario Andreacchio
Roteiro Michael Bourchier
Mario Andreacchio
Mark Saltzman
Elenco Jamie Croft
Philip Quast
Gênero infantil, aventura, musical
Música Bill Conti
Cinematografia Roger Dowling
Edição Edward McQueen-Mason
Companhia(s) produtora(s) Blink Films
Adelaide Motion Picture Company
Australian Film Finance Corporation
Nippon-Herald Films
Pony Canyon
Distribuição The Samuel Goldwyn Company
Orion Home Video
Columbia TriStar Film Distributors International, Inc (Austrália)
Lançamento 23 de fevereiro de 1995 (estreia mundial)
Brasil 30 de junho de 1995[1]
Estados Unidos 10 de outubro de 1997[2]
Idioma inglês
Orçamento A$ 4,3 milhões[3]

Napoleon (bra: Napoleon - As Aventuras de um Cãozinho Valente[1]; prt: Um Cãozinho Chamado Napoleão[4]) é um filme infantil de 1995, uma coprodução entre Austrália e Japão, dirigido por Mario Andreacchio. Escrito pelo próprio Andreacchio em parceria com Michael Bourchier e Mark Saltzman, o longa-metragem é inspirado em um filme infantil japonês da década de 1980 e conta a história de um filhote de golden retriever que foge de sua cidade natal para se tornar um cão selvagem. A produção contou com mais de 30 espécies diferentes de animais que interagem entre si e explora a beleza de diversas paisagens naturais australianas.

Considerado o filme de produção independente mais caro feito no sul da Austrália na época de sua estreia nos cinemas, Napoleon acabou não obtendo um desempenho satisfatório nas bilheterias mundiais e foi pouco lembrado entre os críticos especializados. Entretanto, foi ganhando admiradores ao longo dos anos após seu lançamento em mídia doméstica e exibições em emissoras de televisão aberta. No Brasil, o longa-metragem foi um dos destaques da Sessão da Tarde, programa da Rede Globo, no início da década de 2000, quando costumava ser exibido frequentemente na atração.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Em Sydney, na Austrália, um cãozinho chamado Muffin e sua mãe moram com uma família humana. Ele chama a si mesmo de Napoleon e sonha em viver com os cães selvagens, cujos uivos ele ouve ao longe. Durante uma festa de aniversário, o filhote pula dentro de uma cesta com balões amarrados. A cesta começa a flutuar, fazendo com que Napoleon sobrevoe a cidade. Uma cacatua chamada Birdo se oferece para ajudá-lo a descer, porém, Napoleon conclui que essa é a sua oportunidade de encontrar os cães selvagens, e ignora a ajuda de Birdo.

A cesta cai em uma floresta próxima e, durante a noite, uma coruja adverte Napoleon das coisas terríveis que acontecem a animais domésticos que se aventuram na selva, mas Napoleon também a ignora. No caminho, ele encontra uma gata ensandecida que começa a persegui-lo, imaginando que o cãozinho é um rato. A coruja empurra a gata num lago e salva Napoleon. A felina sai do lago furiosa, jurando vingança.

Birdo, o melhor amigo de Napoleon, é um galah, ave típica da fauna australiana.

No dia seguinte, Napoleon reencontra Birdo e este decide ensiná-lo a viver na selva. O pássaro tenta ensiná-lo a caçar coelhos, mas o cãozinho não consegue capturá-los. Inesperadamente, começa um incêndio num canavial, mas Napoleon escapa com a ajuda de Birdo. A gata retorna e tenta atacar Birdo, mas falha. O pássaro se reúne com seu bando perdido, mas a felina também os encontra. Napoleon os salva, alertando-os do perigo. O filhote e o pássaro se separam, pois Napoleon quer procurar os cães selvagens e Birdo quer voltar para seu bando.

Napoleon descobre que os uivos que ele ouvia vinham de um lagarto perente e fica muito triste. A área começa a inundar e ele corre para se abrigar em uma caverna úmida, onde encontra Nancy e Sid, dois filhotes de dingo. A água arrasta Nancy, Napoleon mergulha e a resgata. A mãe dos filhotes aparece e ele percebe que, finalmente, encontrou os cães selvagens.

A mãe dingo concorda em deixar Napoleon morar com ela e seus filhotes. Ele revela-lhe que sempre quis viver na selva, mas confessa estar decepcionado com o que encontrou por lá. A mãe o conforta, lembrando que foi a coragem dele que o ajudou a salvar os filhotes dela, e isso representa o verdadeiro espírito dos cães selvagens. Napoleon decide voltar para casa e é conduzido na bolsa de um canguru. Chegando à costa, o filhote descobre que sua cesta está sendo habitada por um pinguim mal-humorado que deseja ser selvagem e corajoso.

