Nome aos Bois

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"Nome aos Bois"
Single de Titãs
do álbum Jesus Não Tem Dentes no País dos Banguelas
Lançamento 1988
Gravação 1987
Gênero(s) Rock brasileiro
Duração 2:05
Gravadora(s) Warner Music Brasil
Composição Nando Reis
Marcelo Fromer
Arnaldo Antunes
Tony Bellotto
Produção Liminha
Cronologia de singles de Titãs
"Diversão"
(1987)
"Desordem"
(1988)

Nome aos Bois é uma canção da banda de rock Titãs, lançada em 1987 no disco Jesus Não Tem Dentes no País dos Banguelas. É uma referência à expressão "dar nome aos bois",[1][2][3][4] e foi composta por Nando Reis, Marcelo Fromer, Arnaldo Antunes e Tony Bellotto.

A canção é interpretada por Nando Reis, e a letra causou polêmica[5] na época do seu lançamento por causa da citação de 34 nomes de pessoas do Brasil (incluso o período sob o Império Português) e de outros países, dentre eles Estados Unidos, Haiti, Uganda, países que viviam sob outros regimes (Estado Espanhol, Reino da Itália e Alemanha Nazista) e países que não existem mais (União Soviética), que se tornaram famosas pelos males que causaram à humanidade entre o século XVIII e o período contemporâneo da composição da música - a década de 80 do século XX:

Personalidades citadas na letra[editar | editar código-fonte]

As personalidades aparecem com o nome e pela ordem na qual são citadas na música.

# Nome País Época em que viveu Detalhes Ref.
01
Garrastazu médici.jpg
Garrastazu
 Brasil
1905 — 1985
Emílio Garrastazu Médici. Ditador. General-de-exército e 28º Presidente do Brasil, governou o país entre 1969 e 1974, no auge da repressão política durante a Ditadura Militar. [6][7]
02
JStalin Secretary general CCCP 1942.jpg
Stalin
 União Soviética
1878 — 1953
Josef Stalin. Ditador. Líder da União Soviética entre 1922 e 1953 e 1º Secretário-geral do Comitê do Partido Comunista, foi o responsável pelo Holodomor, também conhecido como "Holocausto Ucraniano", entre 1932 e 1933 e fez o Grande Expurgo, no qual eliminou milhares de reais e potenciais inimigos políticos, entre 1932 e 1939. [8][9]
03
Erasmo Dias
 Brasil
1924 — 2010
Antônio Erasmo Dias. Militar. Coronel reformado do Exército que liderou uma invasão à PUC de São Paulo, em 22 de setembro de 1977, onde uma reunião de estudantes pretendia refundar a UNE, que terminou com dezenas de feridos e centenas de estudantes detidos. Posteriormente tornou-se secretário de segurança pública de São Paulo e deputado federal por esse estado. [10][11].[12]
04
Franco0001.PNG
Franco
 Espanha Nacionalista
1892 — 1975
Francisco Franco. Ditador. Intitulado generalíssimo e caudilho, governou de 1936 a 1975, instituiu o Estado Espanhol, baseado num regime totalitário intitulado franquismo, cujos valores eram católicos, autoritários e corporativistas. Fez repressão intensa aos grupos derrotados na Guerra Civil Espanhola e às minorias linguísticas dentro do país. [13][14][15]
05
Lindomar Castilho
 Brasil
1940 —
Lindomar Castilho. Cantor e instrumentista popular, conhecido pelas canções Você é Doida Demais e Eu Amo a Sua Mãe. Agressivo e ciumento, em 30 de março de 1981 assassinou Eliane de Grammont, sua segunda esposa e de quem estava separado desde o ano anterior. Foi condenado e cumpriu alguns anos de prisão nos regimes fechado e semiaberto. [16][17][18]
06
Richard M. Nixon, ca. 1935 - 1982 - NARA - 530679.jpg
Nixon
 Estados Unidos
1913 — 1994
Richard Nixon. Político republicano, foi o 37º Presidente dos Estados Unidos e governou o país de 1968 a 1974. Retirou as tropas americanas do então Vietnã do Sul, pondo fim à Guerra do Vietnã. Renunciou após ser flagrado em um escândalo de espionagem contra o Partido Democrata, intitulado Caso Watergate. [19][20]
