Nino Burjanadze

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nino Burdjanadze

Nino Burdjanadze (georgiano: ნინო ბურჯანაძე; russo: Нино́ Бурджана́дзе; Kutaisi, 16 de julho de 1964) é uma jurista e política georgiana, ex-presidente de seu país.

Estudos[editar | editar código-fonte]

Burdjanadze nasceu em Kutaisi, filha de Anzor Burdjanadze. Graduou-se em 1986 na Faculdade de Direito da Universidade Estatal de Tbilisi (TSU) e estudou na Universidade Estatal de Moscou entre 1986 e 1989, onde doutorou-se em Direito Internacional em 1990.

Atividades acadêmicas[editar | editar código-fonte]

Desde 1991 é profesora associada na Faculdade de Direito Internacional na TSU. Destaca-se por sua postura pró-ocidental e já se manifestou pela integração da Geórgia à União Europeia e à OTAN.

Sua postura lhe trouxe diversas críticas por parte de colegas nacionais e também estrangeiros, especialmente da Rússia. A principal crítica é sua insistente postura favorável ao Ocidente, que em momento algum da história teria tido proximidade com a Geórgia.

Cargos políticos[editar | editar código-fonte]

Como parlamentar e líder da oposição, em 2003 encabeçou uma onda de críticas que levou o país a uma severa crise institucional, a qual desencadeou a renúncia de alguns funcionários e a reestruturação de algumas instituições. O conflito se resolveu parcialmente por meio do diálogo proposto pelo governo. Esse conflito é conhecido como Revolução Rosa.

Foi Presidente da Geórgia entre 23 de novembro de 2003 e 25 de fevereiro de 2004, depois da renúncia de Eduard Shevardnadze. Em 2006, seu partido ganhou a presidência com 96% dos votos, dando seguimento às políticas do período governado por Burdjanadze.

Sua principal missão na presidência foi pacificar o país, uma vez que a renúncia do Shevardnadze desencadeou diversos protestos e reações policiais que espalharam pânico e ressentimento na sociedade.

Após a eleição de Mikheil Saakashvili para presidente, Burdjanadze retomou a presidência do parlamento georgiano.