New Public Management

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

New Public Management, traduzido para o português como Nova Gestão Pública, é uma filosofia de gestão que prega a utilização sem adaptações de práticas de gestão adotadas no setor privado na Administração Pública, com o intuito de lograr eficiência, redução custos e obtenção de maior eficácia na prestação de serviços[1][2]. Este termo foi cunhado por Christopher Hood em 1991 em um artigo seminal intitulado "A Public Management for All Seasons?"[3], mas só ganhou notoriedade quatro anos depois, após ser debatido pelo mesmo autor no artigo "“New Public Management” in the 1980’s: Variations on a theme."[4].

No NPM, os cidadãos são vistos como "clientes" e os servidores públicos são vistos como gestores públicos. O NPM tenta realinhar a relação entre gestores de serviços públicos e seus superiores políticos, fazendo uma relação paralela entre os dois. De acordo com Carolina Angion (2012,:8), esta nova forma de se pensar a gestão pública propõe “a diminuição do aparelho do Estado; a desregulamentação; o controle fiscal, a privatização de empresas públicas e a aplicação de técnicas empresariais no âmbito governamental[5]. As reformas do NPM utilizam abordagens como desagregação, iniciativas de satisfação do cliente, esforços de atendimento ao cliente, aplicação de um espírito empreendedor ao serviço público e introdução de inovações.

Referências

  1. fgv.br/ O estado da arte da gestão pública
  2. revistaespacios.com/ Nova Gestão Pública e Nova Governança Pública: Uma análise conceitual comparativa
  3. HOOD, C. A Public Management for All Seasons? Public Administration, v. 69, n. 1, p. 3–19, 1991
  4. HOOD, C. The “New Public Management” in the 1980’s: Variations on a theme. Accounting, Organizations and Society, v. 20, n. 2/3, p. 93–109, 1995
  5. Andion, C. (2012). Por uma nova interpretação das mudanças de paradigma na administração pública. Cadernos EBAPE, 10 (1), 1 – 19.