Nova Hollywood

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A Nova Hollywood, também chamada de Hollywood pós-clássica e, às vezes, American New Wave, refere-se a um movimento cinematográfico estadunidense que renovou significativamente a produção técnica e estética da indústria de cinema dos Estados Unidos na década de 1970, após vivenciar uma profunda crise econômica e de paradigmas na primeira metade dos anos 1960.[1]

Distinto das propostas estéticas e das condições de produção de estúdio estabelecidas nas gerações anteriores da chamada "era de ouro de Hollywood", embora também tivesse sido influenciado por esse, o cinema autoral da Nova Hollywood procurou se inspirar no cinema de vanguarda europeu da década de 1960 e dialogar direta ou indiretamente com contexto político de sua época, cujas temáticas principais eram a defesa da contracultura, da igualdade racial, da liberalização de costumes e do pacifismo, produzindo uma geração de cineastas libertos do controle dos grandes estúdios e com um olhar mais crítico e incisivo sobre a sociedade estadunidense.[2]

Influenciados por John Cassavetes, Robert Mulligan, Arthur Penn, Robert Aldrich, Sam Peckinpah e Don Siegel, a nova geração formada por jovens cineastas como Martin Scorsese, Francis Ford Coppola, Peter Bogdanovich, Michael Cimino, Paul Schrader, George Lucas, Steven Spielberg e Brian De Palma ganhou notoriedade, ao assumir um protagonismo como diretores autorais e influenciar os tipos de filmes realizados, a sua produção e distribuição e seu relacionamento com os grandes estúdios.

Embora não haja consenso entre a crítica especializada sobre a periodização da Nova Hollywood [nota 1], costuma-se atribuir o ano de 1967 como o início do movimento, quando foi lançado o aclamado Bonnie e Clyde, de Arthur Penn, e o seu ocaso em 1980, com o fracassado Heaven's Gate, de Michael Cimino, que provocou a falência da United Artists.[3] Já o seu ápice teria ocorrido em 1972, quando foram lançados The Godfather e What's Up, Doc?, dois dos mais populares títulos do movimento.[4]

História[editar | editar código-fonte]

Após o caso United States v. Paramount Pictures, Inc. (que encerrou as reservas em bloco e a propriedade de cadeias de cinemas por estúdios de cinema) e o advento da televisão, que enfraqueceram gravemente o sistema de estúdio tradicional, os estúdios de Hollywood inicialmente usaram o espetáculo para manter a lucratividade. Technicolor desenvolveu um uso muito mais difundido, enquanto processos widescreen e melhorias técnicas, como CinemaScope, som estéreo e outros, como 3-D, foram inventados para reter a audiência cada vez menor e competir com a televisão. No entanto, eles geralmente não tiveram sucesso em aumentar os lucros.[5] Em 1957, a revista Life revista chamou a década de 1950 de "a década horrível" para Hollywood.[6]

Os anos 1950 e o início dos anos 1960 viram uma Hollywood dominada por musicais, épicos históricos e outros filmes que se beneficiaram das telas maiores, enquadramento mais amplo e som aprimorado. Portanto, já em 1957, a época foi apelidada de "Nova Hollywood".[6] No entanto, a participação do público continuou a diminuir e atingiu níveis alarmantemente baixos em meados da década de 1960. Vários fracassos caros, incluindo Tora! Tora! Tora! e Hello, Dolly!, e as tentativas fracassadas de replicar o sucesso de The Sound of Music, colocaram grande pressão sobre os estúdios.[7]

Na época em que a geração baby boomer estava amadurecendo na década de 1960, a "Velha Hollywood" estava perdendo dinheiro rapidamente; os estúdios não tinham certeza de como reagir às mudanças demográficas do público. A mudança no mercado durante o período foi de um público de meia-idade com ensino médio em meados da década de 1960 para um grupo demográfico mais jovem e rico com ensino superior: em meados da década de 1970, 76% de todos os cinéfilos tinham menos de 30 anos, 64% dos quais tinham feito faculdade.[8] Filmes europeus, de arte e comerciais (especialmente a Commedia all'italiana, a Nouvelle vague, o Spaghetti western) e o cinema japonês e stavam fazendo um respingo no Estados Unidos — o enorme mercado de jovens descontentes parecia encontrar relevância e significado artística em filmes como Blowup de Michelangelo Antonioni, com sua estrutura narrativa oblíqua e nudez feminina full-frontal.[9][10]

O desespero sentido pelos estúdios durante esse período de retração econômica, e após as perdas com os caros fracassos do cinema, levou à inovação e à tomada de riscos, permitindo maior controle por diretores e produtores mais jovens[11] Portanto, na tentativa de capturar aquele público que encontrou uma conexão com os "filmes de arte" da Europa, os estúdios contrataram uma série de jovens cineastas (alguns dos quais foram orientados por Roger Corman) e lhes permitiram fazer seus filmes com relativamente pouco controle de estúdio. Isso, junto com a quebra do Código de Produção em 1966 e o ​​novo sistema de classificação em 1968 (refletindo a crescente segmentação do mercado), definiu o cenário para Nova Hollywood.[12]

Bonnie and Clyde[editar | editar código-fonte]

Um filme que definiu a geração da Nova Hollywood foi Bonnie and Clyde (1967).[13]

