Narguilé

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Um narguile, arguile ou xixa, em um restaurante no Nepal

O narguile,[1] [2] [3] narguilé[4] ou narguilê[5] [6] [7] [8] [9] é uma espécie de cachimbo de água de origem oriental, utilizado para fumar tabaco aromatizado. Além desses nomes, de origem persa, e de variantes como arguile (substantivo masculino), muito usada em certos países árabes, também é chamado de xixa [10] [11] [12] (substantivo feminino), especialmente na África e em outros países de língua árabe, ou ainda hookah (na Índia e em outros países que falam inglês), entre outros nomes. Há diferenças regionais no formato e no funcionamento dos cachimbos d'água, mas o princípio comum é o fato de a fumaça passar pela água antes de chegar ao fumante. Tradicionalmente utilizados em muitos países do mundo, em especial no Norte da África, Oriente Médio e Sul da Ásia, têm-se espalhado em anos recentes também para o Ocidente (Europa e Américas).

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A palavra "narguile" é originário do persa nargileh ou nārgila, coco). Em francês, é pronunciada de forma oxítona, forma que influenciou a grafia oxítona registrada em dicionários, "narguilé", mais comumente pronunciada, no Brasil, "narguilê".[5] [6] [7] [8] [9] A palavra "arguile" - que reflete a pronúncia mais comum em países árabes - também provém de narguile, com a perda do "n" inicial. O nome alternativo xixa[13] (em inglês, shisha) provém do árabe e em alguns lugares é usada para se referir apenas ao fumo usado; em outras, a todo o aparato. Em inglês, é também chamado water pipe (literalmente, "cachimbo de água"), sendo também usual o nome hookah, originário da Índia.

Origem[editar | editar código-fonte]

O narguilé tem origem no Oriente. Uma das versões da história de sua origem é a de que o narguilé teria sido inventado na Índia do século XVII pelo médico Hakim Abul Fath como um método para retirar as impurezas da fumaça. Quando chegou à China, passou a ser utilizado para fumar o ópio, e assim permaneceu até a revolução comunista chinesa, no fim da década de 1940. Na mão dos árabes, o cachimbo de água foi rapidamente incorporado para ser apreciado em grupo, acompanhado de café e prosa. Existem evidências históricas de narguilés na Pérsia e na Mesopotâmia. As peças mais primitivas eram feitas com madeira e um coco que fazia o lugar do corpo (o nome origina-se do persa nargileh ou nārgila, que significa "coco").[14]

Partes[editar | editar código-fonte]

O narguile é formado pelas seguintes peças:

  • Base (jarro ou vaso): peça central do narguilé; assemelha-se a um vaso. É onde se coloca a água (ou, embora não seja tradicional, com outros líquidos, como áraque, sucos ou essências naturais). Geralmente, é feita de vidro, metal ou cerâmica; algumas são ornamentadas com desenhos.
  • Corpo: peça cilíndrica que sustenta o fornilho e conecta-se à base. Na base, projeta um tubo para dentro da água, que conduz a fumaça.
  • Fornilho (rosh, cabeça ou cerâmica): peça de barro ou cerâmica onde coloca-se o tabaco aromatizado (também chamado de essência) e, por cima deste, o carvão em brasa.
  • Abafador (laminito): Artefato em metal (muitas vezes descartados), geralmente alto para proteger a brasa do vento, evitando o consumo rápido do carvão.
  • Mangueira (condutor): é por onde se aspira a fumaça. Uma ponta termina numa piteira, e a outra encaixa-se na parte superior do corpo do narguilé (acima da água). Pode haver mais de uma mangueira para que várias pessoas fumem juntas (porém estes com válvulas especiais, ou do contrário os usuários não poderão "puxar" a fumaça simultaneamente). Em narguilés usados em locais públicos como bares, frequentemente usa-se uma peça plástica removível na ponta da piteira que pode ser lavada ou descartada a cada uso, ao contrário da mangueira em si, que não deve nunca ser lavada, pois pode oxidar, criando, assim, partículas de fuligem que atrapalham a aspiração da fumaça.

Funcionamento[editar | editar código-fonte]

Diagrama de funcionamento do narguilé

Quando se aspira o ar pela mangueira, reduz-se a pressão no interior da base: isso faz com que ar aquecido pelo carvão passe pelo tabaco (essência), produzindo a fumaça. Ela desce pelo corpo até a base e passa pela água, onde é resfriada e filtrada, retendo-se as partículas sólidas. A fumaça segue pela mangueira até ser aspirada pelo usuário e expirada logo em seguida.

Fumo[editar | editar código-fonte]

Conhecido popularmente como essência, o fumo para narguilé é feito com tabaco, melaço (um subproduto do açúcar) e frutas ou aromatizantes. Os aromas são bastante variados: encontra-se de frutas (como pêssego, maçã verde, coco), flores, mel e até mesmo coca-cola, vinho e Red Bull. Também é possível encontrar essências não aromatizadas, embora estas progressivamente tenham perdido espaço para as aromatizadas, que, hoje, são muito mais populares.

