Necao II

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Necao II
Neco, Necau
Estátua de Necao II ajoelhada no Museu do Brooklyn.
Estátua de Necao II ajoelhada no Museu do Brooklyn.
Faraó do Egito
Reinado 660 a.C. - 593 a.C.XXVI dinastia egípcia
Predecessor Psamético I
Sucessor Psamético II
Esposa(s) Quédebinitjerboné
Filhos Psamético II
Pai Psamético I
Mãe Méquétenuesquète
Falecimento 595 a.C.

Necao II[1] (660 a.C. - 593 a.C.), também conhecido como Necau II[2] ou Neco II,[3] foi filho de Psamético I[4][5] e de Méquétenuesquète e casou-se com Quédebinitjerboné de quem teve Psamético II e faraó do Egito.

Reinado[editar | editar código-fonte]

Durante o reinado, Neco assistiu ao fim do Império Assírio e à ascensão do Império Neobabilônico sob Nabopolassar (r. 626–605 a.C.). Tentou impedir o avanço caldeu aliando-se à Assíria para deter Nabucodonosor II (r. 605–562 a.C.), filho e herdeiro de Nabopolassar.[6]

Em Israel, o faraó foi detido por Josias, rei de Judá, em Megido, cidade no centro norte de Israel, mas o derrotou e o matou em 613 a.C. na Batalha de Megido. O próprio rei de Judá entrou em batalha para deter o exército egípcio de Neco, mas acabou por ser morto.[6]

A batalha decisiva ocorreu em Carquemis, no norte da Síria, em 605 a.C., entre Necao II e Nabucodonosor II. Graças ao atraso e danos provocados pelo rei judaico Josias, Necao foi derrotado e a Babilônia pôde consolidar seu domínio sobre a região. Com a derrota definitiva do exército de Neco II, a Babilônia conquistou tudo que pertencia ao Rei do Egito, entre o Rio Nilo e o rio Eufrates.[6]

Apesar do fracasso militar, houve um progresso científico no reinado de Necao II: o Faraó contratou o fenício Hanão para realizar uma façanha para aquela época. o fenício partiu numa navegação, saindo do Mar Vermelho, contornou toda a costa africana, retornando ao Egito pelo Mar Mediterrâneo. Essa manobra demorou apenas três anos.[6]

Além disso, Neco planejou construir um canal que cortasse o istmo de Suez, ligando os mares Vermelho e Mediterrâneo, com a finalidade de estender as navegações mediterrâneas até o oceano Índico.[7]

Titulatura[editar | editar código-fonte]

Nome de Sa-Rá
Hieroglifo
G39N5
 
<
N35E1G43
>
Transliteração Nkȝw
Transliteração (ASCII) NkAw
Transcrição Nekaw
Tradução -
Nome de Nesut-bity
Hieroglifo
nswt&bity
<
N5F25F34
>
Transliteração Wḥm-jb-Rˁ
Transliteração (ASCII) Wahm-ib-ra
Transcrição Wahemib-rá
Tradução "O coração de está renovado"

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Jaguaribe 2001.
  2. Editora 1967, p. 245.
  3. Barsa 1967, p. 440.
  4. Segundo o historiador grego Heródoto (II, 158, 159; IV, 42)
  5. Estudo Perspicaz das Escrituras, volume 3
  6. a b c d Cristo 2019, p. 230.
  7. Andrade 2006, p. 35.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Barsa (1967). Enciclopédia Barsa. 9. São Paulo: Encyclopaedia Britannica Editôres 
  • Editora (1967). Enciclopédia brasileira mérito. 16. Rio de Janeiro e Lisboa: Editora Mérito S. A 
  • Jaguaribe, Hélio (2001). Um estudo crítico da história. 1. São Paulo: Paz e Terra 
  • Cristo, Escriba De (2019). Egiptologia Bíblica. [S.l.]: Clube de Autores 
  • Andrade, Manuel Correia De (2006). Geografia: Ciência da Sociedade. Pernambuco: Editora UFPE