Produzido e estrelado por Warren Beatty e dirigido por Arthur Penn, sua combinação de violência gráfica e humor, bem como seu tema de juventude glamorosa e insatisfeita, fez sucesso com o público. O filme ganhou o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante (Estelle Parsons)[14] e Melhor Fotografia.[15][16]

Seu retrato da violência e ambigüidade em relação aos valores morais, e seu final surpreendente, dividiu os críticos. Após uma das críticas negativas, a revista Time recebeu cartas de fãs do filme e, de acordo com o jornalista Peter Biskind, o impacto da crítica Pauline Kael em sua crítica positiva do filme (outubro de 1967, New Yorker) levou outros críticos a segui-la conduzir e reavaliar o filme (notavelmente Newsweek e Time).[17] Kael chamou a atenção para a inocência dos personagens do filme e o mérito artístico do contraste disso com a violência do filme: “Em certo sentido, é a ausência de sadismo - é a violência sem sadismo - que joga o audiência desequilibrada em Bonnie and Clyde. A brutalidade que surge dessa inocência é muito mais chocante do que as brutalidades calculadas de assassinos cruéis. "Kael também observou a reação do público ao clímax violento do filme e o potencial de empatia com a gangue de criminosos em termos de sua ingenuidade e inocência, refletindo uma mudança nas expectativas do cinema americano.[18]

Matéria de capa da revista Time em dezembro de 1967, celebrou o filme e a inovação no cinema New Wave americano. Este influente artigo de Stefan Kanfer afirmou que Bonnie and Clyde representavam um "Novo Cinema" por meio de suas linhas de gênero borradas e desconsiderando aspectos respeitados da trama e da motivação, e que "Tanto na concepção quanto na execução, Bonnie and Clyde são um divisor de águas, o tipo que sinaliza um novo estilo, uma nova tendência."[10] Biskind afirma que esta revisão e reviravolta por alguns críticos permitiu que o filme fosse relançado, provando assim seu sucesso comercial e refletindo a mudança para Nova Hollywood.[19] O impacto deste filme é importante para entender o resto da New Wave americana, bem como as condições que foram necessárias para isso.

Esses sucessos iniciais pavimentaram o caminho para o estúdio abrir mão do controle quase total para esses jovens cineastas inovadores. Em meados da década de 1970, filmes originais idiossincráticos e surpreendentes, como Paper Moon, Dog Day Afternoon, Chinatown e Taxi Driver, entre outros, tiveram enorme sucesso comercial e de crítica. Esses sucessos dos membros da Nova Hollywood levaram cada um deles a fazer exigências cada vez mais extravagantes, tanto no estúdio como, eventualmente, no público.

Características[editar | editar código-fonte]

Essa nova geração de cineastas de Hollywood era o mais importante, do ponto de vista dos estúdios, jovem, portanto capaz de atingir o público jovem que estavam perdendo. Este grupo de jovens cineastas — atores, escritores e diretores — apelidado de "Nova Hollywood" pela imprensa, mudou brevemente o negócio do sistema de Hollywood dirigido por produtores do passado.

Todd Berliner escreveu sobre as práticas narrativas incomuns do período. A década de 1970, diz Berliner, marca a transformação formal mais significativa de Hollywood desde a conversão para o filme sonoro e é o período definidor que separa os modos de contar histórias da era do estúdio e da Hollywood contemporânea. Os novos filmes de Hollywood se desviam das normas narrativas clássicas mais do que os filmes de Hollywood de qualquer outra era ou movimento. Seus dispositivos narrativos e estilísticos ameaçam inviabilizar uma narração direta. Berliner argumenta que cinco princípios governam as estratégias narrativas características dos filmes de Hollywood dos anos 1970:

  • Os filmes dos anos setenta mostram uma tendência perversa de integrar, de maneiras incidentais, narrativas, informações de história e dispositivos estilísticos contraproducentes para os propósitos narrativos evidentes e essenciais dos filmes.
  • Os cineastas de Hollywood dos anos 1970 muitas vezes situam suas práticas cinematográficas entre as da Hollywood clássica e as do cinema de arte europeu e asiático.
  • Os filmes dos anos setenta provocam respostas do espectador mais incertas e desconfortáveis ​​do que as do cinema mais típico de Hollywood.
  • As narrativas dos anos 1970 colocam uma ênfase incomum na indecisão, especialmente no momento do clímax ou nos epílogos, quando os filmes mais convencionais de Hollywood se ocupam em amarrar pontas soltas.
  • O cinema dos anos setenta atrapalha a linearidade e o ímpeto da narrativa e esgota seu potencial para gerar suspense e emoção. [20]

Thomas Schatz aponta para outra diferença com a Idade de Ouro de Hollywood, que trata da relação entre personagens e enredo. Ele argumenta que o enredo nos filmes clássicos de Hollywood (e em alguns dos filmes anteriores da Nova Hollywood, como The Godfather) "tendia a emergir mais organicamente em função dos impulsos, desejos, motivações e objetivos dos personagens centrais". No entanto, a partir de meados da década de 1970, ele aponta para uma tendência de que "personagens se tornam funções de enredo".[21]

Durante o auge do sistema de estúdio, os filmes eram feitos quase que exclusivamente em estúdios isolados. O conteúdo dos filmes era limitado pelo Código de Produção Cinematográfica e, embora os cineastas da era dourada encontrassem brechas em suas regras, a discussão de mais conteúdo tabu por meio do filme foi efetivamente evitada. A mudança em direção a um "novo realismo" foi possível quando o sistema de classificação de filmes da Motion Picture Association of America foi introduzido e a filmagem em locações se tornou mais viável.