Limpeza[editar | editar código-fonte]

A limpeza de um narguilé deve ser feita com aparatos especiais, facilmente encontrados em lojas especializadas. Contudo, é possível fazer a manutenção do narguilé utilizando ar comprimido nas peças individuais, como a mangueira. Não é recomendado utilizar água para a limpeza.

Efeitos negativos à saúde humana[editar | editar código-fonte]

Os efeitos à saúde causados pelo fumo do tabaco são largamente conhecidos e se aplicam também ao uso do narguilé, contrariando a crença popular de que a água ajudaria a filtrar as impurezas do fumo, tornando-o menos nocivo à saúde.[15] Recentes estudos, inclusive, indicam que seu uso pode ser ainda pior para a saúde[16] do que o cigarro.[17] Além do mais, a Organização Mundial de Saúde alerta[18] que a fumaça do narguilé contém inúmeras toxinas que podem causar câncer de pulmão, doenças cardíacas entre outras. E que, em uma sessão de narguilé - que pode durar de vinte minutos a uma hora –, a quantidade de fumaça inalada corresponde à mesma inalada ao se fumar 100 cigarros comuns.[19] A Academia Estadunidense de Periodontologia afirma que o uso do narguilé é comparável ao do cigarro em relação aos riscos de doenças da gengiva.[20] George Loffredo, professor da universidade de Georgetown que conduziu estudo sobre o uso do narguilé no Egito acredita que, comparado ao fumante típico de cigarros, o fumante de narguilé expõe-se mais a toxinas como nicotina e monóxido de carbono.[21]

Segundo estudos realizados pela Academia Estadunidense de Pediatria, o narguilé é igual, ou até mesmo mais perigoso, que o tabaco convencional. Esse estudo derruba a crença popular de que o tabaco empregado no narguilé é menos nocivo do que o de cigarros normais. Os autores deste estudo assinalaram que o narguilé contém mais nicotina, alcatrão e metais pesados em comparação com os cigarros convencionais. Os jarros de água menores ou de lugares públicos são os mais nocivos, possuindo, além dos demais riscos, risco de doenças como herpes, hepatite, tuberculose e doenças [[Vvirais como a gripe suína.[22] Segundo a Organização Mundial da Saúde, não existe nenhum mecanismo presente no narguilé que tenha demonstrado a eliminação ou diminuição na exposição das toxinas presentes no tabaco. A organização, ainda, assinala o risco de morte por doenças relacionadas com o consumo.[23]

Contrapondo estes estudos, Kamal Chaouachi, pesquisador em socioantropologia e tabacologia, entende que, embora o narguilé tenha efeitos nocivos à saúde, é possível que eles sejam menores que os do cigarro (por exemplo, em relação ao câncer de pulmão).[24] Ele tece, ainda, severas críticas aos principais estudos sobre o narguilé (inclusive à nota da Organização Mundial de Saúde citada acima.[25] ). Segundo ele, a maioria deles têm problemas metodológicos (como não distinguir entre usuários exclusivos e os que são fumantes ou ex-fumantes de cigarros) e ignoram os resultados de importantes estudos sociológicos, etnológicos e antropológicos sobre o assunto.[26]

Segundo outro estudo, este do Departamento de Saúde da Grã-Bretanha, ao fumar cachimbo se adquire um grande nível de monóxido de carbono no sangue, inclusive mais do que ao inalar um cigarro.[27]

Thomas Eissemberg, professor associado de psicologia da Universidade da Virgínia, que estuda o uso do narguilé, afirmou que a investigação concluiu que fumar um cachimbo de água durante 45 minutos produz 36 vezes mais alcatrão do que fumar um cigarro durante cinco minutos.[28] [29] [30]

Segundo estudo realizado pela Oficina Nacional Antidrogas através do Observatório Venezuelano de Drogas com o apoio do Grupo de Investigação em Toxicologia Analítica e Estudos Farmacológicos da Universidade dos Andes, o narguilé contém uma alta concentração de nicotina, substância altamente tóxica e prejudicial à saúde.[31]

Também se deve mencionar que, ao contrário da crença popular, o narguilé não é usado para se fumar vapor de água. O carvão aquece o tabaco e, ao aspirar-se a fumaça, esta passa pelo corpo do narguilé até chegar à água, a qual condense mais a fumaça, filtra-a e, se foi adicionado algum suco ou licor à água, lhe dá sabor. É impossível que o cachimbo de água alcance uma temperatura suficiente para evaporar a água da base e, por isso, a fumaça inalada é o produto da combustão do tabaco, que possui nicotina, ainda que em um nível bem menor do que o cigarro convencional.