07
Delfim Netto.jpg
Delfim
 Brasil
1928 —
Antônio Delfim Netto. Político e economista. Foi Ministro da Fazenda de 1967 a 1974, com status e apelido de "superministro", conhecido por ter arquitetado as condições para um grande crescimento econômico do país durante o auge do Regime Militar, o milagre econômico, vivido entre 1968 e 1973. [21][22]
08
Ronaldo Bôscoli
 Brasil
1928 — 1994
Ronaldo Bôscoli. Produtor musical e compositor, era polêmico e envolveu-se em muitas controvérsias, namorou as cantoras Nara Leão, Maysa Matarazzo e Elis Regina. Com a última, se casou e teve um filho, o também produtor João Marcelo Bôscoli. [23][24]
09
Baby Doc (centrée).jpg
Baby Doc
Haiti
1951 — 2014
Jean-Claude Duvalier. Ditador. 33º Presidente do Haiti, Baby Doc era filho de Papa Doc, governou o país entre 1971 e 1986. Com a forte crise econômica e o terrorismo político originado no governo de seu pai, foi obrigado a fugir para a França, onde se exilou em 1986, tendo retornado ao Haiti em 2011. [25][26][27]
10
Duvalier crop2.jpg
Papa Doc
Haiti
1907 — 1971
François Duvalier. Ditador. 32º Presidente do Haiti, François Duvalier era pai de Baby Doc e governou o país entre 1957 e 1971, quando foi sucedido pelo filho. Seu governo foi conhecido pela brutalidade, valendo-se dos tontons macoutes (bichos papões, em língua portuguesa), unidades paramilitares sob o comando direto de Papa Doc - e depois de seu filho - e pelo desrespeito aos direitos humanos, com dezenas de milhares de mortos e desaparecidos. [28][29][30]
11
WP Josef Mengele 1956.jpg
Mengele
 Alemanha Nazista
1911 — 1979
Josef Mengele. Médico. Atuou no campo de concentração de Auschwitz-Birkenau durante o regime nazista. Em função da crueldade e desumanidade de seus experimentos, ficou conhecido como o Anjo da Morte. Fugiu para a América do Sul após a guerra, vivendo sob nomes falsos primeiramente na Argentina, depois no Paraguai e por fim no Brasil, onde faleceu. [31][32][33]
12
Doca Street
 Brasil
1935 —
Raul Fernandes do Amaral Street. Corretor de ações, conhecido por assassinar em 1976 a socialite Ângela Diniz, com a qual se envolvera amorosamente. Foi julgado duas vezes: o primeiro julgamento (em 1979), no qual a defesa se baseou na tese da legítima defesa da honra, foi refeito em 1981. Cumpriu cinco anos de prisão até obter liberdade condicional em 1987. [34][35][36]
13
Nelson Rockefeller.jpg
Rockefeller
 Estados Unidos
1908 — 1979
Nelson Rockfeller. Político republicano e empresário. Foi Vice-presidente dos Estados Unidos durante o governo de Gerald Ford (1974-1977) e governador do estado de Nova Iorque de 1959 a 1973. Em 1971, Rockefeller ordenou a invasão do presídio durante a Rebelião de Attica, o que causou a morte de 39 pessoas, 10 delas reféns. [37][38]
14
Afanásio
 Brasil
1950 —
Afanásio Jazadji. Radialista e advogado, deputado estadual por São Paulo entre 1987 e 2007, defende ferrenhamente a pena de morte no Brasil. [39][40][41]
15
Dulcídio Wanderley Boschilia
 Brasil
1938 — 1998
Dulcídio Wanderley Boschilla. Árbitro de futebol nas décadas de 1970 e de 1980, conhecido pelo estilo truculento, cunhou a frase "eu quebro e arrebento". Além disso, foi policial militar e serviu à ditadura trabalhando no DOI-CODI, apesar de ter sempre afirmado que jamais participou de torturas.[42] [43][44][45]
16
Augusto Pinochet foto oficial.jpg
Pinochet
 Chile
1915 — 2006
Augusto Pinochet. Ditador. 46º Presidente do Chile entre 1973 e 1990. Seu governo, iniciado com o golpe de 11 de setembro de 1973, assim como outros regimes militares, também ficou conhecido pelo desrespeito aos direitos humanos e pela perseguição feroz aos opositores. [46][47]
