Newton Ishii

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Newton Ishii
Nome completo Newton Hidenori Ishii
Pseudônimo(s) Japonês da Federal[1] ou Japonês bonzinho"[2]
Nascimento 18 de junho de 1955 (62 anos)
Carlópolis, Paraná
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Policial federal
Principais trabalhos Conduzir os presos pela Operação Lava Jato como agente da Polícia Federal

Newton Hidenori Ishii (Carlópolis,[3] 18 de junho de 1955[4]), popularmente conhecido como Japonês da Federal,[5] é um Agente de Polícia Federal que ganhou notoriedade no Brasil[2] ao participar de conduções de presos na Operação Lava Jato.[6] A fama expandiu-se pelo país, inclusive tendo tornado-se um tema de marchinha de carnaval.

Em junho de 2016, Newton foi afastado da exposição pública ao ser condenado pelo crime de facilitação de contrabando.[7]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Newton começou a trabalhar na Polícia Federal em 1976[8]. Em 2003, foi preso em flagrante por contrabando[9], mas pôde retornar à PF após decisão judicial. Ele aposentou-se logo depois, em outubro de 2003, mas voltou a trabalhar em abril de 2014 após sua aposentadoria ser revogada.[10]

Tornou-se o chefe do Núcleo de Operações da Superintendência da PF do Paraná respondendo pela logística e escolta de presos para locais como o Instituto Médico Legal, o Complexo Médico Penal, onde estão a maioria dos detentos da operação, as Comissões Parlamentares de Inquérito, para onde os investigados são levados a depor, e as audiências com a equipe à frente da Lava-Jato.[11]

Suspeita de vender informações secretas[editar | editar código-fonte]

Em um áudio que acarretou na prisão do senador Delcídio do Amaral, em novembro de 2015, um advogado e o filho de Nestor Cerveró afirmaram que um agente da Polícia Federal vendia informações secretas, referindo-se a este agente como "japonês bonzinho".[12] A Polícia Federal abriu inquérito para investigar os supostos vazamentos e se o agente citado no áudio tratava-se de Newton Ishii.[13]

Popularidade[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 2015, em vídeo gravado divulgado na internet, Newton pede mais agentes para combater a corrupção.[14] Com o sucesso alcançado por participar de quase todas as fases da Operação Lava Jato, Newton passou a ser chamado nas ruas para tirar selfie e passou a ser tratado como celebridade.[11]

O agente Newton ganhou ainda mais fama com verso de uma música de carnaval feita em homenagem a ele, “Ai, meu Deus, me dei mal, bateu a minha porta o japonês da federal” ao ser ouvido por mais de 2,5 milhões de pessoas.[11]

Durante o carnaval de 2016, máscaras de Ishii encabeçaram a lista das mais vendidas em São Paulo, e foi feito um boneco no carnaval olindense em sua homenagem[15][16].

Em fevereiro de 2016, durante uma visita ao Congresso Nacional, ele descartou entrar para a política. Na ocasião, em entrevista ao Congresso em Foco, ele afirmou que usa sempre óculos pretos devido a sensibilidade em seus olhos, causada por uma cirurgia de redução das pálpebras[17].

Sobre a Operação Lava Jato, em entrevista ao Correio Braziliense em fevereiro de 2016, Newton se disse orgulhoso da mudança que a operação está promovendo no país, e acredita que a sensação de impunidade mudou. “Diminuiu a cultura do país de achar que é melhor levar vantagem em tudo.” Para o agente, a parte mais satisfatória é estar servindo de exemplo para crianças e adolescentes.[3]

Condenação por facilitação de contrabando[editar | editar código-fonte]

Em operação da Polícia Federal denominada Operação Sucuri, Ishii foi acusado de facilitar a entrada de contrabando pela fronteira do Brasil com o Paraguai.[18] Em março de 2016 o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Félix Fischer, em decisão monocrática, negou o recurso de Newton no processo em que foi acusado de facilitar a entrada de contrabando no país, pela fronteira com o Paraguai, em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná.[19]

