Nicetas Orifa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Nicetas Ooryphas)
Ir para: navegação, pesquisa
Nicetas Orifa
Niketas Oryphas
Conhecido(a) por vitórias contra os piratas sarracenos do Mediterrâneo
Nacionalidade Império Bizantino
Ocupação alto funcionário, patrício, almirante
Título drungário da frota (comandante da marinha imperial) , recebido em 867
Religião Cristianismo

Nicetas Orifa (em grego: Νικήτας ὁ Ὀρύφας ou Ὠορυφᾶς; transl.: Niketas ò Orýphas ou Ooryphas; fl. 860 – 873)[1] foi um distinto alto funcionário, patrício[2] e almirante bizantino que serviu durante os reinados dos imperadores Miguel III, o Ébrio (r. 842–867) e Basílio I, o Macedônio (r. 867–886) e se notabilizou por várias vitórias navais contra os invasores sarracenos cretenses.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Reinado de Miguel III[editar | editar código-fonte]

Frota de piratas sarracenos navegando para Creta na década de 820. Iluminura da Crónica de João Escilitzes (Escilitzes de Madrid)

Nada se sabe da sua juventude. Há registos de várias pessoas com apelido Orifa em fontes da primeira metade do século IX, todos em postos da marinha, mas a relação destes com Nicetas é meramente conjetural.[3] A primeira menção histórica a Nicetas Orifa apresenta-o como eparca de Constantinopla em 860, quando uma frota Rus' apareceu subitamente na entrada do Bósforo e começou a pilhar os subúrbios da cidade. Na qualidade de governador da cidade, reportou o sucedido ao imperador Miguel III, que se encontrava numa campanha militar contras os árabes na Ásia Menor.[1]

Numa data posterior, foi nomeado para um posto na marinha e em 867 era o drungário da frota (comandante da marinha imperial).[1] Nesse posto navegou para Ragusa com uma armada de 100 navios para combater o cerco árabe à cidade, que já durava há 15 meses,[2] e aí restaurou a suserania bizantina sobre as costas da Dalmácia.[4] É possível que Orifa já tivesse experiência naval, pois pode ter sido um dos comandantes do saque bizantino de 853 a Damieta.[5]

Reinado de Basílio I, o Macedónio[editar | editar código-fonte]

Piratas sarracenos do Emirado de Creta são punidos por Nicetas Orifa. Iluminura da Crónica de João Escilitzes (Escilitzes de Madrid)

Embora tivesse alcançado altos cargos durante o reinado de Miguel III e tivesse protestado contra a usurpação do trono por Basílio I em 867, foi rapidamente reintegrado e mantido nos cargos pelo novo imperador,[1] e continuou a sua carreira, tornando-se provavelmente o almirante bizantino de maior sucesso do seu tempo.[6]

Em 869, Orifa comandou a frota bizantina que foi em auxílio de Luís II da Germânia, que tinha montado um cerco a Bari, então um emirado árabe, no sul de Itália. Ali chegado, encontrou o exército franco disperso nos seus quartéis de inverno e provocou um incidente diplomático por se referir a Luís, que reclamava para si o título de "Imperador dos Romanos", meramente como "rei". Como resultado desse episódio, a maior parte da frota bizantina retirou-se sem participar no cerco da cidade.[7]

Em ca. 873, Nicetas derrotou os piratas sarracenos do Emirado de Creta liderados por Fócio no Golfo de Saros,[8] e logo depois seguiu este sucesso com outro: enquanto estes pilhavam as costas ocidentais gregas, ordenou aos seus homens que carregassem seus navios por terra, atravessando o istmo de Corinto e surpreendendo a frota sarracena no Golfo de Corinto.[9] Não há notícias subsequentes de Orifa, mas pode ter comandado a frota imperial por alguns anos antes de ser substituído pelo drungário Nasar, em ações que podem ter incluído a reconquista de Bari e, a tomada efémera do Chipre.[10]

Notas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d Winkelmann 1998, p. 441
  2. a b Constantino Porfirogénito 1840, p. 130
  3. Winkelmann 1998, p. 442, 487-488
  4. Runciman 1988, p. 215
  5. Winkelmann 1998, p. 488
  6. Jenkins 1987, p. 192
  7. Jenkins 1987, p. 187
  8. Pryor 2006, p. 61
  9. Treadgold 1997, p. 457
  10. Treadgold 1997, p. 458

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Jenkins, Romilly (1987). Byzantium: The Imperial Centuries, AD 610–1071 (Toronto, Ontário, Canada: University of Toronto Press). ISBN 0-8020-6667-4. 
  • Pryor, John H.; Jeffreys, Elizabeth M. (2006). The Age of the ΔΡΟΜΩΝ: The Byzantine Navy ca. 500–1204 (Leida, Holanda e Boston, Massachusetts: Brill Academic Publishers). ISBN 978-90-04-15197-0. 
  • Runciman, Steven (1988). The Emperor Romanus Lecapenus and His Reign: A Study of Tenth-Century Byzantium (em inglês) (Cambridge: Cambridge University Press). ISBN 0-521-35722-5. 
  • Treadgold, Warren T. (1997). A History of the Byzantine State and Society California University Press [S.l.] ISBN 0-8047-2630-2. 
  • Winkelmann, Friedhelm; Ralph-Johannes Lilie; Claudia Ludwig, Rochow Pratsch; Zielke Ilse (1998). Prosopographie der mittelbyzantinischen Zeit: I. Abteilung (641–867), 3. Band: Leon (#4271) – Placentius (#6265) (Berlim e Nova Iorque: Brill). ISBN 978-3-11-016673-6.