Por causa dos avanços na tecnologia de filme (por exemplo, a câmera Panavision Panaflex, lançada em 1972), os cineastas da Nova Hollywood puderam filmar filmes de 35 mm em exteriores com relativa facilidade. Como a filmagem em locações era mais barata (não é necessário construir conjuntos), os cineastas da Nova Hollywood rapidamente desenvolveram o gosto pela filmagem em locações, resultando em uma abordagem mais naturalista da filmagem, especialmente quando comparada à abordagem estilizada dos musicais clássicos de Hollywood e espetáculos feitos para competir com televisão durante os anos 1950 e início dos anos 1960.

No entanto, na edição de Nova Hollywood, os cineastas aderiram ao realismo de maneira mais liberal do que a maioria de seus predecessores clássicos de Hollywood, muitas vezes usando a edição para fins artísticos e não apenas para a continuidade, uma prática inspirada por filmes de arte europeus e diretores clássicos de Hollywood, como D. W. Griffith e Alfred Hitchcock. Filmes com edição não ortodoxa incluíram o uso da edição de Easy Rider para prenunciar o clímax do filme, bem como os usos mais sutis, tais como a edição para refletir o sentimento de frustração em Bonnie and Clyde e da subjetividade do protagonista de The Graduate.[22]

O fim do código de produção permitiu que os filmes da Nova Hollywood apresentassem temas políticos antiestabelecidos, o uso de música rock e a liberdade sexual considerada "contra-cultural" pelos estúdios.[23] O movimento jovem da década de 1960 transformou anti-heróis como Bonnie and Clyde e Cool Hand Luke em ídolos da cultura pop, e a revista Life chamou os personagens de Easy Rider de "parte do mito fundamental central para a contracultura do final dos anos 1960."[24] Easy Rider também afetou a forma como os estúdios procuravam atingir o mercado jovem.[24] O sucesso de Midnight Cowboy, apesar da classificação X, evidenciou o interesse por temas polêmicos à época e também evidenciou a fragilidade do sistema de classificação e segmentação de público.[25]

Interpretações sobre a definição do movimento[editar | editar código-fonte]

Para Peter Biskind, a nova onda foi prenunciada por Bonnie and Clyde e começou para valer com Easy Rider. O livro Easy Riders, Raging Bulls de Biskind argumenta que o movimento de Nova Hollywood marcou uma mudança significativa em direção a trabalhos inovadores e produzidos de forma independente por uma nova onda de diretores, mas que essa mudança começou a se reverter quando o sucesso comercial de Jaws e Star Wars levou ao realização pelos estúdios da importância dos sucessos de bilheteria, da publicidade e do controle da produção.[26]

Escrevendo em 1968, a crítica Pauline Kael argumentou que a importância de The Graduate estava em seu significado social em relação a um novo público jovem e no papel da mídia de massa, ao invés de quaisquer aspectos artísticos. Kael argumentou que os estudantes universitários que se identificavam com The Graduate não eram muito diferentes do público que se identificava com personagens de dramas da década anterior.[27]

John Belton aponta para a mudança demográfica para públicos ainda mais jovens e conservadores em meados dos anos 1970 (50% com idade entre 12 e 20 anos) e a mudança para temas menos politicamente subversivos no cinema convencional,[28] assim como Thomas Schatz, que viu da metade para o fim da década de 1970 como o declínio do movimento do cinema de arte como uma força significativa da indústria com seu pico em 1974-1975 com Nashville e Chinatown.[29]

Geoff King vê o período como um movimento provisório no cinema americano onde uma conjunção de forças levou a uma medida de liberdade na produção cinematográfica,[30] enquanto Todd Berliner afirma que o cinema dos anos setenta resiste à eficiência e harmonia que normalmente caracterizam o cinema clássico de Hollywood e testa os limites do modelo clássico de Hollywood.[31]

Segundo o autor e crítico de cinema Charles Taylor (Opening Wednesday at a Theater or Drive-In Near You), ele afirmou que "os anos 1970 continuam sendo o terceiro - e, até agora, o último - grande período do cinema americano".[32]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Nova Hollywood não ficou sem críticas, como em um artigo do Los Angeles Times, a crítica de cinema Manohla Dargis descreveu como a "era alegre" da produção cinematográfica da década que "foi menos revolução do que os negócios normais, com exagero rebelde".[33] Ela também apontou em seu artigo no NY Times, seus entusiastas insistindo que era "quando os filmes americanos cresceram (ou pelo menos estrelaram atrizes malvestidas); quando os diretores faziam o que queriam (ou pelo menos eram transformados em marcas); quando a criatividade imperava (ou pelo menos correu gloriosamente enlouquecido, embora muitas vezes com o dinheiro do estúdio)."[34]

Esta era do cinema americano também foi criticada por sua excessiva decadência.[35]

Legado[editar | editar código-fonte]

Os filmes de Steven Spielberg, Brian De Palma, Martin Scorsese e Francis Ford Coppola influenciaram os filmes do gênero Poliziotteschi na Itália[36] e uma década depois o movimento Cinéma du look na França.[37]

Lista de figuras selecionadas importantes e notáveis do movimento[editar | editar código-fonte]

Atores[editar | editar código-fonte]

Diretores[editar | editar código-fonte]

Outros[editar | editar código-fonte]

Lista de filmes selecionados importantes e notáveis[editar | editar código-fonte]

A seguir está uma lista cronológica de filmes notáveis que geralmente são considerados produções da "Nova Hollywood".

