Nobreza austríaca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A alta sociedade no Hipódromo Freudenau por volta de 1900. Estes eventos eram muito populares e serviam para cuidar das relações sociais.

A nobreza austríaca (em alemão: österreichischer Adel) é um grupo de status que foi oficialmente abolido em 1919, após a queda da Império Austro-Húngaro. Os nobres são ainda parte da sociedade austríaca de hoje, mas eles não retêm qualquer privilégio ou reconhecimento oficial. O sistema de nobreza austríaco foi muito semelhante ao da Alemanha (veja nobreza alemã), como ambos os países fizeram parte do Sacro Império Romano-Germânico (962-1806).

Qualquer nobre das terras governadas pelos Habsburgos, em função de sua fidelidade à dinastia e ao Imperador Romano-Germânico era considerado parte da Áustria e de sua aristocracia. Isso se aplicava a qualquer nobre da Boêmia, da Hungria, da Polonia, da Croacia e demais domínios dos Habsburgo. A tentativa de diferenciar entre as etnias pode ser difícil, especialmente durante as eras do Sacro Império e da Monarquia Austro-húngara (1867-1918). Um nobre da Galiza, por exemplo, poderia ser considerado simultaneamente membro das nobrezas polonesa e austríaca.

Duas categorias podem ser distinguidas dentre a nobreza austríaca: a nobreza histórica que vivia nos territórios do Império dos Habsburgos e que devia lealdade ao Chefe da Dinastia até 1918, e, após 1918, os descendentes da nobreza austríaca. Quanto a esse último grupo, faz-se distinção ainda dentre aqueles que conservam a cidadania austríaca e cuja família originalmente vem da Áustria propriamente dita, do Tirol do Sul e da região de Burgenland; e aqueles que foram sublimados em qualquer ponto sob o governo dos Habsburgos e se identificam como pertencentes ao grupo.

História[editar | editar código-fonte]

Durante o barroco, a nobreza começou a mover-se para as cidades e construíram suntuosas residências chamadas de Palais. O Palais Kinsky , em Viena, pertencente à principesca família de Kinsky é uma das mais notáveis peças.

A partir de 1453, o Arquiduque da Áustria tinha o direito de conceder títulos e postos a não-nobres, como fez o Arcebispo de Salzburgo, já que Salzburgo, continuava a ser um território independente. Além disso o Imperador Romano-Germânico (posição cujo ocupante foi na maior parte das vezes Arquiduque da Áustria (da Casa dos Habsburgos) a partir de 1438 a 1806), apenas alguns governantes territoriais dentro do Império tinha esse direito. Na era do absolutismo, a nobreza que residia nas cidades, lentamente, transformou-se numa nobreza (Hofadel) cortesã . Servir na corte tornou-se o principal objetivo da nobreza. Este por sua vez, iniciou um interesse na educação e os interesses da corte. Dentro de corte, perto do círculo interno, chamado a 100 Familien (100 famílias), possuía enormes riquezas e terras. Eles também tiveram grande influência na corte, e, portanto, tiveram um papel importante na política e na diplomacia.

Após o fim do Sacro Império Romano-Germânico, em 1806, os governantes Habsburgos, que foram Imperadores da Áustria desde 1804, continuaram a elevar indivíduos à nobreza até 1918. Algumas das famílias nobres obtiveram o direito de ser assentados na Herrenhaus (Casa dos Lordes), a casa superior do Reichsrat (Conselho Imperial). Nobres anteriormente soberanos, tais como aqueles no norte da Itália (Veneza, Mântua, Milão) também foram reconhecidos pelas autoridades e foram autorizados a manter os seus títulos e direitos.

Burgenland[editar | editar código-fonte]

No antigo status de nobreza em Burgenland, que era parte do Reino da Hungria até 1921, consulte a nobreza húngara.

Nobres judeus[editar | editar código-fonte]

Algumas pessoas muito ricas de famílias judias foram enobrecidos após o Toleranzedikt vom 1782 (Edito de Tolerância (1782)) decretado pelo imperador José II. Sob este Edito muito Judeus ricos, banqueiros, e, mais tarde, empresários e industriais alguns deles da Corte de Judeus;também poderiam ser enobrecidos por seus serviços.

