No Name Boys

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Maio de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


No Name Boys
(ИИ)
Fundação 4 de março de 1992 (25 anos)
Tipo Claque
Filiação SL Benfica

Os No Name Boys estilizado como Иo Иame Boys é uma claque (não oficial) que apoia o Sport Lisboa e Benfica, formada a 4 de Março de 1992.

História[editar | editar código-fonte]

Os No Name Boys são o maior movimento organizado de adeptos do Sport Lisboa e Benfica. Habitualmente, este grupo de sócios reúne-se no Topo Sul do Estádio da Luz para assistir aos jogos do Clube.

Иo Иame Boys com uma tocha.

Nasceram fruto de uma revolução no seio do grupo Diabos Vermelhos. Quando os seus elementos se afastaram dos Diabos Vermelhos, o grupo, passou-se a chamar "Diabos Vermelhos do Sul", mais tarde "Иo Иame Boys".

O grupo apoia a equipa sempre com muito apoio vocal, bandeiras gigantes, tifos, faixas, cachecóis, estandartes e pirotecnia.

Em 1994, na deslocação a Split, três apoiantes do grupo perderam a vida; Gullit, Tino e Rita morreram num acidente de autocarro, quando regressavam de um jogo entre o Benfica e o Hajduk Split. Tempos antes do jogo, tinham apresentado uma faixa, em inglês, que dizia "Freedom for Croatia" ("Liberdade para a Croácia"). Deste acontecimento nasceu uma grande amizade entre os Иo Иame e a Torcida Split, que perdura até aos dias de hoje.

Em 1996, atravessaram uma profunda crise, graças ao ato de Hugo Inácio, que disparou um "very light" para uma área onde só se localizavam adeptos do Sporting, resultando na morte de Rui Mendes, sócio do Sporting, causando dois órfãos pequenos.[1]

Referências

  1. «PSP prende adepto do Benfica que disparou "very light" mortal em 1996». Jornal Público. publico.pt. 7 de Novembro de 2012. Consultado em 6 de Novembro de 2017