Nuvens (álbum)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nuvens
Álbum de estúdio de Tim Maia
Lançamento 1982
Gravação 1982
Gênero(s) Soul, funk
Duração 37:38
Idioma(s) Português
Formato(s) LP e CD (relançamento)[1]
Gravadora(s) Seroma[2]
Produção Tim Maia
Arranjos Tim Maia
Cronologia de Cronologia de estúdio por Tim Maia
Tim Maia
(1980)
O Descobridor dos Sete Mares
(1983)

Nuvens é um álbum de estúdio do cantor e compositor brasileiro Tim Maia, lançado em 1982 pelo selo independente de Tim, a Seroma.[2] Foi relançado em CD apenas em 2011, pela Editora Abril.[1]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Tim havia tido passagens turbulentas pelas cinco principais gravadoras do mercado fonográfico brasileiro (PolyGram, CBS, RCA, Warner e Odeon),[3] com histórico de brigas com produtores, executivos e técnicos,[1] e, portanto, nenhuma gravadora estava interessada em lhe oferecer um contrato e a oportunidade de lançar um disco. Com a sua situação financeira se agravando[3] e, também, a necessidade musical de lançar um novo disco, Tim Maia decide lançar o álbum de maneira independente utilizando-se novamente de sua gravadora, a Seroma (epíteto de Sebastião Rodrigues Maia),[3] para realizar o lançamento, assim como tinha feito com os discos da sua fase racional e com o seu álbum em inglês de 1976.

Entretanto, Tim ainda tinha o problema de como financiar a produção do álbum, isto é, os gastos com estúdio, músicos, prensagem e distribuição do disco.[3] Ao contrário do álbum em inglês para o qual Maia teve o adiantamento da gravadora para gravar seu álbum de 1976 ajudando a bancar os custos do disco independente,[3] agora o artista não poderia fazer o mesmo, devido as brigas. Tim, então, teve a idéia de produzir e lançar um compacto que, tendo a produção mais rápida, necessitaria de menos capital para custeá-lo e, se fosse um sucesso, poderia render dinheiro para bancar o álbum.[3][1]

Escolheu para o lado A uma música de seu amigo Edson Trindade, compositor de Gostava Tanto de Você, e Cleonice, muito romântica,[3] chamada "Amiga". Acreditou que era sucesso certo e colocou uma composição sua como lado B, "Do Leme ao Pontal".[3] O lançamento se deu no final de 1981 e, ao contrário das previsões de Tim, foi o lado B que emplacou fortemente nas rádios, tornando-se um forte sucesso do verão e alçou as vendas do compacto a 20 mil cópias,[1] mesmo com os problemas de distribuição da gravadora independente de Tim.[3]

Gravação e produção[editar | editar código-fonte]

Tim reuniu uma banda com Luiz Carlos na bateria, Rubens Sabino no baixo, Pedro Carlos Fernandes nos pianos e teclados e Beto Cajueiro na guitarra, além do trio de metais formado por Paulo no trompete, Marcelo no sax e Simões no trombone[3] para ensaiar, compor e trabalhar nos arranjos das músicas em sua casa antes de entrar em estúdio, de modo a economizar nas gravações que são pagas por hora.[3] Maia, que não sabia ler nem escrever partituras,[3] nem tinha dinheiro para pagar um maestro como Lincoln Olivetti (que havia trabalhado nessa função nos seus discos anteriores: fazendo arranjos e passando para a pauta arranjos passados por Tim[3]), passava os arranjos para a banda, e especialmente o naipe de metais, através da boca, cantarolando as notas que deviam ser feitas.[3]

Resenha musical[editar | editar código-fonte]

O álbum abre com o soul romântico de "Nuvens", de Cassiano e Deny King, com harmônia complexa em estilo bossa-nova e melodia bela e sinuosa, pontuada por guitarras funk e frases dos metais.[3] Na sequência vem a maior surpresa do disco, um samba clássico sem frases de soul, com música e letra de Tim Maia. A inovação é o uso de guitarras e dos metais da Vitória Régia, misturando funk e gafieira.[3] A terceira é uma parceria de Tim com Robson Jorge, um funk-soul muito suingado e dançante, com letra ecologista numa época em que poucos falavam disso.[3] Em seguida temos "A Festa", um funk dançante no qual Tim utilizou o pessoal do estúdio e da banda para simular uma festa, com direito a risadas e palmas, e uma letra com forte tom de malandragem na qual o refrão é entremeado por pequenos raps executados em tom jocoso por Tim.[3]

