Netflix

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Netflix
Netflix Inc.
Slogan Com a Netflix, você tem o controle
Tipo Privada
Cotação NASDAQ: NFLX
S&P 500 Component
Indústria Aluguel de vídeo e streaming
Fundação 1997 (17 anos)[1]
Fundador(es) Reed Hastings e Marc Randolph
Sede Los Gatos, California
Estados Unidos
Áreas servidas Estados Unidos
Canadá
Brasil
México
Reino Unido
Irlanda
Holanda
Países nórdicos
Norte da Europa
Presidente Reed Hastings
Pessoas-chave Reed Hastings, co-fundador e CEO
David Wells, CFO
Neil Hunt, CTO
Ted Sarandos, diretor de conteúdo
Empregados 2,348
Produtos Aluguel de vídeo e streaming
Receita Lucro US$ 6,2 bilhões (2011)[2]
Lucro Lucro US$ 213,64 milhões (2011)[2]
Página oficial www.netflix.com

A Netflix é uma empresa norte-americana que oferece serviço de TV por Internet, com mais de 44 milhões de assinantes[3] em mais de 40 países assistindo a mais de um bilhão de horas de filmes, séries de TV e produções originais por mês. Por R$ 16,90 ao mês, o assinante pode assistir, pausar e voltar a assistir a quantos filmes e séries quiser, quando e onde quiser, em praticamente qualquer tela com conexão à Internet, sem comerciais e sem compromisso[4] .

Informações técnicas[editar | editar código-fonte]

Para utilizar o serviço, os clientes fazem uma assinatura no site da empresa. Os assinantes da Netflix podem assistir online a filmes e séries transmitidos pela Internet para aparelhos de Blu-ray, celulares, computadores, decodificadores de sinal, tablets, televisões e videogames. Os aparelhos podem variar de acordo com o país[5] .

Os assinantes podem avaliar os filmes e séries que assistiram em suas TVs ou no site da empresa. A Netflix processa estas classificações e as combina com as outras feitas pelos seus assinantes para prever de maneira precisa os filmes e as séries que seus assinantes gostariam de ver.

Cotidiano[editar | editar código-fonte]

Em 19 de julho de 2010, a Netflix anunciou que em 2010 lançaria seu serviço de streaming para o Canadá, fazendo assim a primeira expansão no mercado internacional da empresa. Em 22 de setembro de 2010, a Netflix tornou-se disponível no Canadá por US$ 7,99 ao mês, mas com uma seleção bastante limitada.

Em 5 de julho de 2011, anunciou que até o final de 2011 que expandiria seus serviços para 43 países e territórios da América Latina e Caribe, oferecendo títulos em inglês, espanhol e português. Em 5 de setembro, o Brasil se tornou o primeiro país da América Latina a receber o serviço, seguido pela Argentina, em 7 de setembro, do Chile em 8 de setembro, Colômbia, em 09 de setembro e no México em 12 de setembro.

A Netflix foi lançada no Reino Unido e na Irlanda em 09 de janeiro de 2012 e na Holanda em 11 de setembro de 2013.

Em 15 de agosto de 2012, a empresa anunciou uma nova expansão, implementando seus serviços para a Noruega, Dinamarca, Suécia e Finlândia. O serviço foi lançado em 18 de outubro de 2012.

Em agosto de 2013, ao apresentar o relatório trimestral da Netflix, seu presidente, Reed Hastings, destacou o crescimento de assinantes no exterior. E disse que o foco agora é "como crescer internacionalmente, como melhorar o conteúdo", o que levou à decisão de dedicar "todo o lucro" da operação norte-americana aos outros países[6] .

De acordo com a empresa, no terceiro trimestre de 2013, mais de 5 bilhões de horas de conteúdo foram assistidos no serviço, principalmente em televisores[7] .

Durante a Consumer Electronics Show (CES) 2014, em Las Vegas, foi anunciado que o conteúdo 4K, a chamada ultra-alta definição (UHD), fará sua estreia na Netflix na segunda temporada da série House of Cards, prevista para fevereiro do mesmo ano[8] . Todos os episódios foram filmados no formato com câmeras especiais, e a alta qualidade permite ver as cenas com maiores detalhes. A tecnologia tem resolução quatro vezes maior do que as TVs Full HD.

O serviço de fechou o ano de 2013 com um pouco mais de 44 milhões de assinantes globalmente. No último trimestre, o faturamento foi de US$ 1,18 bilhão e o ganho por ação foi de US$ 0,79. No primeiro trimestre do ano, portanto antes do sucesso de suas duas principais séries originais, House of Cards e Orange Is the New Black, o faturamento foi de US$ 945 milhões e o ganho por ação foi de US$ 0,13, o que mostra a importância do conteúdo original para a empresa[3] .

