Nildo Ouriques

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox warning pn.svg
Este artigo foi proposto para eliminação por consenso.

Você é encorajado a melhorar o artigo, mas não remova este aviso, o que seria considerado vandalismo, além de não afetar o processo.

Dê a sua opinião e caso ela seja transformada numa votação após uma semana, vote (se tiver direito ao voto) na discussão.

Se aprovada, a eliminação ocorrerá a partir de 20 de outubro.


Usuário: se esta página possui arquivos de mídia que não são utilizáveis em outras páginas, adicione uma nota em WP:PER, para que um administrador lusófono do Wikimedia Commons verifique se ela se encontra no escopo do projeto.

Nildo Domingos Ouriques (Joaçaba, 21 de janeiro de 1959) é professor na Universidade Federal de Santa Catarina[1] e presidente do Instituto de Estudos Latino-Americanos[2]. Político filiado ao PSOL (Partido Socialismo e Liberdade).

Trajetória pessoal e política[editar | editar código-fonte]

Nasceu no meio-oeste de Santa Catarina, Joaçaba, filho de Djalma e Maria Ouriques. Foi para a capital, Florianópolis, em 1977 e no ano seguinte, 1978, começou o Curso de Economia na Universidade Federal de Santa Catarina. Na UFSC iniciou sua atuação política no Movimento Estudantil. Participou do grupo que fundou o CALE (Centro Acadêmico Livre de Economia) e foi o seu primeiro presidente. Mais tarde, elegeu-se presidente do Diretório Central dos Estudantes, onde atuou com destaque, liderando assembleias massivas.

Em 1984 formou-se em Economia e viajou para o Rio de Janeiro no ano seguinte, em janeiro de 1985, onde foi trabalhar na Fundação Escola do Serviço Público, do governo de Leonel Brizola. Ali conviveu com intelectuais de peso como Ruy Mauro Marini, Teotônio dos Santos, Orlando Caputo, Perry Anderson, Ernest Mandel, Pedro Ruscovich, Pablo González Casanova, Vânia Bambirra e Renè Dreiffus, entre outros[3].

Em janeiro de 1986 voltou para Florianópolis e assumiu, até junho de 1987, o cargo de Secretário de Administração na Prefeitura Municipal, durante o mandato de Edson Andrino (PMDB). Depois que saiu do governo assumiu como professor substituto na UFSC, no Departamento de Economia.

No ano de 1988, maio, foi para o México onde cursou Mestrado e Doutorado na Divisão de Estudos de Pós-Graduação do Curso de Economia na Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM). Lá, para manter os estudos trabalhou como comentarista para o Brasilian Service da rádio BBC de Londres. Foi colunista de Assuntos Internacionais nos jornais Uno mais Uno e El Universal, da Cidade do México.

Em 1995 retorna para Florianópolis para prestar concurso na vaga de professor efetivo no Curso de Economia da UFSC. Aprovado, passa a exercer a docência universitária[4]. Em 1999 apresenta seu nome para a disputa da Reitoria da Universidade. Em 2003 novamente concorre ao cargo[5].

No ano de 2004 passa a coordenar o Projeto Observatório Latino-Americano (OLA), juntamente com a professora Beatriz Paiva (Serviço Social) e as jornalistas Elaine Tavares e Raquel Moysés. Em 2006, através de uma portaria do reitor Lúcio Botelho, o OLA se transforma em IELA (Instituto de Estudos Latino-Americanos), ligado à UFSC, e Nildo Ouriques assume a presidência do IELA por três anos[6].

Em 2007 ele apresenta sua candidatura a reitor pela terceira vez[7].

Em 2011 funda a Revista Brasileira de Estudos Latino-Americanos[8], junto com o Grupo de Pesquisa Organização & Práxis Libertadora, da UFRGS.

Em 2012 cria a Biblioteca do Pensamento Crítico Latino-Americano, iniciando a edição da Coleção Pátria Grande[9], com a publicação dos clássicos do pensamento latino-americano. A coleção já tem seis volumes editados.

Em 2014 assume outra vez a presidência do IELA.

Em 2016 filia-se ao PSOL, e em 2017 apresenta sua candidatura no partido para disputar a Presidência da República[10].