Em 8 de junho de 2016, Ishii foi preso por ter sido condenado pelo crime de facilitação de contrabando. O processo transitou em julgado, não cabendo mais recursos.[20][21] O policial foi condenado a quatro anos, dois meses e vinte e um dias de prisão, além da perda do cargo público.[18]

Em 10 de junho de 2016, a Justiça determinou o cumprimento da pena em regime semiaberto, com uso de tornozeleira eletrônica. Além disso, a 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região decidiu, por unanimidade, retirar da pena a perda do cargo público de Newton Ishii, com isso, o policial continuou a trabalhar na sede da Polícia Federal em Curitiba, mesmo em cumprimento de pena.[18]

Referências

  1. «Conheça Newton Ishii, o famoso "japonês da Federal"». Parana online. Consultado em 4 de março de 2016 
  2. a b «Japonês da PF se transforma em celebridade». Folha de S. Paulo. Agora. 13 de dezembro de 2015. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  3. a b Natália Lambert (28 de fevereiro de 2016). «"Japonês da Federal" pretende se aposentar para cuidar da família». Correio Braziliense. Consultado em 4 de março de 2016 
  4. Carlos Carone (18 de fevereiro de 2016). «O Japonês da Federal não vai mais bater de porta em porta. Quer saber por quê? Ele contou ao Metrópoles». Metropoles. Consultado em 4 de março de 2016 
  5. «'Japonês da Lava Jato' que virou piada na internet já foi preso pela própria PF». iG. 27 de novembro de 2015. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  6. «Japonês da PF, conhecido pela Lava Jato, pede convocação de agentes». G1. 18 de dezembro de 2015. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  7. «Japonês da Federal é preso em Curitiba por facilitar contrabando». G1. 8 de junho de 2016. Consultado em 8 de junho de 2016 
  8. «Vídeo: "Japonês" da Polícia Federal pede convocação de mais agentes». Correio Braziliense. 18 de dezembro de 2015. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  9. Thaís Skodowski (27 de novembro de 2015). «PF abre inquérito para investigar vazamento de delação de Cerveró». O Globo. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  10. Nívea Ribeiro (27 de novembro de 2015). «Agente da Polícia Federal é rosto conhecido na Operação Lava-Jato». Correio Braziliense. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  11. a b c «Conhecido agora como "japonês bonzinho", o policial mais famoso da Operação Lava-Jato vira sucesso musical e alvo de selfies por todo lugar onde passa». O Sul. 22 de dezembro de 2015. Consultado em 4 de março de 2016 
  12. «Quem é o "japonês bonzinho" da Lava Jato?». Carta Capital. 27 de novembro de 2015. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  13. «PF abre inquérito para apurar vazamento da delação de Cerveró». Jornal Nacional. Globo. 27 de novembro de 2015. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  14. «"Japonês da Federal" pede em vídeo mais agentes para combater a corrupção». Paraná Online. 18 de dezembro de 2015. Consultado em 4 de março de 2016 
  15. Vivian Reis (23 de janeiro de 2016). «Máscara do 'Japonês da Lava Jato' é a mais procurada no carnaval de SP». G1. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  16. «Dilma perde lugar para 'Japonês da PF' na festa em Olinda». Uol. 8 de fevereiro de 2016. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  17. Leonel Rocha (17 de fevereiro de 2016). «De férias, "Japonês da PF" visita a Câmara: "Quero esquecer Lava Jato"». Congresso em Foco. Consultado em 22 de fevereiro de 2016 
  18. a b c Site Jornal Nacional, G1 (10 de junho de 2016). «'Japonês da Federal' vai cumprir pena trabalhando com tornozeleira». Consultado em 10 de junho de 2016 
  19. «STJ Nega recurso do "Japonês da Federal"». G1. Globo. 14 de março de 2016. Consultado em 15 de março de 2016 
  20. Adriana Justi e Bibiana Dionísio. «Japonês da Federal é preso em Curitiba por facilitar contrabando». G1. Globo. Consultado em 8 de junho de 2016 
  21. André Guilherme Vieira. «Justiça manda prender Newton Ishii, o "japonês da Federal"». Valor Econômico. Consultado em 8 de junho de 2016