17
Gilgomes3.jpg
Gil Gomes
 Brasil
1940 —
Cândido Gil Gomes. Radialista e repórter policial, famoso por sua empostação de voz, seus gestos, sua postura sensacionalista na cobertura de crimes e sua participação no extinto jornalístico Aqui Agora, do SBT. Gil foi citado na música por sua atuação anterior no rádio, pois a canção é de 1987 e o jornalístico televisivo estrearia apenas em 1991. [39][48][49]
18
Rev. Sun Myung Moon speaks, Las Vegas, NV, USA on April 4, 2010.png
Reverendo Moon
 Coreia do Sul
1920 — 2012
Sun Myung Moon. Líder religioso. Fundou a Igreja da Unificação em 1954. Autointitulava-se Salvador da Humanidade, Messias, Verdadeiro Pai, entre outros. Em 1981 foi acusado de fazer lavagem cerebral em seguidores no Brasil, país no qual possuía grandes propriedades rurais. Era bilionário e possuía empresas em vários segmentos econômicos. [50][51][52]
19
Jim Jones in front of the International Hotel.jpg
Jim Jones
 Estados Unidos
1931 — 1978
James Warren Jones. Líder religioso. Pastor evangélico, fundador da igreja Templo do Povo, que tornou-se sinônimo de grupo suicida após o suicídio em massa ocorrido no dia 18 de novembro de 1978, em sua isolada coletividade comunitária agrícola chamada Jonestown, localizada na Guiana. Jones foi encontrado morto com um ferimento de bala na cabeça junto a outros 909 corpos, a maioria de pessoas envenenadas com cianeto. [53][54]
20
Custer Portrait Restored.jpg
General Custer
 Estados Unidos
1839 — 1876
George Armstrong Custer. Militar. Tornou-se conhecido pela dureza e crueldade das batalhas que chefiava na Guerra de Secessão norte-americana e contra os índios das tribos cheyenne e sioux. Encontrou a morte na Batalha de Little Bighorn, durante as Guerras Indígenas. [55][56][57]
21
Flávio Cavalcanti
 Brasil
1923 — 1986
Flávio Cavalcanti. Comunicador, apresentador, jornalista e compositor. Conservador, dono de uma postura agressiva e por achincalhar artistas em seu programa, com direito a destruir no ar os discos dos mesmos. Polêmico, foi árduo defensor da ditadura militar, mas chegou a ter problemas com a Censura por defender Leila Diniz após ela ter dado uma entrevista para o jornal esquerdista O Pasquim. [58][59][60]
22
Adolf Hitler-1933.jpg
Adolf Hitler
 Alemanha Nazista
1889 — 1945
Adolf Hitler. Ditador e genocida. Foi chanceler da Alemanha de 1933 a 1945. Líder do nazismo, foi um dos responsáveis pela Segunda Guerra Mundial e pelo Holocausto. Autointitulava-se Der Führer (o Chefe, em alemão). [61][62]
23
Rollo - Borba Gato.jpg
Borba Gato
 Império Português
1649 — 1718
Manuel de Borba Gato. Bandeirante paulista. Motivou a Guerra dos Emboabas ao se desentender com Manuel Nunes Viana, líder dos forasteiros (emboabas). É uma figura controversa em meio à discussão sobre o que representou o bandeirantismo para o Brasil. [63][64]
24
Newton Cruz
 Brasil
1924 —
Newton Cruz. Militar. General-de-divisão do Exército, foi chefe do Serviço Nacional de Informações (SNI) durante o Regime Militar. Ameaçou pessoalmente jornalistas e manifestantes no dia da votação da emenda constitucional que garantiria as eleições diretas. Foi acusado de ter matado o jornalista Alexandre von Baumgarten e de ter participado da tentativa de atentado do Riocentro. [65][66][67]
25
Sergio Dourado
 Brasil
? —
Sergio Dourado Lopes. Corretor de imóveis e dono de construtora - a Sergio Dourado Empreendimentos Imobiliários - que fez sucesso na década de 1970, virou símbolo da especulação imobiliária ao dominar o mercado imobiliário do Rio de Janeiro. Teve sua derrocada em meados da década de 1980. [68][69][70]
26
