Nicholas Miklouho-Maclay

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Nicholas Miklouho-Maclay (em russo: Николай Николаевич Миклухо-Маклай;[1] 1846 - 1888) foi um explorador, etnólogo, antropólogo e biólogo russo, que se tornou famoso como o primeiro cientista a estar entre e estudar pessoas que nunca tinham visto um Europeu.[2] Os Cingaleses o presentearam com um segundo sobrenome, "Maclay", que significa "doador de comida," bem como o título honorífico de "Slamat", que significa "bom".

Miklouho-Maclay passou a maior parte de sua vida viajando e conduzindo suas investigações científicas no Oriente Médio, Austrália, Nova Guiné, Melanésia e Polinésia. A Austrália tornou-se o seu país de adoção e Sydney, a cidade natal de sua família.[3][4]

Ele se tornou uma figura proeminente da ciência australiana do século XIX e envolveu-se em questões mais significativas da história da Austrália e da Nova Guiné.[4] Ao escrever cartas às revistas científicas australianas, Miklouho-Maclay expressou sua oposição ao trabalho e o comércio de escravos ("blackbirding") na Austrália, Nova Caledônia e no Pacífico, bem como a sua oposição à expansão colonial britânica e alemã na Nova Guiné.[5] Enquanto na Austrália, ele construiu a primeira estação de pesquisa biológica no Hemisfério Sul, foi eleito para a Linnean Society de Nova Gales do Sul, foi fundamental no estabelecimento da Associação de Biologia Australásia, entrou para o Clube Australiano, tornou-se íntimo do cientista amador e figura política Sir William Macleay, e se casou com a filha do Premier de Nova Gales do Sul.[5] Seus três netos têm contribuído para a vida pública da Austrália.[4]

Um dos primeiros seguidores de Charles Darwin, Miklouho-Maclay também é lembrado até hoje como um humanista erudito que, sobre a base de sua pesquisa anatômica comparativa, foi um dos primeiros antropólogos a refutar a visão predominante de que as diferentes 'raças' da humanidade pertenciam a diferentes espécies.

A ascendência e primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Miklouho-Maclay nasceu em um campo temporário de trabalhadores no  condado de Borovichi (uyezd), Província de Novgorod (atualmente Okulovsky Distrito de Novgorod Oblast) na Rússia, filho de um engenheiro civil, trabalhando na construção da  Ferroviária Moscou-St. Petersburgo. Seu pai ucraniano, Nikolai Illich Myklukha,[6] nasceu em 1818,[6] em Starodub,[6] Chernigov Província, e descendeu do Stepan Myklukha, um Cossaco Zaporozhian, a quem foi atribuído o título de nobre do Império por Catarina II, por seus feitos militares durante a Guerra Russo-turca (1787-1792),[7] que incluiu a captura da fortaleza Ochakov.[8] Na verdade, a sua linhagem Cossaco foi extensa e incluiu também a Otamana de Zaporizhian Host Okhrim Maklukha,[6] que mais tarde tornou-se o protótipo de Nikolai Gogol, personagem principal em Taras Bulba.[9] Seus avós paternos eram amigos de Gogol.[6] Sobre as suas origens, Miklouho-Maclay escreveu:[8]

Meus antepassados vieram originalmente da Ucrânia, e foram Zaporogg-cossacos do Dnieper. Após a anexação da Ucrânia, Stepan, um membro da família, serviu como sotnik (oficial superior Cossaco) sob o General Count Rumianzoff, e tendo distinguido-se na tomada da fortaleza turca de Otshakoff, foi por ukase de Catarina II, tornado um nobre...

O pai de Nicholas, Mykola Myklukha, graduou-se no Liceu Nizhyn (Nizhyn), indo posteriormente andando todo o caminho para São Petersburgo, onde matriculou-se no Instituto de Engenharia do Corpo de fuzileiros.[6] formou-se no instituto, em 1840, e tornou-se um engenheiro designado para trabalhar na construção da Ferroviária Moscow–São Petersburgo.[6] Depois de se tornar o primeiro chefe de Moskovsky de passageiros da estação ferroviária de Saint Petersburg, Maklukha mudou com sua família para lá.[6] Ele morreu em dezembro de 1857, por tuberculose, sendo socorrido por sua esposa e cinco filhos.[6] Antes de sua morte, Maklukha foi demitido de seu emprego por conta do envio de 150 rublos para Taras Shevchenko.[6]

