Nayib Bukele

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Nayib Bukele
46.º Presidente de El Salvador
Período 1 de agosto de 2019
até a atualidade
Vice-presidente Félix Ulloa
Antecessor Salvador Sánchez Cerén
Prefeito de San Salvador
Período 1 de junho de 2015
até 30 de abril de 2019
Antecessor Norman Quijano
Sucessor Ernesto Muyshondt
Prefeito de Nuevo Cuscatlán
Período 1 de junho de 2012
até 30 de abril de 2015
Antecessor Norman Quijano
Sucessor Ernesto Muyshondt
Dados pessoais
Nascimento 24 de julho de 1981 (39 anos)
San Salvador, El Salvador
Cônjuge Gabriela Bukele (c. 2014)
Filhos Layla (n. 2019)
Partido FMLN (2012–2017)
CD (2018)
GANA (2018–2019)
Nuevas Ideas (2019–presente)
Profissão Empresário
Assinatura Assinatura de Nayib Bukele

Nayib Armando Bukele Ortez (San Salvador, 24 de julho de 1981) é um político e empresário salvadorenho, 46.º e atual presidente de El Salvador depois de vencer a eleição de 2019. Ele assumiu o cargo em 1 de agosto de 2019. Nayib Bukele concorreu como candidato do partido de centro-direita do GANA e tornou-se o primeiro presidente desde José Napoleón Duarte (1984–1989) a não ter sido eleito candidato de um dos dois principais partidos políticos do país, o FMLN e o ARENA.[1]

Anteriormente, foi eleito prefeito de Nuevo Cuscatlán em 11 de março de 2012. Também foi eleito prefeito de San Salvador em 1 de março de 2015 e assumiu o cargo em 1 de maio de 2015.

Nayib Bukele decide romper relações diplomáticas com a Venezuela, expulsa diplomatas venezuelanos e reconhece o oponente Juan Guaidó como o novo presidente daquele país. A sua decisão é bem-vinda pela embaixada dos Estados Unidos.[2]

Em fevereiro de 2020 invadiu a Assembleia acompanhado por militares, alegando poderes divinos, para ordenar o início da sessão. A oposição exigiu intervenção da Organização dos Estados Americanos - OEA para coibir o que foi considerado um golpe militar.[3]

O website de investigação "El Faro" revelou em Setembro de 2020 que o Presidente Bukele negociou secretamente um acordo com a gangue mais poderosa do país, a Mara Salvatrucha. Em troca de um relaxamento das condições prisionais para os seus membros e outras promessas, diz-se que o bando se comprometeu a reduzir o número de assassinatos e a apoiar o partido político de Nayib Bukele durante as eleições.[4]

Em maio de 2021, Nayib Bukele se aproveitou do apoio no Congresso e da alta popularidade para destituir juízes da Suprema Corte do País, assim como o Procurador-Geral, os quais foram trocados por pessoas de confiança do presidente.[5]

Referências

  1. «Nayib Bukele vence eleições presidenciais em El Salvador». G1. 4 de fevereiro de 2019. Consultado em 4 de fevereiro de 2019 
  2. «Venezuela crisis: El Salvador expels Maduro's diplomats». BBC News (em inglês). 3 de novembro de 2019. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  3. García, Jacobo (10 de fevereiro de 2020). «Presidente de El Salvador: "Se eu quisesse, teria tomado o controle de todo o Governo"». EL PAÍS. Consultado em 11 de fevereiro de 2020 
  4. «Criminalité. Salvador : le président Bukele aurait (aussi) négocié avec les gangs». Courrier international (em francês). 8 de setembro de 2020. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  5. «Entenda o que acontece em El Salvador e o apoio de Eduardo Bolsonaro». Uol Notícias. Consultado em 5 de março de 2021 
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.