Idi Amin -Archives New Zealand AAWV 23583, KIRK1, 5(B), R23930288.jpg
Idi Amin
Uganda
1925 — 2003
Idi Amin Dada. Ditador. 3º Presidente de Uganda, governou o país entre 1971 e 1979. Sua permanência no poder foi caracterizada pelo terror, que lhe valeu a alcunha de "o carniceiro da África" (ou "de Uganda"), entre acusações de genocídio e canibalismo. Deposto, passou o restante da vida na Arábia Saudita. [71][72][73]
27
Plínio Corrêa de Oliveira
 Brasil
1908 — 1995
Plínio Corrêa de Oliveira. Político e escritor paulista, ultramontano, fundador da Tradição, Família e Propriedade (TFP), a mais famosa organização católico-tradicionalista do Brasil. [74][75]
28
Plínio Salgado
 Brasil
1895 — 1975
Plínio Salgado. Político, escritor e jornalista. Líder da Ação Integralista Brasileira, partido político de inspiração fascista, durante o governo de Getúlio Vargas. Exilou-se entre 1938 e 1945, com o fracasso de uma revolta integralista contra o Estado Novo de Getúlio. [76][77][78]
29
Benito Mussolini in 1937.jpg
Mussolini
 Itália
1883 — 1945
Benito Mussolini. Ditador. 40º Primeiro-ministro da Itália, governou o país de 1922 a 1943. Entre 1943 e 1945, foi chefe de Estado da República Social Italiana, um estado-fantoche da Alemanha Nazista. Idealizador do fascismo. Autointitulava-se Il Duce (o Chefe, em italiano). Foi executado no fim da Segunda Guerra Mundial [79][80][81]
30
Harry S. Truman.jpg
Truman
 Estados Unidos
1884 — 1972
Harry S. Truman. Político democrata, foi o 33º Presidente dos Estados Unidos e governou o país de 1945 (assumiu após a morte de Franklin Roosevelt) em 1953. Foi responsável pela decisão de usar armas atômicas contra o Japão. Ficou conhecido pela doutrina Truman e pelo Plano Marshall. [82][83][84]
31
عکسی از خمینی.JPG
Khomeini
 Irã
1900 — 1989
Ruhollah Khomeini. Líder religioso (aiatolá) do Irã, que chegou ao poder com a Revolução Iraniana de 1979, que depôs Mohammad Reza Pahlevi, na altura o Xá (imperador) do Irã, tornando-se o 1º Líder supremo do país até a morte. [85][86][87]
32
Official Portrait of President Reagan 1981.jpg
Reagan
 Estados Unidos
1911 — 2004
Ronald Reagan. Político republicano, foi o 40º Presidente dos Estados Unidos e governou o país de 1981 a 1989. Foi um dos expoentes do neoliberalismo, iniciado por ele e continuado por George H. W. Bush ("Bush pai"). [88][89][90]
33
Chapman
 Estados Unidos
1955 —
Mark David Chapman. Criminoso que assassinou o ex-Beatle John Lennon na cidade de Nova Iorque, na noite de 8 de dezembro de 1980. Foi condenado à pena mínima de 20 anos e à máxima de prisão perpétua em 1981. Desde o ano 2000 busca a cada dois anos a possibilidade de obter liberdade condicional. [91][92][93][94]
34
Fleury.jpg
Fleury
 Brasil
1933 — 1979
Sérgio Paranhos Fleury. Policial, atuou como delegado do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS), ficando conhecido pela violência com a qual combatia os adversários do Regime Militar, submetendo-os à tortura. Comandou o Esquadrão da Morte. [95][96]

Referências

  1. Ferreira, Aurélio Buarque de Holanda (1986). Novo dicionário da língua portuguesa 2 ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira S.A. 1197 páginas. Dar nome aos bois. Bras. Revelar nomes que se vinham ocultando, geralmente por se tratar de protagonistas de acontecimentos desabonadores. 
  2. «Dicionário online Caldas Aulete». Dicionário Caldas Aulete. Consultado em 28 de julho de 2016. Dar nome aos bois 1 Bras. Pop. Identificar pessoas, situações etc. antes só genericamente mencionadas. 2 P.ext. Mencionar explicitamente, de modo pormenorizado, aquilo ou aqueles que se vinha ocultando ou a que se fazia referência vaga. 