Notas

  1. O professor Sérgio Alpenfre organizou a seguinte lista de críticos e historiadores: para Todd Berliner, a Nova Hollywood começa em 1970 e termina em 1977; Thomas Elsaesser sugere o início em 1967 e o fim em 1975; Robin Wood delimita o período entre 1970 a 1984; Peter Biskind estabelece algo entre 1967 e 1980 (embora catalogue filmes realizados até 1982); Noel King indica uma fase entre 1967 e 1977; John Belton aponta para o início mais ou menos em 1969 e o término em meados dos anos 1980; Mark Harris considera 1967 como o ano-chave para as mudanças; Geoff King cita genericamente algo "do meio para o fim dos anos 1960 ao meio para o fim dos anos 1970"; David Cook vai de 1969 - ano de Easy Rider e Midnight Cowboy - a 1975 - ano de Jaws; e Alexander Horwath estabelece Bonnie e Clyde como a inauguração do movimento e Taxi Driver (de 1976) como fim.[3]

Referências

  1. Francis Vogner dos Reis e Paulo Santos Lima (janeiro de 2015). «Nova Hollywood (In: Easy Riders – O Cinema da Nova Hollywood (PDF). Centro Cultural Banco do Brasil. p. 7. 144 páginas. Consultado em 17 de abril de 2015 
  2. «Easy Riders – O Cinema da Nova Hollywood» (PDF). Centro Cultural Banco do Brasil. Janeiro de 2015. p. 2. 144 páginas. Consultado em 17 de abril de 2015 
  3. a b Sérgio Alpendre (janeiro de 2015). «O nascimento da Nova Hollywood (In: Easy Riders – O Cinema da Nova Hollywood (PDF). Centro Cultural Banco do Brasil. p. 69. 144 páginas. Consultado em 17 de abril de 2015 
  4. Filipe Furtado (janeiro de 2015). «Sobre cowboys solitários e mitos revisitados (In: Easy Riders – O Cinema da Nova Hollywood (PDF). Centro Cultural Banco do Brasil. p. 54. 144 páginas. Consultado em 17 de abril de 2015 
  5. David E James, Allegories of Cinema, American film in the Sixties, Princeton University Press, New York, 1989, pp. 14–26
  6. a b Hodgins, Eric (10 de junho de 1957). «Amid Ruins of an Empire a New Hollywood Arises». Life. p. 146. Consultado em 22 de abril de 2012 
  7. (Schatz 1993, pp. 15–20)
  8. (Belton 1993, p. 290)
  9. David A Cook, "Auteur Cinema and the film generation in 70s Hollywood", in The New American Cinema by Jon Lewis (ed), Duke University Press, New York, 1998, pp. 1–4
  10. a b Stefan Kanfer, The Shock of Freedom in Films, Time Magazine, 8 de dezembro de 1967, Acessado em 25 de abril de 2009, [1]
  11. (Schatz 1993, pp. 14–16)
  12. (Schatz 1993)
  13. a b «AFI Silver Theatre and Cultural Center». www.afi.com 
  14. Estelle Parsons winning Best Supporting Actress-Oscars on YouTube
  15. Burnett Guffey winning the Oscar® for cinematography for "Bonnie and Clyde"-Oscars on YouTube
  16. 1968|Oscars.org
  17. (Biskind 1998, pp. 40–47)
  18. Pauline Kael, "Bonnie and Clyde" in, Pauline Kael, For Keeps (Plume, New York, 1994) pp. 141–57. Originally published in The New Yorker, October 21, 1967
  19. (Biskind 1998)
  20. (Berliner 2010, pp. 51–52)
  21. (Schatz 1993, pp. 22)
  22. (Monaco 2001, p. 183)
  23. (Schatz 1993, pp. 12–22)
  24. a b (Monaco 2001, pp. 182–188)
  25. (Belton 1993, p. 288)
  26. (Biskind 1998, p. 288)
  27. Pauline Kael, "Trash, Art, and the Movies" in Going Steady, Film Writings 1968–69, Marion Boyers, New York, 1994, pp. 125–7
  28. (Belton 1993, pp. 292–296)
  29. (Schatz 1993, p. 20)
  30. (King 2002, p. 48)
  31. (Berliner 2010)
  32. a b Book Review: 'Opening Wednesday At A Theater Or Drive-In Near You,' By Charles Taylor: NPR
  33. a b Dargis, Dargis (17 de agosto de 2003). «The '70s: Get over it». Los Angeles Times. Consultado em 12 de março de 2018 
  34. a b «'60s Hollywood, the Rebels and the Studios: Power Shifted (or Did It?)». The New York Times. Consultado em 19 de julho de 2018 
  35. Decade of decadence: Nicholson, Polanski and Hollywood in the Seventies|The Independent
  36. Violent Italy: A Poliziotteschi Primer|Birth.movies.Death.
  37. 10 Essential Films For An Introduction To Cinema du Look – Taste of Cinema
  38. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au av aw ax ay «Actors of the '70s: Then and now». msn.com. Consultado em 19 de julho de 2018 
  39. «McCabe & Mrs. Miller (1971)». Flickchart. Consultado em 21 de julho de 2018 
  40. «The Best Movies Starring Ned Beatty». Flickchart. Consultado em 21 de julho de 2018 
  41. Warren Beatty: 10 essential films. "He helped usher in New Hollywood with Bonnie and Clyde, and became one of the key actors of that 1970s golden age of American cinema." BFI Website, 27 de março de 2017. Acessado em 7 de fevereiro de February 2021.