A mãe de Nicholas, Ekaterina Semenovna, nascida Bekker, era descendente de alemães e poloneses (seus três irmãos tomaram parte na Insurreição de janeiro de 1863). Depois de 1873, a família de Miklouho-Maclay comprou e morou em uma propriedade rural no Malyn, 100 quilômetros (62 mi) a noroeste de Kiev na região de Polesia.[6]

Um dos irmãos de Nicholas, Sergei,[6] tornou-se um juiz, Malyn, onde ele morreu. Outro irmão, Mikhail,[6] tornou-se um geólogo. Um terceiro irmão, Vladimir,[6] foi um capitão do navio da defesa da costa russa Almirante Ushakov e participou na Batalha de Tsushima , onde ele morreu. Tanto Mikhail quanto Vladimir eram membros da organização revolucionária russa Narodnaya Volya.

Nicolau foi batizado em 21 de julho de 1846, pelo sacerdote Ioann Smirnov na Igreja Shegrinskaya de Nikolaos, o Taumaturgo. Seu padrinho foi Nicholas Ridigier, um Borovichi proprietário de terras, que era um veterano da Guerra Patriótica de 1812 e um participante na Batalha de Borodino.

Educação e estudos[editar | editar código-fonte]

Ernst Haeckel com seu assistente, Nicholas Miklouho-Maclay, nas Ilhas Canárias, 1866

Em 1858, Nicholas matricula-se na terceira série da escola alemã Luterana do Saint Anna Kirche em São Petersburgo. Durante seus estudos no Ginásio Segundo São Petersburg (1859-1863), juntamente com seu irmão Pedro, ele foi preso e mantido por vários dias na Fortaleza de Pedro e Paulo por participar de protestos estudantis. Os jovens estudantes foram salvos pelo escritor russo Aleksey Konstantinovich de Tolstói, que era amigo do pai de Nicholas. Em 1863, sem terminar o ginásio, Nicholas inscreveu-se como um ouvinte na Universidade de São Petersburgo , mas só passou dois meses lá antes de ser expulso, em fevereiro de 1864 e ser privado do ensino superior na Rússia Imperial por "quebrar as regras".[2][6] Em março do mesmo ano, com um passaporte forjado, ele mudou-se para o estrangeiro para completar os seus estudos em universidades alemãs, que proporcionou uma oportunidade para estudar e trabalhar com os principais cientistas europeus. Estudou humanidades em Heidelberg, medicina em Leipzig, e zoologia na Universidade de Jena, onde ele veio a estar sob a influência do grande estudioso alemão Ernst Haeckel, que teve uma profunda influência sobre o seu futuro.[5]

Os registros do brilhante aluno Miklouho-Maclay atraiu a atenção de Haeckel, que fez seu assistente ir como parte de uma expedição de campo para as Ilhas Canárias, em 1866. Lá, Miklouho-Maclay teve interesse em tubarões e esponjas e descobriu uma nova espécie de esponja, que deu o nome de guancha e blanca, em homenagem ao Guanches, habitantes Berberes originários das Ilhas Canárias.[3] Ele também se tornou um amigo próximo do biólogo Anton Dohrn, com quem ele ajudou a conceber a idéia de estações de pesquisa enquanto permaneceu com ele em Messina, Itália.[2]

Austrália[editar | editar código-fonte]

A Estação Marinha de Biologia (centro da foto) no watson's Bay por volta de 1881.
Miklouho-Maclay, ca. 1880, em Queensland, Austrália. Foto com pose de típica representação da época para enfatizar uma personalidade "exploradora" _ note as folhas de Eucalipto, e as  "ferramentas" de explorador.

Miklouho-Maclay deixou São Petersburg em direção à Austrália sobre o steam corvette Russky. Ele chegou em Sydney , em 18 de julho de 1878. Poucos dias depois de chegar, ele se aproximou da Linnean Society e ofereceu-se para organizar um centro zoológico. Em setembro de 1878, a sua oferta foi aprovada. O centro, conhecido como Estação Marinha Biológica, foi construído pelo destacado arquiteto de Sydney, John Kirkpatrick. Este estabelecimento, localizado na Watsons Bay, no lado leste da Maior Sydney, foi o primeiro instituto de investigação de biologia marinha da Austrália.[10] Casou-se com Margaret-Emma, viúva, filha do Premier de Nova Gales do Sul, John Robertson.[11]

