Novos tigres asiáticos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Os Novos Tigres Asiáticos (em amarelo) e os "Velhos Tigres" (em vermelho).

O termo Novos tigres asiáticos refere-se às economias dos cinco países do Sudeste Asiático que experimentaram um boom econômico seguindo a tendência que ocorreu aos tigres asiáticos tradicionais.[1] Compõem este grupo Filipinas, Indonésia, Malásia, Tailândia[2] e Vietnã.[3][4][5] Essas economias seguiram o ciclo experimentado pelos quatro primeiros tigres: Hong Kong, Singapura, Coréia do Sul e República da China (Taiwan).

Podem ser denominados na literatura econômica como jovens tigres, os filhotes de tigres,[6] ou tigres asiáticos, passando o grupo dos "velhos tigres" a se chamarem "dragões asiáticos".

Características[editar | editar código-fonte]

Os novos tigres têm uma economia centrada na exportação de produtos para nações altamente industrializadas. Em muitos casos, políticas fiscais foram implementadas para que a população local fosse desencorajada a consumir produtos de outras nações, semelhante a política adotada pelo Japão durante o milagre econômico.[7]

Os Novos Tigres optaram por dar isenção fiscal (diminuição de impostos) para que multinacionais se instalassem em seus territórios. Numa direção puramente neoliberal, flexibilizaram as leis trabalhistas e ambientais, além de forçar a massa salarial para que permanecesse extremamente baixa, dando espaço para uma maior lucratividade para as empresas.[8][9]

Nos Novos Tigres há crescimento econômico, mas ao contrário dos "Velhos Tigres", não há um desenvolvimento econômico de fato, pois os indicadores sociais dos referidos países, após mais de 30 anos de crescimento acelerado, ainda permanecem baixos.[10]

Todos os novos tigres asiáticos são países recém-industrializados. A Indonésia, o Vietnã e as Filipinas estão incluídos na lista das economias Next eleven da Goldman Sachs,[11] e todos estão incluídos na lista das 50 maiores economias em 2050, formulada pelo banco HSBC.[12]

Referências

  1. CUNHA, Andre Moreira (2008). «A ascensão da China à condição de potência econômica : há algo de novo no "modelo asiático"?». João Pessoa: UFRGS/Encontro Nacional de Economia Politica. 
  2. HO-FUNG, Hung (2011). «O braço direito dos Estados Unidos? o dilema da República Popular da China na crise global». São Paulo: Novos estud. - CEBRAP/Scielo. 
  3. «Vietnam, o Novo Tigre Asiático». Asia Comentada. 
  4. Especial: Vietnã, 25 Anos Depois - Um novo tigre asiático? - BBC Brasil
  5. PAUTASSO, D.; CARDOSO, A. K.. A Nova Ordem Energética Internacional. São Paulo: Escola Superior de Propaganda e Marketing/II Seminário de Iniciação Científica da ESPM – São Paulo: 2013
  6. «O Último Legatum Prosperity Index™ Aponta Riscos para o Sonho Americano em Ano Eleitoral-Chave». PR Newswire Association LLC. 
  7. MAGALHÃES, Diego Trindade d'Ávila (2011). «O novo norte do sul: emergentes como vetores da globalização no mundo em desenvolvimento». Belo Horizonte: 3° Encontro Nacional ABRI 2011/Scielo. 
  8. «Revoluções Comerciais» (PDF). Portal EducarBrasil. 
  9. «Os Novos Tigres». Brasil Escola. 
  10. "Tigres asiáticos” e Europa Oriental: O aprofundamento da crise capitalista - Diário Liberdade
  11. «Avaliações voláteis». Estadão. 
  12. «The world in 2050: Quantifying the shift in the global economy (HSBC bank's report)». Demographic Research Institute.