  3. PESSOA, Carlos (25 de março de 2004). «Nome aos Bois». Jornal dos Amigos. Consultado em 1 de junho de 2015 
  4. «nomes». www.infopedia.pt. Consultado em 10 de janeiro de 2016 
  5. «Nando Reis e Os Infernais comandam virada de ano nas areias de Tambaú». Prefeitura de João Pessoa. 9 de dezembro de 2014. Consultado em 1 de junho de 2015 
  6. «Biografia / Período Presidencial». Biblioteca da Presidência da República (Brasil). Consultado em 1 de junho de 2015 
  7. «Período uniu "milagre" e auge da repressão». Folha de S.Paulo. 30 de agosto de 2002. Consultado em 1 de junho de 2015 
  8. EFE (29 de março de 2007). «Presidente ucraniano quer prisão para quem negar crimes de Stalin e Hitler». G1. Consultado em 1 de junho de 2015 
  9. «Pesquisadores descobrem novos detalhes do Grande Expurgo de Stalin». Laboratório de Estudos do Tempo Presente. Consultado em 1 de junho de 2015 
  10. FIGUEIREDO, Cecília; KOBAYASHI, Eliza Mayumi (Outubro de 2004). «Os Álbuns do DOPS» (PDF). ADUSP. Consultado em 1 de junho de 2015 
  11. MACEDO, Fausto. «Sequelas da invasão da PUC continuam». O Estado de S. Paulo. Consultado em 1 de junho de 2015 
  12. «Morre em São Paulo o ex-deputado e coronel Erasmo Dias». O Globo. 5 de janeiro de 2010. Consultado em 1 de junho de 2015 
  13. JUMILLA, J.A. «La Política Social franquista. Del organicismo social al Estado autoritario del Bienestar [1939-1977]». La Razón Histórica. Consultado em 1 de junho de 2015 
  14. Agência France Presse (28 de outubro de 2007). «Papa beatifica 498 mártires da Guerra Civil Espanhola». G1. Consultado em 1 de junho de 2015 
  15. FREITAS, Luísa Leite Santos de (Outubro de 2012). «O infinitivo flexionado no galego e no português: panorama da diacronia à sincronia» (PDF). Universidade de Brasília. Consultado em 1 de junho de 2015 
  16. SERPONE, Fernando (2 de junho de 2011). «Caso Lindomar Castilho». iG. Consultado em 1 de junho de 2015 
  17. MACHADO, Lívia (26 de maio de 2012). «'Não canto mais nem no chuveiro', afirma Lindomar Castilho». G1. Consultado em 1 de junho de 2015 
  18. ZWETSCH, Ramiro. «O Bolero de Lindomar Castilho». IstoÉ Gente. Consultado em 1 de junho de 2015 
  19. MAREK, Michael. «1973: Termina a guerra do Vietnã». Deutsche Welle. Consultado em 1 de junho de 2015 
  20. FAUS, Joan (9 de agosto de 2014). «EUA reavaliam a polêmica figura de Nixon 40 anos após a sua renúncia». El País - Internacional. Consultado em 1 de junho de 2015 
  21. FARAH, Tatiana (6 de junho de 2013). «Delfim é chamado a depor na Comissão da Verdade da Câmara de SP». O Globo. Consultado em 2 de junho de 2013 
  22. FREITAS, Cosme Luiz V. «As relações da política econômica brasileira de financiamento externo com o "milagre brasileiro"» (PDF). Centro Universitário UNIEURO. Consultado em 2 de junho de 2015 
  23. VIANNA, Luiz Fernando (18 de novembro de 2011). «Biografia retrata faces do ferino e às vezes generoso Ronaldo Bôscoli». O Globo. Consultado em 1 de junho de 2014 
  24. CARNEIRO, Luiz Felipe (15 de janeiro de 2009). «A polêmica Maysa entra no "Barquinho" da Bossa Nova». SRZD. Consultado em 1 de junho de 2015 
  25. «Ex-líder do Haiti 'Baby Doc' volta ao país após 25 anos de exílio». BBC. 17 de janeiro de 2011. Consultado em 2 de junho de 2015 
  26. ALONSO, Aurélio (18 de janeiro de 2011). «Chegada de Baby Doc surpreende exército no Haiti». JCNET. Consultado em 2 de janeiro de 2011 