Trabalho Antropológico na Nova Guiné e Pacífico[editar | editar código-fonte]

Ele visitou o norte-oriental da Nova Guiné, Filipinas e Indonésia em algumas ocasiões, e viveu entre as tribos nativas, escreveu um amplo tratado sobre o seu modo de vida e costumes.[11]

Visão Humanista[editar | editar código-fonte]

Os círculos científico e antropológico durante a década de 1850 e de 1860 tinham muitas discussões relacionadas com o estudo das raças humanas e a interpretação das peculiaridades raciais. Houve alguns antropólogos, como Samuel Morton, que tentaram provar que nem todas as raças humanas eram de igual valor, e que os "brancos" foram predestinados por "seleção natural" para governar as raças "coloridas". Esta atitude foi usada para justificar a escravidão e o colonialismo.[12]

Alguns cientistas, como Ernst Haeckel, o professor do jovem Miklouho-Maclay, relegou os que ele considerava como culturalmente "atrasados", pessoas como os de Papua, os Bosquímanos e os outros para o papel de "ligações intermediárias" entre os Europeus e os seus antepassados animais. Enquanto adepto da teoria da evolução de Darwin, Miklouho-Maclay divergiu desses conceitos racistas, e foi essa questão que o levou a reunir fatos científicos e estudar os escuros habitantes da Nova Guiné. Sobre a base de suas pesquisas comparativo-anatômicas, Miklouho-Maclay foi um dos primeiros antropólogos a refutar o polygenismo e racismo científico, a visão de que as diferentes raças da humanidade pertenciam a diferentes espécies e que algumas raças humanas eram inferiores.[4][12]

Oposição à escravidão[editar | editar código-fonte]

A visão humanista de Miklouho-Maclay o levou a uma campanha ativa contra o comércio de escravos e contra blackbirding – realizado entre as ilhas da Melanésia e plantações em Queensland, Fiji, Samoa e Nova Caledônia.[2] Em novembro de 1878, o governo holandês informou que por suas recomendações foi verificar o tráfico de escravos em Ternate e Tidore. A partir de 1879 em diante ele escreveu uma série de cartas para revistas científicas Australianas, e correspondeu-se com Sir Arthur Gordon, Alto Comissário para o Pacífico Ocidental, para proteger os direitos à terra dos seus amigos na Costa Maclay, norte-oriental da Nova Guiné, e no final, o tráfico de armas e entorpecentes , no Pacífico Sul.[13]

Saúde precária e morte na Rússia[editar | editar código-fonte]

Em 1887 deixou a Austrália e voltou para São Petersburgo para apresentar o seu trabalho para a Imperial Sociedade Geográfica Russa, tendo a sua jovem família com ele. Miklouho-Maclay estava com péssima saúde e foi uma viagem da qual ele não voltou.[14] Apesar de ter sido tratado por Sergei Botkin, Miklouho-Maclay morreu de tumores cerebrais não identificados, aos 42 anos, em São Petersburgo. Foi enterrado no Cemitério de Volkovo, e deixou o seu crânio para a Academia Médica e Militar de São Petersburgo.

Pós-morte[editar | editar código-fonte]

A viúva de Miklouho-Maclay voltou para Sydney com seus filhos. Até 1917, a família do cientista recebeu uma pensão imperial russa. O dinheiro foi alocado pela primeira vez por Alexandre III e, em seguida, por Nicolau II. Um de seus filhos, Alexandre, casou com uma filha de R. E. O'Connor.

Comemoração[editar | editar código-fonte]

Internacionalmente, e na Ciência[editar | editar código-fonte]

Nicholas Miklouho-Maclay é comemorado no nome científico de uma espécie de árvores da Nova Guiné, Pouteria maclayana,[15] na espécie de banana, Musa maclayi,[16] e na espécie de caracol terrestre, Canefriula maclayiana,[17] que foram algumas das espécies que ele descobriu. O gorgulho Rhinoscapha maclayi foi coletado por Miklouho-Maclay e, em seguida, foi nomeado após ele pelo seu amigo William Macleay.[18]

Outras espécies nomeadas após Nicholas Miklouho-Maclay incluem: Colastomion maclayi (uma vespa da Nova Guiné),[19] e Dysmicoccus maclayi (um inseto da Nova Guiné)[20]

O asteróide 3196 Maklaj, descoberto em 1978, foi nomeado em sua honra.[21]

Maklaj é a base do personagem principal do romance histórico em Esperanto  "Sed Nur Empuñadura" por Trevor Steele.

