Nefropatia diabética

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Nefropatia diabética, também conhecida como síndrome de Kimmelstiel-Wilson e glomerulonefrite intercapilar, é uma doença renal progressiva causada por angiopatia dos capilares nos glomérulos renais e a principal causa da doença renal crônica e doença renal em estágio terminal (ESRD) . Ela é caracterizada por síndrome nefrótica e glomeruloesclerose difusa. Ocorre devido a diabetes mellitus de longo prazo, e é a principal causa de diálise em muitos países ocidentais. "Sua incidência é de 25% a 40% em pacientes afetados com diabetes tipo 1, ao passo que é de 5% a 40% naqueles com diabetes tipo 2"[1][2]. A nefropatia diabética é categorizada em estágios: microalbuminúria (EUA> 20 μg / min e ≤199 μg / min) e macroalbuminúria (EUA ≥200 μg / min)[3]. A perda de albumina ocorre devido os glomérulos danificados , que não filtram partículas maiores do sangue, gerando a perda de albumina para a urina, e diminuindo sua concentração ideal no sangue , o que provoca, entre muitos outros efeitos, maior retenção de líquido e inchaço (edemas)[4].

Anatomofisiopatologia[editar | editar código-fonte]

"A causa da morte e as alterações anatomopatológicas de vários órgãos foram analisadas em 3.151 casos de autópsia diabética, coletados de Relatórios Anuais de Casos de Autópsia Patológica (1958-1970) publicados pela Sociedade Japonesa de Patologia. Em 2, 754 diabéticos primários, as causas de morte foram as seguintes: coma diabético 4,5%, doenças cardiovasculares arterioscleróticas 41,2% (renais 19,3%, cerebrais 11,1%, coronárias 6,5%), infecções 19,4% (tuberculose 4,6%, pulmão 5,8% , trato urinário 3,3%, trato biliar 1,0%), neoplasias malignas 15,9% (estômago 3,9%, pulmão 3,7%), diversos 15,2%" [5] " Nossos achados indicam que os defeitos tubulares proximais são os eventos patológicos iniciais cada vez mais ligados à progressão da nefropatia diabética, e que o controle do dano tubular renal pode ser uma estratégia terapêutica eficaz para o tratamento clínico da nefropatia diabética"[6]

Sintomatologia[editar | editar código-fonte]

Nas fases 1 e 2 a nefropatia diabética quase não apresenta nenhum dos sintomas a mais que a doença renal crônica apresentava antes; portanto permanecem os sintomas comuns a doença renal crônica como edema ou inchamento dos tornozelos, dos pés, dos pés mais baixos ou das mãos devido à retenção da água causada pela perda de albumina na filtragem defeituosa renal[7], e pela hiperglicemia onde a glicose se ligam as moléculas de água, fazendo existir mais líquido extracelular que intracelular. Urina espumosa devido albumina excretada na urina bem como moléculas maiores que o normal. Ganho de peso, náusea e vômito, perda de apetite, sentimento indisposto e cansado, Itching generalizado, dores de cabeça, soluços, hipertensão.

Diagnóstico laboratorial[editar | editar código-fonte]

Na segunda fase o GFR é fica alto e bem mais alterado, na terceira fase a taxa de albumina secretada na urina ultrapassa 200 mg/ml. Na quarta fase " Há uma diminuição em GFR de 1 ml/min cada mês, grandes quantidades de passagem da proteína na urina e a pressão sanguínea é levantada quase sempre" na quinta fase " O GFR é menos de 10 aumentos de ml/min. no nitrogênio da creatinina do soro e de uréia do sangue são acompanhados do edema severo, da hipertensão e do hipoproteinemia"[8]

Significado Clínico[editar | editar código-fonte]

O aumento de albumina na urina acarreta numa série de efeitos deletérios ao organismo, entre eles a redução lenta da função do órgão, porém, de forma progressiva, até a paralisação total.