Os judeus tinham sido enobrecidos principalmente com nenhum título de nobreza ou com um ranking inferior, tais como Freiherr (barão) ou Ritter (cavaleiro). As poucas famílias judias elevadas para a nobreza não precisavam renegar a sua fé, mas algumas famílias se converteram ao cristianismo a fim de serem mais aceitos. Embora a elevação à nobreza significasse o reconhecimento cívico de contribuições e de serviços, e implicou um aumento do status social, não alterara o fato de que os judeus eram, para a maioria. "tolerada" na melhor das hipóteses. Judeus não podiam escolher livremente o local e a duração da sua estada e tinham regularmente que pedir permissão de autoridades. Isso colocou um enorme fardo sobre famílias judias; se o chefe da família morresse, todos os seus parentes tinham que deixar a cidade. O direito de compra de imóveis era proibido aos judeus, mesmo aos que pertenciam à nobreza. Este regulamento esteve em uso até 1860, quando foi abolida pelo imperador Francisco José I; quando os cidadãos judeus receberam a igualdade de direitos.[1][2][3] Quando o banqueiro e protetor das artes Karl Raymund Wetzlar von Plankenstern foi agraciado como um Reichsfreiherr ("Barão do Império") pela imperatriz Imperatriz Maria Teresa, ele se converteu ao catolicismo, enquanto ainda jovem. Sua mansão em Viena foi um centro de artes plásticas e ele foi um grande amigo de Wolfgang Amadeus Mozart, como seu filho Alexandre, foi de Ludwig van Beethoven.

Apesar destas dificuldades, em 1821 havia pelo menos onze nobres famílias judias vivendo em Viena: Rothschild, Arnstein, Eskeles, Gomperz, Kuffner, Lieben, Auspitz, Schey von Koromla, Todesco, Wertheimstein, e Wiernes. A elevação de judeus ricos à nobreza também iniciou o processo de assimilação de famílias judias na classe superior austríaca.

Abolição da nobreza em 1919[editar | editar código-fonte]

A seguir o Habsburgergesetz de 1919 ("Lei Habsburgo"), que legalmente destronou, exilou e confiscou as propriedades da família imperial dos Habsburgos, o Adelsaufhebungsgesetz de 1919 (a "Lei sobre a Abolição da Nobreza") aboliu a nobreza, bem como todos os privilégios dos nobres, títulos e nomes na Áustria. Em outras Monarquias da Europa, as famílias nobres austríacas podem utilizar os seus títulos de nobreza, bem como as partículas aristocráticas, tais como von e zu em seus nomes e eles ainda mantêm o status de nobre. Por exemplo, o nome do herdeiro do trono do Império Austro-húngaro tornou-se, na Áustria, simplesmente Carlos de Habsburgo-Lorena, em vez de Karl von Habsburg, na Bélgica, no entanto, ele é conhecido como o Arquiduque Carlos da Áustria.

Às vezes, isso pode ser confuso, como descendentes dos nobres que são chamados, às vezes são referidos com o seus nomes do estrangeiro. Além disso, membros de famílias nobres, muitas vezes, mantêm múltiplas cidadanias, como foi o caso de Otto von Habsburg (filho mais velho de Carlos I da Áustria, último imperador da Áustria-Hungria, e pai de Karl Habsburg-Lothringen), que também era cidadão da Alemanha. A lei austríaca não se aplica aos artistas, ou nome artístico, onde von é por vezes utilizado, como no caso do maestro Herbert von Karajan ou o músico Hubert von Goisern. No entanto, a  nomes artísticos nunca são reconhecidos para fins oficiais.

Os membros da pequena nobreza, especialmente (como funcionários públicos) acham radical a abolição,s endo degradante e humilhante, de trabalhar duro e, finalmente, ganhar um título nobre que era uma maneira para que eles e suas famílias para ascender socialmente. Os membros da grande nobreza foram capazes de absorver a abolição formal mais facilmente. Eles perderam os seus títulos e privilégios, mas mantiveram-se socialmente de pé e as suas riquezas. Presidente Federal Michael Hainisch opinou sobre a abolição oficial:[carece de fontes?]

A lei da abolição dos títulos da nobreza nunca foi revogada, mesmo durante o período de austrofascismo (1934-1938). Depois do Anschluss na a Alemanha Nazista (1938-1945), esta lei permaneceu em vigor, embora não tenha sido imposta, permitindo que os nobres austríacos utilizassem seus títulos, embora sem qualquer autoridade formal.