  42. a b c d e f g h i j k «New Hollywood». Flickchart. Consultado em 19 de julho de 2018 
  43. a b c d e «A HISTORY OF AMERICAN NEW WAVE CINEMA Part Three: New Hollywood (1970–1971)». newwavefilm.com. Consultado em 21 de julho de 2018 
  44. Why 1974 Was Mel Brooks's Best Year|Best Movies by Farr
  45. «The Best Movies Starring Keith Carradine». Flickchart. Consultado em 21 de julho de 2018 
  46. a b TV News Desk. «BAMcinématek to Present A Different Picture: Women Filmmakers in the New Hollywood Era». broadwayworld.com. Consultado em 21 de julho de 2018 
  47. a b «The 70s was the golden age of Hollywood. But why? | Film». The Guardian. Consultado em 19 de julho de 2018 
  48. a b «20 Movies That Prove That The 1970s Was The Best Decade For Film-Page 14-8. One Flew Over The Cuckoo's Nest». whatculture.com. Consultado em 19 de julho de 2018 
  49. a b c Personal Criticism|The New Yorker
  50. a b c «Trends in 70's Cinema: New Hollywood». cinelinx.com. Consultado em 19 de julho de 2018 
  51. «The Best Movies Starring Richard Gere». Flickchart. Consultado em 21 de julho de 2018 
  52. Oscar-winner Lee Grant talks classic films, the blacklist and being a female director in Hollywood - Los Angeles Times
  53. a b c d e f g «The Greatest Era in Film History: 10 Movies From '70s America». Paste Magazine. Consultado em 19 de julho de 2018 
  54. a b «Peter Bogdanovich, Between Old and New Hollywood - Harvard Film Archive». hcl.harvard.edu. Consultado em 21 de julho de 2018. Cópia arquivada em 21 de junho de 2013 
  55. a b «New Hollywood (1967–1977)». jahsonic.com. Consultado em 19 de julho de 2018 
  56. a b «Losers Take All: On the New American Cinema». The Nation. Consultado em 21 de julho de 2018 
  57. «All That Jazz (1979)». Flickchart. Consultado em 21 de julho de 2018 
  58. «Guess Who's Coming to Dinner (1967)». Flickchart. Consultado em 21 de julho de 2018 
  59. «Julia (1977)». Flickchart. Consultado em 21 de julho de 2018 
  60. «The Best Movies Starring Jason Robards». Flickchart. Consultado em 21 de julho de 2018 
  61. «Days of Heaven (1978)». Flickchart. Consultado em 21 de julho de 2018 
  62. «The Best Movies Starring Tom Skerritt». Flickchart. Consultado em 21 de julho de 2018 
  63. «Melvin and Howard (1980)». Flickchart. Consultado em 21 de julho de 2018 
  64. «The Late Show (1977)». Flickchart. Consultado em 21 de julho de 2018 
  65. a b «You're a Big Boy Now (1966)». Flickchart. Consultado em 21 de julho de 2018 
  66. «20 Movies That Prove That The 1970s Was The Best Decade For Film-Page 2-20.Alien». whatculture.com. Consultado em 19 de julho de 2018 
  67. a b c d e f «The 10 Greatest Directors of The New Hollywood Era « Taste of Cinema - Movie Reviews and Classic Movie Lists». www.tasteofcinema.com 
  68. a b c d «The 10 Greatest Directors of The New Hollywood Era « Taste of Cinema - Movie Reviews and Classic Movie Lists». www.tasteofcinema.com 
  69. a b c d e f g h i j k l m n «A HISTORY OF AMERICAN NEW WAVE CINEMA Part Three: New Hollywood (1967–1969)». newwavefilm.com. Consultado em 19 de julho de 2018 
  70. The shallow Hal skims the career of the director behind Harold And Maude and Being There-AV Club
  71. «The Best Movies Directed by John G. Avildsen». Flickchart. Consultado em 19 de julho de 2018 
  72. a b «10 essential New Hollywood directors you should know». Little White Lies. Consultado em 19 de julho de 2018 
  73. «Inner City Hues: The Ralph Bakshi Q&A». Wax Poetics. Consultado em 19 de julho de 2018 
  74. «The China Syndrome (1979)». Flickchart. Consultado em 21 de julho de 2018 
  75. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u Thompson & Bordwell 2003, p. 528.
  76. a b c d e Michalis Kokonis (4 de fevereiro de 2009). «Hollywood's Major Crisis and the American Film "Renaissance"» (PDF). Consultado em 21 de julho de 2018 
  77. a b c d «Top 100 Best 70s Movies». filmschoolwtf.com. Consultado em 19 de julho de 2018 
  78. a b c Bernardoni, J. (2001). The New Hollywood: What the Movies Did with the New Freedoms of the Seventies. [S.l.]: McFarland, Incorporated, Publishers. p. 14. ISBN 9780786483075. Consultado em 19 de julho de 2018 
  79. «The Top 10 Movies Directed by Walter Hill». Flickchart. Consultado em 21 de julho de 2018 
  80. Aurthur, Kate. «Hollywood's Forgotten Gay Romance». BuzzFeed 
  81. «News - A Never Ending (Love) Story?». www.kino-zeit.de 
