Nelore

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2017).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Touros da raça Nelore

Nelore, o boi branco, é uma raça de gado bovino originária da Índia. Os primeiros exemplares chegaram ao Brasil no final do século XVIII, e rapidamente se tornaram predominante no rebanho brasileiro (85% do rebanho total). Espalhou-se por toda a América do Sul e, principalmente no Brasil devido à sua alta fertilidade a pasto, e capacidade de sobrevivência. O Nelore é a raça base para o cruzamento de gado de corte no Brasil.[1]


Histórico[editar | editar código-fonte]

Raça Ongole

Raça historicamente introduzida no território indiano pelos arianos, antes mesmo da era cristã (AC), o ongole como é conhecido na Índia, habita a região de ongole localizada em Madras no extremo Sul do país. Por motivos culturais e religiosos, estes animais não são utilizados para produção de carne e sim para produção de leite e como animal de tração nas lavouras de tribus indianas.[2]

Genearcas da Raça[editar | editar código-fonte]

A introdução do nelore no Brasil, foi baseada na importação de grandes raçadores vindos da Índia, que, ao longo do tempo, nortearam a formação dos rebanhos brasileiros. São eles os touros: Karvadi, Golias, Rastã, Checurupado, Godhavari, Padu e Akamasu.[3]

Karvadi, o pai da linhagem nelore no Brasil[editar | editar código-fonte]

Kavardi foi um touro da raça nelore (ongole), que recebia o nome de sua tribo de origem a tribo de Karvadi. Na Índia já tinha conquistado os prêmios de tetracampeão nacional e campeão da Ásia. Foi adquirido pelo funcionário José da Silva (Dico) da fazenda VR no município de Uberaba-MG, que foi enviado em expedição à Índia a pedido do fazendeiro Torres Homem para trazer novos exemplares da raça nelore afim de refrescar o sangue dos rebanhos de nelore brasileiros e afastar o problema da consanguinidade. Após enfrentar uma longa burocracia por parte do governo da Índia para a importação, a longa viagem para o Brasil e o grande período de quarentena na ilha de Fernando de noronha o animal desembarcou no porto de Santos e rumou para fazenda VR. Considerado o melhor touro da história da raça nelore, Karvadi deixou milhares de descendentes parte deles por monta natural, e é tido como o pai da linhagem nelore brasileira. Ainda hoje existem ampolas do sêmen deste touro na central da fazenda VR sem data prevista para venda.[4]

Funcionalidade[editar | editar código-fonte]

Além de ser a raça para produção de carne In-Natura mais utilizada e abundante no Brasil, a raça nelore vem, principalmente nos últimos 50 anos, sendo utilizada para o melhoramento genético. Os animais passam por uma avaliação e então são registrados por técnicos especializados recebendo uma marca da ABCZ no rosto, numerados e então recebendo o pronome de P.O (Puro de Origem). Atualmente, no Brasil, a criação para este aprimoramento vem crescendo gradualmente e se tornando uma das alavancas comerciais na agropecuária brasileira, recebendo destaque nacional e notoriedade internacional.

ABCZ e ACNB[editar | editar código-fonte]

Os criadores da raça no Brasil se organizaram em duas entidades: a ABCZ (Associação Brasileira de Criadores de Zebu) e a ACNB (Associação de Criadores de Nelore do Brasil).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]