Embora os títulos de nobreza e as partículas von e zu não sejam legais, algumas pessoas ainda são chamadas, não oficilamente, por seus títulos. Por exemplo, Karl Schwarzenberg ocasionalmente ainda é referido como Fürst zu Schwarzenberg ("Príncipe zu Schwarzenberg") na mídia. Ele possui cidadania suíça e checa, não a austríaca.

Ao contrário da nobreza da Boêmia (atual Checoslováquia), da Polônia, da Rússia, ou de ex-territórios prussianos, a nobreza austríaca nunca teve suas terras e riquezas confiscadas na Áustria (exceto os Habsburgos, que tiveram suas propriedades legalmente apreendidos pelo governo republicano, em 1919). Medidas sociais foram introduzidas pelo governo republicano, a fim de criar uma maior igualdade entre os cidadãos e financiar projetos públicos, que exercem pressão sobre as terras tradicionais holdingsda nobreza e da aristocracia, resultando na venda forçada de muitos palácios e terras, devido à despesa de sua manutenção. No entanto, não houve nenhuma medida do governo especificamente para atingir a nobreza e tirar suas posses.

Ainda hoje a os membros da nobreza são, no entanto, tratadas de forma ligeiramente diferente de outros cidadãos. A nobreza austríaca ainda é retratada em muitos filmes feitos depois da Segunda Guerra Mundial (por exemplo, Sissi e O Som da Música), e é ainda apresentada na mídia e na literatura. Os eventos sociais da nobreza, ainda são amplamente coberta em tabloides. Além disso, a lei é muitas vezes descumpridas em ocasiões em que membros da nobreza são abordadas em vários eventos: Na anual festa de aniversário do imperador Francisco José I, em Bad Ischl, por exemplo, membros da antiga Casa de Habsburgo são tratados como "Alteza Imperial e Real".

Além da proibição de seus títulos, alguns ex-nobres ainda compõem algumas das famílias mais ricas na Áustria, tais como o Esterházy, Mayr-Melnhof e Mautner-Markhof. Muitos membros da nobreza austríaca hoje trabalha em tradicionais áreas da diplomacia, política, negócios e interesses financeiros, ou são filantropos ou socialites.

Estima-se que havia cerca de 20 000nobres austríacos em 2005. Naquele ano, uma associação foi fundada, a Vereinigung der Edelleute em Österreich (Associação dos Nobres Austríacos, V. E. Ö.), o que se vê a si mesmo como o sucessor da Vereinigung katholischer Edelleute em Österreich (Associação Católica dos Nobres Austríacos, V. E. Ö.), fundado em 1922, mas proibida pelos nazistas em 1938. Até recentemente, todas as várias tentativas de reavivamento foram bloqueados pelas autoridades governamentais.

Títulos de nobreza[editar | editar código-fonte]

Na áustria, a nobreza foi dividida em três categorias: a nobreza mediatizada; (standesherrlicht), a alta nobreza (hoher Adel), e a pequena nobreza (niederer Adel):

Membros não-governantes da Família Imperial[editar | editar código-fonte]

Membros não-governantes da Família Imperial e seus diversos títulos:

Casamentos morganáticoss descendentes da família imperial foram excluídos da linha de sucessão, mas, por vezes, podiam receber pequenos títulos nobres, em vez das prerrogativas reais, por exemplo:

Títulos de nobreza mediatizada[editar | editar código-fonte]

(Títulos em português com equivalentes em alemão)

  • Príncipe/Princesa do Sacro Império Romano (Reichsfürst/Reichsfürstin)1
  • Conde/Condessa Imperial (Reichsgraf/Reichsgräfin)
↑1↑1 Um título com o prefixo Reichs- indica ser concedida por um ex-Sacro Imperador Romano, um ranking mais alto do que outros títulos da mesma ou de maior classificação.

Títulos da alta nobreza[editar | editar código-fonte]

(Títulos em português com equivalentes em alemão)

  • Príncipe/Princesa (Fürst/Fürstin)
  • Conde/Condessa (Graf/Gräfin)

Títulos da pequena nobreza[editar | editar código-fonte]

  • Barão/Baronesa (Freiherr/Freiherr|Freifrau e Freiin)2
  • Cavaleiro (Ritter) (sem versão feminina)
  • Edler/Edle
↑2↑2 Em alemão, há uma distinção entre baronesa, uma Freifrau é uma uma baronesa pelo casamento e Freiin sendo uma baronesa por nascimento. A título de Ritter é equivalente ao britânico baronete (i.é., cavaleiro hereditário), e Edler significa "nobre".

