Nesotes azoricus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaNesotes azoricus
Taxocaixa sem imagem
Classificação científica
Superdomínio: Biota
Reino: Animalia
Sub-reino: Bilateria
Infrarreino: Protostomia
Superfilo: Ecdysozoa
Filo: Arthropoda
Subfilo: Mandibulata
Classe: Insecta
Subclasse: Dicondylia
Infraclasse: Neoptera
Ordem: Coleoptera
Superfamília: Tenebrionoidea
Família: Tenebrionidae
Subfamília: Tenebrioninae
Género: Nesotes
Espécie: Nesotes azoricus

Nesotes azoricus é uma espécie de besouro. A espécie é endémica da ilha de São Miguel, no arquipélago dos Açores, politicamente pertencente a Portugal. A espécie rara nunca mais foi encontrada depois de ter sido descrita pela primeira vez e provavelmente está extinta hoje.

Descrição[editar | editar código-fonte]

O besouro atinge um comprimento de 6,5 a 7 milímetros. É de cor marrom avermelhado muito escuro, com antenas e pernas vermelhas. A cabeça e o pronoto são densamente perfurados, e os élitros com listras perfuradas distintas, aglomeradas no meio, apenas levemente perfuradas. As antenas são longas, especialmente no macho, com primeiro e segundo segmentos muito curtos, o terceiro estendido, o quarto ao oitavo apenas metade deste comprimento, os dois últimos encurtados novamente. O pronoto é levemente margeado, quase tão longo quanto largo, arredondado lateralmente e com cantos arredondados. O escutelo é transversal.

Habitat[editar | editar código-fonte]

A espécie foi descrita por Crotch a partir de espécimes encontrados sob a casca de um álamo perto das Furnas, na ilha de São Miguel, antes de 1867. Outras descobertas da espécie não foram feitas, e a espécie é, portanto, provavelmente extinta. A Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN o lista como criticamente ameaçado, possivelmente extinto. Supõe-se que a causa da extinção seja a destruição da vegetação original da ilha, fortemente modificada pelo homem. Isto tem contribuído para o declínio populacional de numerosas espécies endémicas da fauna de besouros dos Açores. Espécies com uma pequena área de distribuição apenas em uma ilha estão particularmente ameaçadas.

Taxonomia e sistemática[editar | editar código-fonte]

A espécie foi descrita pela primeira vez por George Robert Crotch como Helops azoricus. Originalmente concebido como um subgênero, Nesotes Allard, 1876 foi posteriormente elevado a gênero, resultando na combinação Nesotes azoricus (raramente escrito erroneamente como azorica). A espécie é morfologicamente muito semelhante às espécies de Nesotes da Ilha da Madeira, mas mantém-se como uma espécie distinta.

Nesotes é um género com cerca de 20 espécies distribuídas principalmente nas Ilhas Canárias e na Madeira, com algumas espécies no Mediterrâneo Ocidental (Norte de África e Sul da Espanha). A maioria das espécies é endêmica de uma ilha por vez, com algumas ocorrendo em várias. Foram descritas 12 espécies da Madeira. Nesotes azoricus é a única espécie conhecida dos Açores. É a única espécie endémica entre as 18 espécies de escaravelho preto encontradas nos Açores até ao momento.

Literatura e fontes[editar | editar código-fonte]