  27. Agência EFE (4 de outubro de 2014). «Ex-presidente do Haiti, Baby Doc morre sem pagar por crimes». Exame.com. Consultado em 2 de junho de 2015 
  28. SIMON, Roberto (18 de janeiro de 2011). «O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link internacional.estadao.com.br/noticias/geral,saudoso-velho-tonton-macoute-apresenta-se-para-o-servico-imp-,667678». O Estado de S. Paulo. Consultado em 2 de junho de 2015 
  29. «"Tontons" simbolizaram terror de Estado». Instituto Humanitas Unisinos. 24 de janeiro de 2011. Consultado em 2 de junho de 2015 
  30. «Papa Doc inicia reinado de terror no Haiti». O Globo. 8 de agosto de 2013. Consultado em 2 de junho de 2015 
  31. «Filha de sobrevivente do Holocausto lembra presença nazista no Paraguai». Terra. 27 de janeiro de 2015. Consultado em 3 de junho de 2015 
  32. «Livro atribui a Mengele 'boom' de gêmeos em cidade gaúcha». BBC. 29 de janeiro de 2009. Consultado em 3 de junho de 2015 
  33. GALLE, Helmut (Janeiro–Abril de 2011). «Os escritos autobiográficos de Josef Mengele». Revista Estudos Avançados (republicado em Scielo.br). Consultado em 3 de junho de 2015 
  34. FURTADO, Jonal (11 de setembro de 2006). «"Penso em Ângela todos os dias"». IstoÉ Gente (ed. 368). Consultado em 27 de março de 2014 
  35. PAULO FILHO, Pedro. «O Caso Doca Street». OAB-SP (republicação de Grandes Advogados, Grandes Julgamentos) 
  36. BRUM, Eliane (1 de setembro de 2006). «"Nem sei onde atirei"». Época. Consultado em 2 de junho de 2015 
  37. «40 Years After Attica Rebellion, New Tapes Reveal Nixon, Rockefeller Praised Deadly Crackdown». Democracy Now!. 16 de setembro de 1971. Consultado em 3 de junho de 2015 
  38. «Rockefeller se defende no massacre de Attica». Correio da Manhã (republicado pela Biblioteca Nacional. Consultado em 3 de junho de 2015 
  39. a b WILSON, José (Dezembro de 1984). «O crime pelo rádio» (PDF). Scielo.br. Consultado em 1 de junho de 2015 
  40. JAZADJI, Afanásio (11 de novembro de 2000). «Pena rigorosa inibe a prática do crime». Folha de S.Paulo. Consultado em 1 de junho de 2015 
  41. «Afanasio Jazadji estreia no Boletim de Ocorrências; assista». SBT. 16 de março de 2010. Consultado em 1 de junho de 2015 
  42. «:: Memória Roda Viva - www.rodaviva.fapesp.br ::». www.rodaviva.fapesp.br. Consultado em 12 de setembro de 2017 
  43. DEIRO, Bruno (22 de maio de 2011). «Primo resgata o sobrenome Boschilia na arbitragem». Estadão.com.br. Consultado em 2 de junho de 2015 
  44. ROZEMBERG, Marcelo. «Que fim levou? Dulcídio Wanderley Boschilla». Terceiro Tempo. Consultado em 2 de junho de 2015 
  45. MARTINS, José Eduardo (19 de março de 2014). «Chegou a hora de Boschilia no São Paulo». Diário de São Paulo. Consultado em 2 de junho de 2015 
  46. Agência France Presse (8 de abril de 2013). «Vaticano minimizou crimes de Pinochet, diz Wikileaks». G1. Consultado em 3 de junho de 2015 
  47. Agência Estado (10 de dezembro de 2006). «O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link internacional.estadao.com.br/noticias/geral,pinochet-liderou-golpe-de-1973-e-foi-condenado-por-genocidio,20061210p53922». Estadão.com.br. Consultado em 3 de junho de 2015 
  48. «"Sinto falta de falar, agora sai tudo enrolado", diz Gil Gomes». UOL Entretenimento. 23 de março de 2014. Consultado em 1 de junho de 2015 
  49. MANSO, Bruno Paes (2 de dezembro de 2014). «WhatsApp e Face obrigam novo debate sobre o sensacionalismo no jornalismo». Estadão.com.br. Consultado em 1 de junho de 2015 
