OVNIs avistados em Nova Jérsei em 1978

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Uma série de OVNIs avistados foi relatada em Nova Jérsei, Estados Unidos, em 18 de janeiro de 1978.

Todas as informações do caso foram enviadas ao ufologista norte-americano Leonard H. Stringfield por um segurança da Base da Força Aérea de McGuire. Naquele dia, entre as 3 horas e as 5 horas da manhã, muitas visualizações foram relatadas numa área militar da Nova Jérsei, onde a base aérea e da bas Fort Dix localizam-se. De acordo com os relatos, cerca de doze objetos foram vistos e perseguidos por veículos das bases, assim como veículos da Polícia do Estado de Nova Jérsei.

O segurança, chamado Jeffrey Morse,[1] estava fazendo uma patrulha de rotina, quando alguém o contou pelo rádio transmissor que um policial de Fort Dix estava perseguindo um objeto que voava em baixa altitude.

O objeto teria voado acima da viatura, permitindo que o policial o observasse de perto. Ele descreveu o objeto como sendo ovalado, iluminado por luzes verdes e azuis. Logo, a transmissão dos rádios foi interrompida. Repentinamente, uma criatura humanóide de cerca de 1,20 metro de altura apareceu na frente da viatura. Era marrom e tinha braços longos, corpo magro e uma grande cabeça. O policial atirou cinco vezes na criatura e também deu um tiro no objeto voador. A nave então voou verticalmente em direção ao céu, onde ela se juntou a onze objetos similares. Todas as bases da região ficaram em alerta total, e várias viaturas começaram a procurar pela criatura atingida pelos tiros.

De acordo com uma testemunha, a criatura teria sido encontrada perto de uma pista de pouso, aparentemente tentando escalar a cerca que rodeava a pista. A área foi imediatamente isolada e somente pessoal autorizado podia adentrá-la.

O Escritório de Investigações Especiais da Força Aérea chegou ao local e encarregou-se do incidente. O lugar tinha um forte cheiro de amônia. Pessoas e equipamentos foram trazidos da Base da Força Aérea Wright-Patterson para o local, em um avião C141. Algumas testemunhas dizem terem visto pesquisadores empacotando algo desconhecido, colocando o pacote em uma caixa de madeira e finalmente em uma de metal. A caixa foi carregada para um avião e decolou. Todas as pessoas envolvidas foram alertadas a não contar para ninguém sobre o ocorrido, sob risco de corte marcial. O governo norte-americano anunciou que nada de incomum ocorreu naquele dia.

Jeffrey publicou mais tarde uma carta relatando a sua experiência:[1]

Em janeiro de 1978, eu estava estacionado na Base McGuire, NJ. Numa noite, entre as 3 da manhã e as 5 da manhã, houve um número de OVNIs avistados na área do aeroporto e do Fort Dix. Eu sou um policial de segurança e estava em uma patrulha de rotina naquele momento. A polícia do Estado de NJ, e os policiais do Fort Dix estavam se dirigindo a Brownsville, NJ. Um policial então surgiu no portão #5 nos fundos da base pedindo assistência e permissão para entrar. Eu fui despachado e o policial queria acesso à área da pista de pouso que ia para a parte mais ao fundo do aeroporto e conectada com uma área densamente arborizada que é parte da área de treinamento de Dix. Ele me informou que um policial de Fort Dix estava perseguindo um objeto voando a baixa altitude que flutuou acima do seu carro. Ele o descreveu como ovalado, sem detalhes, e brilhando com uma cor verde-azulada. Sua transmissão de rádio foi cortada. Naquele momento em frente à sua viatura, surgiu uma coisa, de cerca de 4 pés de altura, acinzentada, com uma cabeça gorda e marrom, braços longos e corpo magro. O policial entrou em pânico e disparou cinco projéteis de sua Cal.45 na coisa, e um projétil no objeto acima. O objeto então voou diretamente para cima e se juntou a onze outros no alto do céu. Nós vimos tudo isso mas não sabíamos os detalhes no momento; De qualquer forma, a coisa correu floresta adentro em direção à nossa cerca e queriam procurar por ela. Naquela hora, várias patrulhas estavam involvidas.

Nós achamos o corpo da coisa perto da pista de pouso. Ela aparentemente escalou a cerca e morreu enquanto corria. Foi uma correria repentina e ninguém teve permissão para ficar perto da área. Nós isolamos a área e o EIE da FA veio e encarregou-se. Foi a última vez que o vi. Havia um mau-cheiro vindo dele também. Como cheiro de amônia mas não era constante no ar. Naquele dia um grupo da BFA Wright-Patterson vieram em um C141 e foram para a área. Eles colocaram a coisa numa caixa de madeira, espirraram algo nela, e depois a colocaram em uma caixa maior de metal. Colocaram então num avião e decolaram. Foi isso, nada mais foi dito, nenhum relatório feito e nós fomos todos ditos para não dizer nada sobre isso, ou seríamos levados à corte marcial.

References[editar | editar código-fonte]

  1. a b Fort Dix / McGuire AFB Case. UFO Evidence. Página visitada em 2009-08-16.
  • Castro, Michelle (16 de novembro de 2003). O Caso Nova Jersey 1978. Vigilia. Página visitada em 2007-02-27. (português)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]