Narcolepsia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Narcolepsia
A concentração de neuropeptídeos de orexina-A no líquido cefalorraquidiano das pessoas com narcolepsia é geralmente muito baixa
Especialidade Medicina do sono
Sintomas Sonolência excessiva durante o dia de segundos a minutos, perda súbita de força muscular[1]
Complicações Acidentes de viação, quedas[1]
Início habitual Infância[1]
Duração Crónica[1]
Causas Desconhecidas[1]
Fatores de risco Antecedentes familiares[1]
Método de diagnóstico Baseado nos sinais e sintomas e estudos de sono[1]
Condições semelhantes Apneia do sono, depressão nervosa, anemia, insuficiência cardíaca, consumo de álcool, falta de sono[1]
Tratamento Sestas curtas e regulares, higiene do sono[1]
Medicação Modafinil, oxibato de sódio, metilfenidato[1]
Frequência 0,2 a 600 em cada 100 000[2]
Classificação e recursos externos
CID-10 G47.4
CID-9 347
OMIM 161400
DiseasesDB 8801
MedlinePlus 000802
eMedicine neuro/522
MeSH D009290
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Narcolepsia é uma perturbação neurológica crónica caracterizada pela diminuição da capacidade de regulação do ritmo de sono e de despertar.[1] O sintoma mais comum é sonolência excessiva durante o dia, que pode ocorrer a qualquer hora e geralmente dura de alguns segundos a alguns minutos.[1] Cerca de 70% das pessoas afetadas também manifesta episódios de cataplexia, uma perda súbita de força muscular.[1] Os sintomas podem ser espoletados por emoções intensas.[1] Ainda que de forma pouco comum, pode também ocorrer paralisia do sono ou alucinações ao adormecer ou acordar.[1] As pessoas com narcolepsia tendem a dormir aproximadamente o mesmo número de horas que as restantes pessoas, embora a qualidade do sono tenda a ser pior.[1]

Desconhece-se a causa exata da narcolepsia, existindo diversas potenciais causas.[1][3] Em cerca de 10% dos casos existem antecedentes familiares da condição.[1] Nas pessoas com a condição é frequente observar-se baixos níveis do neuropeptídeo orexina, o que pode ser devido a uma perturbação autoimune.[1] Eventuais traumas, infeções, toxinas ou stresse psicológico podem também estar implicados.[1] O diagnóstico geralmente baseia-se nos sinais e sintomas e em estudos de sono, depois de serem descartadas outras potenciais causas.[1] A sonolência excessiva durante o dia pode também ser causada por outras condições que perturbam o sono, como apneia do sono, depressão nervosa, anemia, insuficiência cardíaca, consumo de álcool e não dormir horas suficientes.[1] A cataplexia pode ser confundida com ataques epilépticos.[1]

Embora não exista cura, os sintomas podem ser atenuados mediante diversas alterações no estilo de vida e medicamentos.[1] Entre as alterações no estilo de vida estão sestas curtas e regulares e medidas de higiene do sono.[1] Os medicamentos usados incluem modafinil, oxibato de sódio e metilfenidato.[1] Embora os medicamentos sejam eficazes numa fase inicial, ao longo do tempo a pessoa pode desenvolver tolerância aos seus benefícios.[1] A cataplexia pode ser melhorada com antidepressivos tricíclicos e inibidores seletivos de recaptação de serotonina.[1]

A doença afeta entre 0,2 e 600 em cada 100 000 pessoas.[2] Na maior parte dos casos a condição tem início na infância,[1] e afeta homens e mulheres em igual proporção.[1] Caso não seja tratada, a narcolepsia aumenta o risco de acidentes de viação e de quedas.[1] O termo "narcolepsia" foi usado pela primeira vez em 1880 por Jean-Baptiste-Édouard Gélineau e tem origem no grego νάρκη (narkē), significando "dormência" e λῆψις (lepsis) com o significado de "ataque".[4]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae «Narcolepsy Fact Sheet». NINDS. NIH Publication No. 03-1637. Consultado em 19 de agosto de 2016.. Cópia arquivada em 27 de julho de 2016 
  2. a b Goswami, Meeta; Thorpy, Michael J.; Pandi-Perumal, S. R. (2016). Narcolepsy: A Clinical Guide (em inglês) 2 ed. [S.l.]: Springer. p. 39. ISBN 9783319237398. Cópia arquivada em 23 de agosto de 2016 
  3. «Narcolepsy Information Page». NINDS. Consultado em 7 de janeiro de 2017.. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2017 
  4. Harper, Douglas (2010). «Narcolepsy». Dictionary.com. Online Etymology Dictionary. Consultado em 19 de agosto de 2016.. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2017