O uso de partículas nobres, tais como as preposições "von", "zu", variações, tais como "vom", ou suas combinações ("von und zu"), comum até após a I Guerra Mundial (não-falantes de alemão da nobreza preferiu usar "de"), também foram banidos.

Abaixo é uma lista incompleta das famílias nobres austríacas, listados por ordem do título.[4] Note-se que alguns membros de uma família, por vezes, foram determinados com mais títulos pelo imperador por causa do mérito. Títulos, estilos, e de direitos só poderiam ser atribuída pelo monarca. Em alguns casos, eles podem até ser revogada por causa da queda de favores.

Fürst/Fürstin (Príncipe/Princesa)[editar | editar código-fonte]

O estilo de tratamento foi geralmente "Alteza" (Durchlaucht) ou estilo inferior de "Principado de Graça" (Fürstliche Gnaden). Embora Herzog ("duque") seja, oficialmente, um título de nível superior que Fürst, o primeiro era raro na Áustria, exceto entre a realeza e nas casas mediatizadas. O título Principesco foi o de maior prestígio da nobreza austríaca, normalmente detidos pelos chefes de famílias, cujos cadetes eram geralmente condes/condessas, embora em alguns membros de famílias principesca mediatizadas (Reichsfürsten) foram autorizados a utilizar o mesmo título, como cadetes da realeza: Príncipe/Princesa (Prinz/Prinzessin) com o estilo da Alteza Sereníssima.

Preposição [nota 2] Nome original Mais chamado Notas
von Príncipe de Auersperg
Batthyány-Strattmann[5] Os membros mais novos foram condes
von Clary und Aldringen Clary-Aldringen[6] Os membros mais novos foram condes
von Collalto und San Salvatore[6] Collalto Os membros mais novos foram condes
von Colloredo-Mansfeld[7] Colloredo-Mansfeld Os membros mais novos foram condes; o filho mais velho do Príncipe é Conde de Mansfeld; ver também Casa de Mansfeld
von Croÿ[7] Croÿ-(subline) Também conhecido como Croÿ-Dülmen, existem três ramos. Os chefes desta família são duques; Também usam a preposição de .
von Dietrichstein Tornou-se extinto primeiramente na linha masculina, recriado para o marido da herdeira; Os membros júniors desta família eram contagens "von Dietrichstein & Proskau-Leslie" (primeira família) então "Dietrichstein-Mensdorff-Pouilly" (segunda família)[7]
von Eggenberg[8] Se extinguiu primeiramente a linha masculina, as possessões boêmias passaram aos parentes masculinos os mais próximos através do casamento, da família de Schwarzenberg, e de possessões de Styrian igualmente à família de Herberstein.[9][10][11][12]
Esterházy von Galántha[13] Esterházy Também Conde; também utilizam a preposição de
Festetics von Tolna[14] Festetics Também Conde; também utilizam a preposição de
zu Fürstenberg[15] Fürstenberg Membros usam títulos fora da Áustria; Alguns usam a preposição von
von Grassalkovics[16] Grassalkovics extinto
von Hohenberg Hohenberg título de Fürst para todos os membros; elevado ao status ducal por primogenitura em 1917
zu Hohenlohe[17] Hohenlohe-(subline) Esta família têm vários ramos
von Khevenhüller-Metsch[18] Khevenhüller-Metsch Os membros mais novos foram contagens
Kinsky von Wchinitz und Tettau[19] Kinsky Os membros mais novos foram contagens
von Koháry Saxe-Coburg-Gotha-Koháry Também comital; Extinto em primeiro lugar na linha masculina, as posses passadas para Saxe-Coburg and Gotha ramo da família via casamento da herdeira do último príncipe
von Lichnowsky Lichnowsky
von Lobkowicz[20] Lobkowicz
von und zu Liechtenstein[21] Liechtenstein soberano desde 1719
von Metternich-Winneburg[22] Metternich também usa a preposição de
von Montenuovo Montenuovo ver também Casa de Neipperg
zu Oettingen-Oettingen[23] Família com múltiplos ramos (Oettingen, Wallerstein & Spielberg)
von Orsini und Rosenberg[24] Orsini-Rosenberg Membros mais novos viraram condes
von Rohan[25] Rohan Chefe da família é Duque; utiliza a preposição de
zu Sayn-Wittgenstein[26] Sayn-Wittgenstein-(subline) Família com múltiplos ramos
von Schönburg[27] Schönburg-(subline) Família com múltiplos ramos (Hartenstein & Waldenburg); também condes
von Starhemberg[28] Starhemberg Membros júniors são condes
zu Schwarzenberg[29] Schwarzenberg Chefe da Casa é também Conde de Sulz, Principesco Marquês em Klettgau e Duque de Krumlov
von Thun-Hohenstein Thun-Hohenstein[30] Também Conde
von und zu Trauttmansdorff-Weinsberg[31] Trauttmansdorff-Weinsberg Também Conde
von Waldburg[32] Waldburg-(subline) família com múltiplos ramos; membros júniors são Condes
zu Windisch-Graetz[6] Windisch-Graetz Também Windisch-Grätz

