Nicolaes Maes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Nicolaes Maes
Autoretrato (ca. 1685)
Nascimento 1634
Dordrecht
Morte 24 de novembro de 1693 (59 anos)
Amesterdão
Sepultamento Oude Kerk
Nacionalidade Neerlandês
Cidadania República das Sete Províncias Unidas dos Países Baixos
Ocupação pintor,
Obras destacadas Portrait of Jacob Trip, Portrait of Cornelis ten Hove, Portrait of Catharina Dierquens
Movimento estético Pintura de gênero e retrato


Nicolaes Maes, também conhecido por Nicolaes Maas (janeiro de 1634 – 24 dezembro de 1693), foi um pintor neerlandês do período do Século de Ouro dos Países Baixos tendo-se dedicado principalmente à designada pintura de gênero e ao retrato.[1]

Maes nasceu em Dordrecht, sendo filho de Gerrit Maes, um comerciante abastado, e de Ida Herman Claesdr, e faleceu na véspera do dia de Natal de 1693 em Amsterdão.

Vida e obra[editar | editar código-fonte]

Cerca de 1648 Maes foi para Amsterdão onde entrou para a oficina de Rembrandt. Antes do seu regresso a Dordrecht, em 1653, Maes pintou alguns quadros de gênero ao estilo de Rembrandt, com figuras em tamanho natural e em tons escuros e brilhantes como Reverie, no Rijksmuseum de Amsterdam, o Jogadores de cartas, na National Gallery de Londres, e Crianças com Carrinho de Cabra. O seu estilo inicial assemelhasse tanto ao de Rembrandt que este último quadro, bem como outros nas galerias de Leipzig e Budapeste, foram ou ainda são atribuídos a Rembrandt.

No seu melhor período, de 1655 a 1665, Maes dedicou-se ao gênero doméstico em pequenas dimensões, mantendo em grande medida a magia da cor que tinha aprendido com Rembrandt. Apenas em raras ocasiões ele tratou assuntos bíblicos, como em Partida de Hagar, que tem sido atribuída a Rembrandt. Os seus assuntos favoritos eram mulheres a fiar, ou a ler a Bíblia, ou preparando uma refeição. Tinha um fascínio especial pelo tema das rendeiras tendo feito quase uma dúzia de versões sobre o tema.

Continuou a residir em Dordrecht até 1673, mas depois estabeleceu-se em Amsterdão e visitou, ou viveu mesmo, em Antuérpia entre 1665 e 1667. O seu período de Antuérpia coincide com uma mudança completa no estilo e nos temas. Ele dedicou-se quase exclusivamente ao retrato, e abandonou a intimidade e as brilhantes harmonias de cores do seu trabalho anterior para uma elegância descuidada que sugere a influência de Van Dyck. Tão grande foi a mudança que deu origem à teoria da existência de um outro Maes, de Bruxelas. Teve como alunos Justus de Gelder, Margaretha van Godewijk, Jacob Moelaert e Johannes Vollevens.[2]

Obras selecionadas[editar | editar código-fonte]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Nicolaes Maes». Encyclopædia Britannica. 1º de fevereiro de 2019. Consultado em 2 de setembro de 2019 
  2. Nicolaes Maes no RKD, Instittuto Holandês para a História da Arte, em inglês, [1][ligação inativa]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Nicolaes Maes
  • Obras e literatura sobre Nicolaes Maes na PubHist, [2]
  • Vermeer e a Escola de Delft, no Metropolitan Museum of Art, que contém informação sobre Nicolaes Maes [3]