Austrália[editar | editar código-fonte]

Busto de Miklouho-Maclay, Macleay Museu na Universidade de Sydney

A Estação Marinha Biológica na baía Watson, construída e utilizada por Miklouho-Maclay, foi confiscada pelo Ministério da Defesa, em 1899 como um quartel para os oficiais. Nos anos 1980, a Sociedade Miklouho-Maclay, sem sucesso, fez lobby para que o centro fosse transformado em um marco histórico em memória do trabalho científico de Miklouho-Maclay. Hoje, apesar de possuída pela Federação Sydney Harbour Trust, o prédio é usado como uma residência privada, e é aberto ao público apenas em ocasiões especiais.[22]

A  Sociedade Miklouho-Maclay teve êxito em nomear um parque em sua honra na Baía Snails (Birchgrove), não muito longe da casa onde morou, em Sydney por algum tempo.[23][24][25][26][27][28]

Um busto de Miklouho-Maclay foi colocado na frente do Museu Macleay,  na Universidade de Sydney para comemorar os 150 anos de sua morte.[4] O Comunhão Macleay Miklouho-Maclay está disponível na Universidade de Sydney[29] todo ano.

Indonésia[editar | editar código-fonte]

Um monumento para Miklouho-Maclay foi produzido em Jacarta, Indonésia, em 3 de Março de 2011.

Papua-Nova Guiné[editar | editar código-fonte]

Monumento ao Miklouho-Maclay em Nova Guiné
Monumento perto de Bongu Aldeia celebrando o legado de Nikolai Miklouho-Maclay, explorador russo. Foto tirada em 5 de dezembro de 2014.

A Costa Maclay (ru:Берег Маклая), que Miklouho-Maclay nomeou, ainda é usada como o nome para a costa nordeste de Papua Nova Guiné.[30] A Costa Maclay é definida por Miklouho-Maclay como uma extensão de 150 quilômetros entre Cabo Croisilles e Cabo Rei William, e de 30 a 50 milhas para o interior e para as montanhas de Mana-Boro-Boro (Finisterre Montanhas).[13][31]

Em Madang(Papua-Nova Guiné – não muito longe de onde o explorador ficou na década de 1870 , uma rua foi nomeado com ele.[32]

Em 2000, um monumento foi erguido em Nova Guiné por Oleg Aliev. Em 2013, um monumento para celebrar o legado de Miklouho-Maclay foi erguido na aldeia Bongu, na Província Madang, financiado pelo "Valeria, Irma, e Valentina Sourin, Chefe, Sir Peter de Permuta e os voluntários da Madang Resort e Amigos da Haus Tumbuna".

Rússia[editar | editar código-fonte]

Na Rússia há um Instituto de Etnologia e Antropologia e uma rua no sudoeste de Moscou (onde a Universidade Amizade Dos Povos da Rússia está situada)[33] nomeado em sua honra. O distrito museu Okulovka, Novgorod Oblast, é nomeado com ele.[34]

O navio de passageiros Khabarov foi nomeado com ele. Com base em Khabarovsk, foi utilizado para o Rio Amur, entre as décadas de 1960 e 1990.

Ucrânia[editar | editar código-fonte]

Monumento ao Miklouho-Maclay em Malyn, Ucrânia.

Um monumento para Miklouho-Maclay foi erguido no Malyn,Ucrânia, onde sua família possuía uma propriedade rural. Há também um busto dele em Sebastopol, Península da Criméia.