  50. «Reverendo Moon é multado por crime ambiental em sua fazenda em MS». Folha OnLine. 27 de setembro de 2000. Consultado em 3 de junho de 2015 
  51. Agência EFE (3 de setembro de 2012). «O fantástico império erguido pelo reverendo Moon». Veja. Consultado em 3 de junho de 2015 
  52. «Morre aos 92 anos Sun Myung Moon, o reverendo Moon». G1. 2 de setembro de 2012. Consultado em 3 de junho de 2015 
  53. «A alma escura do reverendo Jones». Revista Terra (edição 434). Novembro de 2008. Consultado em 3 de junho de 2015 
  54. MOURA< Jaime Francisco de (2009). «Lavagem Cerebral e Hipnose (página 127)». Google Livros. Consultado em 3 de junho de 2015 
  55. (Texto traduzido de history-world.com). «Guerra da Secessão - retrato do General George A. Custe». Secretaria da Educação do Estado do Paraná. Consultado em 3 de junho de 2015 
  56. GOMES, Maria José de Sousa (Janeiro de 2013). «O Genocídio dos Índios Nativos Norte Americanos» (PDF). Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto. Consultado em 3 de junho de 2015 
  57. ANGELO, Claudio (19 de abril de 2008). «Cada país tem o seu Custer, diz Possuelo». Folha de S.Paulo. Consultado em 3 de junho de 2015 
  58. SENNA, Paulo (1 de julho de 2008). «Programa Flávio Cavalcanti - o polêmico apresentador». O Globo. Consultado em 3 de junho de 2015 
  59. SENNA, Paulo (29 de agosto de 2011). «25 anos sem Flávio Cavalcanti». O Globo. Consultado em 3 de junho de 2015 
  60. Agência Estado (27 de agosto de 2001). «Livro analisa doutrina política de Flávio Cavalcanti». O Estado de S. Paulo. Consultado em 3 de junho de 2011 
  61. FERRAZ, Francisco César Alves (Outubro de 1999). «Hitler, a história e a historiografia». Revista Hist. Ensino. Consultado em 3 de junho de 2015 
  62. «A "Solução Final": uma visão geral». United States Holocaust Memorial Museum. Consultado em 3 de junho de 2015 
  63. RAIMUNDO, Silvia Lopes (5 de novembro de 2012). «Bandeirantismo e identidade nacional». Terra Brasilis. Consultado em 3 de junho de 2015 
  64. RESENDE, Marcelo J. B. «O Bandeirante Borba Gato». Sabará - Site Oficial de Turismo. Consultado em 3 de junho de 2015 
  65. MIRANDA, Tiago (22 de abril de 2014). «Diretas Já: deputados lembram dia da votação e pressão dos militares por rejeição da emenda». Câmara dos Deputados. Consultado em 3 de junho de 2015 
  66. ARAÚJO, Luiz Edmundo. «Clovis Sahione - Advogado das causas impossíveis». IstoÉ Gente. Consultado em 3 de junho de 2015 
  67. ALZUGARAY, Paula. «Cerco ao general». IstoÉ Gente. Consultado em 3 de junho de 2015 
  68. CASTRO, Thell de (13 de julho de 2014). «Em 1982, pressão de construtoras impediu reprise de novela na Globo». Notícias da TV. Consultado em 1 de junho de 2015 
  69. JAKOBSKIND, Mário Augusto (24 de maio de 2015). «O Rio e a violência urbana». Correio do Brasil. Consultado em 1 de junho de 2015 
  70. HELENA, Letícia (16 de novembro de 2013). «Perfil: Moysés Abitbol». O Globo. Consultado em 1 de junho de 2015 
  71. Agência France Presse (16 de agosto de 2003). «Morre o ex-ditador ugandense Idi Amin Dada». Folha de S.Paulo. Consultado em 1 de junho de 2015 
  72. «Morre ex-ditador de Uganda Idi Amin Dada». Terra. 16 de agosto de 2003. Consultado em 1 de junho de 2015 
  73. «Tirano e Canibal». SuperInteressante.pt. Consultado em 1 de junho de 2015 
  74. «Tradicionalismo e conservadorismo católicos: as ideologias em jogo. Entrevista especial com Rodrigo Coppe Caldeira». Instituto Humanitas Unisinos. 30 de julho de 2011. Consultado em 1 de junho de 2015 