Farmacoterapia Recomendada[editar | editar código-fonte]

Em pacientes com Diabetes mellitus tipo 1, sua progressão pode ser lentificada pelo uso de inibidores da enzima de conversão da angiotensina. Este efeito é presente em pacientes diabéticos que tenham hipertensão arterial e/ou proteinúria maciça associada (> 300 mg/24h).[9]"Ergosterol (ERG) foi relatado para exibir atividades anti-inflamatórias e antioxidantes. Além disso, descobriu-se que o ERG atenuou a lesão renal em camundongos diabéticos"[10].

Tratamentos Complementares e Alternativos[editar | editar código-fonte]

Ingestão de suplementos e fitoterápicos podem auxiliar o tratamento, ácido fólico e melatonina[11] [12], taurina[13], "os ácidos graxos ômega-3 podem ajudar a melhorar a proteinúria entre DM tipo 2 que receberam suplementação com ômega-3 por pelo menos 24 semanas sem efeitos adversos sobre HbA1C, colesterol sérico total e colesterol LDL." [14] "O salvianolato, um composto composto principalmente de acetato de magnésio de sálvia, é extraído da erva chinesa Salvia miltiorrhiza . Devido à sua atividade biológica, fácil controle de qualidade e certa eficácia, o salvianolato é amplamente utilizado no tratamento da doença vascular cardiocerebral isquêmica, lesão hepática, lesão renal, diabetes e suas complicações. Particularmente, tem potenciais efeitos protetores sobre a nefropatia diabética"[15].

