Nisargadatta Maharaj

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2014).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde dezembro de 2014).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.


Nisargadatta Maharaj (17 de abril 1897 - 8 de setembro de 1981), nascido Maruti Shivrampant Kambli, foi um guru hindu de Advaita Vedanta (não-dualismo), pertencente ao Inchegeri Sampradaya, uma linhagem de professores da Navnath Sampradaya e Lingayat Shaivism. A publicação em 1973 de "Eu Sou Aquilo" (I Am That), uma tradução em Inglês de suas palestras em Marathi por Maurice Frydman, lhe trouxe reconhecimento mundial e seguidores, especialmente da América do Norte e Europa.[1]

Sri Nisargadatta Maharaj


Biografia[editar | editar código-fonte]

Nisargadatta nasceu no amanhecer de 17 de abril de 1897, um dia de lua cheia no mês de Chaitra, de um casal devoto hindu: Shivrampant Kambli e Parvatibai, em Bombaim. O dia também era de Hanuman Jayanti (Os relatos mais antigos colocam o nascimento de Maruti em março, mas agora sabemos que a Hanuman Jayanti naquele ano foi em 17 de abril), o aniversário de Hanuman, o rei-macaco herói lendário do poema épico Ramayana, ajudante altruísta do Senhor Rama, daí o menino foi chamado de 'Maruti' (outro nome de Hanuman). Maruti Shivrampant Kambli viveu em Kandalgaon, uma pequena aldeia no distrito Ratnagiri de Maharashtra, onde cresceu em meio a sua família de seis irmãos, dois irmãos e quatro irmãs. Seu pai, Shivrampant, trabalhou como empregado doméstico em Mumbai e depois se tornou um pequeno agricultor em Kandalgaon. Em 1915, depois que seu pai morreu, ele mudou-se para Bombay para sustentar sua família. Inicialmente, ele trabalhou como balconista em um escritório, mas rapidamente ele abriu uma pequena loja de artigos, que vendia principalmente beedis - cigarros enrolados em folha, e logo era dono de uma cadeia de oito lojas de varejo [internet 1] . Em 1924 ele se casou com Sumatibai e tiveram três filhas e um filho.

Despertar[editar | editar código-fonte]

Em 1933, ele foi apresentado a seu guru, Siddharameshwar Maharaj, o dirigente da sucursal Inchegiri do Navnath Sampradaya, por seu amigo Yashwantrao Baagkar. Seu guru lhe disse: "Você não é o que pensa ser ...". Ele então deu a Nisargadatta instruções simples que ele seguiu na íntegra, como ele mesmo contou mais tarde: Meu guru ordenou-me a persistir no pensamento "eu sou" e não dar atenção a nada mais. Eu apenas obedeci. Eu não seguia qualquer curso particular de respiração, ou meditação, ou estudo das escrituras. O que aconteceu, eu retirarei a minha atenção de tudo e permaneci com o sentimento "eu sou". Pode parecer simples demais, mesmo cru. Minha única razão para fazê-lo foi que o meu guru me disse isso. No entanto, deu certo! Seguindo as instruções de se concentrar na sensação de "eu sou", ele usou todo o seu tempo livre à procura de si mesmo em silêncio.

Depois de uma associação que durou quase dois anos e meio, Siddharameshwar Maharaj morreu em 9 de novembro de 1936. Em 1937, Nisargadatta deixou Mumbai e viajou por toda a Índia. Ele finalmente voltou para sua família em Mumbai em 1938, onde passou o resto de sua vida. Na viagem para casa, ele chegou ao despertar: na viagem de regresso evidentemente ele abriu em uma realização irreversível, ininterrupta de Atma transcendente imanente Eu Divino. Suas práticas espirituais tinham esgotado todos os samskaras, os gostos e desgostos problemáticos herdados do karma passado. Finalmente despertou para o Absoluto, Realidade Absoluta. Todo apego, aversão e ilusão tinham terminado. Nisargadatta estava agora totalmente livre no estado de jivanmukta, um liberado enquanto ainda num corpo.

Anos mais tarde[editar | editar código-fonte]

Entre 1942-1948, ele sofreu duas perdas pessoais, primeiro a morte de sua esposa, Sumatibai, seguido pela morte de sua filha. Ele começou a dar iniciações em 1951, depois de uma revelação pessoal de seu guru, Siddharameshwar Maharaj: Desde Seu retorno a Bombaim em 1938, Nisargadatta tinha sido procurado por aqueles que desejavam o seu conselho em assuntos espirituais. Muitos queriam tornar-se seus discípulos e obter mantra-iniciação formal dele, reverentemente chamando-o "Maharaj", "Grande Rei (espiritual)". No entanto, ele estava relutante em ter discípulos e servir como um guru. Finalmente, em 1951, depois de receber uma revelação interior de Siddharamesvar, ele começou a iniciar alunos. Depois que se aposentou de sua loja em 1966, Nisargadatta Maharaj continuou a receber e ensinar os visitantes em sua casa, dando discursos duas vezes por dia, até sua morte, em 8 de setembro de 1981 com a idade de 84 anos, de câncer na garganta.

Ensinamentos[editar | editar código-fonte]

A consciência da verdadeira natureza

De acordo com Timothy Conway, o único assunto de Nisargadatta foi: ... A Nossa Verdadeira Identidade como não-nascimento imortal, consciência absoluta infinito-eterno Parabrahman. Para Maharaj, o nosso único "problema" é um caso de erro de identidade: nós presumimos ser um indivíduo, e, fundamentalmente, não somos um indivíduo, somos intrinsecamente sempre e somente o Absoluto.

Nisargadatta explica: A força da vida [prana] e da mente estão a funcionar [por conta própria], mas a mente vai tentá-lo a acreditar que é "você". Portanto entenda sempre que você é a não espacial e atemporal testemunha.

A auto-investigação: De acordo com Conway, consciência do Absoluto poderia ser recuperada por: A desidentificação radical do sonho de "eu e meu mundo "via intensa meditativa auto-investigação (atma-vicara) e suprema sabedoria (vijñana ou jñana). "Eu sei Só Atma-yoga, que é "Auto-Conhecimento", e nada mais.

Devoção: Nisargadatta era crítico de uma abordagem meramente intelectual à verdade não-dual. Ele tinha um forte zelo devocional ao seu próprio guru, e sugeriu o caminho da devoção, Bhakti Yoga, a alguns de seus visitantes. Jnana yoga não é a única abordagem para a Verdade. Nisargadatta também enfatizou o amor ao guru e a Deus.

Referências

  • Jones, Constance; Ryan, James D. (2006), Encyclopedia of Hinduism, Infobase Publishing, ISBN 978-0-8160-7564-5 

Fontes na internet[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]