Cargos Ocupados[editar | editar código-fonte]

  • Secretário Municipal de Administração de Florianópolis – 1987
  • Professor efetivo do Departamento de Economia/UFSC – De 1995 até agora
  • Presidente do Instituto de estudos Latino-Americanos – De 2006 a 2008. De 2015 até agora

Livros Publicados[editar | editar código-fonte]

  • No fio da Navalha. (org.) Com Waldir Rampinelli. 1997. Editora Xamã
  • 500 anos – a conquista interminável. Com Waldir Rampinelli. 1999. Editora Insular
  • Raízes no Libertador: Bolivarianismo e Poder Popular na Venezuela. 2005. Editora Insular
  • Anuário Educativo Brasileiro - Visão Retrospectiva - com Teresinha Bertussi, Guadelupe. 2007. Editora Insular
  • O Mapa da Crise – a reinvenção das Ciências Sociais. 2006. Editora Insular[11]
  • O colapso do figurino francês. 2016. Editora Insular[12]
  • Crítica à Razão Acadêmica: Reflexão Sobre a Universidade Contemporânea - Vol.1. 2016. Editora Insular[13]
  • Crítica à Razão Acadêmica: Reflexão Sobre a Universidade Contemporânea - Vol.2. 2017. Editora Insular[14]

Capítulos de Livro Publicados[editar | editar código-fonte]

  • O preço do voto – os bastidores de uma eleição para reitor. Waldir Rampinelli (org). 2008. Editora Insular
  • O junho brasileiro e seus desdobramentos. Franco Rodríguez (org)  2016. Editora Insular[15]
  • Dependência e Marxismo: contribuições ao debate crítico latino-americano. Raphael lana seabra (org) 2016. Editora Insular[16]
  • A 40 anos de Dialética de la dependência. Patrícia Olave (org) 2015. Instituto de Investigaciones Económicas-IIEc-UNAM

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. SeTIC-UFSC. «Programa de Pós-Graduação em Economia». ppgeco.ufsc.br. Consultado em 12 de outubro de 2017 
  2. «Nildo Ouriques». IELA. Consultado em 12 de outubro de 2017 
  3. Joao. «Instituto Humanitas Unisinos - IHU - A falência do sistema político PTucano. Entrevista especial com Nildo Ouriques». www.ihu.unisinos.br. Consultado em 12 de outubro de 2017 
  4. SeTIC-UFSC. «Departamento de Economia e Relações Internacionais». cnm.ufsc.br. Consultado em 12 de outubro de 2017 
  5. SeTIC-UFSC (19 de novembro de 2003). «Chapa 1 e Chapa 3 disputam o segundo turno para a Reitoria da UFSC no dia 3 de dezembro». Notícias da UFSC 
  6. SeTIC-UFSC (11 de agosto de 2006). «UFSC terá Instituto de Estudos Latino-Americanos». Notícias da UFSC 
  7. «Nildo Ouriques e a polêmica do ponto dos servidores na Ufsc | Moacir Pereira». Moacir Pereira 
  8. «Revista Brasileira de Estudos Latino-Americanos | IELA». IELA. 20 de março de 2015 
  9. «Coleção Pátria Grande | IELA». IELA. 23 de fevereiro de 2015 
  10. «Nildo Ouriques, candidato luta de classes à presidência da República». Esquerda Marxista. 18 de setembro de 2017 
  11. «O Mapa da Crise: A reinvenção das Ciências Sociais na América Latina, Editora Insular». www.insular.com.br. Consultado em 12 de outubro de 2017 
  12. «O colapso do figurino francês: Crítica às ciências sociais no Brasil
    4ª edição, Editora Insular»
    . www.insular.com.br. Consultado em 12 de outubro de 2017
     
  13. «Crítica à razão acadêmica Volume 1 - 3ª edição, Editora Insular». www.insular.com.br. Consultado em 12 de outubro de 2017 
  14. Livros, Cia. dos. «Crítica Á Razão Acadêmica: Reflexão Sobre a Universidade Contemporânea - Vol.2» 
  15. «O Junho Brasileiro e seus desdobramentos, Editora Insular». www.insular.com.br. Consultado em 12 de outubro de 2017 
  16. «Dependência e Marxismo: contribuições ao debate crítico latino-americano
    3ª edição, Editora Insular»
    . www.insular.com.br. Consultado em 12 de outubro de 2017