Referências

  1. Shen, Yuehong; Wang, Shulin; Liu, Yuanyuan; Ge, Ling; Xia, Lili; Zhang, Xiaoxiao; Miao, Yuying; Shen, Jianping; Zhou, Qian (2020). «The Effects of Salvianolate Combined With Western Medicine on Diabetic Nephropathy: A Systematic Review and Meta-Analysis». Frontiers in Pharmacology (em English). ISSN 1663-9812. doi:10.3389/fphar.2020.00851. Consultado em 20 de setembro de 2020 
  2. «Standards of Medical Care in Diabetes—2017 Abridged for Primary Care Providers». Clinical Diabetes : A Publication of the American Diabetes Association (1): 5–26. Janeiro de 2017. ISSN 0891-8929. PMC 5241768Acessível livremente. PMID 28144042. doi:10.2337/cd16-0067. Consultado em 20 de setembro de 2020 
  3. Gross, Jorge L.; Azevedo, Mirela J. de; Silveiro, Sandra P.; Canani, Luís Henrique; Caramori, Maria Luiza; Zelmanovitz, Themis (1 de janeiro de 2005). «Diabetic Nephropathy: Diagnosis, Prevention, and Treatment». Diabetes Care (em inglês) (1): 164–176. ISSN 0149-5992. PMID 15616252. doi:10.2337/diacare.28.1.164. Consultado em 19 de setembro de 2020 
  4. Cetin, Nuran; Kiraz, Zeynep Kusku; Sav, Nadide Melike; Cetin, Nuran; Kiraz, Zeynep Kusku; Sav, Nadide Melike (2020). «Níveis de hepcidina, netrina-1, lipocalina associada a gelatinase neutrofílica e ligante de quimiocina C-C motif na urina do rim displásico multicístico». Brazilian Journal of Nephrology (AHEAD). ISSN 0101-2800. doi:10.1590/2175-8239-jbn-2019-0022. Consultado em 20 de setembro de 2020 
  5. GOTO, YOSHIO; SATO, SHIN-ICHIRO; MASUDA, MITSUO (1974). «Causes of death in 3151 Diabetic Autopsy Cases». The Tohoku Journal of Experimental Medicine (4): 339–353. ISSN 1349-3329. doi:10.1620/tjem.112.339. Consultado em 21 de setembro de 2020 
  6. Haraguchi, Ryuma; Kohara, Yukihiro; Matsubayashi, Kanako; Kitazawa, Riko; Kitazawa, Sohei (28 de abril de 2020). «New Insights into the Pathogenesis of Diabetic Nephropathy: Proximal Renal Tubules Are Primary Target of Oxidative Stress in Diabetic Kidney». ACTA HISTOCHEMICA ET CYTOCHEMICA (2): 21–31. ISSN 0044-5991. doi:10.1267/ahc.20008. Consultado em 21 de setembro de 2020 
  7. Sanzana, María Gabriela (1 de outubro de 2009). «Complicaciones crónicas de la diabetes mellitus I: fisiopatología, nefropatía diabética». Medwave (em espanhol) (09). ISSN 0717-6384. doi:10.5867/medwave.2009.10.4214. Consultado em 21 de setembro de 2020 
  8. «Sintomas da nefropatia do diabético». News-Medical.net (em inglês). News Medical Life Sciences. 3 de dezembro de 2009. Consultado em 21 de setembro de 2020 
  9. Bakris G L (2009). «Is blockade of the renin-angiotensin system appropriate for all patients with diabetes?». Journal of the American Society of Hypertension. 3 (5): 288-290. doi:10.1016/j.jash.2009.07.001 
  10. «Ergosterol ameliorates renal inflammatory responses in mice model of diabetic nephropathy». Biomedicine & Pharmacotherapy (em inglês). 110252 páginas. 1 de agosto de 2020. ISSN 0753-3322. doi:10.1016/j.biopha.2020.110252. Consultado em 19 de setembro de 2020 
  11. Ebaid, Hossam; Bashandy, Samir A. E.; Abdel-Mageed, Ahmad M.; Al-Tamimi, Jameel; Hassan, Iftekhar; Alhazza, Ibrahim M. (14 de janeiro de 2020). «Folic acid and melatonin mitigate diabetic nephropathy in rats via inhibition of oxidative stress». Nutrition & Metabolism (em inglês) (1). 6 páginas. ISSN 1743-7075. PMC 6961249Acessível livremente. PMID 31956332. doi:10.1186/s12986-019-0419-7. Consultado em 21 de setembro de 2020 
  12. Alqasim, Abdulmonim A.; Nour Eldin, Essam Eldin M.; Hammadi, Sami H.; Esheba, Ghada E. (julho de 2020). «Comparing the renoprotective effects of the antioxidants melatonin, vitamin D and vitamin E in diabetic rats». Journal of Taibah University Medical Sciences. ISSN 1658-3612. doi:10.1016/j.jtumed.2020.05.007. Consultado em 21 de setembro de 2020 
  13. Qiu, Jingying; Li, Chengjiang; Dong, Zhichun; Wang, Jing (1 de maio de 2020). «Protective Effect of Taurine on Diaphragm of Diabetic Rats.». Revista Científica de la Facultad de Ciencias Veterinarias (em English) (3): 1703–1710. Consultado em 21 de setembro de 2020 
  14. Chewcharat, Api; Chewcharat, Pol; Rutirapong, Anawin; Papatheodorou, Stefania (11 de fevereiro de 2020). «The effects of omega-3 fatty acids on diabetic nephropathy: A meta-analysis of randomized controlled trials». PLOS ONE (em inglês) (2): e0228315. ISSN 1932-6203. PMC 7012392Acessível livremente. PMID 32045421. doi:10.1371/journal.pone.0228315. Consultado em 19 de setembro de 2020 
  15. Shen, Yuehong; Wang, Shulin; Liu, Yuanyuan; Ge, Ling; Xia, Lili; Zhang, Xiaoxiao; Miao, Yuying; Shen, Jianping; Zhou, Qian (2020). «The Effects of Salvianolate Combined With Western Medicine on Diabetic Nephropathy: A Systematic Review and Meta-Analysis». Frontiers in Pharmacology (em English). ISSN 1663-9812. doi:10.3389/fphar.2020.00851. Consultado em 19 de setembro de 2020