Graf/Gräfin (Conde/Condessa)[editar | editar código-fonte]

Famílias condais mediatizadas muitas vezes têm direito ao estilo de "Alteza Ilustre" (Erlaucht). No ranking abaixo deles estavam as Famílias Condais de antiga linhagem, riqueza e influência, que foram reconhecidos como tal, na Áustria, mas não tinha sido Condes do Império (Reichsgrafen) antes de 1806; estas contagens de posição inferior têm o estilo de "Ilustríssimo" (Hochgeboren).

Freiherr/Freifrau/Freiin (Barão/Baronesa)[editar | editar código-fonte]

Não havia nenhum estilo oficial, mas '"Gnädiger Herr ("Gracioso Senhor"), Gnädige Frau, ou Gnädiges Fräulein ("Gracioso da Senhora") foram as formas mais comuns de tratamento. Embora estritamente falado, o título é Freiherr, o uso de "Barão" na comunicação verbal e escrita era muito comum, mesmo se incorreto. O título Freiin também foi muitas vezes substituído por geborene (née) Baronin, que foi estritamente falando também incorreto uma vez que um Baronin teria sido para casados.

Ritter (Cavaleiro)[editar | editar código-fonte]

Não havia nenhum estilo oficial, mas Gnädiger Herr era uma forma comum de se dirigir. O título era apenas para os homens; nenhuma versão feminina existia. Os membros femininos da família com o título Ritter , no entanto, estavam, muitas vezes, tratada como Edle von, o que estava incorreto, a menos que a família já carregasse a honra do Edler, antes de ser elevado à categoria Ritter.

Edler/Edle[editar | editar código-fonte]

O rank de Edler não levava um estilo oficial, mas Gnädiger Herr"' ou Gnädige Frau foram as formas mais comuns de tratamento.

Erbsälzer[editar | editar código-fonte]

Este título pertencia aos patrícios da cidade livre de Werl, na Alemanha, que teve o hereditário (erb-) direito de explorar as minas próximas de sal (salz). Assim, este título não foi concedido na Áustria, mas apenas reconhecido lá.

Famílias não tituladas ou com status desconhecido[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. ... ein kindisches Beginnen, schon deshalb, weil man gar nicht diejenigen traf, die man hatte treffen wollen. Ich sprach einmal mit der ebenso feinen wie klugen Fürstin Fanny Starhemberg über diesen Punkt. 'Uns', sagte sie, 'macht die Aufhebung des Adels nichts, wir bleiben mit oder ohne den Titel immer die Starhembergs.
  2. Onde nesta seção esta em branco é possível que a preposição não exista.

