Nelson Maculan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Nelson Maculan
Nascimento 30 de agosto de 1915
Santana de Parnaíba
Morte 11 de maio de 2003 (87 anos)
Rio de Janeiro
Cidadania Brasil
Ocupação senador do Paraná, senador do Paraná, deputado federal do Paraná
Empregador Instituto Brasileiro do Café

Nelson Maculan (Santana do Parnaíba, 30 de agosto de 1915 - Rio de Janeiro, 5 de novembro de 2003[1]) foi um advogado, empresário e político brasileiro. Foi vereador na cidade de Londrina, e deputado federal e senador pelo estado do Paraná.[2] pela Paraná. É o pai do engenheiro e ex-reitor da UFRJ, Nelson Maculan Filho[3].[4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu no interior de São Paulo e aos aos 8 anos mudou-se para Vitória, no Espirito Santo. Pouco tempo depois seus pais: Anselmo Maculan e Ada Maculan, novamente mudam-se, agora para a cidade do Rio de Janeiro.[4]

Aos 23 anos, em 1938, estabeleceu residência em Londrina, sendo um dos pioneiros no município paranaense, trabalhando de motorista em empresa de transporte de café e madeira. Em pouco tempo, abriu uma agência de veículos e máquinas agrícolas, que posteriormente transformou-se numa empresa dedica no ramo de exportação de café.

Formou-se em advocacia e entrou para a política, tornando-se vereador londrinense pela legenda da União Democrática Nacional (UDN), em 1955. Antes do fim do mandato de vereador, filiou-se ao PTB tornando-se presidente estadual do partido. Em 1958, fez parte da campanha ao senado na suplência de Abilon de Souza Naves. Com a morte de Abilon, em 1959, assumiu uma cadeira no Senado do Brasil. Em 1960, ficou em segundo lugar nas eleições para o governo do Estado do Paraná, perdendo para Ney Braga.[4]

Em 1965, filiou-se ao MDB e no pleito de novembro de 1966, tentou reeleger-se ao senado, mas foi derrotado, novamente, pelo candidato da Aliança Renovadora Nacional (Arena), Ney Braga.

Em novembro de 1974, elegeu-se para a Câmara dos Deputados. Ao final do mandato de deputado federal, tentou uma pré-candidatura para voltar ao senado, mas não obteve o apoio necessário do partido e deixou a vida pública[3].

Na década de 1960, no governo de João Goulart, foi nomeado chefe do escritório de Milão (Itália) do Instituto Brasileiro do Café (IBC).[4]

Referências

  1. «Nelson Maculan - Dados». Senado do Brasil. Consultado em 15 de setembro de 2017 
  2. Senado do Brasil. «Anais do Senado de 1965» (PDF). Consultado em 16 de setembro de 2017 
  3. a b «Ex-senador Maculan morre aos 89 anos». Jornal Tribuna do PR. Consultado em 16 de setembro de 2017 
  4. a b c d CDOC. «Nome: MACULAN, Nélson». Fundação Getúlio Vargas. Consultado em 15 de setembro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]