Nicolau Breyner

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2012).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Nicolau Breyner
Nome completo João Nicolau de Melo Breyner Lopes
Nascimento 30 de julho de 1940
Serpa
Nacionalidade Portugal português
Morte 14 de março de 2016 (75 anos)
Lisboa
Ocupação Ator, realizador, produtor, apresentador
Atividade 1960–2016
Outros prémios
Globo de Ouro (Portugal) de Melhor Actor
2004 - Os Imortais
2005 - Kiss Me
IMDb: (inglês)

João Nicolau de Melo Breyner Lopes GOIHGOM (Serpa, 30 de julho de 1940Lisboa, 14 de março de 2016)[1] foi um ator e realizador português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Depois da infância em Serpa, onde nasceu no seio de uma família de proprietários agrícolas, Nicolau Breyner mudou-se para Lisboa com os pais e o avô materno. Estudou canto e integrou o coro da Juventude Musical Portuguesa, ao mesmo tempo que prosseguia os estudos, primeiro no Colégio Visconde de Castelões e depois no Liceu Camões[2]. De seguida, ingressou na Faculdade de Direito, com a ambição de se tornar diplomata. Depressa desistiu de Direito, optando por se diplomar no Conservatório Nacional, primeiro no curso de Canto e depois no de Teatro.

A sua estreia como ator dá-se quando ainda frequentava o Conservatório. Sob a direção de Ribeirinho, entra na peça Leonor Telles, de Marcelino Mesquita, produzida pelo Teatro Nacional Popular, uma companhia do Estado dirigida pelo próprio Ribeirinho, instalada no Teatro da Trindade. Passa depois pelo Teatro Moderno de Lisboa, onde trabalha junto de Ruy de Carvalho, Armando Cortez e Carmen Dolores.

Sai do Teatro Moderno de Lisboa e, pela mão de Vasco Morgado, estreia-se no teatro de revista, fazendo digressões em África. A seguir, José Miguel leva-o para a companhia do Teatro ABC, onde permanece quando o teatro é comprado pelo empresário Sérgio de Azevedo[3]. Através da interpretação de papéis cómicos torna-se conhecido do grande público, revelando-se um dos mais bem sucedidos atores da sua geração. Em 2005, 25 anos depois de ausência do teatro, regressou aos palcos para interpretar o monólogo Esta Noite Choveu Prata, de Pedro Bloch, produzido por Sérgio de Azevedo.

Após o 25 de abril de 1974 concebeu o seu primeiro programa televisivo, Nicolau no País das Maravilhas. Este programa tinha uma rábula chamada Senhor feliz e senhor contente, onde Nicolau Breyner lançaria um jovem alemão aspirante a humorista, Herman José. Em princípios da década de 1980 surge como ator e, simultaneamente, diretor de atores e co-autor do guião da primeira novela portuguesa, Vila Faia (1982). Segue-se a fundação da NBP Produções, hoje Plural Entertainment, a sua própria produtora de televisão, onde será administrador, produtor e realizador; atividades que fazem dele um verdadeiro precursor da indústria de ficção televisiva em Portugal.

Sem deixar a representação, concebeu outras produções televisivas, como as sitcoms Eu Show Nico e Euronico; e participou como ator noutras tantas (Gente Fina é Outra Coisa; Nico D'Obra; Reformado e Mal Pago; Santos da Casa; Aqui não Há Quem Viva); além de diversas séries (O Espelho dos Acácios; Conde D'Abranhos; A Ferreirinha; João Semana; Quando os Lobos Uivam, Pedro e Inês, Equador, Morangos com Açúcar, Barcelona, Cidade Neutral, Família Açoriana) e novelas (Origens, Cinzas (telenovela), Verão Quente (telenovela), Primeiro Amor (telenovela), Vidas de Sal, Fúria de Viver, Vingança, Flor do Mar, Meu Amor, Louco Amor, Jardins Proibidos, O Beijo do Escorpião).

Ao longo da sua carreira somou quase 50 participações no cinema, em filmes de cineastas de diversas gerações, como Augusto Fraga, Perdigão Queiroga, Henrique Campos, José Ernesto de Souza, Herlander Peyroteo, Artur Semedo, Luís Galvão Teles, Fernando Lopes, Jorge Paixão da Costa, António Pedro Vasconcelos, Roberto Faenza, Joaquim Leitão, Leonel Vieira, Mário Barroso, João Botelho e Bille August. Uma das suas participações mais recentes é o filme Comboio Noturno Para Lisboa, adaptação do livro homónimo de Pascal Mercier, e que estreou em 2013. Pelas suas prestações no grande ecrã recebeu três Globos de Ouro para Melhor Ator, com Kiss Me (2004), O Milagre Segundo Salomé (2004) e Os Imortais (2003).

A 9 de Junho de 2005 foi agraciado pelo Presidente da República, Jorge Sampaio, com o grau honorífico de Grande-Oficial da Ordem do Mérito e, a 9 de setembro de 2016, por Marcelo Rebelo de Sousa, com o grau de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, a título póstumo.[4]

Em 2010 deu voz ao personagem Gru, protagonista do filme "Gru - O Maldisposto", em 2013 na sequela "Gru - O Maldisposto 2", em 2015 no filme "Mínimos" e na "Abelha Maia: O Filme", onde deu voz ao gafanhoto Flip.

Nicolau Breyner morreu a 14 de Março de 2016, aos 75 anos, na sua casa de Lisboa, vítima de ataque cardíaco.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Livre (EP, Tecla, 1967)
  • Pouco Mais (Grande Prémio da Canção Portuguesa(EP, Tecla, 1968)
  • Tempo Novo(EP, Tecla, 1969)
  • Na Tonga da Mironga do Kabuletê(EP, 1971, Movieplay)
  • Opera On The Rocks (LP, Decca, 1977)

Compilações[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Dobragens[editar | editar código-fonte]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Política[editar | editar código-fonte]

Em 1995, perdeu as eleições para a Câmara Municipal de Serpa, pelo CDS-PP[6]. Foi candidato à Assembleia Municipal de Sintra do 'SIM - Movimento Independentes por Sintra', em 2013, sob a sigla do Partido da Nova Democracia (PND)[7].

Família[editar | editar código-fonte]

Question book.svg
Esta secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Março de 2016). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Filho de Nicolau Moreira Lopes (1915 - 1965) e de Augusta Pereira da Silva de Melo Breyner Pereira (1920 - 23 de Maio de 2003), 5.ª neta por bastardia do 3.º Senhor e da 1.ª Condessa de Ficalho. Era primo da escritora Sophia de Mello Breyner Andresen. Foi casado primeira vez com Mafalda Maria de Alpoim Vieira Barbosa (nascida a 12 de Dezembro de 1947), irmã de Carlos Barbosa, de quem se divorciou e de quem foi primeiro marido, sem geração. Começou namoro com a atriz Sofia Sá da Bandeira em 1993, tendo sido casados entre 1996 e 2001, de quem foi segundo marido e de quem se divorciou, sem geração. Também se casou com Cláudia Fidalgo Ramos, filha do realizador e encenador Artur Ramos, mãe das suas duas filhas Mariana e Constança Fidalgo Ramos de Melo Breyner Lopes. Foi casado, desde 24 de junho de 2006, com Mafalda Gomes de Amorim Bessa, de quem foi terceiro marido, sem geração.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]