  82. Staff, The Playlist; Staff, The Playlist (24 de abril de 2014). «10 Great Overlooked Films From The 1970s» 
  83. «Hollywood has never matched the gritty masterpieces of the 1970s». Telegraph. Consultado em 21 de julho de 2018 
  84. Film Comment
  85. Paul Mazursky Dead: A Poetic Farceur of American Lives – Variety
  86. New Hollywood Rewind: The Birth of the Blockbuster - AlternativeNation.net
  87. Jacobs, Laura. «The Devil Inside: Watching Rosemary's Baby in the Age of #MeToo». HWD 
  88. Alan Rudolph and Keith Carradine in Conversation on Notebook|MUBI
  89. «Allegories of post-Fordism in 1970s New Hollywood: Countercultural combat films, conspiracy thrillers as genre-recycling (2004) | Drehli Robnik». Academia.edu. Consultado em 19 de julho de 2018 
  90. a b The Last Great American Picture Show: New Hollywood Cinema in the 1970s on JSTOR
  91. «Remembering Pioneering Film Editor Dede Allen: NPR». npr.org. Consultado em 21 de julho de 2018 
  92. a b «The 30 Greatest Cinematographers of All Time « Taste of Cinema - Movie Reviews and Classic Movie Lists». tasteofcinema.com. Consultado em 21 de julho de 2018 
  93. eFilmCritic - Bill Butler, Cinematographer - Profile Interview Series Vol.7
  94. Classic Hollywood: This will turn your head around: 'The Excorcist' turns 45 this month-LA Times
  95. «Wendy Carlos - A Clockwork Orange: Wendy Carlos's Complete Original Score - Amazon.com Music». amazon.com. Consultado em 21 de julho de 2018 
  96. «What Paddy Chayefsky's Notes on 'Network' Teach Us about 'Parenting' a Screenplay». No Film School. Consultado em 21 de julho de 2018 
  97. «Blow Out Soundtrack (1981)». soundtrack.net. Consultado em 21 de julho de 2018 
  98. «Sorcerer | Film Review». Slant Magazine. Consultado em 21 de julho de 2018 
  99. «Pat Garrett & Billy the Kid (1973)». Flickchart. Consultado em 21 de julho de 2018 
  100. a b «Watch: 'Siskel And Ebert' Discuss The Lost Classics Of the 1970s». theplaylist.net. Consultado em 2 de agosto de 2018 
  101. «Los Angeles Times - We are currently unavailable in your region». latimes.com. Consultado em 21 de julho de 2018 
  102. «Badlands (1973)-Articles-TCM.com». tcm.com. Consultado em 21 de julho de 2018 
  103. «Chinatown Soundtrack (1974)». soundtrack.net. Consultado em 21 de julho de 2018 
  104. «The 30 Greatest Cinematographers of All Time « Taste of Cinema - Movie Reviews and Classic Movie Lists». tasteofcinema.com. Consultado em 21 de julho de 2018 
  105. Quincy Goes to Hollywood|The Current|The Criterion Collection
  106. «Filmmaker's Handbook: What is the New Hollywood movement?». ScreenPrism. Consultado em 21 de julho de 2018 
  107. a b «A HISTORY OF AMERICAN NEW WAVE CINEMA Part Three: New Hollywood (1970–1971)». newwavefilm.com. Consultado em 19 de julho de 2018 
  108. «Days Of Heaven Soundtrack (1978)». soundtrack.net. Consultado em 21 de julho de 2018 
  109. «Jack Nitzsche, Jack Nitzsche - One Flew Over The Cuckoo's Nest: Original Soundtrack - Amazon.com Music». amazon.com. Consultado em 21 de julho de 2018 
  110. «The Exorcist Soundtrack (1973)». soundtrack.net. Consultado em 21 de julho de 2018 
  111. ‘You Must Remember This’: How an Unfinished Memoir Reveals Polly Platt’s Forgotten Hollywood Legacy|IndieWire
  112. «OWEN ROIZMAN | Oscars.org | Academy of Motion Picture Arts and Sciences». oscars.org. Consultado em 21 de julho de 2018 
  113. «Bullitt Soundtrack (1968)». soundtrack.net. Consultado em 21 de julho de 2018 
  114. «The Conversation Soundtrack (1974)». soundtrack.net. Consultado em 21 de julho de 2018 
  115. «The 10 Most Influential Cinematographers of All Time « Taste of Cinema - Movie Reviews and Classic Movie Lists». tasteofcinema.com. Consultado em 21 de julho de 2018 
  116. «'The Last Detail': Hal Ashby and Robert Towne's Slice of the '70s America • Cinephilia & Beyond». cinephiliabeyond.org. Consultado em 21 de julho de 2018 
  117. One from the Heart - Tom Waits, Crystal Gale|AllMusic
  118. Jon Burlingame. «John Williams Could Set Another Oscar Record». Variety. Consultado em 21 de julho de 2018 
  119. «Remembering Legendary Cinematographers Haskell Wexler and Vilmos Zsigmond». American Film Institute. Consultado em 21 de julho de 2018 
  120. Kreps, Daniel (2 de julho de 2016). «Michael Cimino, 'The Deer Hunter' Director, Dead at 77» 
  121. a b c d e 15 Sleeper Films Of The New Hollywood Era That Are Worth Seeing« Taste of Cinema
  122. «The Chase» – via www.flickchart.com 