Nos Estados Unidos, a Netflix conquistou 2,33 milhões de assinantes no trimestre, levando a uma base de 33,42 milhões de assinantes, e já é responsável por 30% do tráfego da Internet no país, segundo alguns estudos. Nos mercados internacionais, a empresa não abre os números por país, juntaram-se à base de 1,74 milhão de novos assinantes, totalizando 10,93 milhões[3] .

Séries originais[editar | editar código-fonte]

A Netflix revolucionou a produção de séries de TV fazendo o oposto do que fazem os estúdios tradicionais. A empresa não interfere no conteúdo das séries. Se o roteiro for aprovado, vão direto para a etapa de produção, eliminando o tradicional processo de desenvolvimento, em que a série tem de se adaptar ao estúdio. As séries são realmente originais.

Também, enquanto os canais de TV mantêm a audiência cativa lançando um episódio por semana e com pausa no meio das temporadas, a Netflix deixa todos os capítulos disponíveis de uma só vez. Os espectadores assistem quando e o quanto quiserem.

Diferentemente dos grandes estúdios, que medem seu sucesso pela quantidade de pessoas que assistiram a cada episódio ou filme em determinado período, a empresa se recusa a divulgar seus dados sobre audiência[9] .

Em março de 2011, a Netflix anunciou planos para ciniciar a produção de conteúdo original para seu popular serviço de streaming, começando com o drama político de uma hora House of Cards, que estreou em fevereiro de 2013. A série foi produzida por David Fincher, com Kevin Spacey como protagonista. No final de 2011, a Netflix também lançou duas temporadas de oito episódios de Lilyhammer e a quarta temporada de Arrested Development. No início de 2013, a empresa anunciou Hemlock Grove.

A DreamWorks Animation e a Netflix também concordaram em produzir uma nova série animada chamada Turbo FAST, baseado no filme Turbo, e estreou em julho 2013[10] .

House of Cards, Hemlock Grove e Orange Is the New Black foram renovadas por mais uma temporada, que chegarão ao Netflix em 2014. Em 2013, a empresa também afirmou que quer produzir mais uma temporada de Arrested Development, porém seu lançamento não foi confirmado.

Em novembro de 2013, a empresa assinou um contrato com a Disney para produzir quatro séries originais de super-heróis do universo da Marvel. A Netflix contará com quatro séries exclusivas, cada uma com 13 episódios, centradas nos personagens Demolidor, Safira, Poderoso e Punho de Ferro, tidos como integrantes do segundo escalão do universo da editora criada por Stan Lee. Todas as séries terão atores reais, e não desenhos animados, como foi cogitado anteriormente. A previsão é de que todas as atrações estreiem em 2015[11] .

O Netflix planeja também uma série chamada Defensores, reunindo os quatro heróis; segundo a Disney, a minissérie "reimaginará um time dos sonhos de personagens históricos"[11] .

Também em 2013, foi produzida a primeira série financiada pela Netflix no Brasil, A Toca, uma comédia em forma de falso documentário, escrita e produzida pelo humorista Felipe Neto[6] .

Referências

  1. Netflix, Inc. Fatos sobre a empresa. Página visitada em 14 de janeiro de 2014.
  2. a b Folha.com. Lucro da Netflix avança 44% em 2011. Página visitada em 14 de janeiro de 2014.
  3. a b c Revista Exame. Netflix fecha 2013 com 44 milhões de assinantes. Página visitada em 24 de janeiro de 2014.
  4. Netflix, Inc. Como a Netflix funciona. Página visitada em 14 de janeiro de 2014.
  5. Netflix, Inc. Conecte-se à Netflix com estes aparelhos para começar. Página visitada em 14 de janeiro de 2014.
  6. a b F5 - Folha de São Paulo. Netflix estreia nesta sexta-feira primeira série brasileira. Página visitada em 15 de janeiro de 2014.
  7. G1 - Tecnologia e games. Netflix muda visual do serviço para facilitar navegação do usuário. Página visitada em 16 de janeiro de 2014.
  8. G1 - Tecnologia e games. 'Transmissão de vídeo em 4K será exclusiva da web', diz CEO do Netflix. Página visitada em 16 de janeiro de 2014.
  9. Revista Exame. Como o Netflix baterá a marca de US$ 100 milhões de lucro. Página visitada em 14 de janeiro de 2014.
  10. Link Estadão. Netflix estreará primeira série original infantil. Página visitada em 15 de janeiro de 2014.
  11. a b Link Estadão. Netflix produzirá séries originais da Marvel. Página visitada em 15 de janeiro de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]