Nosso Lar (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nosso Lar
Poste Nosso Lar.jpg
 Brasil
2010 •  cor •  105 min 
Direção Wagner de Assis
Produção Iafa Britz
Produção executiva Luiz Augusto de Queiroz
Elizabeth Marinho Dias
Roteiro Wagner de Assis
Elenco Renato Prieto
Fernando Alves Pinto
Rosanne Mulholland
Inês Vianna
Rodrigo dos Santos
Género drama
Música Philip Glass
Direção de arte Lia Renha
Figurino Luciana Buarque
Cinematografia Ueli Steiger
Edição Marcelo Moraes
Distribuição Brasil 20th Century Fox
Lançamento Brasil 3 de Setembro de 2010
Idioma Português
Orçamento R$ 20 Milhões
Página no IMDb (em inglês)

Nosso Lar é um filme de longa metragem brasileiro, dirigido e roteirizado por Wagner de Assis, baseado na obra homônima escrita através de psicografia pelo médium Chico Xavier, sob a influência do espírito André Luiz.

O ator que representa André Luiz, o personagem principal da história, é Renato Prieto. O filme conta com alguns atores e atrizes bastante conhecidos da teledramaturgia brasileira como Othon Bastos, Ana Rosa e Paulo Goulart, dentre outros. Tendo sido gravado durante os meses de julho, agosto e setembro de 2009 em locações no Rio de Janeiro e Brasília[1], foi lançado em 3 de setembro de 2010,[2] tendo alcançado um público de 1,6 milhão de espectadores nos cinemas em 10 dias de exibição[3]. E ao todo, foi visto por mais de 4 milhões de espectadores nos cinemas[4].

Desenhos minuciosos do mapa da cidade "Nosso Lar" assim como a arquitetura das edificações, ministérios e casas, foram criados pela médium Heigorina Cunha através de suas observações realizadas durante suas saídas do corpo (desdobramento) em março de 1979, conduzidas e orientadas pelo espírito Lucius. Seus desenhos foram esclarecidos e confirmados por Chico Xavier de que se tratava realmente da cidade “Nosso Lar” [5][6] e mais tarde serviram de inspiração para criar o visual arquitetônico da cidade que se vê no filme.[carece de fontes?]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Ao despertar no Mundo Espiritual, André Luiz se depara com criaturas assustadoras e sombrias vivendo, juntamente com ele, neste lugar escuro e sombrio. Além disso, ele também se assusta por perceber que apesar de ter "morrido" ele ainda continua vivo e ainda sente fome, sede, frio e outras sensações materiais. Após um longo período de sofrimento ele é recolhido dessa zona de sofrimento e purgação de falhas do passado por espíritos do bem e é levado para a Colônia Espiritual Nosso Lar, de onde surge o nome do filme. A partir desse momento ele começa a conhecer melhor a vida no além-túmulo e a aprender lições e adquirir conhecimentos que mudarão completamente o seu modo de enxergar a vida.

Tendo então tomado consciência de que está desencarnado (morto), sente imensa vontade de voltar à Terra para visitar e rever parentes próximos de quem guarda imensa saudade. Entretanto, como narra a sinopse do site oficial do filme, isso acontece só para que ele perceba "a grande verdade - a vida continua para todos"[1].

Elenco[editar | editar código-fonte]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Érico Borgo em sua crítica para o Omelete escreveu: "[O filme] tem defeitos de monte (...) O resultado, ainda que deva encantar quem já conhece a obra original, é redundante e cansativo para quem se interessa por Nosso Lar apenas como cinema. (...) A solução só piora ainda mais quando personagens professorais (...) [que] explicam tudo, o tempo todo. A dramaticidade, portanto, é mero pano de fundo para um filme de reafirmação e disseminação da doutrina espírita. (...) O que fica difícil compreender é como um filme de uma doutrina tão positiva (...) atropele a fé alheia em nome do espetáculo (...) a chegada ao Nosso Lar das vítimas do Holocausto, [com] estrelas de Davi costuradas no peito e peiot no cabelo, é difícil de assistir. Ainda que tente ser respeitosa e solene, a sequência ignora diferenças fundamentais nos conceitos de vida eterna das duas religiões e me pareceu equivocada e invasiva. Não importa o quanto você tenha certeza de suas crenças - elas são suas e não do outro."[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.