Nicolás Leoz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde abril de 2013) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Nicolas Leoz.jpg

Nicolás Leoz Almirón (Pirizal, 10 de Setembro de 1928) é um dirigente esportivo paraguaio. É ex-presidente da Confederação Sul-americana de Futebol (CONMEBOL), onde estava desde 1986. Ele é paraguaio e recebeu a cidadania colombiana em 2008.

Foi homenageado, em 2000, pelo Reitor Paulo Alonso, da UniverCidade/RJ, que, em cerimônia concorrida, com a presença de presidentes de entidades futebolísticas de toda a América do Sul e ainda com o do Presidente de Honra da Fifa, João Havelange, recebeu o título de Doutor Honoris Causa. Antes de chegar a presidência da CONMEBOL, foi presidente da Confederação Paraguaia de Basquetebol (1957-1959), presidente do Libertad (1969-1970 e 1974-1977) e presidente da Associação Paraguaia de Futebol (1971-1973 e 1979-1985) e Vice-presidente da CONMEBOL (1972-1974 e 1980-1986). Após 26 anos a frente da Conmebol, Leoz anunciou a sua renúncia de presidente da entidade e do cargo executivo da FIFA. Onde saiu oficialmente no dia 30 de Abril de 2013[1].[2]

Em novembro de 2010 ele foi alegado pela BBC de ter recebido suborno na década de 1990 sobre a concessão dos direitos televisivos da Copa do Mundo.[3]

Juventude e início de carreira[editar | editar código-fonte]

Leoz nasceu em Pirizal, Chaco Paraguaio, Paraguai. Sua infância foi passada em Pirizal, no complexo industrial de Carlos Casado, perto do rio Paraguai.

A partir de 1940-1950, Leoz era um jornalista esportivo nos meios de comunicação de rádio e da imprensa, com professores, e colegas como Halley Gerardo Mora Pedro García, Nestor Romero Valdovinos, Milciades Aguayo, Sindulfo Martínez. Em 1957, ele estudou Direito na Faculdade de Direito e Ciências Sociais da UNA (Universidade Nacional de Assunção) e como um estudante tomou posse no Judiciário como um escrivão nos interrogatórios; ele se formou em 24 de dezembro de 1957, aos 29 anos de idade.

De 1950 a 1962, ele era um professor de história no Colégio Nacional da Capital, Nacional de Niñas e Comércio. Ele também foi diretor da empresa de alumínio e pecuária agrícola.

De 1957 a 1977, foi Presidente do Tribunal de Justicia de la Confederación Paraguaya de Básquetbol.

  • Doutor "Honoris Causa" pela Universidade do Rio de Janeiro, Brasil .
  • Membro de Honra da Universidade Nacional de San Agustín de Arequipa, Peru .

Alegações de corrupção[editar | editar código-fonte]

Veja também: Caso de corrupção na FIFA em 2015

Em novembro de 2010, Andrew Jennings, o apresentador de Dirty Secrets da FIFA, uma edição de BBC, emblemática corrente de assuntos do programa Panorama, alegou que Leoz tinha tomado subornos na década de 1990 em relação à abjudicação de contratos para a venda de direitos de televisão para o futebol da Copa do Mundo. Panorama alegou ter obtido um documento confidencial de uma empresa chamada ISL que mostrou que Leoz foi pago US $ 730.000 pela empresa. A ISL ganhou o contrato para distribuir os direitos de televisão. Leoz não respondeu às alegações.[3]

Em maio de 2011, David Triesman, ex-presidente da Federação inglesa de Futebol, citou Leoz, dando provas de um inquérito parlamentar sobre a governança de futebol em Londres. Nicolas Leoz foi acusado de pedir um título de cavaleiro honorário em recompensa para apoiar a Copa do Mundo de 2018 para a Inglaterra.[4] Mais tarde foi revelado em trocas de e-mail, que envolvem seu assessor, que Leoz consideraria visitar a Inglaterra se a FA Cup, a mais antiga associação de futebol, fosse renomeada para Nicolás Leoz Cup. Lord Triesman revelou que, lamentavelmente, houve discussões internas no comitê pela criação de uma FA Cup para deficientes, que levaria o nome de Leoz. O argumento de disfarce seria a “nobre postura” dele na parceria com a organização Special Olympics.[5][6][7][8] It was later revealed in email exchanges involving his aide that Leoz would consider visiting England if the FA Cup, the oldest association football competition in the world, were to be named after him.[9]

Em 23 de Abril, 2013, Leoz anunciou sua renúncia da presidência da CONMEBOL, saindo oficialmente em 30 de Abril de 2013.

Em 3 de junho de 2015, Leoz foi citado em uma noticia da INTERPOL.[10]

Referências

  1. Terra (23/042013). «Nicolas Leoz deixa cargos na Fifa e no COL e sai da Conmebol dia 30». 14h38. Consultado em 23/04/2013. 
  2. «Ex-presidente da Conmebol irá para prisão domiciliar no Paraguai». Valor Econômico. Consultado em 2016-02-04. 
  3. a b «Panorama: Three Fifa World Cup officials took bribes - BBC News» (em inglês). BBC News. Consultado em 2016-02-04. 
  4. «Triesman Blows the Lid on Flawed World Cup Bid Process». www.worldfootballinsider.com. Consultado em 2016-02-04. 
  5. «Fifa member 'wanted FA Cup to be named after him'» (em inglês). The Independent. Consultado em 2016-02-04. 
  6. «Leoz wanted FA Cup named after him». ESPNFC.com. Consultado em 2016-02-04. 
  7. «Nicolas Leoz walks as Fifa’s old guard disbands». gulfnews.com. Consultado em 2016-02-04. 
  8. «Nicolás Leoz Cup | iG Colunistas - God Save the ball». futebolingles.ig.com.br. Consultado em 2016-02-04. 
  9. «Review of Allegations of Misconduct in Relation to the FA's 2015 World Cup Bid : Summary of the Report to the FA» (PDF). Fifa.com. Consultado em 2015-04-24. 
  10. «N2015-071 / 2015 / News / News and media / Internet / Home - INTERPOL». www.interpol.int. Consultado em 2016-02-04. 
Precedido por
Teófilo Salinas Fuller
Presidente da CONMEBOL
19862013
Sucedido por
Eugenio Figueredo
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.