  75. ZANOTTO, Gisele (2003). «É o caos!!! A luta antiagrorreformista de Plínio Corrêa de Oliveira» (PDF). Universidade Federal de Santa Catarina. Consultado em 1 de junho de 2015 
  76. «Plínio Salgado - Biografia». Dicionário Histórico Biográfico Brasileiro pós 1930 (republicado em CPDOC-FGV. 2001. Consultado em 3 de junho de 2015 
  77. BERTONHA, João Fábio (2011). «Plínio Salgado, o integralismo brasileiro e as suas relações com Portugal (1932-1975)» (PDF). Análise Social, vol. XLVI (198). Consultado em 3 de junho de 2015 
  78. SCHMIDT, Patrícia (2008). «Plínio Salgado: O discurso integralista, a revolução espiritual e a ressurreição da nação» (PDF). Universidade Federal de Santa Catarina. Consultado em 3 de junho de 2015 
  79. «Benito Mussolini (1883-1945)» (PDF). José Adelino Maltez. Consultado em 2 de junho de 2015 
  80. ROCKWELL, Lew (9 de julho de 2014). «O que realmente é o fascismo». Instituto Ludwig van Mises Brasil. Consultado em 2 de junho de 2015 
  81. KERTZER, David (Julho de 2011). «Rituais políticos e a transformação do Partido Comunista Italiano1». Horizontes Antropológicos (republicado Scielo.br). Consultado em 2 de junho de 2015 
  82. FREIDEL, Frank, SIDEY, Hugh (2006). «Harry S. Truman - biography». "The Presidents of the United States of America(republicado em WhiteHouse.gov). Consultado em 2 de junho de 2015 
  83. «1945: Capitulação do Japão na Segunda Guerra Mundial». Deutsche Welle. Consultado em 2 de junho de 2015 
  84. ROTTA, Helen Rocha (Dezembro de 2012). «A Doutrina Truman e a criação do Estado de Israel: o lobby judaico na política americana» (PDF). Revista Historiador. Consultado em 2 de junho de 2015 
  85. LOPES, Margarida Santos (19 de outubro de 2008). «Farah Diba Pahlavi: Os EUA retiveram o Xá nos Açores para o entregar a Khomeini». Público. Consultado em 2 de junho de 2015 
  86. «Revolução religiosa no Irã: Khomeini assumiu o poder em fevereiro de 1979». O Globo. 4 de outubro de 2013. Consultado em 2 de junho de 2015 
  87. «Conheça o aís - Irã - cronologia histórica». Veja OnLine. Consultado em 2 de junho de 2015 
  88. FREIDEL, Frank; SIDEY, Hugh (2006). «Ronald Reagan». The Presidents of the United States of America (republicado em WhiteHouse.gov). Consultado em 2 de junho de 2015 
  89. MELLO FILHO, Marcelo Soares Bandeira de (2 de dezembro de 2011). «Revista Oikos». Consultado em 2 de junho de 2015 
  90. MARIANI, João Édio (Agosto–Novembro de 2007). «A trajetória de implantação do Neoliberalismo». Revista Urutágua (ed. 13). Consultado em 2 de junho de 2015 
  91. «O primeiro e último dia de John Lennon e Mark Chapman». Sul21. Consultado em 1 de junho de 2015 
  92. «Após 30 anos, assassino de John Lennon é transferido para outra prisão de segurança máxima». ZH Entretenimento. 16 de maio de 2012. Consultado em 1 de junho de 2015 
  93. Agência France Presse (22 de agosto de 2014). «Assassino de John Lennon tem liberdade negada pela oitava vez». G1. Consultado em 1 de junho de 2015 
  94. «Mark Chapman fala sobre o assassinato de John Lennon». RollingStone. 25 de dezembro de 2010. Consultado em 1 de junho de 2015 
  95. DAL PIVA, Juliana (17 de junho de 2011). «109 dias de tortura». IstoÉ Independente. Consultado em 1 de junho de 2015 
  96. TAVOLARO, Douglas. «História macabra». IstoÉ Independente. Consultado em 1 de junho de 2015