À noite, a gata retorna e inicia uma luta com Napoleon em um penhasco. Quando está prestes a matar o cãozinho, ela é distraída pelo pinguim, que começa a provocá-la. Napoleon derruba a gata do penhasco e entra na cesta, que navega na água. No alto do penhasco, Napoleon vê a imagem de um cão selvagem uivando, simbolizando que o filhote compreendeu que sua bravura o torna um cão selvagem por dentro.

Birdo reaparece e traz com ele uma tartaruga marinha que conduz o cãozinho de volta à cidade. Napoleon volta para casa e reencontra sua mãe, que finalmente concorda em chamá-lo de Napoleon em vez de Muffin. Cenas finais mostram que a gata sobreviveu e ressurge furiosa, no fundo do quintal onde estão Napoleon e sua mãe.

Elenco de vozes[editar | editar código-fonte]

  • Jamie Croft interpreta Napoleon, um filhote de golden retriever.
  • Philip Quast interpreta Birdo, uma cacatua de peito rosa (galah).
  • Susan Lyons interpreta a mãe de Napoleon e uma wallaby.
  • Coralie Sawade interpreta a mãe das crianças.
  • Brenton Whittle interpreta a Coruja, o Sapo, o Vombate, um wallaby e um rato do deserto.
  • Anne Lambert interpreta a Aranha, o Wallaby sem Orelhas e um rato do deserto.
  • Carole Skinner interpreta a Gata.
  • Lucia Mastrantone interpreta o Periquito-arco-íris.
  • Frank Whitten interpreta o Coala.
  • Fiona Press interpreta um wallaby, um galah e a Mãe Dingo.
  • Steven VIdler interpreta a Serpente, um galah, um rato do deserto e a Tartaruga Marinha.
  • David Argue interpreta um galah e o Lagarto-de-gola.
  • Edward McQueen-Mason interpreta um galah e a Equidna.
  • Stuart Pankin interpreta o Lagarto Perente e o Pai Pinguim.
  • Mignon Kent interpreta Nancy, um filhote de dingo.
  • Michael Wilkop interpreta Sid, um filhote de dingo.
  • Barry Humphries (Dame Edna Everage) interpreta o Canguru.
  • Casey Siemaszko interpreta Conan, um pinguim.
  • Joan Rivers interpreta a Mãe Pinguim.

Entre os dubladores dos periquitos e coelhos estão Catherine Lambert, Tracey Canini, Annabel Sims, Neusa Timms e Debbie Horn. Os pinguins foram dublados, entre outros, por Stuart Zagnit e Carolyn Sloan.

Produção[editar | editar código-fonte]

O diretor Mario Andreacchio, fotografado na África do Sul durante as filmagens de outra produção com animais selvagens comandada por ele: Elephant Tales (2006).[5]

Napoleon foi o filme independente mais caro feito no sul da Austrália na época de sua produção.[3] O diretor Mario Andreacchio inspirou-se a fazer o longa-metragem depois de assistir com seus filhos ao filme Koneko Monogatari (The Adventures of Milo and Otis, em inglês), clássico infantil japonês de 1986 sobre as aventuras de um cão e um gato domésticos que vão parar acidentalmente na selva.[3]

Durante as filmagens de Napoleon, 64 cães diferentes desempenharam o papel principal.[6] Ao todo, a produção contou com 38 espécies de animais, muitas das quais são típicas da fauna selvagem australiana.[7][8] A beleza das paisagens naturais da Austrália foi abundantemente explorada pela equipe de fotografia, que procurou captar ao máximo os extremos da natureza — terra, vento e água. O longa-metragem explora montanhas verdes, planícies desérticas vermelhas, paisagens cobertas de neve e a água.[6]

O filme também contém referências bem-humoradas para o público mais velho, como o fato de os filhotes de dingo encontrados por Napoleon chamarem-se Sid e Nancy, uma alusão ao conturbado casal Sid Vicious e Nancy Spungen. Também há referências a diretores do cinema de arte italiano nos nomes de Birdo Lucci e seus amigos de bando — Luchino, Federico e Roberto — que aludem, respectivamente, a Luchino Visconti, Federico Fellini e Roberto Rossellini.[9]

Lançamento e recepção[editar | editar código-fonte]

Napoleon arrecadou 2 051 855 dólares nas bilheterias da Austrália[10] em 1995. No Japão, o filme estreou em 87 cinemas no final de fevereiro do mesmo ano sob o nome de Kulta, que em finlandês significa "ouro".[3] Segundo Andreacchio, o público japonês confundiu o título original em inglês com o nome de um tipo de conhaque.[3]

O longa-metragem estreou nos cinemas dos Estados Unidos em 10 de outubro de 1997.[2] Foi lançado no formato VHS no país em 11 de agosto de 1998 pela Metro-Goldwyn-Mayer,[11] que realizou uma nova dublagem, apresentando Adam Wylie como a voz de Napoleon, Bronson Pinchot como Birdo e Debra Mooney no papel da Gata; outros personagens são interpretados por David Ogden Stiers, Carol Kane, Stuart Pankin e Blythe Danner.[12]

Nos Estados Unidos, o filme não recebeu exibições antecipadas para os críticos.[13] Apesar disso, recebeu três de quatro estrelas no New York Daily News.[13] Embora tenha sido uma decepção em termos financeiros, Napoleon foi ganhando admiradores ao longo dos anos, sendo atualmente considerado uma produção cult.