Presença na cultura[editar | editar código-fonte]

Cquote1.svg As tendas abertas por diante deixavam ver os grandes lustres pendentes, os tapetes da Meca e de Damasco, onde se encruzavam as soberbas figuras dos xeques, fumando gravemente o narguilé. Cquote2.svg
Eça de Queirós (Notas Contemporâneas, p. 15)

No livro Alice no País das Maravilhas, a personagem da lagarta azul aparece fumando um narguilê.[32]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Narguilé

Referências

  1. "TioBob - O maior site de Narguile do Brasil". www.tiobob.com.br. Consult. 2015-12-13. 
  2. "Narguile ou Arguile? Qual é o certo?". Blog do Narguile. Consult. 2015-12-13. 
  3. Castro, João Rosa de. Montanha Russa: Um Diário. [S.l.]: Clube de Autores, 2013-01-06.
  4. "Significado / definição de narguilé no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa". www.priberam.pt. Consult. 2015-12-13. 
  5. a b "Narguilê, a rival inglesa da Torre Eiffel | VEJA.com". Consult. 2015-09-26. 
  6. a b "Jornal da Globo - Torcedores palestinos assistem o Brasil fumando narguilê". g1.globo.com. Consult. 2015-09-26. 
  7. a b Braziliense, Correio. "Campanha alerta para malefícios provocados pelo narguilê". Consult. 2015-09-26. 
  8. a b "Menor é apreendido com maconha e narguilê - Distrito Federal - R7 Balanço Geral DF". noticias.r7.com. Consult. 2015-09-26. 
  9. a b "CÂMARA APROVA PROJETO QUE PROÍBE O NARGUILÊ A MENORES DE 18 ANOS". www.cmarapongas.pr.gov.br. Consult. 2015-09-26. 
  10. "Troco Xixa Marroquina - trocar Artes e Antiguidades". troca-se.pt. https://plus.google.com/118338804016238139252. Consult. 2015-10-19.  Ligação externa em |publicado= (Ajuda)
  11. "Defumador Xixa Árabe Gd 50cm c/ 1 mangueira - Naturcolor". Naturcolor. Consult. 2015-10-19. 
  12. "Troco uma Xixa electrónica portatil para FUMAR com sabores. Saudavel.". olx.co.ao. Consult. 2015-10-19. 
  13. "São Vicente: Fumar Xixa uma moda perigosa - Notícias do Norte". Notícias do Norte (em português). Consult. 2015-12-13. 
  14. Random House Webster's Unabridged Dictionary; Random House: 1999
  15. Georgetown University Medical Center - Researcher Warns Against Trendy Tobacco Use, 29/09/2006.
  16. The Australian News - Egyptians warned on pipe smoking, 17/03/2007.
  17. News target Health experts say smoking hookah causes considerable dental health problems, 11/2005.
  18. Folha Online - OMS alerta para perigos do "tabagismo alternativo", 31/05/2006.
  19. WHO Study Group on Tobacco Product Regulation. "Advisory note: waterpipe tobacco smoking: health effects, research needs and recommended actions by regulators". 7-9/7/2005.
  20. "Avoid The Hookah And Save Your Teeth". American Academy of Periodontology, 7/11/2005.
  21. "Hold the Hookah: Researcher Warns Against Trendy Tobacco Use". Georgetown University Medical Center, 29/9/2006.
  22. (em espanhol)[http://www.elmundo.es/elmundosalud/2005/07/11/tabaco/1121082369.html El Mundo Fumar en cachimba también es nocivo
  23. (em inglês)WHO warns the hookah may pose same risk as cigarettes
  24. Chaouachi, Kamal. "Shisha, hookah. Narghile au XXIème siècle". Le Courrier des Addictions, 6(4):150-2, dezembro 2004.
  25. Chaouachi, Kamal. "A critique of the WHO TobReg's 'Advisory Note' report entitled: 'Waterpipe tobacco smoking: health effects, research needs and recommended actions by regulators'". Journal of Negative Results in BioMedicine, 5(17), 2006.
  26. Chaouachi, Kamal. "Presentation of nargilè and its use". Tabaccologia, 1:39-47, 2005.
  27. Radiotelevisión Española. "Fumarse una 'cachimba' también mata". Consult. 24 de agosto.  Parâmetro desconhecido |añoacceso= ignorado (|acessodata=) (Ajuda)
  28. S. Katharine Hammond, Ph.D., chairwoman, division of environmental health sciences, University of California, Berkeley; Thomas Eissenberg, Ph.D., associate professor, psychology, Virginia Commonwealth University, Richmond; Jan. 2, 2008, Journal of the American Medical Association © Derechos de autor 2008, ScoutNews, LLC.
  29. Traducción del artículo de Healthday
  30. Artículo PDF sobre el narguile; véase p. 4. PDF
  31. OVD. "Análisis toxicológico y documental (Pipas de agua - "Narguiles")". Consult. 25 de julio.  Parâmetro desconhecido |añoacceso= ignorado (|acessodata=) (Ajuda)
  32. Carroll, Lewis. Alice no País das Maravilhas (versão traduzida por Clélia Regina Ramos), Capítulos 4 e 5.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Fumo