Referências

  1. pg. 103, Dieter Klein, Martin Kupf, Robert Schediwy (Ed.) Stadtbildverluste Wien - Ein Rückblick auf fünf Jahrzehnte.
  2. "Chapter Seven: Administering the Jews", of the book "The Politics of Cultural Retreat: Imperial Bureaucracy in Austrian Galicia, 1772-1867", of author Iryna Vushko
  3. "Jewish High Society In Old Regime Berlin", of author Deborah Hertz
  4. Source: Der Gotha
  5. Almanach de Gotha. [S.l.]: Books.google.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  6. a b c Almanach českých šlechtických rodů 2001, Praha 2001
  7. a b c Almanach českých šlechtických rodů 2005, Praha 2005
  8. Marek, Miroslav (29 de junho de 2007). «von Eggenberg». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  9. Schloss Eggenberg.
  10. Die Fürsten und Freiherren zu Eggenberg und ihre Vorfahren.
  11. Hans Ulrich Fürst von Eggenberg: Freund und Erster Minister Kaiser Ferdinand II.
  12. Ein Staat in Alt-Österreich: Besitzungen der Eggenberger.
  13. Marek, Miroslav (6 de junho de 2007). «Esterházy 1». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  14. Marek, Miroslav. «Festetics de Tolna 3». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  15. Marek, Miroslav. «Fьrstenberg 3». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  16. Marek, Miroslav (21 de setembro de 2004). «Grassalkovich de Gyarak». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  17. Marek, Miroslav. «Hohenlohe 7». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  18. Marek, Miroslav (27 de junho de 2008). «Khevenhüller 1». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  19. Marek, Miroslav (20 de junho de 2009). «Kinsky 1». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  20. Marek, Miroslav (15 de agosto de 2008). «Lobkowicz 10». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  21. Marek, Miroslav (11 de abril de 2008). «Liechtenstein 2». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  22. Marek, Miroslav. «Metternich 3». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  23. Marek, Miroslav (25 de outubro de 2007). «Oettingen 2». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  24. Marek, Miroslav. «Princes of the Holy Roman Empire». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  25. Marek, Miroslav. «Rohan 5». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  26. Marek, Miroslav. «Sponheim 18». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  27. Marek, Miroslav (4 de agosto de 2004). «Schцnburg 4». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  28. Marek, Miroslav (30 de março de 2007). «Starhemberg 3». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  29. Marek, Miroslav. «Schwarzenberg 3». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  30. Marek, Miroslav. «Thun 7». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  31. Marek, Miroslav. «Trauttmansdorff 2». Genealogy.euweb.cz. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  32. Marek, Miroslav. «waldburg/waldburg4.html». Genealogy EU. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  33. Royal Licences for the Use of Foreign Titles
  34. The Nobilities of Europe - Google Books
  35. https://archive.org/details/RitterJurnitschekVonWehrstedtCollection

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Binder-Krieglstein, Reinhard (2000). Österreichisches Adelsrecht 1868 – 1918/19: von der Ausgestaltung des Adelsrechts der cisleithanischen Reichshälfte bis zum Adelsaufhebungsgesetz der Republik unter besonderer Berücksichtigung des adeligen Namensrechts (em German). Frankfurt am Main [u.a.]: Peter Lang. ISBN 978-3-631-34833-8 
  • Richard von Coudenhove-Kalergi Adel. Vienna. 1923.
  • Peter Frank-Döfering Adelslexikon des österreichischen Kaisertums 1804–1918 (em alemão). Herder, Vienna 1989. ISBN 3-210-24925-3.
  • Lieven, Dominic (1993). The aristocracy in Europe: 1815–1914 1st ed. New York: Columbia Univ. Press. ISBN 0-231-08112-X .
  • Heinz Siegert Adel in Österreich(em alemão). Vienna 1971.
  • Hannes Stekl Adel und Bürgertum in der Habsburgermonarchie 18. bis 20. Jahrhundert(em alemão). Oldenbourg, Vienna 2004. ISBN 3-486-56846-9
  • Gudula Walterskirchen Blaues Blut für Österreich (em alemão). Amalthea, Vienna 2000. ISBN 3-85002-452-0
  • Walterskirchen, Gudula Der verborgene Stand. Adel in Österreich heute (em alemão). Amalthea, Vienna 2007. ISBN 3-85002-428-8
  • Der Gotha. Supplement. Der "Österreich-Gotha". Mit Ergänzungswerken zum deutschen Adel (em alemão). Saur, Munich 1997. ISBN 3-598-30359-9
  • Binder-Krieglstein, Reinhard (2000). Österreichisches Adelsrecht 1868 – 1918/19: von der Ausgestaltung des Adelsrechts der cisleithanischen Reichshälfte bis zum Adelsaufhebungsgesetz der Republik unter besonderer Berücksichtigung des adeligen Namensrechts (en alemán). Frankfurt am Main [u.a.]: Peter Lang. ISBN 978-3-631-34833-8.
  • Lieven, Dominic (1993). The aristocracy in Europe: 1815–1914 (1st ed.). New York: Columbia Univ. Press. ISBN 0-231-08112-X.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Nobreza austríaca