No Brasil, o filme foi lançado nos cinemas em 30 de junho de 1995,[1] sendo posteriormente exibido em várias ocasiões na Sessão da Tarde, programa da Rede Globo, no início da década de 2000,[a] pelo que se tornou popular no país. Em junho de 1997, foi distribuído em formato doméstico no Brasil pela PlayArte Home Vídeo,[20] inicialmente em VHS, e também em DVD alguns anos depois.[21] Em 31 de dezembro de 2012, o longa foi exibido pela primeira vez na Rede Record como parte da programação especial de fim de ano da emissora.[22]

Notas

  1. O filme foi exibido nas tardes da Rede Globo, entre várias outras ocasiões, em 15 de outubro de 1999,[14] 2 de agosto de 2001,[15] 7 de outubro de 2003,[16] 19 de julho de 2004,[17] 5 de abril de 2005[18] e 16 de janeiro de 2008.[19]

Referências

  1. a b c «Napoleon - As Aventuras de um Cãozinho Valente». no AdoroCinema 
  2. a b «Napoleon» (em inglês). MGM Studios. Consultado em 8 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2019 
  3. a b c d e Lloyd, Paul (25 de fevereiro 1995). «Seeing the big picture». Nationwide News Pty Limited. The Advertiser (em inglês) 
  4. Um Cãozinho Chamado Napoleão na RTP (Portugal)
  5. Burnstock, Tammy. «Curator's notes Elephant on ASO - Australia's audio and visual heritage online» (em inglês). National Film and Sound Archive. Consultado em 9 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 12 de julho de 2012 
  6. a b Keller, Louise. «Napoleon» (em inglês). Urban Cinefile. Consultado em 8 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 21 de março de 2019 
  7. «UOL - Bichos». UOL. Consultado em 9 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 9 de setembro de 2019 
  8. «Conheça mais sobre o filme Napoleon – As Aventuras de um Cãozinho Valente». R7.com. Consultado em 9 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2019 
  9. Gates, Anita (11 de outubro de 1997). «'Napoleon': How a Pup Named Muffin Proves He's No Pussycat». nytimes.com. The New York Times (em inglês). Consultado em 9 de setembro de 2019 
  10. «Film Victoria - Australian Films at the Australian Box Office» (PDF) (em inglês). Arquivado do original (PDF) em 18 de fevereiro de 2011 
  11. «New on Video: Upcoming releases». The Vindicator (em inglês): p. C5. 25 de junho de 1998. Consultado em 8 de setembro de 2019 
  12. «Napoleon Cast and Crew». TV Guide (em inglês). Consultado em 9 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 11 de março de 2018 
  13. a b Bernard, Jami (11 de outubro de 1997). «'Napoleon' Is a Bone Apart». nydailynews.com. New York Daily News (em inglês). Arquivado do original em 3 de junho de 2012 
  14. «Programação de TV». folha.uol.com.br. Folha de S.Paulo. 15 de outubro de 1999. Consultado em 8 de setembro de 2019 
  15. «FILMES NA TV - Um cachorro especial». folhadelondrina.com.br. Folha de Londrina. 2 de agosto de 2001. Consultado em 8 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 9 de setembro de 2019 
  16. «Televisão — Programação». jornalvirtual.folhadaregiao.com.br. Folha da Região. 7 de outubro de 2003. Consultado em 8 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 9 de setembro de 2019 
  17. Cabral, Luiz Alberto Machado (19 de julho de 2004). «Programa desvela o mundo grego antigo». folha.uol.com.br. Folha de S.Paulo. Consultado em 8 de setembro de 2019 
  18. Araujo, Inácio (5 de abril de 2005). «Lulu de Barros e o seu "Tererê"». folha.uol.com.br. Folha de S.Paulo. Consultado em 8 de setembro de 2019 
  19. «Filmes». folha.uol.com.br. Folha de S.Paulo. 16 de janeiro de 2008. Consultado em 8 de setembro de 2019 
  20. «Programas da MTV saem em venda direta; Playarte traz filme e desenhos para crianças; Flashstar lança pacote com três Woody Allen». folha.uol.com.br. Folha de S. Paulo. 2 de junho de 1997. Consultado em 9 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2014 
  21. «DVD Napoleon: As Aventuras De Um Cãozinho Valente». Livrarias Curitiba. Consultado em 9 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 9 de setembro de 2019 
  22. «Napoleon – As Aventuras de um Cãozinho Valente invade o Cine Aventura Especial». R7.com. 31 de dezembro de 2012. Consultado em 8 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme australiano é um esboço relacionado ao Projeto Entretenimento. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.