  123. a b c d e f g h Thompson & Bordwell 2003, p. 515.
  124. Stevens, Kyle (2011). DiMare, Philip C., ed. Who's Afraid of Virginia Woolf?. Movies in American History: An Encyclopedia. 1. [S.l.]: ABC-CLIO. pp. 528–530. ISBN 9781598842968 
  125. «Seconds» – via www.flickchart.com 
  126. «The Shooting» – via www.flickchart.com 
  127. «The Best Movies Directed by Monte Hellman». Flickchart 
  128. «In the Heat of the Night» – via www.flickchart.com 
  129. a b c Thompson & Bordwell 2003, p. 513.
  130. a b c d Harris 2008, p. 1–4.
  131. a b c d e f g h i j k l m n Krämer 2005, p. 8.
  132. «In Cold Blood» – via www.flickchart.com 
  133. «Reflections in a Golden Eye» – via www.flickchart.com 
  134. «The Best Movies Starring Paul Newman». Flickchart 
  135. «Who's That Knocking At My Door» – via www.flickchart.com 
  136. a b Thompson & Bordwell 2003, p. 514.
  137. a b Harris 2008, p. 386.
  138. a b c d e f g 25 New Hollywood Era Films That Projected the Hopes and Fears of the Times
  139. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x «New American Cinema» 
  140. «The Best Movies Directed by John Cassavetes». Flickchart 
  141. «THE SWIMMER - American Cinematheque». www.americancinemathequecalendar.com 
  142. a b c d e f g h i j k l m n o Thompson & Bordwell 2003, p. 516.
  143. a b c d Thompson & Bordwell 2003, p. 517.
  144. Harris 2008, pp. 416–417.
  145. a b c Harris 2008, p. 422.
  146. «The Thomas Crown Affair» – via www.flickchart.com 
  147. Kirshner 2012, p. 127.
  148. a b Thompson & Bordwell 2003, p. 530.
  149. a b c d e f g Crawford, Travis (16 de dezembro de 2010). «Criterion: American Lost and Found: The BBS Story». Filmmaker Magazine. Consultado em 19 de fevereiro de 2013 
  150. a b c d e f g Thompson & Bordwell 2003, p. 518.
  151. Film History of the 1970s - filmsite.org
  152. a b c d e f g h i j Thompson & Bordwell 2003, p. 519.
  153. a b c d The 30 Most Underappreciated Movies of the New Hollywood Era « Taste of Cinema
  154. «Husbands (1970)». Flickchart. Consultado em 20 de abril de 2020 
  155. M*A*S*H at 50: the Robert Altman comedy that revels in cruel misogyny The Guardian. 21 de janeiro de 2020.
  156. a b «Return to New Hollywood». 15 de março de 2006 
  157. «The Landlord (1970)». Flickchart. Consultado em 20 de abril de 2020 
  158. New Hollywood Auteur|wcftr.commarts.wisc.edu
  159. «A New Leaf (1971)». Flickchart. Consultado em 20 de abril de 2020 
  160. Kirshner 2012, p. 94.
  161. a b c d e The 30 Most Underappreciated Movies of the New Hollywood Era « Taste of Cinema
  162. Nordine, Michael (11 de abril de 2017). «New Hollywood: 50 Movies That Reshaped the Film Industry: Carnal Knowledge (1971)». IndieWire. Consultado em 12 de março de 2018 
  163. a b c The 30 Most Underappreciated Movies of the New Hollywood Era « Taste of Cinema
  164. «The Hospital (1971)». Flickchart. Consultado em 20 de abril de 2020 
  165. Hitchman, Simon (2015). «A History of American New Wave Cinema» 
  166. «Harold and Maude (1971)». Flickchart. Consultado em 20 de abril de 2020 
  167. «THX 1138 (1971)». Flickchart. Consultado em 20 de abril de 2020 
  168. «The Heartbreak Kid (1972)». Flickchart. Consultado em 20 de abril de 2020 
  169. Nordine, Michael (11 de abril de 2017). «New Hollywood: 50 Movies That Reshaped the Film Industry: Cabaret (1972)». IndieWire. Consultado em 12 de março de 2018 
  170. Nordine, Michael (11 de abril de 2017). «New Hollywood: 50 Movies That Reshaped the Film Industry: Deliverance (1972)». IndieWire. Consultado em 12 de março de 2018 
  171. a b c d The 30 Most Underappreciated Movies of the New Hollywood Era « Taste of Cinema
  172. Nordine, Michael (11 de abril de 2017). «New Hollywood: 50 Movies That Reshaped the Film Industry: Fat City (1972)». IndieWire. Consultado em 12 de março de 2018 
  173. 15 Sleeper Films Of The New Hollywood Era That Are Worth Seeing« Taste of Cinema
  174. Krämer 2005, p. 50.
  175. Symmons, Tom (13 de junho de 2016). The New Hollywood Historical Film: 1967-78. [S.l.: s.n.] p. 61. ISBN 9781137529305 
  176. «The Friends of Eddie Coyle (1973)». Flickchart. Consultado em 19 de julho de 2018 
  177. a b Phipps, Keith. «New Hollywood gumshoes: The Long Goodbye, The Late Show, Night Moves». Film 
  178. 'Hal' Review: A Portrait of Hal Ashby, the fabled 70s Director — Variety
  179. The New Hollywood - Lewis Center for the Arts
  180. Nordine, Michael (11 de abril de 2017). «New Hollywood: 50 Movies That Reshaped the Film Industry: Paper Moon (1973)». IndieWire. Consultado em 12 de março de 2018 
