Nelson de Oliveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nelson de Oliveira
Nome completo Nelson Luiz Garcia de Oliveira
Nascimento 1967 (50 anos)
Guaíra
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Romancista, contista, cronista, ensaísta e organizador de antologias
Prémios Prémio da Associação Paulista dos Críticos de Arte (2001)

Prémio Casa de las Américas (2011)

Magnum opus O Filho do Crucificado

Nelson Luiz Garcia de Oliveira, mais conhecido como Nelson de Oliveira ou, ainda, Luiz Bras (Guaíra, 1966) é um escritor brasileiro.

Possui o título de doutor em Letras pela Universidade de São Paulo (USP), e publicou, dentre outros títulos, Naquela época tínhamos um gato (1998), Treze (1999), Subsolo infinito (2000), O filho do crucificado (2001) e A maldição do macho (2002). Organizou duas antologias de contos da geração 90: Manuscritos de computador (2001) e Os transgressores (2003).

Tem textos (contos e críticas) publicados nas revistas Cult e Livro Aberto (SP), Medusa (PR) e Bravo, e nos jornais Correio Braziliense, O Globo e Suplemento Literário de Minas Gerais, Rascunho (jornal literário) e Folha de S.Paulo.

Em 2012, adotou o pseudônimo Luiz Bras para assinar obras de ficção.[1]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Recebeu diversos prêmios, entre eles o Prêmio Casa de las Américas (1995), Fundação Cultural do Estado da Bahia (1996), Melhor Livro de Contos: O filho do Crucificado, Associação Paulista dos Críticos de Arte(2001), Melhor Projeto Editorial: Geração 90, os transgressores, Associação Paulista dos Críticos de Arte(2003), Prêmio Clarice Lispector, Fundação Biblioteca Nacional(2007) e novamente o Casa de las Americas em 2011.[2]

Obras[editar | editar código-fonte]

Antologias Organizadas[editar | editar código-fonte]

  • Geração Zero Zero - Fricções em Rede (2011)[3]
  • Geração 90 – Contos de Computador (2001)
  • O século oculto (2002)
  • Geração 90 – Os Transgressores (2003)
  • Cenas da Favela (2007)
  • Futuro Presente (2008)
  • Blablablogue – crônicas e confissões (2009)
  • Cartas do fim do mundo (2009)
  • Todas as Guerras - Vol. I (2009)

Ensaios[editar | editar código-fonte]

  • Verdades Provisórias [anseios crípticos] (2003)
  • Oficina do escritor: sobre ler, escrever e publicar (2008)
  • Axis Mundo: o jogo das forças na lírica portuguesa contemporânea (2009)

Contos[editar | editar código-fonte]

  • Os saltitantes seres da Lua (1997)
  • Naquela época tínhamos um gato (1998)
  • O filho do crucificado (2001)
  • Pequeno dicionário de percevejos (2004)
  • Sólidos Gozosos, Solidões Geométricas (2004)
  • Algum Lugar em Parte Alguma (2005)
  • Ódio sustenido (2007)

Romances[editar | editar código-fonte]

  • Subsolo Infinito (2000)
  • A Maldição do Macho (2002)
  • O oitavo dia da semana (2005)
  • Babel Babilonia (2007)
  • Poeira: demônios & maldições (2010)

Referências

  1. «Nelson de Oliveira troca de nome e estilo». Folha de S. Paulo. 25 de agosto de 2012. Consultado em 22 de dezembro de 2015 
  2. Nelson de Oliveira recebe o prêmio Casa de las Américas
  3. «Língua Geral». www.linguageral.com.br (em inglês). Consultado em 10 de maio de 2017 
Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.