Sebekneferu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Neferusobek)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Busto de Sobekneferu

Sobekkaré Sobekneferu (ou Neferusobek) foi uma rainha-faraó do Egito, sucedendo ao seu irmão, Amenemhat IV. Foi a última monarca da Dinastia XII, governando por quase quatro anos, entre 1806 e 1802 a.C.[1]. O seu nome significa "a beleza de Sobek."

Família[editar | editar código-fonte]

Sobekneferu era filha do faraó Amenemhat III. Manetão refere que era também irmã de Amenemhat IV, mas tal afirmação ainda não foi comprovada. Teria ainda uma irmã mais velha, Neferuptah, que teria sido herdeira antes dela. Esta irmã, para além de ter o nome em cartuchos, tinha uma pirâmide própria em Hawara. Contudo, Neferuptah faleceria jovem.[2]

Reinado[editar | editar código-fonte]

Sobekneferu foi a primeira rainha-faraó para a qual existem provas inequívocas da sua existência e reinado, uma vez que há pelo menos três que poderão ter detido um estatuto semelhante antes dela, mas para as quais não existem provas suficientes: Neith-hotep, Merneith e ainda (esta mais duvidosa), Nitócris. Esta última poderá ser na verdade um homem, com o nome corrompido e facilmente confundido[3]

O falecimento de Amenemhat IV sem um herdeiro varão pode ter levado a que Sobekneferu assumisse o trono, por exatamente três anos, dez meses e vinte e quatro dias, segundo o Papiro de Turim[4], em pleno século XIX a.C..

A sua morte sem herdeiros simbolizou o término do brilhante desempenho político-administrativo que culminou na Era Dourada da Dinastia XII e do Império Médio. A (provável) extinção biológica da dinastia levou à inauguração da muito mais fraca Dinastia XIII[5].

Monumentos e Sarcófago[editar | editar código-fonte]

Desenhos de Flinders Petrie do cilindro real de Sobekneferu no Museu Britânico[6]

Foram descobertos poucos monumentos erigidos por ela, mas existem várias estátuas (sem cabeça) que a representariam, incluindo a base de uma outra estátua de uma filha régia, descoberta em Gezer e que traz o seu nome inscrito.[7] Sobreviveu contudo, uma estátua sua com cabeça (ver figura acima): um busto no Museu Egípcio de Berlim (Inv. nº 14476) , perdido na 2ª Guerra Mundial, que pode ser identificado como sendo esta rainha. Uma outra estátua real descoberta em Semna parece representá-la e provar que era da realeza pela inscrição no trono: unificação dos dois países[8] .

Sabe-se que adicionou estruturas ao complexo funerário do pai em Hawara (designadilabirinto por Heródoto) e erigiu algumas estruturas em Heracleópolis Magna.

Também se conhece um cikindro no quase incevem o seu nome e a Titulatura real egípcia, exposto atualmente no Museu Britânico.[9] Um grafito arqueológico na fortaleza núbia em Kumma atesta uma inundação do rio Nilo que atingiu 1,83 metros de profundidadte no ano 3 do seu reinado.[10] Uma outra inscrição dsecoberta no Desetro Leste atesta ano 4, segundo mês da estação peret[11]. As suas obras monumentais associam-na constantemente a Amenemhat III, corroborando a toria de que seria uma filha régia e portanto apenas meia-irmã de Amenemhat IV.[7] The Danish Egyptologist, Kim Ryholt chama a atenção para as fontes contemporâneas do reinado que mostram que a rainha nunca adotou o título de Irmã do Rei, mas apenas Filha do Rei, o que apoia a hipótese.[7] Todos os governantes egípcios era entitulados rei, independentemente do género.

A sua tumba não foi ainda identificada, embora possa ter sido enterrada num complexo piramidal em Mazghuna, sem inscrições. É no entanto imediatamente a note do complexo funerário de Amenemhat IV. Existe um local, designado de Sekhem-Neferu num papiro descoberto em Harageh, pode ser na verdade o nome da sua pirâmide.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Kim S. B. Ryholt, The Political Situation in Egypt during the Second Intermediate Period, c.1800-1550 BCE, Museum Tusculanum Press, Carsten Niebuhr Institute Publications 20, 1997. p.185
  2. Dodson, Hilton, The Complete Royal Families of Egypt, 2004, p. 98.
  3. Ryholt, Kim Steven Bardrum. 2000. "The Late Old Kingdom in the Turin King-list and the Identity of Nitocris." Zeitschrift für ägyptische Sprache und Altertumskunde 127:87–100.
  4. Kim Ryholt, The Political Situation in Egypt during the Second Intermediate Period, Carsten Niebuhr Institute Publications, Museum Tusculanum Press, (1997), p.15 ISBN 87-7289-421-0
  5. Há egiptólogos que consideram Sobekhotep I, fundador da Dinastia XIII, como filho de Amenemhat IV. Cf. Kim S. B. Ryholt, The Political Situation in Egypt during the Second Intermediate Period, c.1800-1550 BCE, Museum Tusculanum Press, Carsten Niebuhr Institute Publications 20, 1997. p.185
  6. Flinder Petrie: Scarabs and cylinders with names (1927), available copyright-free here, pl. XIV
  7. a b c Ryholt, p.213
  8. B. Fay, R. E. Freed, T. Schelper, F. Seyfried: Neferusobek Project: Part I, in: G. Miniaci, W. Grajetzki: The World of Middle Kingdom Egypt (2000-1550 BC), Vo. I, London 2015, ISBN 978-1906137434, p. 89-91
  9. Gae Callender, 'The Middle Kingdom Renaissance' in Ian Shaw, The Oxford History of Ancient Egypt, (Oxford Univ. Press: 2003), paperback, p.159
  10. Gae Callender, p.159
  11. A. Almásy, Catalogue of Inscriptions, In: U. Luft (editor), Bi'r Minayh, Report on the Survey 1998-2004, Budapest 2011, ISBN 978-9639911116, p. 174-175

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Dodson, Aidan. Hilton, Dyan. 2004. The Complete Royal Families of Ancient Egypt, Thames & Hudson
  • W. Grajetzki, The Middle Kingdom of Ancient Egypt: History,Archaeology and Society, Duckworth, London 2006 ISBN 0-7156-3435-6, 61-63
  • Shaw, Ian. Nicholson, Paul. 1995. The Dictionary of Ancient Egypt. Harry N. Abrams, Inc., Publishers.
  • Shaw, Ian, Ed. 2000. The Oxford History of Ancient Egypt, Oxford University Press. Graffito ref. pg. 170.