No lado B, Tim canta uma das músicas mais tristes de sua carreira, o soul confessional "Ninguém Gosta de se Sentir Só".[3] Logo depois, a tristeza é substituída pela alegria de "Hadock Lobo Esquina com Matoso", um de seus maiores clássicos,[3] na qual ele conta a história da lanchonete do Divino onde ele, Erasmo Carlos, Roberto Carlos e Jorge Ben Jor se conheceram, quando eram apenas adolescentes pobres que gostavam de música na Tijuca.[3] Além disso, o álbum contava com a regravação do grande clássico do seu amigo Hyldon.[1]

Recepção[editar | editar código-fonte]

O álbum é considerado pela crítica como um dos melhores do artista, rivalizando com seu álbum de estréia, o homônimo de 1971, o primeiro racional e o Tim Maia Disco Club,[3] sendo considerado uma "obra-prima da música popular brasileira".[1]

Entretanto, com a distribuição errática da gravadora independente de Tim Maia, muitas vezes feita de mão em mão,[3] e como a idéia inicial já era de produzir um disco sem os costumes das grandes gravadoras, isto é, nada de "jabá" para as rádios, marketing ou festas para imprensa, deixando o álbum entregue à própria sorte e ao talento dos músicos,[3] o que é considerado como um dos seus melhores trabalhos é, também, um dos menos vendidos e menos conhecidos pelo grande público.[3]

Faixas[editar | editar código-fonte]

Todas as músicas escritas por Tim Maia, exceto onde indicado:

Lado A
N.º Título Compositor(es) Duração
1. "Nuvens"   Cassiano e Deny King 3:05
2. "Outra Mulher"     3:11
3. "Ar Puro"   Tim Maia e Robson Jorge 3:08
4. "O Trem - 1ª Parte"     1:56
5. "A Festa"     4:26
6. "Apesar dos Poucos Anos"   Tim Maia e Beto Cajueiro 3:24
Lado B
N.º Título Compositor(es) Duração
1. "Deixar as Coisas Tristes para Depois"   Pedro Carlos Fernandes 2:58
2. "Ninguém Gosta de se Sentir Só"     3:13
3. "Hadock Lobo Esquina com Matoso"     3:53
4. "O Trem - 2ª Parte"     1:56
5. "Casinha de Sapê"   Hyldon 3:38
6. "Sol Brilhante"   Tim Maia e Rubens Sabino 2:50

Músicos[editar | editar código-fonte]

  • Luiz Carlos: Bateria e vocal
  • Rubens Sabino: baixo, violão e guitarra em "Sol Brilhante"
  • Pedro Carlos Fernandes: piano acústico, piano elétrico, arp string, violão e guitarra em "Deixar as Coisas Tristes pra Depois"
  • Beto Cajueiro: guitarra
  • Tim Maia: violão, tumbadora, bongô, timbales, percussão, vocal e baixo em "Sol Brilhante"
  • Paulo: Trompete
  • Marcelo: Saxofone
  • Simões: Trombone
  • Cassiano: violão em "Nuvens"
  • Hyldon: violão em "Casinha de Sapê", guitarra em "Ninguém Gosta de se Sentir Só" e vocal em "Sol Brilhante"
  • João Batista (Tinho): sax em "O Trem" e vocal
  • Cidinho: bongô e percussão em "Ar Puro"
  • Paulinho Ovelha: vocal em "Nuvens"
  • Celso Tavares: vocal
  • Vocal, palmas e alegrias em "A Festa": Celso Tavares, Mauro, Amilton, Camarão, Penha, Wanda, Márcia e Marta.

Histórico de lançamento[editar | editar código-fonte]

Região Data Formato Gravadora
 Brasil[2] 1982 LP Seroma
 Brasil[1] 2011 CD Editora Abril

Referências

  1. a b c d e f g h "Coleção Abril Tim Maia". Publicado em 15 de setembro de 2011. Página visitada em 02 de setembro de 2012.
  2. a b c "Nuvens". Publicado por CliqueMusic. Página visitada 02 de setembro de 2012.
  3. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y MOTTA, Nelson. Vale Tudo: O som e a fúria de Tim Maia. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007.
Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de Tim Maia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.