O Carnaval dos Animais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Carnaval dos Animais, em francês, Le Carnaval des Animaux, é uma peça para dois pianos e orquestra do compositor francês Camille Saint-Saëns composta em fevereiro de 1886, quando o compositor passava férias em uma pequena aldeia na Áustria, após ter chego de uma turnê sem muito sucesso na Alemanha.

Longe de ser uma inocente peça musical, o compositor tinha por objetivo fazer uma crítica ao cenário musical parisiense no fim do século XIX.

O compositor não permitiu que a obra fosse publicada durante em vida, pois temia que ela arruinasse sua reputação de "compositor sério". Cheia de referências a outros compositores, a obra foi publicada apenas após a sua morte (com exceção do movimento O Cisne que por ter caráter mais sério foi publicado ainda em vida[1]).

Essa obra é composta por 14 movimentos para ser apresentada na terça-feira gorda de carnaval.

Movimentos[editar | editar código-fonte]

A suíte é composta por 14 movimentos (13 descritivos às personagens, e o “Finale”).

I - Introdução e Marcha Real do Leão (Introduction et marche royale du lion)

Tema original de Saint-Saëns, os dois pianos trinam e arpejam; as cordas abrem a marcha do soberbo animal, imitando seus rugidos.

II - Galinhas e Galos (Poules et Coqs)

Clarinetes, pianos, violinos e viola em um breve trecho à moda de Rameau.

III - Mulas (Hémiones) (Asnos selvagens do Tibet. Animais muito velozes).

Tema original de Saint Saens, em um presto furioso, os dois pianos lançam-se em escalas em clima de loucura, e nunca se se alcançam.

IV - Tartarugas (Tortoises) 

Offenbach está presente aqui com uma paródia lenta do "Can Can", da obra Orfeu no Inferno. Tocada em andamento extremamente lento perlas cordas, sobre um acompanhamento do piano.

V - O Elefante (L'éléphant) 

O contrabaixo com sua imponência sonora conta com ornamentos do piano, tocam uma paródia lenta da As Sílfides de Chopin, com uma alusão ao scherzo do Sonho de uma noite de verão de Mendelsshon.

VI - Cangurus (Kangourous)

Tema original de Saint Saens, os pianistas 'saltitam', hesitam, param...

VII - Aquário (Aquarium)

Nesse tema original de Saint Saens, atuam a flauta,a celesta, os dois pianos e as cordas. As flautas dão um sentido de ondas, os pianos um sentido de nadar, a celesta faz parecer gotas de água.

VIII - Personagens de orelhas compridas (Personnages à longues oreilles)

Por poucos compassos, dois violinos alternam seus diálogos.

IX - O cuco nas profundezas dos bosques (Le coucou au fond des bois)

Com o acompanhamento do piano, a terça do cuco é dita e redita pelo clarinete.

X - Pássaros (Volière)

Tema original de Saint Saens, uma flauta chilreia com acompanhamento dos pianos e das cordas com a intenção de nos lembrar passarinhos em revoada.

XI - Pianistas (Pianistes)

Inspirada em pianistas iniciantes que incomodavam Saint Saens, e que era, segundo o compostor, 'verdadeiros animais, e não dos menos barulhentos'. Nesse movimento, os pianistas devem imitar o toque de um aluno de piano iniciante, alternado em escalas e terças duplas, com notas desafinadas. As cordas rangem, irritam-se e interrompem o insuportável duo.

XII - Fósseis (Fossils) 

As antiguidades – uma série de citações que se encadeiam vivamente. A Danse Macabre [2]do próprio Saint Saens surge como um leitmotiv do movimento, com o xilofone imitando ossos batendo uns nos outros.

XIII - O Cisne (Le Cygne)

Tema original de Saint Saens, o violoncelo toca sobre as harmonia dos pianos. No final ele "adormece".

XIV - Final (Finale)

Um desfile de toda a bicharada, onde desfilam os principais temas ouvidos durante a obra, inclusive a dos pianistas.[3]

  1. «Carnaval dos Animais». Alvaro Siviero. Consultado em 2016-05-23. 
  2. «Biografia de Charles Camille Saint-Saëns». www.biografiasyvidas.com. Consultado em 2016-05-23. 
  3. Animaux, Carnaval. Le Carnaval des Animaux Didier Jeunesse [S.l.] pp. 2 – 35.