  181. Langford 2010, p. 148.
  182. «Blume in Love (1973)». Flickchart. Consultado em 20 de abril de 2020 
  183. Nordine, Michael (11 de abril de 2017). «New Hollywood: 50 Movies That Reshaped the Film Industry: Serpico (1973)». IndieWire. Consultado em 12 de março de 2018 
  184. Wolfe, Denise (28 de julho de 2014). «"Alice Doesn't Live Here Anymore" - 1974: New Hollywood's Golden Year». Purple Clover 
  185. «Thieves Like Us (1974)». Flickchart. Consultado em 20 de abril de 2020 
  186. Robert Altman|NE Film Center
  187. a b c d Perno, G.S. (20 de setembro de 2015). «Trends in 70's Cinema: New Hollywood». Cinelinx. Consultado em 12 de março de 2018 
  188. «The Taking of Pelham One Two Three (1974)». Flickchart. Consultado em 25 de julho de 2018 
  189. Nordine, Michael (11 de abril de 2017). «New Hollywood: 50 Movies That Reshaped the Film Industry: Dog Day Afternoon (1975)». IndieWire. Consultado em 12 de março de 2018 
  190. Cheever, Abigail (11 de junho de 2018). «Unpredictable: Three Days of the Condor, Information Theory, and The Remaking of Professional Ideology». Post45. Consultado em 11 de março de 2020 
  191. a b c d e f Thompson & Bordwell 2003, p. 527.
  192. a b Harris 2008, p. 419.
  193. Symmons, Tom (2016). The 'New Wave' and 'Old Hollywood': The Day of the Locust (1975), 'Movies About the Movies' and the Generational Divide. [S.l.: s.n.] pp. 21–56. ISBN 978-1-137-52929-9. doi:10.1057/978-1-137-52930-5_2 
  194. Thompson & Bordwell 2003, p. 617.
  195. «Mikey and Nicky (1976)». Flickchart. Consultado em 20 de abril de 2020 
  196. Nordine, Michael (11 de abril de 2017). «New Hollywood: 50 Movies That Reshaped the Film Industry: All the President's Men (1976)». IndieWire. Consultado em 12 de março de 2018 
  197. Brayton, Tim (11 de junho de 2015). «Summer of Blood: New Hollywood Horror - Little devil». Alternative Ending. Consultado em 12 de março de 2018 
  198. New Hollywood: 50 Movies That Reshaped the Film Industry|IndieWire
  199. Nordine, Michael (11 de abril de 2017). «New Hollywood: 50 Movies That Reshaped the Film Industry: Annie Hall (1977)». IndieWire. Consultado em 12 de março de 2018 
  200. «The Late Show» – via www.flickchart.com 
  201. Nordine, Michael (11 de abril de 2017). «New Hollywood: 50 Movies That Reshaped the Film Industry: Looking for Mr. Goodbar (1977)». IndieWire. Consultado em 12 de março de 2018 
  202. «New York, New York (1977)». Flickchart. Consultado em 20 de abril de 2020 
  203. «Opening Night (1977)». Flickchart. Consultado em 20 de abril de 2020 
  204. Nordine, Michael (11 de abril de 2017). «Sorcerer (1977)». IndieWire. Consultado em 12 de março de 2018 
  205. «Coming Home (1978)». Flickchart. Consultado em 20 de abril de 2020 
  206. «F.I.S.T» – via www.flickchart.com 
  207. «Big Wednesday (1978)». Flickchart. Consultado em 20 de abril de 2020 
  208. «Invasion of the Body Snatchers (1978)». Flickchart. Consultado em 20 de abril de 2020 
  209. Nordine, Michael (11 de abril de 2017). «All That Jazz (1979)». IndieWire. Consultado em 12 de março de 2018 
  210. «...and justice for all.» – via www.flickchart.com 
  211. «Being There (1979)». Flickchart. Consultado em 20 de abril de 2020 
  212. «Kramer vs. Kramer(1979)». Flickchart. Consultado em 23 de novembro de 2018 
  213. «Manhattan (1979)». Flickchart. Consultado em 23 de novembro de 2018 
  214. «Wise Blood (1979)». Flickchart. Consultado em 21 de julho de 2018 
  215. «Raging Bull (1980)». Flickchart. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  216. Nordine, Michael (11 de abril de 2017). «Cruising (1980)». IndieWire. Consultado em 12 de março de 2018 
  217. Thompson & Bordwell 2003, p. 521.
  218. Nordine, Michael (11 de abril de 2017). «Heaven's Gate (1980)». IndieWire. Consultado em 12 de março de 2018 
  219. «Blow Out (1981)». Flickchart 
  220. a b Thompson & Bordwell 2003, p. 524.
  221. Thompson & Bordwell 2003, p. 621.
  222. Saporito, Jeff (14 de julho de 2016). «The Filmmaker's Handbook: What was the New Hollywood movement». Screen Prism. Consultado em 12 de março de 2018 
  223. directorsseries (8 de maio de 2017). «Francis Ford Coppola's "One From The Heart" (1982)» 
  224. «The King of Comedy» – via www.flickchart.com 
Ícone de esboço Este artigo sobre cinema é um esboço relacionado ao Projeto Entretenimento. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.