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. Variações inglesas do seu nome incluem: Nicolai Nicolaevich de Miklouho-Maclay 1,2, Barão de Miklouho-Maklai o qual ele usou na escrita de cartas, e outros.
  2. a b c d Webster, E. M. (1984).
  3. a b Wongar, B., Commentary and Translator's Note in Miklouho-Maclay, N. N. The New Guinea Diaries 1871-1183, translated by B. Wonger, Dingo Books, Victoria, Australia ISBN 978-0-9775078-1-8
  4. a b c d e Shnukal, A. (1998), 'N. N. Miklouho-Maclay in Torres Strait', Australian Aboriginal Studies, Vol. 1998, 1998
  5. a b c Peter Lawrence, review of the "Moon Man" by Webster, E. in the Journal of Polynesian Studies, Volume 95, No. 4, 1986 p 537-542
  6. a b c d e f g h i j k l m n o Danylo Kulyniak (8 de junho de 1992). Миклухо-Маклай — людина з місяця [Myklukho-Maklay - a person from the moon] (em ucraniano). Ukrainian Ministry of Defence. Consultado em 26 de novembro de 2015 
  7. Thomassen, E. S. (1882), A Biographical Sketch of Nicholas de Miklouho Maclay the Explorer, Brisbane.
  8. a b «The Argus (Melbourne, Vic.): 27 Mar 1882 - Letter to the editor by Mr. E. S. Thomassen». nla.gov.au. Consultado em 26 de novembro de 2015 
  9. Dubno Castle.
  10. Marine Biological Station (former)
  11. a b R. W. de M. Maclay (1974). «'Mikluho-Maklai, Nicholai Nicholaievich (1846–1888)». Australian Dictionary of Biography. 5. Consultado em 6 de fevereiro de 2015 
  12. a b Turmarkin, D. "Miklouho-Maclay" in Rain, the journal of the Royal Anthropological Institute of Great Britain and Ireland, No. 51 (Aug., 1982), pp. 4-7
  13. a b «Baron Maclay and the New Guinea Natives.». The Brisbane Courier. National Library of Australia. 27 de novembro de 1883. p. 5. Consultado em 25 de janeiro de 2012 
  14. Allam, Lorena (15 de setembro de 2013). «Remembering Nikolai». ABC Radio National. "Hindsight". Consultado em 6 de fevereiro de 2015 
  15. Miklucho-Maclay, Nikolaj Nikolajewitsch National Herbarium, Netherlands
  16. Ploetz, R. et al "Banana and plantain—an overview with emphasis on Pacific island cultivars", Species Profiles for Pacific Island Agroforestry (www.traditionaltree.org) February 2007 ver.1, p.3
  17. J. Brazier, 'New species of land and freshwater mollusca from Maclay-Coast and Triton Bay, New Guinea, collected by Baron Maclay', in The Proceedings of the Linnean Society of New South Wales Vol.
  18. MacLeay, W. (1884). Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Rhinoscapha_maclayi" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Rhinoscapha_maclayi" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  19. Quicke, Donald L. J., M. Alex Smith, Scott E. Miller, Jan Hrcek & Buntika A. Butcher (2012). Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Colastomion_maclayi" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Colastomion_maclayi" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  20. Gavrilov-Zimin, I. (2013). Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Dysmicoccus_maclayi" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Dysmicoccus_maclayi" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  21. Dictionary of Minor Planet Names, Lutz Schmadel (ed.) available online at www.springerreference.com
  22. «Marine Biological Station». Sydney Harbour Federation Trust. Consultado em 29 de julho de 2013 
  23. "Miklouho-Maclay Park".
  24. «Multicultural Place Names in New South Wales» (PDF). Geographical Names Board of New South Wales. Março de 2013. Consultado em 29 de julho de 2013 
  25. «Memorial Plaques in Leichhardt Municipality». Heritage Group of Leichhardt District Heritage Group of Leichhardt District. Consultado em 29 de julho de 2013 
  26. «Birchgrove Park» (PDF). Leichhardt Municipal Council. 2010. Arquivado do original (PDF) em 26 de fevereiro de 2011 
  27. «Location of Miklouho-Maclay Park in Birchgrove, New South Wales». wikimapia.org. Consultado em 26 de novembro de 2015 
  28. «Miklouho-Maclay Park | Birchgrove - Postcard Sydney». Postcard Sydney (em inglês). Consultado em 5 de dezembro de 2015 
  29. "Macleay Miklouho-Maclay Fellowship".
  30. Maclay Coast, Papua New Guinea on Google Maps.
  31. Maclay, N. de Miklouho, 1885.
  32. Ogloblin (1998), p. 487.
  33. Miklouho-Maclay street, Moscow on Google Maps
  34. Районный краеведческий музей им. Н. Н. Миклухо-Маклая (in Russian). Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Okulovka" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Okulovka" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Greenop, F. S. (1944) , Que Viaja Sozinho, K. G. Murray Editora, Sydney
  • Ogloblin, A. K. (1998) 'Comemora, N. N. Miklukho-Maclay (Recente russo publicações)', in Perspectivas sobre o Pássaro da Cabeça de Irian Jaya, na Indonésia: Anais da Conferência, páginas.487-502. 1998. ISBN 90-420-0644-7. Vista parcial sobre a pesquisa de Livros do Google.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]