Newton Freire-Maia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Newton Freire-Maia
Prof. Dr. Newton Freire-Maia no Departamento de Genética da UFPR
Nascimento 29 de junho de 1918
Boa Esperança, Minas Gerais
Morte 10 de maio de 2003 (84 anos)
Curitiba, Paraná
Nacionalidade Brasileiro
Alma mater Universidade de São Paulo
Orientador(es) Antonio Geraldo Lagden Cavalcanti
Campo(s) Genética
Tese Casamentos Consangüíneos no Brasil

Newton Freire-Maia (Boa Esperança, 29 de junho de 1918Curitiba, 10 de maio de 2003) foi um professor e geneticista brasileiro. Lecionou na Universidade de São Paulo e na Universidade Federal do Paraná.

Inspirado pela complexa rede de endogamia formada por seus ascendentes da Família Figueiredo, realizou profundos estudos sobre casamentos consanguíneos, que levaram a importantes descobertas sobre os efeitos de alelos de genes prejudiciais em diferentes populações, do Brasil e do exterior.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Seu primeiro casamento foi com Flávia Leite Naves, de quem enviuvou 24 anos depois. Mais tarde, casou-se com a professora Eleidi Alice Chautard, que o acompanhou até a morte.

Formou-se em odontologia pela Universidade Federal de Alfenas em 1945 e em biologia pela Universidade de São Paulo em 1947. Concluiu em 1960 o doutorado em biofísica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, com a tese Casamentos Consanguíneos no Brasil, sob orientação do professor Antonio Geraldo Lagden Cavalcanti.[1]

Em 1946, começou a lecionar na USP, até que foi convidado pela Universidade Federal do Paraná em 1951 para suprir a deficiência de professores de Genética.[1] Lá, criou o Laboratório de Genética, embrião do futuro Departamento de Genética.

Nesse período, estudou características genéticas de populações da drosófila, tipo de mosca encontrada em frutas maduras. Depois passou a dedicar-se à genética humana, especialmente aos casamentos consanguíneos, tema de sua tese. Foi pioneiro em ministrar aconselhamento genético.

Estudou também, por muitos anos, as displasias ectodérmicas — doenças devidas a malformação de unhas, dentes, cabelo e glândulas de suor, chegando a criar uma classificação que é usada no mundo todo.

Publicou cerca de 470 obras bibliográficas, incluindo artigos, trabalhos e livros. Orientou vários alunos em teses de mestrado e doutorado. Sua dedicação à Ciência lhe valeu inúmeros prêmios, tanto nacionais como internacionais. Em Curitiba, foi homenageado com um parque de ciências que leva seu nome.

Morreu em decorrência de tratamento que fazia para combater câncer no pulmão.

Genealogia[editar | editar código-fonte]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Newton Freire-Maia (1986). Criação e evolução. Deus, o acaso e a necessidade. [S.l.]: Vozes. 357 páginas 
  • Newton Freire-Maia (1988). Teoria da Evolução. De Darwin à Teoria Sintética. [S.l.]: Itatiaia. 415 páginas 
  • Newton Freire-Maia (1995). Gregor Mendel. Vida e Obra. [S.l.]: T. A. Queiroz. 112 páginas 
  • Newton Freire-Maia (1995). O que passou e permanece. Curitiba: Editora da Universidade Federal do Paraná. 326 páginas. ISBN 978-85-326-0570-2 
  • Newton Freire-Maia (2007). A ciência por dentro. Petrópolis: Vozes. 213 páginas. ISBN 978-85-326-0570-2 
  • Newton Freire-Maia (2008). Verdades da Ciência e Outras Verdades. A visão de um cientista. [S.l.]: Unesp. 310 páginas 

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) cientista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.